Mostrando postagens com marcador Bandido. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bandido. Mostrar todas as postagens

Farah Jorge Farah

FARAH JORGE FARAH
(68 anos)
Médico

☼ São Paulo, SP (1949)
┼ São Paulo, SP (22/09/2017)

Farah Jorge Farah foi um ex-cirurgião plástico, nascido em São Paulo, SP, formalmente acusado e condenado em primeira instância por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e não dar chance de defesa à vítima) e ocultação e destruição de cadáver.

O crime, cometido no dia 24/01/2003, com requintes de crueldade, foi praticado contra sua paciente Maria do Carmo Alves, na época com 46 anos. A fim de dificultar a identificação do cadáver, Farah removeu cirurgicamente as peles faciais, das mãos e pés da vítima, guardando os restos mortais em sacos plásticos no porta-malas de seu veículo. Após o crime, Farah chamou a polícia, dizendo-se arrependido. Seu exame psicológico realizado através do Teste de Rorschach o considerou como um não psicopata e a psiquiatra, com Ph.D., que realizou o teste o classificou como uma pessoa boa e calma.

Por 4 votos a 1, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) havia concedido no dia 29/05/2007 um Habeas Corpus (HC 89238) para libertá-lo e aguardava a decisão final da justiça em liberdade. Farah havia ingressado como aluno da Universidade de São Paulo e Universidade Paulista.

Caso Farah Jorge Farah

Era noite de 24/01/2003, quando Maria do Carmo Alves, 46 anos, foi ao consultório do cirurgião plástico Farah Jorge Farah, na época com 53 anos, em Santana, Zona Norte de São Paulo. Ali, ela foi assassinada pelo médico, que conhecera em 1980 e com quem tivera um relacionamento extraconjugal. O corpo da dona de casa foi encontrado pela polícia dois dias depois, dividido em nove pedaços, guardados em cinco sacos de lixo depositados no porta-malas do carro de Farah, que declarou não se lembrar do que havia acontecido naquela noite.

De acordo com análises de peritos, Maria do Carmo pode ter sido esfaqueada no pescoço e depois arrastada para a sala de cirurgia da clínica. Farah voltou para casa, que ficava a poucos quarteirões, guardou o carro e depois de quatro horas retornou à clínica, onde permaneceu durante a madrugada, esquartejando a vítima.

Com o uso de instrumentos cirúrgicos, o corpo de Maria do Carmo foi dissecado e a pele de parte do rosto, do tórax e das pontas dos dedos das mãos e dos pés foi retirada. Os pedaços do corpo foram depositados numa banheira e cobertos com formol e água sanitária, evitando a decomposição, disfarçando o odor e ajudando a retirar o sangue dos membros e reduzir o peso da vítima, de 66 quilos para 30. Todo o processo teria levado cerca de dez horas.

Na madrugada do crime, o marido de Maria do Carmo, João Augusto Lima, foi até a delegacia para registrar um boletim pelo desaparecimento da esposa. No dia seguinte, sabendo da amizade entre o médico e a esposa e que ela iria procurá-lo para falar sobre uma lipoaspiração que desejava fazer, foi até a clínica, por volta das 11h00. Quando foi atendido por Farah, notou que o médico exalava um forte cheiro de água sanitária. O cirurgião anotou o número de seu celular num papel e disse que João poderia ligar caso precisasse.

Ao meio-dia, Farah ligou para os pais e pediu carona para voltar para casa. No consultório, a mãe do médico o viu em uma crise de choro não explicada. Quando o pai de Farah chegou ao local, o cirurgião foi com a mãe até o carro e pediu para que ambos aguardassem enquanto buscava os cinco sacos com material de trabalho, que foram colocados no porta-malas do veículo do pai. Farah passou a tarde toda com os pais e retornou ao final do dia para seu apartamento, quando transferiu os sacos para o próprio carro.

Na tarde do domingo, Farah se internou na clínica psiquiátrica Granja Julieta, na Zona Sul de São Paulo. A sobrinha foi visitá-lo e ele confessou o crime, entregando as chaves do carro para que ela pudesse encontrar o corpo. Tânia Maria Homsi foi até o prédio do tio, mas quando sentiu o cheiro que saía do porta-malas do carro, decidiu procurar o 13º Distrito Policial da capital paulista. Os policiais encontraram os sacos com os pedaços do corpo, sem as mãos e as vísceras da vítima, que poderiam apontar o uso de algum sedativo.

Farah Jorge Farah na carceragem do 13º Distrito Policial, após confessar o assassinato da amante.
Prisão e Habeas Corpus

A prisão preventiva do médico foi decretada pela Justiça a pedido da Promotoria em 28/01/2003. Na mesma data, Farah foi levado ao 13º Distrito Policial e interrogado pelo delegado Ítalo Miranda Júnior e pelo promotor Orides Boiati. Ali ele relatou que Maria do Carmo, inconformada com o fim do relacionamento, ligava constantemente fazendo ameaças e que ele já teria registrado Boletim de Ocorrência denunciando a perseguição que sofria. Na noite do crime, Farah afirmou que lembra que Maria do Carmo apareceu no consultório com uma faca e que, depois disso, havia perdido a consciência e recuperado os sentidos somente no domingo à tarde.

Em 2006, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) suspendeu o exercício profissional do cirurgião plástico.

Farah Jorge Farah permaneceu preso na carceragem do 13º Distrito Policial durante 4 anos e quatro meses, até que em 29/05/2007 a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) lhe concedeu um habeas corpus, em ação cujo relator foi o ministro Gilmar Mendes. No ano anterior, o ex-cirurgião havia conseguido um habeas corpus para não responder pelo crime de fraude processual.

Julgamento e Anulação

Farah Jorge Farah foi levado a júri em 15/04/2008, pelos crimes de homicídio duplamente qualificado - por motivo torpe e emprego de meio que impossibilitou a defesa da vítima - e ocultação de cadáver. Os advogados do médico solicitaram que Farah fosse considerado semi-imputável (Capaz de entender o crime, mas sem condições de se controlar) e defenderam a tese de homicídio privilegiado, alegando que ele era perseguido por Maria do Carmo. De acordo com relatórios de companhias de telefonia, em março de 2002 foram 3.708 ligações.

Já a promotoria buscou apresentar provas sobre o perfil criminoso de Farah. Dentre as testemunhas, foram ouvidas quatro mulheres que alegaram terem sido molestadas na clínica.

O julgamento durou três dias e Farah Jorge Farah foi condenado à pena mínima nos dois crimes: 12 anos de prisão pelo homicídio, mais um ano e multa de meio salário mínimo por ocultação de cadáver. Como havia sido beneficiado pelo habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF) e por entender que o ex-cirurgião não oferecia riscos, o juiz Rogério de Toledo Pierri decidiu que o médico poderia recorrer da sentença em liberdade.

Além de a lei permitir claramente que se recorra em liberdade de uma condenação criminal, pesou a favor do médico uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que o livrou da cadeia por entender que, em liberdade, ele não oferecia riscos para o andamento da ação penal.

Em 30/01/2013, a 2ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, por 2 votos a 1, determinou a anulação do julgamento, acolhendo o argumento da defesa de que o conselho de sentença havia ignorado o laudo oficial sobre Farah Jorge Farah, segundo o qual o réu estaria semi-imputável no momento do crime.

No dia 12/11/2013, a mesma Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decretaria extinta a punibilidade pela acusação de ocultação de cadáver, cuja pena varia de 1 a 3 anos de reclusão, pois o prazo de prescrição para o crime é de 8 anos e o julgamento de 2008 havia sido anulado.

Farah Jorge Farah no último julgamento, em 2014, no Fórum da Barra Funda, em São Paulo.
Novo Julgamento e Condenação

O novo julgamento de Farah Jorge Farah foi adiado por 5 vezes. Já com 64 anos, o ex-médico foi levado ao banco dos réus em 12/04/2014, no Fórum Criminal da Barra Funda. Foram ouvidas 16 testemunhas, 8 de acusação e 8 de defesa, além do próprio Farah, que manteve a alegação de legítima defesa. Após 4 dias de julgamento, o ex-médico foi condenado a 16 anos de prisão por homicídio e  esquartejamento.

A acusação defendeu a tese de crime premeditado, alegando que Farah teria atraído a vítima até a clínica dizendo que lhe faria uma lipoaspiração. A Promotoria também relembrou detalhes do crime, que Farah havia cortado o corpo da vítima e escondido os pedaços em sacos plásticos no porta-malas do carro.

Entre as testemunhas, estavam dois médicos que participaram da avaliação psiquiátrica de Farah. O psiquiatra Itiro Shirakawa, vice-presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, deu um parecer sobre o estado mental do ex-cirurgião após o crime, em que afirma haver constatado que ele não era psicopata e que não sofria de epilepsia, ao contrário do que alegava a defesa. Sobre o "Estado Crepuscular" (um distúrbio neurológico que ocorre quando uma pessoa que sofre de constantes convulsões fica sem noção do que está fazendo), Itiro Shirakawa afirmou que o estado dura no máximo 30 minutos e que Farah pode ter matado nessa condição, mas todas as outras ações, como esquartejar e colocar os pedaços em uma sacola, não teriam sido cometidas em "Estado Crepuscular".

O médico Mauro Gomes Aranha da Lima afirmou que o réu apresenta conduta "Histriônica", que é uma tendência a representar um determinado sentimento ou um valor, de forma desproporcional, teatralizada, com toque de dramaticidade. Trata-se de um problema comportamental.

A acusação também recorreu ao depoimento de uma ex-paciente, Maria das Graças, que acusou Farah de ter abusado dela durante uma cirurgia estética nos seios e errado no procedimento, causando-lhe uma necrose.

A defesa de Farah tentou convencer os jurados da perseguição sofrida pelo ex-médico, que o teria deixado fora de si, e levantou novamente a tese de legítima defesa.

Porém, os jurados entenderam que Farah Jorge Farah tinha compreensão dos atos quando matou e esquartejou a vítima. O júri também aceitou a tese da Promotoria de que o crime foi premeditado e que ocorreu por motivo torpe e modo que impossibilitou a defesa da vítima, qualificadoras que acrescentaram 4 anos de prisão à sentença.

O promotor disse que Farah deverá ficar solto até o trânsito em julgado do processo, o que não tem prazo para acontecer. Por ter permanecido preso por 4 anos e 4 meses, se a pena for mantida, o ex-cirurgião poderia voltar à prisão e cumprir cerca de 1 ano de regime fechado.

Morte

Farah Jorge Farah, de 68 anos, foi encontrado morto em sua casa, na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo, na sexta-feira, 22/09/2017. Condenado a 14 anos e 8 meses de cadeia por matar e esquartejar uma paciente em 2003, ele deveria ser levado de volta à prisão após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinar, na quinta-feira, 21/09/2017, a imediata execução provisória de sua pena.

Segundo o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, um chaveiro foi chamado para abrir a porta de Farah Jorge Farah quando a ordem de prisão chegou. Ao entrarem, os policiais encontraram Farah deitado na cama, com um corte profundo na perna. Uma equipe médica tentou socorrê-lo, mas ele já havia morrido.

O delegado acredita que Farah usou um bisturi para se matar. Segundo o policial, ele criou um ritual para morrer:
"Ele colocou uma música sinistra, uma música de terror, coisa estranha, fúnebre. Ele se vestiu com roupas de mulheres, colocou seio, colocou essas coisas, e atentou contra a própria vida!"
Segundo Osvaldo Nico Gonçalves, Farah injetou silicone no peito e nas nádegas. "O legista disse que ele se injetou silicone. Isso foi recentemente, mas não sei quando!", disse o delegado. O corpo de Farah Jorge Farah foi levado ao Instituto Médico-Legal central.

Volta Seca

ANTÔNIO DOS SANTOS
(78 anos)
Cangaceiro, Cantor e Compositor

☼ Saco Torto, SE (13/03/1918)
┼ Pirapetinga, MG (02/02/1997)

Antônio dos Santos, conhecido como Volta Seca, foi um cangaceiro sergipano nascido em Saco Torto, no então município de Itabaiana Grande e atual município de Malhador, SE, no dia 13/03/1918. Filho de Manuel Antônio dos Santos e Arminda Maria dos Santos, era o sexto dos treze filhos do casal.

Volta Seca saiu pelo mundo devido aos maus tratos da madrasta, pessoa violenta que espancava constantemente os enteados. Percorreu sozinho, os sertões de Sergipe e Bahia, até encontrar Lampião em Goroso, no município de Bom Conselho. Era o mais jovem dos cangaceiros do bando, tendo-se juntado a ele ainda aos 11 anos de idade. E não era a primeira criança a ser aceita no bando: Beija-FlorDeus-te-GuieJosé Roque e Rouxinho. Essas crianças eram utilizadas na lavagem dos cavalos, no carregamento de água, na arrumação e assepsia de pousos e acampamentos, e foram muitas vezes usadas nos serviços de espionagem. Portanto, a sua passagem pelo cangaço foi rápida, não mais de 4 anos.

Misterioso, complexo e desconcertante, Antônio dos Santos, o Volta Seca, é uma das personalidades mais ricas do ciclo do Cangaço. Considerado o tenente de "mais destacada fama" de Lampião, mais importante ainda do que Corisco na opinião de historiadores como Ranulfo Prata. Matou pela primeira vez aos 10 anos, entrou para o cangaço aos 11 anos recrutado pelo Diabo Louro, compôs pérolas do cancioneiro popular como "Mulher Rendeira" e teve a compaixão de  Irmã Dulce.

Embora haja discordância entre alguns historiadores e relatos, Volta Seca deve ter entrado para o bando de Lampião por volta de 1928 e lá permaneceu por quatro anos, destacando-se pela coragem, valentia, e implacável postura de sentinela. Em entrevista ao jornalista Joel Silveira ele disse que logo que chegou ao bando apanhava quase que diariamente mas "depois endureci o cangote e o primeiro que me apareceu com ares de pai, recebi com a mão no rifle!".

Coragem Para Desafiar o Capitão

Volta Seca foi o único a desafiar o próprio chefe para uma briga. O episódio marcou o fim de sua vida no cangaço e foi relatado por ele ao, na época, já famoso jornalista Joel Silveira, em entrevista concedida em março de 1944 no presídio da Coreia em Salvador.

A contenda se deu em 1931 por causa de um socorro dado ao cangaceiro Bananeira, ferido em combate. Lampião era de opinião que o atraso colocaria o bando em risco junto a volante, mas Volta Seca insistiu em acudir o companheiro atingido por tiros. A insubordinação do rapazote enfureceu o capitão, que não viu outro jeito de assegurar sua autoridade no bando senão dar cabo do insolente. Mas Volta Seca não era apenas o preferido de Lampião, era querido também por Maria Bonita, a quem Virgulino lhe confiou a guarda por diversas vezes. Ao tomar conhecimento dos planos de LampiãoMaria Bonita tratou de avisar a seu segurança que o marido pretendia matá-lo no dia seguinte durante o almoço. Volta Seca fugiu na madrugada.

Em sua fuga acabou preso aos 14 anos, no final de fevereiro de 1932. Foi a julgamento dois anos depois sendo condenado a 145 anos de cadeia. A chegada de Volta Seca a Salvador causou comoção. Uma junta de cientistas, médicos e acadêmicos logo se adiantou para traçar o perfil antropológico e psicológico do bandido, segundo os cânones evolucionistas que ainda perduravam no país por via da influência da chamada Escola de Nina Rodrigues.

O grande médico e etnólogo alagoano, Arthur Ramos foi um dos que estudaram cuidadosamente o perfil de Volta Seca na prisão e emitiram diagnóstico. Segundo Arthur Ramos, a primeira impressão que se tem ao encontrar o bandido é de desapontamento. Não são encontradas nele nenhuma das características do criminoso nato, "nenhuma anomalia, nenhum estigma antropológico de degenerescência", a saber, "a cabeça disforme, os malares salientes, o olhar duro e mau, orelhas malformadas...".

"Antes cafuzo do que caboclo propriamente dito, Volta-Seca é o tipo do adolescente mal saído da época puberal. Dezesseis anos. De estatura um pouco abaixo do normal: 1,58 e 5. Franzino.
Atitude de humanidade. Fala arrastado, responde com precisão a questões que lhe propõem. A este exame preliminar, parece haver um certo grau de mitomania. Aumenta um pouco os relatos de crimes dos seus companheiros. Admiração incondicional pelo compadre Lampião, o que denota um certo grau de erostratismo criminal. Olhar móvel, desconfiado, intimidado com a presença de várias pessoas - oficiais da Força Pública - que o inquirem.
Esta vaidade criminal leva-o até a descrer no fracasso de Lampião, que julga invulnerável." 
(Relata Arthur Ramos) 


A mesma falta de sinais aparentes de psicopatia é encontrada no perfil psicológico. Arthur Ramos, no entanto, conclui que a criminalidade em Volta Seca é fruto de seu ambiente e não uma disposição intrínseca.

"Outro desapontamento. É o menino aparentemente ingênuo dos sertões. Crivado de perguntas, responde com humildade, fala arrastada, com precisão. Esta impressão de ingenuidade vai desaparecendo progressivamente, à medida que vamos mergulhando nos abismos desconhecidos da sua psique criminal... Isoladamente, é o caboclo humilde, o adolescente inofensivo que temos diante de nós. Socialmente, porém, é o membro temível de uma coletividade anormal. Em Volta Seca, o fator intrínseco da criminalidade cede de muito o passo aos fatores extrínsecos, mesológicos, que o caracterizam como um dos elementos mais perversos, mais criminosos, mais ferozes, do grupo de Lampião."
(Trechos retirados do capítulo "Os cabras de Lampião", do livro "Lampião" de Ranulfo Prata)

Tudo leva a crer que Volta Seca possuía um nível intelectual acima da média. Além do senso moral próprio e do talento como compositor, possuía também, apesar da pouca idade, um discernimento agudo da situação social e política do Nordeste que pode ser ilustrada por uma de suas declarações na prisão:

"O medo da prisão transforma o homem numa fera, é isto mesmo: os crimes dos 'macacos' foram iguais aos nossos. Mas nada aconteceu com eles, nem com os homens importantes e ricos do sertão, que nos ajudaram, nos davam armas, dinheiro e comida, continuam ricos e importantes."
(Volta Seca)

Segundo Zé Sereno, depois da prisão de Volta Seca, ninguém nunca mais acampou no Raso da Catarina, ou na Serra do Chico. Quando o cangaceiro foi preso, Lampião ordenou a divisão dos grupos, entregando o comando aos seus mais experimentados homens: Luís Pedro, Zé Baiano, Velho Cirilo, Jararaca Manuel Moreno. Cada um com seu grupo formado saiu do Raso da Catarina, para penetrar nas caatingas.


Ao tomar conhecimento da prisão de Volta SecaLampião soube que os irmãos Roxo, o haviam entregue à polícia e decidiu se vingar. Passou na casa dos irmãos e assassinou todos eles, exceto a mãe e um irmão que encontrava-se viajando. Incendiou a fazenda e destruiu plantações.

Volta Seca, por duas vezes fugiu da cadeia. A primeira foi concedida um "passeio experimental". Volta Seca saiu e não retornou, ficou perambulando pelas ruas de Salvador. A segunda vez fugiu em companhia de outro sentenciado e saiu pela porta principal sem ser percebido. Apesar de não ter sido capturado em combate, a polícia baiana ganharia notável publicidade com a prisão de Volta Seca, que ocorreu em virtude do cansaço (longa caminhada a pé pela mata durante vários dias), do companheiro de cárcere que ficou muito doente, ao ponto de querer desistir da jornada. Volta Seca não o abandonou, levou-o nos ombros até o primeiro povoado mais próximo, onde foi reconhecido pela população e denunciado a força pública, em seguida preso e recambiado a Salvador.

A notícia de sua fuga, do famigerado bandoleiro, deixou a população sergipana preocupada, porque ainda não havia desaparecido do espírito nordestino, a época de terrorismo em que o banditismo de Lampião criou nos sertões de Pernambuco, Sergipe, Bahia e Alagoas, e de tão graves consequências para o homem do campo. Segundo o Departamento de Segurança:

"Volta Seca fugiu da Bahia pelo litoral, penetrando neste Estado pelo município de Estância, e sendo preso em companhia de outro bandoleiro, entre os municípios de Indiaroba e Cristinápolis."
(Diário Oficial, 05/03/1944)

Após tomar conhecimento da fuga, as autoridades sergipanas, determinaram rápidas e enérgicas providências, estabelecendo imediatamente contato, com os destacamentos policiais de todo o interior e foi determinada severa vigilância.

A Força Policial do Estado, que relevantes serviços prestou no combate ao banditismo, quando este esteve em plena campanha, traz de público, uma vez mais, a sua disposição de combatê-lo, sempre com mais energia, defendendo, com a sua coragem e a sua técnica militar:

"Transportado de Indiaroba para esta capital, desde a sexta-feira última, que aqueles foragidos estão recolhidos à Penitenciária do Estado, à disposição das autoridades policiais do vizinho Estado da Bahia, de onde se evadiram."
(Diário Oficial, 08/03/1944)

Volta Seca, Esposa e Filhos
Liberdade e Música

Volta Seca ganhou a liberdade em 1954, graças a um indulto do presidente Getúlio Vargas. No presídio da Coreia, em Salvador, conheceu Irmã Dulce e lhe prometeu nunca mais pegar em armas, e virou personagem de Jorge Amado no romance "Capitães de Areia".

A amizade com a jovem freira, que costumava visitar o presídio para levar o consolo do evangelho e da música aos presos, para escândalo da sociedade da época, se deu por causa da música. Sanfoneira e amante da música, Irmã Dulce encontrou em Volta Seca um talento musical incomum: tocava realejo, era entoado ao cantar e já havia composto a maioria de suas músicas.

Estigmatizado ao sair da prisão, Volta Seca recebeu o apoio do cineasta Lima Barreto por ocasião do lançamento do filme "O Cangaceiro" (1953) em São Paulo. Lima Barreto o convidou para avaliar criticamente o filme.

Volta Seca não gostou de uma cena em que Lampião aparece chicoteando um homem no rosto. Segundo ele, isso não se fazia no Nordeste: "A cara de um homem é sagrada".

Realizado em 1953, "O Cangaceiro" foi o primeiro filme brasileiro a alcançar sucesso internacional. Ganhou o prêmio de melhor filme de aventura e de melhor trilha sonora com a música "Mulher Rendeira", em Cannes.

Com a mudança para o Sudeste, Volta Seca conseguiu emprego na Estrada de Ferro Leopoldina. Cantor e compositor em 1957, Volta Seca gravou pela Continental um LP, com apenas 8 faixas compostas no período do Cangaço, "As Cantigas de Lampião", interpretadas pelo próprio, com instrumentação do maestro Guio de Moraes e narrações do radialista Paulo Roberto da Rádio Nacional: "Acorda Maria Bonita", "Escuta Donzela", "Eu Não Pensei Tão Criança", "Lá Prá Mina", "A Laranjeira", "Mulher Rendeira", "Lampião e Sabino" e "Se Eu Soubesse".

A famosa "Mulher Rendeira", conta-se, foi cantada pelo bando de Lampião durante a famosa invasão a cidade de Mossoró, RN.

Em 1959, teve o baião "A Laranjeira" gravado por Zé do Baião, e no ano seguinte, por José Tobias, a toada "Se Eu Soubesse".

Antônio dos Santos, o Volta Seca, faleceu aos 78 anos em Pirapetinga, MG, no dia 02/02/1997, de causas naturais.

Cara de Cavalo

MANOEL MOREIRA
(23 anos)
Traficante, Cafetão e Ladrão

☼ Rio de Janeiro, RJ (22/04/1941)
┼ Cabo Frio, RJ (03/10/1964)

Manoel Moreira, mais conhecido pela alcunha Cara de Cavalo, foi um criminoso brasileiro. Acusado do assassinato de Milton Le Cocq, foi a primeira vítima da Scuderie Le Cocq, organização policial clandestina criada para vingar a morte do detetive.

Cara de Cavalo nasceu no Rio de Janeiro em 22/04/1941. Morador da Favela do Esqueleto, Cara de Cavalo iniciou-se na criminalidade ainda garoto, vendendo maconha na Central do Brasil. Tornou-se pouco depois cafetão, e ligou-se ao jogo do bicho. Diariamente, cumpria a rotina de percorrer de táxi os pontos de jogo da Vila Isabel, acompanhado de uma amante, a quem designara a tarefa de recolher o pagamento compulsório do dia. Ocasionalmente, tornou-se amigo do artista plástico Hélio Oiticica que, passista da Mangueira e frequentador de favelas, era fascinado pela marginalidade.

Ele foi de vital importância para o surgimento de um dos mais sanguinários grupos que se tem notícia, o "Esquadrão da Morte".

Insatisfeito com os pagamentos, um bicheiro procurou o detetive Milton de Oliveira Le Cocq, que organizara um grupo clandestino de policiais para caçar criminosos.

Em 27/08/1964, o detetive, acompanhado dos colegas Jacaré, Cartola e Hélio Vígio, armou o cerco a Cara de Cavalo em um dos pontos de jogo. Percebendo a armadilha, o bandido tentou fugir, mas teve seu táxi cercado pelo Fusca de Le Cocq. Após um breve tiroteio, o detetive caiu morto com um tiro da Colt 45 de Cara de Cavalo.


Apesar de não ter um currículo violento, Cara de Cavalo inaugurou em seu prontuário criminal o homicídio de Milton de Oliveira Le Cocq, um dos "Dez Homens de Ouro" da polícia carioca.

O incidente decretou a sentença de morte de Cara de Cavalo. De reles marginal, passou a ser um dos criminosos mais procurados de Rio de Janeiro. Armou-se então uma grande operação à sua cata, mobilizando 2 mil policiais, em quatro Estados.

Um mês e sete dias depois, Cara de Cavalo foi finalmente encontrado em Cabo Frio, RJ.

Em 03/10/1964, o criminoso foi cercado em seu esconderijo pela denominada "Turma da Pesada", formada pelos policiais Sivuca, Euclides Nascimento, Guaíba, Cartola, JacaréHélio Vígio, entre outros, e sumariamente executado com mais de cem disparos, 52 dos quais o atingiram, 25 apenas na região do estômago.

Os policiais cariocas da época ironizavam ao declarar que Manoel Moreira, o Cara de Cavalo era o sócio-fundador do "Esquadrão da Morte" de Hélio Oiticica, famoso artista plástico do Rio de Janeiro, que ganhou as colunas dos jornais ao defender publicamente seu amigo marginal e exibir em sua obra, um estandarte que homenageava o bandido.

Ao lado da foto de Cara de Cavalo com os braços abertos formando uma cruz em meio a uma poça de sangue, Hélio Oiticica fez a inscrição: "Seja marginal, seja herói".

Hélio Oiticica Homenageia Cara de Cavalo
Consequências

A caçada a Cara de Cavalo deixou a polícia desorientada. Motivados pelo bordão de Milton de Oliveira Le Cocq de que "Bandido que atira num policial não deve viver!", as autoridades se desentenderam na corrida por deter o criminoso, enquanto pessoas parecidas com ele eram mortas por engano. Após a execução, a "Turma da Pesada" consolidou-se como Scuderie Le Cocq, tendo Luiz Mariano como presidente da organização clandestina de repressão ao crime e Sivuca eleito deputado estadual com a plataforma "Bandido bom é bandido morto".

Um ano depois da morte, Hélio Oiticica criou a obra "Homenagem a Cara de Cavalo", uma caixa envolta por telas, cujas paredes internas foram cobertas por fotografias do criminoso assassinado. Em 1968, prestaria outro tributo ao amigo, com o poema-bandeira "Seja Marginal, Seja Herói".

Scuderie Le Cocq inspirou o surgimento do Esquadrão da Morte, cuja perseguição e execução de bandidos espalhou-se por todo o Brasil.

Fonte: Wikipédia

Bandido da Luz Vermelha

JOÃO ACÁCIO PEREIRA DA COSTA
(55 anos)
Criminoso

☼ Joinville, SC (24/06/1942)
┼ Joinville, SC (05/01/1998)

João Acácio Pereira da Costa, conhecido como Bandido da Luz Vermelha, foi um notório criminoso brasileiro nascido em Joinville, SC, em 24/06/1942. Era pobre e, aos 8 anos, perdeu o pai, tuberculoso. Sua mãe desapareceu pouco depois com dois filhos. Eram quatro irmãos. Ele e o mais velho foram deixados com o tio.

Estudou até o 3º ano primário e, aos 17 anos, semi-analfabeto, já era conhecido nos meios policiais da cidade por ter furtado mais de trinta bicicletas. Foi preso aos 18 anos, por roubar um jipe. Fugiu da cadeia em 1963 e se instalou em São Paulo. Chegou em São Paulo ainda na adolescência, fugindo dos furtos que praticara em Santa Catarina.

Foi morar em Santos, SP, onde se dizia filho de fazendeiros e bom moço. Na verdade, levava uma vida pacata no lugar que escolheu pra morar, praticando seus crimes em São Paulo e voltando incólume para Santos.

Sem documentos, não poderia trabalhar mesmo que tivesse vontade e continuou vivendo entre marginais. Sua especialidade era assaltar mansões. Numa época em que alarmes eram raridade, usava macaco de automóvel para arrombar as grades, desligava a chave geral de energia elétrica e escalava com a lanterna na mão.

Durante quinze meses entre 1966 e 1967, praticou 141 crimes, todos confessados. Destes, 120 são atribuídos pela polícia ao Homem-Macaco, seu primeiro apelido. O Bandido da Luz Vermelha nasceu no final de sua curta carreira. Numa noite, entrou em uma casa em Higienópolis, bairro nobre de São Paulo, onde a dona e a empregada dormiam. João Acácio as acordou e pediu que abrissem o cofre. Até então, assaltava sem interromper o sono das vítimas. Pegou dinheiro, jóias e, na saída, beijou a mão das mulheres.


No dia seguinte, deliciou-se com as manchetes: "Assalto à americana", dizia uma delas. Na reportagem, era chamado de Bandido da Luz Vermelha, a tradução para o português do pseudônimo de Caryl Chessman, condenado na Califórnia em 1948 à câmara de gás, por crime sexual e sequestro, e executado em 1960.

O original se destacava pela inteligência, fez sua própria defesa no tribunal e se tornou conhecido como o símbolo contra a pena de morte, abolida na Califórnia 12 anos depois de sua execução.

João Acácio aprovou a comparação e comprou uma lâmpada vermelha para sua lanterna.

"Eles gostaram, me deram a idéia e eu repeti. Fiz outros assaltos assim. Os jornais mesmo é que me deram a idéia de ser o Luz Vermelha"
(João Acácio afirmou em uma entrevista para o jornal Última Hora)

O Bandido da Luz Vermelha era apresentado como mulherengo, galanteador, de personalidade violenta, que roubava para praticar orgias em Santos. A realidade era diferente. O homem a quem vendia o que roubava, Walter Alves de Oliveira, o Caboré, era seu parceiro amoroso.

João Acácio foi abandonado pelo cúmplice. Um promotor que acompanhava a rotina dos presos na cadeia relata que o Bandido da Luz Vermelha ignorou as centenas de cartas de mulheres com proposta de namoro. Casou-se com o cozinheiro Bernardino Marques, que cumpria pena por ter matado a sogra. Quando o cozinheiro deixou a prisão, João Acácio não teve outros relacionamentos, mergulhando num ciclo de surtos psicóticos, e chegou a ser internado no manicômio judiciário.

João Acácio gostava do que lia nos noticiários e alimentou o mito. Em junho de 1967, matou um empresário em São Paulo apenas para desmentir uma versão da polícia, que havia prendido um homem e o apresentara como o Bandido da Luz Vermelha. Em depoimento à Segunda Vara do Júri, contou que estava em Santos quando soube da falsa notícia pela televisão, viajou para a capital e foi até a casa de um industrial, John Szaraspatak, e o matou na frente do filho.

À medida que a cobertura dos jornais se intensificava, ele tornava-se mais violento. No auge da fama, ele assaltou um sobrado no Ipiranga. A vítima, que sobreviveu por milagre, entrou em pânico quando soube que o bandido deixaria a prisão.

Prisão

João Acácio foi preso em 08/08/1967 na cidade de Curitiba, PR, e foi condenado por quatro assassinatos, sete tentativas de homicídio e 77 assaltos, com uma pena de 351 anos, 9 meses e três dias de prisão. Nunca ficou comprovado que João Acácio cometeu estupro ou que teve relações sexuais com suas vítimas.

Após cumprir os 30 anos previstos em lei, foi libertado na noite do dia 26/08/1997 e retornou para a cidade de Joinville, SC, mantendo uma certa popularidade, pois tinha obsessão em vestir roupas vermelhas e quando alguém lhe pedia um autógrafo, ele simplesmente escrevia a palavra: "Autógrafo".

Quando preso, o Bandido da Luz Vermelha chegou a dizer que mataria essa pessoa um dia. Hoje ela tem 52 anos e três filhos. Sua irmã conta que o Bandido da Luz Vermelha matou o guarda-noturno e entrou na casa, onde a vítima se encontrava com a empregada. Subiu ao seu quarto e a acordou com a lanterna. Queria dinheiro. Levou a garota para baixo e deu-lhe dois socos. Mesmo zonza, ela conseguiu pegar um cinzeiro e atirar no algoz, que teve o nariz quebrado. O Bandido da Luz Vermelha deu-lhe três tiros. Na época, Acácio contou que havia tentado estuprar a moça. A versão dela é outra. O bandido a agrediu porque, tentando puxar conversa, ela o aconselhou a mudar de vida.


Chamava a atenção de juízes e promotores um traço da personalidade do Bandido da Luz Vermelha: Ele confessava os crimes como se estivesse contando vantagens. Apesar de condenado por quatro homicídios, disse ao juiz que havia matado "uns quinze". Dos 88 processos pelos quais foi condenado, nenhum esteve ligado a crime sexual, apesar da fama.

Chegou a posar nu para um jornal de Santa Catarina, que acabou desistindo de publicar as fotos. O advogado de Acácio, José Luiz Pereira, tentou vender à imprensa a possibilidade de realizar um ensaio fotográfico do ex-presidiário sem roupa.

Quando deixou a prisão, o Bandido da Luz Vermelha foi para uma casa de dois quartos tendo que dormir no sofá da sala. Pedia dinheiro ao primeiro que via e era uma celebridade entre as crianças da vizinhança, para as quais deu como suvenires até pregos nos quais pendurava suas roupas na prisão.

Depois de analisar o laudo psiquiátrico de Acácio feito quando ele foi preso e o outro, escrito pouco antes de sair, o psiquiatra Claudio Cohen, professor de medicina legal da Universidade de São Paulo (USP), arriscou um diagnóstico do criminoso: Acácio seria um limítrofe, patologia catalogada no Código Internacional de Doenças. Não tem a personalidade formada e, por isso, age de acordo com a expectativa das pessoas. Era instável emocionalmente e de sexualidade confusa. Aparentava ser esquizofrênico, mas demonstrava inteligência ao criar métodos de assalto. Dentro desse quadro, agia como um homem bom enquanto dele se esperava ser bom.

Morte

Era difícil arriscar um palpite sobre como Acácio seria depois de sair de 30 anos de prisão. Sendo assim, Nelson Pinzegher matou o Bandido da Luz Vermelha em legítima defesa. Foi um pescador que matou o Bandido da Luz Vermelha com um tiro de espingarda que o atingiu próximo ao olho esquerdo.

O fato ocorreu na noite de 05/01/1998 em Joinville, SC. O pescador atirou no ex-presidiário para defender um irmão, Lírio, que o Bandido da Luz Vermelha tentava matar com uma faca.

João Acácio foi encontrado morto dentro da casa em que residia, na praia da Vigoreli, no bairro Cubatão. Ele estava caído em cima do tapete e tinha uma faca na mão. Conforme o médico legista, Nelson Quirino, João Acácio foi ferido com um tiro na cabeça e outro na clavícula.

Anteriormente, Nelson Pinzegher e  o Bandido da Luz Vermelha já tinham se desentendido porque o ex-detento assediava sexualmente a mãe, mulher e filhas do pescador.

Nelson Pinzegher fugiu ao flagrante, apresentou-se dias depois e respondeu ao processo em liberdade. Foi absolvido pelo Tribunal do Júri de Joinville, apesar de ter sido denunciado por crime qualificado. A própria promotoria pediu a absolvição por legítima defesa de terceiro, que era exatamente a tese da defesa.

O sepultamento de João Acácio Pereira da Costa, ocorreu no Cemitério São Sebastião, no bairro Iririú. O velório foi na própria capela do cemitério. Curiosos, crianças, primos e até o irmão de João Acácio, Joaquim Pereira, do balneário de Coroados, em Guaratuba, PR, acompanharam o sepultamento.

Mesmo tendo acompanhado o funeral, o irmão de João Acácio, Joaquim Pereira e nem o tio dele, José Pereira da Costa, se responsabilizaram pelo sepultamento, que acabou sendo realizado pelo conselho local de saúde do bairro Cubatão. Segundo o presidente do conselho, Claudio Bernardes, a Secretaria do Bem Estar providenciou o caixão e a empreiteira Rosa Leite cedeu o túmulo.

"O velório deveria ser realizado na capela do Cubatão, mas a igreja católica se recusou a aceitar Luz Vermelha porque ele não era membro da igreja", falou Claudio Bernardes. A secretária paroquial da Igreja Senhor Bom Jesus, Maria da Silva Pereira se justificou: De acordo com ela, a matriz não recebeu nenhuma encomenda de funeral.

O velório de João Acácio foi tranquilo e acompanhado por muitas pessoas. Ao lado do caixão, a prima dele, Maria de Jesus Lopes, chorava. O irmão de João Acácio, calado, disse que não queria falar sobre a morte. Além dos parentes, curiosos e principalmente crianças, faziam questão de ficar ao redor do caixão.

Cultura Popular

Sua vida de crimes inspirou o filme "O Bandido da Luz Vermelha" de 1968, do cineasta Rogério Sganzerla, em que foi vivido pelo ator Paulo Villaça. Apesar de ser um filme verídico, o final foi alterado para que o seu personagem cometesse suicídio. Também foi tema do programa "Linha Direta Justiça", da TV Globo.

O Bandido da Luz Vermelha virou música nas mãos do grupo de rock Ira! em "Rubro Zorro", que abre o terceiro disco "Psicoacústica" (1988) e a faixa ainda possui algumas falas do filme de Rogério Sganzerla. O cantor de horrorcore, Patrick Horla, também fez uma citação de sua personalidade como base para a canção "O bandido da Lupa Vermelha".

Bandido da Luz Vermelha foi satirizado pelos humoristas do programa "Hermes & Renato", da MTV, onde fez um clipe com "Demo Lock MC", uma sátira de Satanás.

"Luz Nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha", é a sequência do primeiro filme de Rogério Sganzerla e foi um dos selecionados para a competição internacional do 63º Festival de Locarno, na Suíça. O filme tem direção de Ícaro Martins e Helena Ignez, viúva de Rogério Sganzerla, estrelado pelo cantor Ney Matogrosso, tendo sido rodado em 2009 e estreou em 2010.

Lúcio Flávio

LÚCIO FLÁVIO VILLAR LÍRIO
(31 anos)
Assaltante

☼ Rio de Janeiro, RJ (1944)
┼ Rio de Janeiro, RJ (29/01/1975)

Lúcio Flávio Villar Lírio foi um criminoso brasileiro, precursor dos assaltos a bancos no Brasil, famoso na década de 70 do século XX, sendo o marginal mais procurado pela polícia à época. Utilizava os nomes de Marcos Wolkllevit JúniorRafaelio Wandencock e Marcelo Fleming Spittscakoff e era considerado um bandido refinado e inteligente, originário da classe média alta carioca dos anos 60 e 70.

Jovem da classe média mineira, nascido em 1944, filho de um funcionário público com uma professora de escola primária, louro, de olhos claros, frequentador de praias durante a juventude no Rio de Janeiro, sempre em grupo de amigos..., mas a personalidade estava sendo tecida por fios invisíveis que surgiam de novelos adormecidos nos escaninhos da alma.

A família Villar teve que se mudar para o Rio de Janeiro com os oito filhos pequenos, se instalando em Benfica e Bonsucesso. Isto após desencontros políticos, não bem esclarecidos, de seu pai com o então PSD que foi extinto na época. Há inclusive relatos de que, em 1968, Lúcio Flavio sentiu-se profundamente frustrado por não poder concorrer a um cargo de vereador no Espírito Santo em razão da negativa de seu pai, que alegava dificuldades financeiras. A partir daí, iniciou contatos com outros jovens de sua idade e montaram uma quadrilha para roubar carros.


Aos 30 anos acumulava 32 fugas, 73 processos e 530 inquéritos por roubo, assalto e estelionato. A família de Lúcio Flávio era considerada abastada, sendo seu pai ligado ao PSD e também cabo eleitoral de Juscelino Kubitschek. Um episódio não confirmado é atribuído à família do jovem Lúcio Flávio, e que busca explicar os motivos que o fizeram contestar as autoridades e optar pelo mundo do crime:

"O motivo de sua incursão no mundo marginal teve sua gênese na época da Ditadura Militar no Brasil. Em uma festa de casamento comemorada por sua família, alguns policiais do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) adentraram em sua residência e propiciaram momentos de constrangimentos, como os vividos pelo seu pai, que teve o rosto introduzido dentro de um bolo, como também, o espancamento de sua mãe. Lúcio Flávio, ainda um adolescente à época, foi igualmente vítima de espancamento. Essas agressões teriam sido frutos da época em que ele vivia, ou seja, sob a mão pesada do regime militar. Como o pai de Lúcio Flávio era cabo eleitoral de Juscelino Kubitschek, e por esse motivo não queria informar o paradeiro de Juscelino, ele tornou-se mais uma vítima da opressão daqueles idos. Devido a todos esses acontecimentos, aos 18 anos, Lúcio Flávio transformou-se em um bandido."

Em sua última prisão, em Belo Horizonte, pronunciou a frase com que ficaria lembrado:

"Bandido é bandido, polícia é polícia, como a água e o azeite, não se misturam"

A declaração fazia referência ao fato da prática de muitos policiais, assim como ocorre ainda hoje, participarem do crime organizado ao mesmo tempo em que mantêm seus cargos na polícia. Isso significa que tal indivíduo não teria a honra de ser chamado de policial, era apenas mais um marginal como os outros, o que de muitas maneiras, não deixa de ser verdade. Apesar de sua ligação com o crime, ajudou a desmascarar um grupo de policiais cariocas pertencentes ao Esquadrão da Morte, entre eles Mariel Mariscot, um dos homens de elite da polícia do Rio de Janeiro, e que mantinha ligações com criminosos.

Em 1969 foi desbaratada uma quadrilha de ladrões de carros no Rio de Janeiro em que Lúcio Flávio foi identificado como membro. Descobriu-se logo que não era apenas um simples integrante, mas uma das figuras principais, posição que aprofundou após o assassinato do líder da quadrilha Marcos Aquino Vilar.


Ao ser preso pela última vez, em 1974, em Belo Horizonte, foi recambiado para o Complexo Prisional Frei Caneca, no Rio de Janeiro. Lá, seria morto por "Marujo", seu companheiro de cela, no início de 1975, com 28 facadas. O assassino de Lúcio Flávio logo teria o mesmo destino, assassinado por outro preso, que por sua vez, também seria assassinado dentro da prisão.

O grupo que Lúcio Flávio liderava foi aos poucos sendo abatido pela polícia ou assassinado dentro das prisões cariocas: Liéce de Paula Pinto e Nijini Renato Villar Lírio, irmão de Lúcio Flávio, foram executados pela polícia. Para simular um confronto e justificar a morte dos dois, os policiais levaram os corpos próximo ao Hotel Plaza e colocaram dentro de um carro, metralhando-os novamente para simular uma resistência à prisão.

Outros comparsas, como Rivaldo Morais Carneiro, o "Martha Rocha", Antonio Branco e Francisco Rosa da Silva, o "Horroroso" foram metralhados no Presídio Evaristo Moraes Filho, na Quinta da Boa Vista, após liderarem uma rebelião e matarem um refém, o coronel da Polícia Militar Darci Bitencourt.

Fernando C.O., cunhado de Nijini Renato Villar Lírio, foi morto dentro do Complexo Prisional Frei Caneca por outros bandidos. Júlio Augusto Diegues, o "Portuguesinho", seria morto no mesmo local, pouco depois após estrangular outros presos com a ajuda de um comparsa.

Em 1977, O cineasta Hector Babenco lançou o filme "Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia", baseado no livro homônimo do escritor José Louzeiro, vencedor de quatro Kikitos de Ouro no Festival de Gramado de 1978, nas categorias de Melhor Ator (Reginaldo Farias), Melhor Ator Coadjuvante (Ivan Cândido), Melhor Fotografia e Melhor Edição.

O Assassinato de Lúcio Flávio

Uma facada no pescoço, que seccionou a carótida, e vários ferimentos no peito, mataram, na madrugada, o criminoso Lúcio Flávio, aos 31 anos, na cela 7 da galeria D do Presídio Hélio Gomes, no Rio de Janeiro. O assassino, outro detento, Mário Pedro da Silva, alegou legítima defesa. Lúcio Flávio e Mário teriam brigado após uma roda de carteado.

Prestes a dar um novo depoimento à Justiça, Lúcio Flávio era a principal testemunha nas investigações sobre as atividades exercidas pelo Esquadrão da Morte no Estado. Com sua ajuda, foram condenados vários policiais, a começar por Mariel Mariscot, acusado por ele de participação no Esquadrão da Morte, e de liderança em outra organização, de estelionato e roubo de automóveis.

Preto Amaral

JOSÉ AUGUSTO DO AMARAL
(55 anos)
Assassino em Série

☼ Conquista, MG (15/08/1871)
┼ São Paulo, SP (02/07/1927)

José Augusto do Amaral, conhecido por Preto Amaral, nascido em 15/08/1871, solteiro, era natural de Conquista, Minas Gerais. Seus pais escravos africanos do Congo e de Moçambique, haviam sido comprados pelo Visconde de Ouro Preto.

Preto Amaral foi voluntário da Força Pública do Estado de São Paulo, mas desertou. Era reincidente nesse tipo de atitude, que tomou em todos os corpos militares onde serviu: Brigada Policial do Rio Grande do Sul, Grupo de Artilharia Pesada em Bagé, Regimento de Infantaria de Porto Alegre, 13º Regimento de Cavalaria do Rio de Janeiro. Também se alistou na Marinha, mas abandonou o compromisso logo em seguida.

Em seu registro policial constam várias identificações para fins militares, três prisões por vadiagem em São Paulo (1920 e 1921), por vagabundagem em Bauru e Santos (1922) e, nesse mesmo ano por furto em São Paulo.

Nessa época, pós-escravatura no Brasil, era comum que negros fossem presos por esse motivo, pois muitos não conseguiam se empregar oficialmente e viviam de pequenos e eventuais trabalhos. Dessa forma, Preto Amaral constava como pessoa de maus antecedentes pela prática do que se denominava contravenção.

Os Crimes

13/02/1926: O menino Rocco, pequeno engraxate de 9 anos, trabalhava nas imediações da praça da Concórdia, próximo ao Teatro Colombo, no Brás. Cansado, estava pronto para ir embora. A garoa fina que caia espantava os fregueses naquela tarde cinzenta de São Paulo. As poucas pessoas que passavam pela rua estavam apressadas, tentando escapar da chuva.

Um homem alto, negro, aproximou-se de Rocco, pedindo que o ajudasse a carregar uma caixa com roupas, serviço pelo qual ele pagaria 4$000 (quatro mil réis). O menino, excitado com a oportunidade de ganhar um dinheiro extra, aceitou depressa. Seguiu-o da Avenida Celso Garcia até a ponte sobre o Rio Tamanduateí, próximo à Estação da Cantareira. Ao entrarem pela Rua João Theodoro, Rocco sentiu um frio no estômago ao ver-se desprotegido pela pouca luz... A rua estava sem iluminação. Antes que pudesse ficar com medo e sem nenhum aviso, o homem atacou o menino diretamente no pescoço, tentando estrangulá-lo. O garoto lutou bravamente com todas suas forças, mas, sem conseguir respirar, desmaiou. Julgando-o morto, o estranho arrastou-o para debaixo da ponte, rasgou suas roupas e preparou-se para violentá-lo, quando num golpe de sorte, um carro aproximou-se e estacionou. Receoso de ser flagrado, o estranho largou Rocco e fugiu.

O menino acordou um tempo depois, gemendo sem parar. Com muito esforço, machucado e enlameado, chegou até a rua. Duas moças que passavam por ali viram o menino e chamaram imediatamente um policial.

O motorista de táxi Basílio Patti estava saindo para trabalhar quando foi parado pelo grupo, ao atravessar a ponte da Rua João Theodoro. O policial pediu a Basílio Patti que levasse Rocco até a casa dos pais.

Aturdida com a história contada pelo filho, a família não deu queixa a polícia.

O criminoso tinha certeza de ter matado o menino. Depois de vagar a noite inteira pelo centro da cidade, voltou ao local no dia seguinte para dar vazão aos seus desejos sexuais. Surpreso, não achou cadáver algum...

05/12/1926: Sob as árvores da Avenida Tiradentes, sentado em um banco, Antônio Sanchez descansava e pensava em como faria para comprar uma refeição naquele dia. Tinha vindo de Barra Bonita, interior de São Paulo, para trabalhar na capital. Antônio Sanchez era franzino, doente e um pouco afeminado. Aparentava ter bem menos idade do que seus 27 anos. Morava em um apartamento alugado na Lapa, mas não sabia como iria arcar com as despesas. Estava morrendo de fome e não tinha conseguido ganhar dinheiro algum.

Um homem desconhecido, negro e alto, sentou-se ao seu lado. Disse chamar-se Amaral e começaram a conversar. Antônio Sanchez vendo que ele fumava, pediu-lhe um cigarro, comentando sobre a miséria em que se encontrava. Não tinha nem como pagar comida e sentia muita fome. Amaral, dando uma de bom samaritano, chamou o rapaz para almoçar com ele no Botequim do Cunha, que ficava em uma esquina da Rua Teodoro Sampaio. O convite foi aceito por Antônio Sanchez num piscar de olhos.

Depois de ver o rapaz almoçar com o prazer de quem aplaca a dor da fome, Amaral convidou-o para ir com ele até o Campo de Marte para ajudá-lo a fazer um serviço. Seria bem pago. Antônio Sanchez sentiu-se finalmente com sorte. Além de comer, acabava de arrumar um trabalho que ainda lhe renderia uns trocados. Confiando no novo "amigo", seguiu-o.

Ao chegarem ao Campo de Marte, seguindo uma picada que Amaral parecia conhecer bem, começou o ataque. Estavam em um lugar ermo, atrás de um bambual. Antônio Sanchez reagiu sem acreditar no que acontecia.

Os golpes de Amaral vinham sem trégua, e o rapaz tentava, em desespero, escapar. Mas o homem era bem mais forte que ele. Depois de uma luta desigual, Antônio Sanchez foi estrangulado. Ao ver o moço desfalecido, abaixou-se para ouvir se seu coração ainda batia. A lembrança do menino fujão de tempos atrás permanecia em sua memória. Com a certeza de que o rapaz não dava sinais de vida, violentou-o e fugiu em seguida. Para ele, não fazia diferença o fato de fazer sexo com Antônio Sanchez já morto.

24/12/1926: José Felippe de Carvalho, 12 anos, morava no Alto do Pari e conhecia bem os locais por onde perambulava. Às 16:00 hs, brincava com seu estilingue caçando passarinhos pela redondeza. Mais tarde, pediu permissão a mãe para ir a missa de Natal da Igreja de Santo Antônio. Ela regozijada com a religiosidade do filho, permitiu.

Chovia em São Paulo. Caminhando pelas proximidades do Canindé, José Felippe avistou um homem vendendo balões de gás. Fascinado, o menino aproximou-se e pediu um. O homem deu-lhe de presente e puxou conversa. Perguntou onde ele morava e o que fazia ali sozinho, e não deixou de reparar que o garoto tinha no bolso um estilingue. Alguns minutos depois, o balão de gás de José Felippe estourou. Amuado, pediu que o homem lhe desse mais um. O simpático sujeito satisfez-lhe a vontade e, continuando a conversa, comentou que em uma mata perto dali havia um local com muitos passarinhos. Se o garoto quisesse acompanhá-lo, poderia mostrar-lhe o local.

O menino, feliz da vida, concordou. Amaral, seguido por ele, foi até o Campo de Marte. Da mesma maneira que fez com Antônio Sanchez, atacou José Felippe, cometeu homicídio e, em seguida, deu vazão a seus desejos sexuais.

A mãe do menino ficou desesperada quando o filho único não voltou para casa. Saiu pelas ruas, de igreja em igreja, procurando-o freneticamente. Quando sua triste busca em nada resultou, deu queixa em uma delegacia do Brás pelo desaparecimento.

Como no caso de Antônio Sanchez, o corpo da vítima não foi localizado. José Felippe só seria reconhecido dias depois pelas roupas que vestia, quando sua mãe tomou conhecimento por meio de jornais que a polícia havia encontrado cadáveres de meninos sem identificação.

01/01/1927: Antônio Lemes, 15 anos e compleição franzina, estava de folga do trabalho. Era operário em uma fábrica de tecidos. Saiu de casa pedindo à mãe que guardasse seu almoço. Antônio Lemes disse que chegaria mais tarde, pois ia fazer um serviço extra para uma senhora no bairro da Penha.

Amaral, aproveitando o feriado, apostava dinheiro nos jogos de azar que se davam nas proximidades do Mercado Central. Logo avistou Antônio Lemes entre outras crianças que brincavam por ali. Levantou-se e convidou o garoto para almoçar com ele no Restaurante Meio-Dia, como fazia habitualmente. O rapaz aceitou.

Comeram, beberam vinho, e Amaral ofereceu 2$000 (dois mil réis) a ele para que o acompanhasse até a Penha. Como Antônio Lemes conhecia bem o bairro e tinha mesmo que fazer um serviço ali, concordou de bom grado.

Os dois seguiram para o largo do Mercado, onde tomaram o bonde. No ponto final da linha, seguiram a pé pela estrada de São Miguel. De vez em quando paravam em bares pelo caminho, para que Amaral tomasse uns tragos.

Na altura do quilômetro 39, Amaral pegou um atalho da estrada recém-construída. Quando se afastaram o suficiente, enlaçou fortemente o rapaz com o braço esquerdo, esganando-o com a mão direita. Antônio Lemes, pego de surpresa, não resistiu. Apenas empalideceu e desmaiou. Sem querer arriscar, Amaral enrolou um cinto de brim branco, de 85 centímetros de comprimento no pescoço de sua vítima e apertou-o com máxima força. Depois jogou-o no chão, tirou-lhe a calça, rasgou-lhe a camisa e fez sexo com o cadáver. Logo em seguida fugiu.

Dessa vez, o assassino não teria a mesma sorte. O corpo de Antônio Lemes foi encontrado no dia seguinte.

As Investigações

Ao começarem as investigações na área do Mercado, perto de onde o rapaz morava, alguém disse tê-lo visto na companhia de um homem negro. A polícia, sem perder tempo, começou a investigar todos os homens negros com antecedentes de pederastia, uma vez que Antônio Lemes havia sido sodomizado. Os jornais também noticiaram o crime com alarde.

A primeira testemunha a comparecer à delegacia, Roque Siqueira, havia lido as notícias sobre o crime nos jornais e informou ter visto, no primeiro dia do ano, um sujeito negro convidando um menino para almoçar com ele. Almoçaram no mesmo restaurante em que Roque Siqueira estava. Ele viu o adulto pagando algum dinheiro ao garoto. A testemunha disse à polícia que o sujeito era conhecido nas imediações do Mercado como um vagabundo que vivia da exploração do jogo de cartas naquela redondeza.

Os investigadores, acompanhados de Roque Siqueira, saíram a procura do suspeito. Não demorou muito para que o encontrassem.

Prisão e Confissão dos Outros Crimes

José Augusto do Amaral foi preso pelo assassinato de Antônio Lemes, mas não demorou a confessar seus crimes anteriores. Segundo ele, os atos de pederastia eram praticados somente após a certeza da morte da vítima, como se esse argumento atenuasse a sua culpa. As declarações do Preto Amaral foram feitas com naturalidade e sem a menor demonstração de emoção, segundo os relatos dos policiais e jornais da época.

Organizaram-se então diligências para pesquisar o Campo de Marte, onde o criminoso alegou ter deixado os outros corpos. Sem hesitar, Preto Amaral guiou os investigadores até um local próximo a um bambual, onde foi encontrada uma ossada humana. Mais adiante, sob a ramagem de uma pequena moita ressequida, jazia o cadáver de outro menino.

A polícia estava pronta para processar Preto Amaral e colocá-lo na cadeia pelo resto da vida, mas outra confirmação ainda surgiria: O Srº Carmine, pai do engraxate Rocco, procurou a polícia e contou o que acontecera com seu filho no ano anterior. O menino foi trazido ao gabinete do delegado, onde reconheceu Preto Amaral como seu agressor.

Outro que compareceu à delegacia foi Antonio Manoel Neves Filho, 16 anos, que quase caiu na armadilha do mesmo assassino. Ele foi abordado na Rua Voluntários da Pátria e seguiu Preto Amaral até Ponte Grande. Por sorte, quando estava no meio do matagal, conseguiu fugir. Também reconheceu Preto Amaral como seu agressor.

Mais uma vítima se apresentou, Manoel Antonio Neves, 13 anos. Ele contou ter sido convidado por um negro de nariz recurvo para acompanhá-lo até a Estação da Cantareira, com a finalidade de ajudar a trazer um embrulho para o Campo de Marte, onde estavam. Pelo serviço, receberia 1$000 (mil réis). Depois de alguns momentos na companhia do homem, Manoel Antonio Neves achou que alguma coisa estava errada e resolveu fugir. Ele também reconheceu formalmente José Augusto do Amaral como o homem que o "contratou".

A polícia não conseguiu comprovar a culpa de Preto Amaral no desaparecimento de outras crianças ocorridos na mesma época:

  • Antonio Ramalho Filho, 16 anos, desapareceu em 23/12/1926.
  • Luis Bicudo, 15 anos, encanador, desapareceu em 25/12/1926.
  • Sarkis Delclarei, 14 anos, desapareceu em 27/12/1926.
  • Vicente Scagelli, 17 anos, desapareceu em 27/12/1926.
  • Luis Hirah, 15 anos, telegrafista, desapareceu em 31/12/1926.

Estavam confirmadas todas as declarações de homicídio do suspeito, que dizia estar se sentindo melhor depois de sua confissão, mas ele não reconheceu ter abordado as vítimas vivas que o reconheceram na delegacia.

Segundo o Preto Amaral, suas noites estavam sendo atormentadas pelos fantasmas das pessoas para as quais fez algum mal. Esperava, com a admissão de seus crimes, viver em paz.

Enquanto estava preso, à espera de julgamento, Preto Amaral foi submetido a exames físicos e psiquiátricos. Os médicos concluíram que se tratava de criminoso sádico, necrófilo e pederasta, sendo a criança seu objeto especial. Tinha habilidade de praticar seus crimes sem ser descoberto e, se não fosse sua confissão, dificilmente os restos mortais de suas vítimas seriam encontrados.

No exame físico, foi constatado que seu órgão genital tinha um tamanho descomunal. Segundo Preto Amaral, uma "mulher da vida" jamais o atendia duas vezes. Ele atribuía esse fato a uma simpatia que fez quando adolescente. Aconselhado por amigos, teria marcado numa bananeira o tamanho desejado para seu pênis, com dois traços riscados a faca. Passado algum tempo, ao perceber que seu pênis se desenvolvia sem parar, correu até a árvore para modificar o traçado, mas já era tarde. Ela crescera demais e a distância entre os traços também. Desesperado, Amaral derrubou-a a machadadas na tentativa de interromper o processo, mas, segundo ele, o "encanto" permaneceu.

Na face anterior do braço esquerdo tinha tatuado desde os 14 anos, as iniciais do nome de sua mãe, Francisca Cláudia.

Preto Amaral era analfabeto, inteligente, tocava instrumentos musicais de ouvido e tinha excelente memória. Era ferreiro e cozinheiro. Morou em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Amazonas, Pará, Bolívia, Argentina, Uruguai, Rio Grande do Sul e, finalmente, São Paulo.

Alegava ter alucinações depois de ter cometido seu primeiro crime. Jamais mostrou algum sinal de arrependimento sobre seus atos. Não se sabe se matou meninos nos locais onde morou antes de chegar a São Paulo.

Preto Amaral não refletia sobre suas ações. Era completamente impulsivo em relação a elas. Não percebia nada de anormal em seu comportamento.

Morte

O Preto Amaral, Monstro Negro, Papão de Crianças, Besta-Fera, Espigado ou Tucano, como também foi chamado, foi ficando cada vez mais debilitado enquanto estava na cadeia. Emagreceu, tinha febre constante e dores reumáticas.

Foi removido para a enfermaria da Cadeia Pública, onde faleceu vítima de tuberculose pulmonar em 02/07/1927, aos 55 anos, ainda sob prisão preventiva. Nunca chegou a ser julgado.

Preto Amaral é considerado o primeiro Serial Killer brasileiro e hoje sua história faz parte do Museu do Crime em São Paulo.

Fonte: "Serial Killer Made In Brazil" (Ilana Casoy)