Nelson Prudêncio

NELSON PRUDÊNCIO
(68 anos)
Atleta e Professor

☼ Lins, SP (04/04/1944)
┼ São Carlos, SP (23/11/2012)

Nelson Prudêncio foi um atleta de salto triplo e professor brasileiro. Juntamente com Adhemar Ferreira da Silva e João do Pulo foi um dos maiores desportistas de sua modalidade.

Nelson Prudêncio fez história ao conquistar duas medalhas olímpicas, uma de prata nos Jogos Olímpicos de Verão de 1968 na Cidade do México e uma de bronze nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972 em Munique. No México, ele protagonizou uma das mais disputadas finais do salto triplo com o soviético Viktor Saneyev e o italiano Giuseppe Gentile, quando chegaram a quebrar o recorde mundial nove vezes durante a prova.

Nelson Prudêncio, que também ganhou medalhas de prata nos Jogos Pan-Americanos de 1967  em Winnipeg, Canadá e nos Jogos Pan-Americanos de 1971 em Cali, Colômbia, foi o primeiro brasileiro a suceder o consagrado Adhemar Ferreira da Silva, duas vezes campeão olímpico em salto triplo.

Nascido em Lins, no interior paulista, no ano de 1944, Nelson Prudêncio dizia querer ver novamente o Brasil no pódio do salto triplo, o que não ocorre há mais de 30 anos. Ele chegou a desenvolver um estudo acadêmico na Universidade de São Carlos, no qual apontava a importância da ciência para ajudar os atletas que disputam essa modalidade no país.

Homenagens

Durante sua vida, o ex-atleta recebeu diversas homenagens por suas conquistas e por seu trabalho em favor do atletismo brasileiro. Em São Carlos, Araras e Sorocaba, por exemplo, foi criado o "Cross Campus Nelson Prudêncio", uma corrida anual que tem como objetivo incentivar a prática da atividade física no espaço dos campi da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e integrar as comunidades interna e externa à instituição.

Nelson Prudêncio durante as Olimpíadas do México em 1968
Nelson Prudêncio - Atletismo e Salto Triplo

Na infância, Nelson Prudêncio gostava mesmo era de futebol, tanto que chegou a receber um convite para treinar no São Paulo. Só não foi porque o pai queria que ele continuasse os estudos de contabilidade.

Quando se tornou atleta, trabalhava como torneiro mecânico e treinava apenas duas vezes por semana. Medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, 1967, no Canadá, com um salto de 16,45 metros, o sonho de Nelson Prudêncio era bater o recorde brasileiro, de 16,56 metros, ainda em poder de Adhemar Ferreira da Silva. Mas nos Jogos Olímpicos de Verão de 1968 na Cidade do México, com a altitude e o vento a seu favor, Nelson Prudêncio conseguiu muito mais que isso.

Supersticioso, três dias antes da prova que decidiu as medalhas de ouro, prata e bronze, ele foi a uma exposição em que viu um quadro com um negro de camisa amarela em um pódio e logo pensou: "Vou ganhar uma medalha olímpica", vislumbrou. Durante mais de três horas, ele, o soviético Viktor Saneiev e o italiano Giuseppe Gentile brigaram pela vitória. O recorde mundial foi quebrado nada menos que cinco vezes.


No último salto, Nelson Prudêncio chegou à marca de 17,27 metros, uma marca surpreendente. Mas a alegria durou apenas 25 minutos. Viktor Saneiev pulou 17,39 metros, conseguindo o novo recorde e a medalha de ouro. Nelson Prudêncio ficou com a prata. Ainda que por menos de meia hora, naquele dia Nelson Prudêncio tornou-se um dos poucos brasileiros detentores de um recorde mundial no atletismo, façanha até hoje alcançada por três brasileiros: Adhemar Ferreira da Silva,  João Carlos Oliveira, o João do Pulo, e pelo maratonista Ronaldo da Costa.

Depois de 1968, Nelson Prudêncio havia decidido não participar dos Jogos Olímpicos de Verão de 1972 em Munique. Mudou de idéia, retornou aos treinamentos apenas seis meses antes das competições, com a meta de saltar acima de 17 metros. E foi justamente com a marca de 17,05 metros que ele trouxe a medalha de bronze, perdendo outra vez para Viktor Saneiev. Era o dia 4 de setembro, e justamente por isso o sempre supersticioso Nelson Prudêncio acreditava que venceria. "Nasci em 1944, no dia 4 de abril, que é o mês quatro", lembrou naquela oportunidade. "Além disso, serei o quarto a saltar". Acabou ficando em terceiro.

Nelson Prudêncio encerrou a carreira em 1976, logo depois dos Jogos Olímpicos de Verão de 1976 em Montreal.

Nelson Prudêncio exercia a função de vice-presidente na Confederação Brasileira de Atletismo. Além disso, com doutorado em educação física pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Também era professor na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), interior de São Paulo.

Morte

Nelson Prudêncio morreu na madrugada de sexta-feira, 23/11/2012, vítima de um câncer de pulmão descoberto há um mês, ele estava internado desde terça-feira na Casa de Saúde de São Carlos, onde permanecia em estado de coma irreversível. A doença foi constatada no início de novembro e pegou Nelson Prudêncio e sua família de surpresa. O diagnóstico apontou um câncer de pulmão já em estado avançado, o que dificultou ainda mais o tratamento. 

De acordo com comunicado divulgado no site do hospital, o velório seria realizado na manhã desta sexta-feira no Cemitério Municipal Nossa Senhora do Carmo, em São Carlos, com o sepultamento marcado para as 16h30min.

Familiares chegaram a cogitar transferir Nelson Prudêncio para um hospital de São Paulo assim que ele piorou, mas seu estado de saúde não permitiu que isso fosse feito.

Fonte: Wikipédia e Veja
Indicação: Fada Veras e João Veras

Um comentário:

  1. Foi uma dia muito triste hoje para nós Sãocarlenses e o Brasil. Mas foi confortante ver no velório o carinho para com vc Nelson e o qto vc é amado. Estou triste mas vc não merecia sofrer com essa terrível doença. Por isto Deus veio lhe buscar. Vai na Paz meu amigo. Saudades e esteja nos abraços do Senhor.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!