Goulart de Andrade

LUÍS FILIPE GOULART DE ANDRADE
(83 anos)
Jornalista e Apresentador de Televisão

☼ Rio de Janeiro, RJ (06/04/1933)
┼ São Paulo, SP (23/08/2016)

Luís Filipe Goulart de Andrade foi um apresentador de televisão e jornalista brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 06/04/1933.

Com mais de 80 anos, permaneceu ativo até a data de sua morte, como jornalista e comandando o programa "Vem Comigo" na TV Gazeta. O nome de seu último programa era inspirado em seu tradicional bordão, dito ao iniciar uma reportagem.

De tradicional família alagoana, é filho do funcionário público Flávio Goulart de Andrade, antigo diretor do Senado Federal, e da cantora Elisinha Coelho. Seu avô paterno era o jornalista e senador por Alagoas, Eusébio Francisco Goulart de Andrade. O escritor José Maria Goulart de Andrade era seu tio-avô, e a cantora e atriz Carmen Miranda foi sua madrinha de batismo.

Goulart de Andrade iniciou sua carreira na antiga TV Rio, em 1955, no programa "Preto no Branco". Produziu e dirigiu os mais variados programas desde então, em praticamente todas as emissoras brasileiras, com destaque para o "Brasil 63", de Bibi Ferreira, na TV Excelsior, e as fases iniciais do "Fantástico" e do "Globo Repórter", na década de 70.

Em 1978 criou o programa "Plantão da Madrugada", na Rede Globo, que, depois de seu desligamento da emissora, seria recriado pela sua produtora e exibido em várias emissoras, com o nome de "Comando da Madrugada", depois renomeado "Comando da Noite", devido à mudança de horário, em 2007.


Em 1982 deixou a Rede Globo e assinou contrato com a Rede Bandeirantes para apresentar o "Comando da Madrugada", que ficaria na emissora até dezembro de 1985, quando Goulart de Andrade é contratado pelo Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), de Sílvio Santos.

Sua produtora independente, a Produtora Goulart de Andrade, também criaria outros programas de reportagem, como "23ª Hora" (Gazeta, 1983-1984), "Eu Sou o Repórter" (SBT, 1988-1989) e a primeira fase do "Repórter Record" (1995-2001), que passaria a ser produzido pela própria emissora e não mais por produção independente.

Em 2008, iniciou o "Programa Goulart de Andrade", na Record News, que documentava regiões e situações, além de entrevistar pessoas influentes em determinadas áreas e dar dicas de gastronomia e enologia, com o apoio de Edílio Lopes.

Em 2009, foi contratado pelo SBT, a pedido de Paulo Nicolau, novo diretor de jornalismo da emissora.

Em 2012, estreou o programa "Vem Comigo", na TV Gazeta. Nele, as antigas matérias de Goulart de Andrade eram reexibidas e alunos dos cursos de Rádio e TV e de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero foram convocados a atualizar o tema.

Em 2014, Goulart de Andrade voltou a Rede Globo para uma rápida participação como o sambista Oswaldo na minissérie "Os Experientes".

Polêmicas

Muitas vezes, a crítica considerava que Goulart de Andrade exagerava demais em suas reportagens. Em 28 anos de programa, chegou a exibir ao vivo, uma aplicação de silicone industrial por travestis no centro de São Paulo e uma delicada cirurgia de ponte de safena, em que o paciente infartado era ele mesmo.

Exibiu também a filmagem da necropsia de Paulo César Farias, tesoureiro da campanha presidencial de Fernando Collor, assassinado em circunstâncias misteriosas em 23/06/1996. No dia 11 de julho daquele ano, Goulart de Andrade exibiu em seu programa, na extinta Rede Manchete, trechos da necropsia de um cadáver, que apresentava seus órgãos sendo retirados, lavados e secados.

Morte

Goulart de Andrade morreu na terça-feira, 23/08/2016, em São Paulo, SP, aos 83 anos, vítima de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Ele não resistiu aos problemas respiratórios intensos.

Ele deixa a mulher, Margareth Bianchini, com quem viveu os últimos 13 anos, sem filhos, além de três filhos, três netos e uma bisneta.

"Ele foi internado na outra segunda-feira (15/08/2016) e ficou até domingo (21/08/2016). Foram várias internações, ele ficava muito inchado, passava mal, não respirava e teve problemas com uma úlcera aguda. No domingo, ele foi liberado e voltou estabilizado para casa. Menos de 12 horas depois, ele teve um desmaio e detectou-se baixa oxigenação no sangue. Ele precisou ser entubado por não respirar direito e veio a falecer.
Eu passei a quinta-feira (18/08/2016) toda com ele, ele conversava, articulava, completamente lúcido. Levantava, aprontava arte [risos], queria ir sozinho no banheiro, queria ver o cardápio para pedir comida. Era o mesmo Goulart que eu sempre conheci, e ele aguardava ansiosamente a mulher chegar."

(Sandra de Angelis, amiga e assessora de Goulart ao portal R7)


Programas Que Goulart de Andrade Apresentou

  • 1978-1981 - Plantão da Madrugada (Rede Globo)
  • 1982-1985 - Comando da Madrugada (Rede Bandeirantes)
  • 1986-1994 - Comando da Madrugada (SBT)
  • 1995-1997 - Comando da Madrugada (Rede Manchete)
  • 1997-2002 - Repórter Record (Rede Record)
  • 2003-2005 - Comando da Madrugada (Rede Bandeirantes)
  • 2005-2006 - Comando da Noite (Rede Bandeirantes)
  • 2008-2009 - Programa Goulart de Andrade (Record News)
  • 2012-2016 - Vem Comigo (TV Gazeta)

Fonte: Wikipédia e R7

Geneton Moraes Neto

GENETON MORAES NETO
(60 anos)
Jornalista e Escritor

☼ Recife, PE (13/07/1956)
┼ Rio de Janeiro, RJ (22/08/2016)

Geneton Moraes Neto foi um jornalista e escritor brasileiro nascido em Recife, PE, no dia 13/07/1956.

Geneton Moraes Neto iniciou sua carreira como repórter do Diário de Pernambuco, em 1972. Entre 1975 e 1980, foi repórter da sucursal Nordeste do jornal O Estado de S.Paulo.

Trabalhou na TV Globo Nordeste como repórter e editor, transferindo-se para a Rede Globo no Rio de Janeiro em 1985.

Foi editor do Jornal da Globo e do Jornal Nacional, correspondente da GloboNews e do jornal O Globo na Inglaterra, além de repórter e editor-chefe do programa dominical Fantástico.

Geneton Moraes Neto ganhou o Prêmio Embratel de telejornalismo de 2010 com as entrevistas com os generais Newton Cruz e Leônidas Pires Gonçalves, exibidas no programa "Dossiê Globonews". Ao receber o prêmio, disse, em texto publicado no portal G1: "Não se faz Jornalismo com tédio. Faz-se com devoção. Jornalista existe para levantar - não para derrubar - assuntos".

Geneton Moraes Neto dirigiu, em 2010, o documentário "Canções do Exílio", exibido no Canal Brasil, com depoimentos de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jorge Mautner e Jards Macalé sobre o período em que viveram em Londres.


Recebeu da Academia Brasileira de Letras (ABL), em 2012, a Medalha João Ribeiro, concedida anualmente a personalidades que se destacam na área da cultura.

Dirigiu o primeiro documentário de longa metragem produzido pela GloboNews, "Garrafas ao Mar: A Víbora Manda Lembranças". Com uma hora e vinte de duração, o documentário reúne entrevistas gravadas ao longo de vinte anos de convivência com o jornalista Joel Silveira, tido como o maior repórter brasileiro. "Garrafas ao Mar: A Víbora Manda Lembranças" foi exibido pela GloboNews, sem intervalos, no dia 02/02/2013. Em dezembro, o jornal O Globo elegeu "Garrafas ao Mar: A Víbora Manda Lembranças" como um dos Dez Melhores Programas exibidos pela TV brasileira em 2013.

Também em 2013, dirigiu, na GloboNews, o documentário "Dossiê 50: Comício a Favor dos Náufragos",  com gravações em áudio e vídeo feitas com todos os onze jogadores que enfrentaram o Uruguai na decisão da Copa de 1950, no Maracanã.

Em 2015, dirigiu o documentário "Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro", ganhador do Prêmio Especial do Júri no 25º Festival Ibero-Americano de Cinema, realizado em Fortaleza, CE. O filme trata da grande polêmica provocada que Glauber Rocha provocou ao oferecer apoio ao projeto de abertura política anunciado pelo general Ernesto Geisel.

Morte

Geneton Moraes Neto morreu na segunda-feira, 22/08/2016, no Rio de Janeiro, RJ, aos 60 anos, vítima de um aneurisma na artéria aorta. Ele estava internado na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro, desde maio.

O velório ocorrerá ma quarta-feira, 24/08/2016, no Memorial do Carmo, Rio de Janeiro, onde o corpo será cremado.

Geneton Moraes Neto deixou a esposa Elizabeth, três filhos, Joana, Clara e Daniel, e quatro netos, Beatriz, Dora, João Philippe e Francisco.

Obras Publicadas

  • 1983 - Caderno de Confissões Brasileiras
  • 1988 - Cartas ao Planeta Brasil
  • 1990 - Hitler/Stalin: O Pacto Maldito (Parceria com Joel Silveira)
  • 1992 - Nitroglicerina Pura (Parceria com Joel Silveira)
  • 1994 - O Dossiê Drummond / A Última Entrevista do Poeta
  • 1997 - Dossiê Brasil
  • 2000 - Dossiê 50: Os Onze Jogadores Revelam os Segredos da maior Tragédia do Futebol Brasileiro
  • 2004 - Dossiê Moscou
  • 2005 - Dossiê Brasília: Os Segredos dos Presidentes
  • 2007 - Dossiê História: Um Repórter Encontra Personagens e Testemunhas de Grandes Tragédias da História Mundial
  • 2009 - Dossiê Gabeira

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio

Luis Álvaro

LUIS ÁLVARO DE OLIVEIRA RIBEIRO
(73 anos)
Empresário e Ex-Presidente do Santos Futebol Clube

☼ Santos, SP (16/12/1942)
┼ São Paulo, SP (16/08/2016)

Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, também conhecido como Laor, foi um empresário brasileiro do setor imobiliário e presidente do Santos Futebol Clube, tendo cumprido mandato entre dezembro de 2009 e maio de 2014 após suceder um mandato de dez anos de Marcelo Teixeira.

Nascido na cidade de Santos, SP, em 16/12/1942, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro foi conselheiro do Santos por 17 anos, tendo renunciado ao cargo de conselheiro uma vez. Luis Álvaro foi candidato à presidência do Santos em 2003 contra o empresário Marcelo Teixeira, tendo alcançado 990 votos (40% dos votantes).

"Meu médico e minha família me chamaram de louco por assumir a candidatura, pois em julho de 2003 havia sofrido um infarto e quatro paradas cardíacas. Mas o amor pelo Santos falou mais alto, e dois meses depois de ver a morte de perto eu estava lá como candidato!"
(Luis Álvaro)

Em novembro de 2009, em eleição marcada por manifestações, o candidato da oposição venceu com 62 % dos votos válidos, 1.882 votos, o maior quorum da história do clube, derrotando o mesmo Marcelo Teixeira, que desde então havia se mantido na presidência do clube. Além deste recorde, era também o mais rápido presidente campeão do Santos, feito alcançado ao conquistar o Campeonato Paulista de 2010, depois de apenas 30 partidas no total, 23 pelo campeonato.

Luís Alvaro foi o 35° presidente do Santos Futebol Clube.

Um dos seus maiores feitos, logo no começo da gestão, foi a repatriação do ídolo Robinho, contratado por empréstimo junto ao Manchester City, da Inglaterra. Para obter êxito na negociação, Luis Álvaro contou com a ajuda de parceiros que, por meio de cotas, ajudaram a pagar os salários do atacante.

Após conquistar o Campeonato Paulista de Futebol estando por apenas cinco meses no comando executivo do Santos Futebol Clube, Luis Álvaro alcançou outro feito notável: Liderou o clube à sua segunda conquista no ano de 2010, a Copa do Brasil, título inédito para o Santos. Desde 1968, o Santos não conquistava dois títulos no mesmo ano.

Usando de sua habilidade e experiência no ramo dos negócios, Luis Álvaro contrariou todas as expectativas e renovou por cinco anos o contrato do atacante Neymar, que vinha sendo fortemente assediado pelo Chelsea para trocar o Santos pelo clube londrino. A negociação salarial foi feita nos mesmos moldes da que já havia rendido sucesso com Robinho. Ainda em 2010, antes de completar um ano de mandato, repatriou mais um ídolo da torcida santista, um dos destaques do Brasil na Copa da África, Elano.

Luis Álvaro estabeleceu importante participação na conquista da Taça Libertadores da América de 2011 vencida pelo Santos.

Em 15/05/2014, após dois meses afastado da presidência santista, Luís Álvaro renunciou ao cargo por problemas de saúde. Disse, na carta de renúncia:

"Lamento, constrangido, este ato extremo por conta do expressivo percentual de 87% dos sócios que me confiaram a reeleição, a quem peço desculpas."

Morte

Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro morreu na madrugada de terça-feira, 16/08/2016, em São Paulo, SP, aos 73 anos. Luis Álvaro estava internado no Hospital Albert Einstein para tratamento de um tumor maligno no reto.

Nos últimos anos, enfrentou problemas cardíacos e pulmonares, além de ter retirado parte do intestino por causa de um quadro de colite e ter uma pancreatite.

Títulos

Futebol Masculino
  • 2013 - Copa São Paulo de Futebol Júnior
  • 2012 - Campeonato Paulista
  • 2012 - Recopa Sul-Americana
  • 2011 - Copa Libertadores da América
  • 2011 - Campeonato Paulista
  • 2010 - Copa do Brasil
  • 2010 - Campeonato Paulista

Futebol Feminino
  • 2011 - Torneio Internacional Interclubes de Futebol Feminino
  • 2011 - Campeonato Paulista
  • 2010 - Copa Libertadores da América de Futebol Feminino
  • 2010 - Campeonato Paulista

Futesal
  • 2011 - Liga Futsal
  • 2011 - Copa Gramado

Fonte: Wikipédia

Elke Maravilha

ELKE GEORGIEVNA GRUNNUPP
(71 anos)
Modelo, Manequim, Jurada, Apresentadora e Atriz

☼ Leningrado, Rússia (22/02/1945)
┼ Rio de Janeiro, RJ (16/08/2016)

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp, em russo Элке Георгевна Груннупп, foi uma modelo, manequim, jurada, apresentadora e atriz nascida em Leningrado, Rússia, e de cidadania alemã radicada no Brasil.

Filha do russo George Grunupp e da alemã Liezelotte von Sonden, Elke nasceu na antiga Leningrado, hoje São Petersburgo. Ela tinha seis anos quando sua família emigrou para o Brasil, fugindo de perseguições políticas do stalinismo soviético. O casal e os três filhos, privados da cidadania russa, se estabeleceram primeiramente em um sítio em Itabira, MG.

Em 1955 sua família arrendou terras em Atibaia, SP, dedicando-se ao cultivo de morangos. Em seguida, a família mudou-se para Bragança Paulista, SP, onde também cultivou a terra. De volta a Minas Gerais, foi escolhida Glamour Girl em Belo Horizonte em 1962. Foi nesse período que foi naturalizada brasileira.

Aos 20 anos, ela saiu de casa para morar sozinha no Rio de Janeiro, RJ, onde arrumou emprego como secretária bilíngue, valendo-se de sua fluência em oito idiomas, muitos deles aprendidos no próprio ambiente familiar, além de ser a mais jovem professora de francês da Aliança Francesa e de inglês na União Cultural Brasil - Estados Unidos.

Nesse meio tempo seu pai tornou-se diretor da Liquigás e foi transferido para Porto Alegre, RS. Elke então voltou a morar com a sua família em Porto Alegre entre 1966 e 1969, onde cursou cadeiras nas faculdades de Filosofia, Medicina e Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e se formou tradutora e intérprete de línguas estrangeiras.


Começou a atuar como modelo e manequim aos 24 anos, em 1969, no mesmo período em que se casou com o escritor grego Alexandros Evremidis, o primeiro de seus oito casamentos.

No início da carreira Elke conheceu a estilista Zuzu Angel, de quem se tornou amiga. Durante a ditadura militar, em 1971, Elke foi presa por desacato no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, por rasgar cartazes com a fotografia de Stuart Angel Jones, filho da amiga Zuzu Angel, alegando que ele já havia sido morto pelo Regime Militar.

Foi enquadrada na Lei de Segurança Nacional e perdeu a cidadania brasileira, o que a deixou apátrida. Só foi solta depois de seis dias após a intervenção de amigos da classe artística. Anos depois, requisitou a cidadania alemã, a única que possuía.

A história da estilista Zuzu Angel foi contada nos cinemas em 2006 no longa metragem "Zuzu Rangel". No filme Elke foi interpretada pela atriz Luana Piovani e fez uma participação especial.

Sua vida pessoal sempre foi conturbada. Morou em diversos países e teve oito casamentos, com homens de diversas nacionalidades. Fez três abortos, fruto de seus três primeiros casamentos, pois jamais quis ser mãe, e sempre achou que com seu jeito rebelde de ser, jamais poderia educar uma criança de forma digna. Contou em entrevistas que tomava pílula anticoncepcional, mas fora enganada por alguns desses maridos, que queriam ser pais, e em vez de tomar a pílula certa, Elke tomava a pílula de farinha. Após descobrir isto, começou a usar o Dispositivo Intrauterino (DIU).

Elke também foi usuária de todos os tipos de drogas ilícitas, além de todos os tipos de bebida alcoólica. Dizia que não tinha preferência por nenhum tipo de homem, e sim, que tinha pressa de namorar.

Carreira

Começou a atuar como modelo e manequim aos 24 anos, vindo a trabalhar com estilistas famosos da época e foi considerada como inovadora nas passarelas. Inicialmente discreta, com o tempo ela abriu espaço para sua extravagância.

Chamando atenção por ser bastante alta, 1,80m, e loira natural, não pensava em seguir carreira artística, já que dava aulas de língua estrangeira há alguns anos, e gostava do que fazia. Apesar disto, foi convencida por muitas pessoas, pois era considerada de uma beleza exótica para os padrões do Brasil. Aceitou os convites que vieram e começou a sua carreira com Guilherme Guimarães. Muito famosa no mundo da moda, parou de dar aulas e conquistou sucesso.

Elke fez cursos de cinema, teatro e trabalhou na televisão. Foi batizada como Elke Maravilha pelo jornalista Daniel Más, e se tornou conhecida ao ser chamada dessa forma por Chacrinha, com quem ela trabalhou durante 14 anos, a partir de 1972.

Elke Maravilha tornou-se popular na TV brasileira nos anos 70 e 80, aparecendo como jurada de programas de calouros do Chacrinha e de Silvio Santos. Nesses programas sempre usava perucas, roupas chamativas e buscava passar mensagens positivas para os espectadores.

Em 1993, estreou o "Programa da Elke", onde recebia personalidades para bate-papo e entrevistas.


Elke começou a trabalhar como atriz em "O Barão Otelo no Barato dos Bilhões" (1971), com Grande Otelo, e atuou em filmes como "Pixote, a Lei do Mais Fraco" (1980), de Héctor Babenco, "Quando o Carnaval Chegar" (1972) e "Xica da Silva" (1976), de Cacá Diegues

Por sua interpretação em "Xica da Silva", Elke Maravilha foi premiada com a Coruja de Ouro como Melhor Atriz Coadjuvante.

No teatro foi expoente do Movimento de Arte Pornô, um movimento artístico de cunho positivista brasileiro de vanguarda que começou na década de 1960 e terminou em 1982. Foi uma resistência política ao Golpe militar de 1964, e o movimento foi experimental do ponto de vista formal, politicamente progressista e socialmente não-normativo. O uso da palavra diva "pornô" foi deliberado, no entanto não houve produção de pornografia convencional, muito pelo contrário, rejeitou-se o erotismo.

Sua estréia como atriz na televisão foi em 1986 como dona de um bordel na mini-série "Memórias de um Gigolô", com direção de Walter Avancini, e a atuação lhe rendeu o convite para ser madrinha da Associação das Prostitutas do Rio de Janeiro.

Em 2016 a atriz estava em cartaz com "Elke Canta e Conta", peça itinerante sobre sua história, em que contava da sua infância na Rússia, dos casamentos e de sua vida como modelo e apresentadora.

Morte

Elke Maravilha morreu na madrugada de terça-feira, 16/08/2016, aos 71 anos. Ela estava internada havia quase um mês na Casa de Saúde Pinheiro Machado, no bairro de Laranjeiras, Rio de Janeiro, após uma cirurgia para tratar uma úlcera.

"Ela teve complicações após a operação e também tinha diabetes. Ela não estava mais respondendo aos remédios", explicou o irmão da atriz, Frederico Grunnupp. O laudo médico ainda não foi liberado, mas segundo Frederico Grunnupp a atriz sofreu falência múltipla dos órgãos por volta de 1h00.

Natasha Grunnupp, sobrinha de Elke, falou sobre os últimos dias dela no hospital: "Mesmo no hospital ela estava sempre muito feliz, sempre aquele ar de felicidade, a gente estava preocupado com as partes técnicas, vendo a situação, mas ela não. Ela passou por uma cirurgia no sábado porque um dos pontos da primeira cirurgia tinha estourado e depois disso piorou!".

O corpo de Elke Maravilha será velado às 9h00 de quarta-feira, 17/08/2016, no Teatro Carlos Gomes, no região central do Rio de Janeiro. O enterro está marcado para acontecer às 16h00, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul da cidade.

Televisão
  • 1973 - A Volta de Beto Rockfeller ... Sofia
  • 1979 - Milagre - O Poder da Fé ... Ela Mesma
  • 1986 - Memórias de um Gigolô ... Madame Yara
  • 1988 a 1991 - Cassino do Chacrinha ... Jurada
  • 1993 a 1996 - Programa Elke Maravilha ... Apresentadora
  • 1998 - Pecado Capital ... Ela mesma (Participação Especial)
  • 2004 - Big Brother Brasil 4 ... Jurada
  • 2004 - Celebridade ... Ela mesma (Participação Especial)
  • 2004 - Da Cor do Pecado ... Jurada (Participação Especial)
  • 2007 - Luz do Sol ... Urânia Szakaly
  • 2009 - Caminho das Índias ... Ela mesma (Participação Especial)
  • 2012 - Morando Sozinho ... Dona Violeta
  • 2013 - As Canalhas ... Cacala
  • 2013 - Destino: Rio de Janeiro ... Tia Selesniova
  • 2015 - Fantástico ... Ela Mesma (Quadro "O Grande Plano")
  • Show de Calouros ... Jurada


Cinema
  • 1970 - Salário Mínimo ... Modelo
  • 1971 - O Barão Otelo no Barato dos Bilhões Secretária
  • 1972 - Os Machões
  • 1972 - Quando o Carnaval Chegar ... Atriz Francesa
  • 1973 - O Rei do Baralho
  • 1974 - Gente Que Transa ... Esmeralda
  • 1976 - Xica da Silva ... Hortência
  • 1977 - Tenda dos Milagres
  • 1977 - A Força do Xangô
  • 1977 - Pastores da Noite
  • 1978 - Elke Maravilha Contra o Homem Atômico  ... Elke Maravilha
  • 1979 - A Noiva da Cidade ... Daniela
  • 1979 - O Milagre
  • 1981 - Pixote, a Lei do Mais Fraco  ... Débora
  • 1987 - No Rio Vale Tudo
  • 1987 - Romance ... Amiga de Antônio César
  • 1987 - Tanga: Deu no New York Times
  • 1988 - Wiezien Rio ... Frank
  • 1999 - Xuxa Requebra ... Iara Macedo "Macedão"
  • 2006 - Zuzu Angel ... Lieselotte
  • 2007 - Elke ... Ela Mesma
  • 2007 - Elke no País das Maravilhas ... Ela Mesma
  • 2010 - A Suprema Felicidade ... Avó de Paulo
  • 2010 - A Maravilha de Ser Elke ... Ela Mesma
  • 2011  - Fca Carla ... Lúcia
  • 2013 - Mato Sem Cachorro ... Dona Noara
  • 2013 - Meu Passado Me Condena ... Mirtes
  • 2015 - A Lenda do Gato Preto ... Angelina
  • 2015 - Super Oldboy ... Senhora
  • 2016 - Carrossel 2: O Sumiço da Maria Joaquina ... Mãe do Gonzalez

Teatro
  • Paixão de Cristo
  • Elke - Do Sagrado ao Profano
  • Viva o Cordão Encarnado
  • O Castelo das Sete Torres
  • Rio de Cabo a Rabo
  • Eu Gosto de Mamãe
  • Carlota Joaquina
  • A Rainha Morta
  • O Homem e o Cavalo
  • Orfeu da Conceição
  • O Lobo da Madrugada
  • Carlota Joaquina

Fonte: Wikpédia

João Havelange

JEAN-MARIE FAUSTIN GOEDEFROID HAVELANGE
(100 anos)
Advogado, Empresário, Atleta e Dirigente Esportivo

☼ Rio de Janeiro, RJ (08/05/1916)
┼ Rio de Janeiro, RJ (16/08/2016)

Jean-Marie Faustin Goedefroid Havelange, mais conhecido como João Havelange, foi um advogado, empresário, atleta e dirigente esportivo brasileiro, nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 08/05/1916.

João Havelange praticou natação e polo aquático profissionalmente, obtendo uma medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1955. Como dirigente, João Havelange destacou-se por ser o sétimo presidente da Fédération Internationale de Football Association (FIFA), de 1974 a 1998, precedido no cargo por Sir Stanley Rous e sucedido por Joseph Blatter.

De 1963 a 2011, João Havelange foi membro do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Em 1998, ele foi eleito presidente de Honra da Fédération Internationale de Football Association (FIFA), sendo também torcedor e presidente de honra do Fluminense.

Filho do belga Faustin Havelange, um comerciante de armas radicado no Rio de Janeiro, onde possuía uma grande propriedade que se estendia pelos atuais bairros de Laranjeiras, Cosme Velho e Santa Teresa, desde a infância se dedicou aos esportes.

No Fluminense, foi escoteiro e atleta, infantil, juvenil e adulto, destacando-se em vários esportes, inclusive no futebol, pois em 1931 foi campeão carioca juvenil. Ainda nesta década graduou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF) e competiu como nadador nas Olimpíadas de Berlim, em 1936.

Brilhou como jogador de pólo aquático em Helsinque, Finlândia, em 1952, além de comandar a delegação brasileira em Melbourne, Austrália, em 1956. Posteriormente, foi dirigente de esporte, inicialmente na Federação Paulista de Natação, já que residia em São Paulo na época, em 1948.

Quando retornou ao Rio de Janeiro em 1952, se tornou presidente da Federação Metropolitana de Natação e vice-presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD). A essa época já havia se formado advogado e além de acionista, ocupava o cargo de diretor executivo da Viação Cometa, tradicional empresa de transporte rodoviário de passageiros que opera nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná.

CBD e COI

De 1956 a 1974 presidiu a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), que congregava, à época, 24 esportes e não somente o futebol. Durante este período, o futebol brasileiro conheceu o ápice de sua história: Consagrou-se Tricampeão Mundial de Futebol com a conquista das Copas do Mundo de 1958, na Suécia de 1962, no Chile, e de 1970, no México.

João Havelange, filho de um belga comerciante de armas, afirmou em entrevista no programa do SporTV, "Histórias Com Galvão Bueno", que após a morte de seu pai, recebeu convite de uma empresa belga para dar continuidade aos negócios do comércio de armas, mas não aceitou tal convite por ter verdadeira aversão a armas, por se tratar de instrumento de morte e violência. João Havelange declarou que nunca possuiu uma arma em sua vida.

Em 01/09/1960 foi eleito Comendador da Ordem da Instrução Pública e a 28/02/1961 foi eleito Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

João Havelange foi eleito para o Comitê Olímpico Internacional (COI) em 1963 e, com mais de 40 anos de mandato ininterrupto, foi decano desse órgão. Foi um dos dois únicos brasileiros que foram membros do Comitê Olímpico Internacional, juntamente com o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman.

Os membros brasileiros no Comitê Olímpico Internacional (COI), desde a sua criação, até 2012, são os seguintes:
  • Raul do Rio Branco, de 1913 a 1938
  • Arnaldo Guinle, de 1923 a 1961
  • Antonio do Prado Júnior, de 1938 a 1955
  • José Ferreira dos Santos, de 1923 a 1963
  • João Havelange, de 1963 a 2012
  • Sylvio de Magalhães Padilha, de 1963 a 2002 (de 1995 a 2002 como membro honorário)
  • Carlos Arthur Nuzman, de 2000 a 2012


Carlos Arthur Nuzman completou 70 anos em 17/03/2012, pelo que, segundo a Carta Olímpica, ao final do ano deixaria de ser membro efetivo do Comitê Olímpico Internacional e passaria a integrar a entidade como membro honorário.

Desses membros, José Ferreira dos Santos e Sylvio de Magalhães Padilha integraram a Comissão Executiva do Comitê Olímpico Internacional. Sylvio de Magalhães Padilha foi, também, vice presidente do Comitê Olímpico Internacional, de 1975 a 1979.

A 13/11/1963 foi elevado a Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública.

Em 2011, renunciou, dias antes da entidade anunciar decisão sobre casos de corrupção que envolviam seu nome.

Presidente da FIFA

Eleito para a Fédération Internationale de Football Association (FIFA) em 1974, permaneceu à frente da entidade até 1998. Organizou seis Copas do Mundo, visitou 186 países e trouxe a China, desligada por mais de 25 anos por razões políticas, de volta à FIFA. Criou também os Campeonatos Mundiais de Futebol nas categorias infanto-juvenil, juvenil, juniores e feminina.

Neste período, torna-se amigo de Horst Dassler, herdeiro da marca esportiva Adidas, e dono da ISL, considerada a maior empresa de marketing esportivo do mundo, que comercializa os direitos de televisionamento e publicidade das Copas do Mundo de futebol e das Olimpíadas.

A 21/06/1991 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.

Quando deixou a Presidência da FIFA, em 1998, já eleito Presidente de Honra, passou a se dedicar ao trabalho filantrópico junto às Aldeias Internacionais SOS, patrocinado pela entidade em 131 países.

Em abril de 2013, aos 96 anos de idade, renunciou à Presidência de honra da FIFA para escapar de qualquer punição por seu envolvimento em casos de corrupção naquela federação.

Acusações de Corrupção

No livro "Foul! The Secret World Of FIFA: Bribes, Vote-Rigging And Ticket Scandals", lançado em 2006, o jornalista investigativo Andrew Jennings descreve João Havelange como um dirigente corrupto. Segundo Andrew Jennings, o filho do fundador e ex-diretor da Adidas, Horst Dassler, comprou votos de delegados indecisos na primeira eleição de João Havelange. Dois anos depois, o brasileiro retribuiu o favor entregando a Horst Dassler o poder exclusivo sobre a comercialização dos principais torneios mundiais.

Prêmios

Dirigente do Século

Pesquisa realizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), em 1999, aponta João Havelange como um dos três maiores Dirigentes do Século, junto com o Barão Pierre de Coubertin, fundador do COI e idealizador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, e o ех-presidente do COI, Juan Antonio Samaranch.

João Havelange ganhou durante a vida várias medalhas, como a Legion d'Honneur (França), A Ordem de Mérito Especial em Esportes (Brasil), Comandante da Ordem do Infante Dom Henrique (Portugal), Cavaleiro da Ordem de Vasa (Suécia) e, em 2002, recebeu do reitor Paulo Alonso, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o título de Doutor Honoris Causa.

João Havelange teve seu nome usado no estádio carioca do Engenhão (Estádio Olímpico João Havelange), estádio municipal cedido em comodato ao Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro, e Estádio Municipal João Havelange, estádio multiúso em Uberlândia, maior estádio do interior de Minas Gerais.

Prêmio "Faz Diferença" O Globo

Em 2010, foi eleito a Personalidade do Ano de 2009 no prêmio Faz Diferença do jornal O Globo.

Morte

João Havelange faleceu na manhã de terça-feira, 16/08/2016, no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Ele estava internado para tratamento de uma pneumonia desde julho de 2016. O sepultamento ocorreu às 15h00 de terça, 16/08/2016, no Cemitério São João Batista.

No final de 2015, João Havelange foi internado no mesmo hospital em decorrência de problemas pulmonares.

Em nota, o Hospital Samaritano não informou a causa da morte, disse apenas que "a instituição se solidariza com familiares e amigos do dirigente esportivo".

O presidente, Michel Temer, divulgou nota lamentando a morte de João Havelange.

"O esporte mundial perdeu hoje um dos seus mais expressivos líderes. João Havelange se dedicou com afinco ao desenvolvimento do esporte e, principalmente, do nosso Futebol. Presto solidariedade aos familiares e amigos neste momento de pesar."

Fonte: Wikipédia e G1

Margarida Maria Alves

MARGARIDA MARIA ALVES
(50 anos)
Sindicalista e Defensora dos Direitos Humanos

☼ Alagoa Grande, PB (05/08/1933)
┼ Alagoa Grande, PB (12/08/1983)

Margarida Maria Alves foi uma sindicalista e defensora dos direitos humanos brasileira, nascida em Alagoa Grande, PB, no dia 05/08/1933. Durante o período em que esteve à frente do sindicato local de sua cidade, foi responsável por várias ações trabalhistas na justiça do trabalho regional, tendo sido a primeira mulher a lutar pelos direitos trabalhistas no Estado da Paraíba durante a ditadura militar.

"É melhor morrer na luta que morrer de fome!"

Nascida e criada em Alagoa Grande, no Brejo Paraibano, foi a primeira mulher presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade.  Lá, fundou o Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural, uma iniciativa que, até hoje, contribui para o desenvolvimento rural e urbano sustentável, fortalecendo a agricultura familiar.

Lutando pela defesa dos direitos dos trabalhadores sem terra, suas principais metas eram o registro em carteira de trabalho, a jornada diária de trabalho de 8 horas, 13° salário, férias e demais direitos, para que as condições de trabalho no campo pudessem ser equiparadas ao modelo urbano.

Em seus 12 anos de gestão, o Sindicato moveu mais de 600 ações trabalhistas e fez diversas denúncias, como a endereçada diretamente ao Presidente do Brasil, em 1982, João Baptista Figueiredo. Infelizmente, Margarida não viveu o suficiente para ver o resultado de seu pleito. Por causa do surgimento do Plano Nacional de Reforma Agrária, a violência no campo foi intensificada por parte dos latifundiários, que não queriam perder suas terras, mesmo as improdutivas.


A partir deste momento, o trabalho de Margarida na defesa dos direitos dos trabalhadores entrou em conflito com os interesses dos latifundiários, tornando-a uma ameaça para eles.  Em seu discurso na comemoração do  01/05/1983, na cidade de Sapé, na Paraíba, ela deixou isto bem claro:

"Eles não querem que vocês venham à sede porque eles estão com medo, estão com medo da nossa organização, estão com medo da nossa união, porque eles sabem que podem cair oito ou dez pessoas, mas jamais cairão todos diante da luta por aquilo que é de direito devido ao trabalhador rural, que vive marginalizado debaixo dos pés deles."

Margarida seria assassinada três meses e onze dias após essa declaração. O principal acusado é Agnaldo Veloso Borges, então proprietário da usina de açúcar local, a Usina Tanques, e seu genro, José Buarque de Gusmão Neto, mais conhecido como Zito Buarque. Seu sogro era o líder do Chamado Grupo da Várzea, composto  por 60 fazendeiros, três deputados e 50 prefeitos.

O crime ocorreu no dia 12/08/1983, quando um pistoleiro de aluguel, num Opala vermelho, disparou um tiro de escopeta calibre 12 em seu rosto, quando ela estava na frente de sua casa. Seu filho e seu marido viram tudo.


Foram acusados pelo crime o soldado da PM Betâneo Carneiro dos Santos, os irmãos pistoleiros Amauri José do Rego, Amaro José do Rego e Biu Genésio, o motorista do Opala. Mais tarde, ele foi assassinado, como "queima de arquivo".

O crime teve repercussão internacional, com denúncia encaminhada à Corte Internacional de Direitos Humanos e várias outras entidades semelhantes. Severino, o marido de Margarida, dizia que "ela era uma mulher sem medo, que denunciava as injustiças". Na época de sua morte, 72 ações trabalhistas estavam sendo movidas contra os fazendeiros locais.

Símbolo da luta pelos direitos dos trabalhadores rurais, Margarida recebeu, postumamente, o prêmio Pax Christi Internacional, em 1988. Em 1994, foi criada, pela Arquidiocese da Paraíba, a Fundação de Defesa dos Direitos Humanos Margarida Maria Alves e, em 2002, recebeu a Medalha Chico Mendes de Resistência, oferecida pelo Grupo Tortura Nunca Mais (GTNM) do Rio de Janeiro.

O dia de seu assassinato, 12 de agosto, é conhecido como o Dia Nacional de Luta contra a Violência no Campo e pela Reforma Agrária.

Barão de Guaraciaba

FRANCISCO PAULO DE ALMEIDA
(75 anos)
Proprietário Rural e Banqueiro

☼ Lagoa Dourada, MG (10/01/1826)
┼ Rio de Janeiro, RJ (09/02/1901)

Francisco Paulo de Almeida, primeiro e único Barão de Guaraciaba, foi proprietário rural e banqueiro brasileiro, nascido em Lagoa Dourada, MG, no dia 10/01/1826.

Distinguiu-se por ter sido financeiramente o mais bem sucedido negro do Brasil pré-republicano. Possuiu diversas fazendas e cerca de duzentos escravos, com uma fortuna estimada à época em 700 mil contos de réis. Foi proprietário do emblemático Palácio Amarelo na cidade de Petrópolis, RJ.

Filho de António José de Almeida e de sua primeira esposa, Galdina Alberta do Espírito Santo, e casado com Brasília de Almeida (1844-1889).

Francisco Paulo de Almeida começou a trabalhar cedo, como ourives, especializado na confecção de abotoaduras de ouro e botões de colarinho. A filiação nas irmandades lhe possibilitou o aprendizado do violino e a autorização a tocar nos velórios, atividade que complementava seus ganhos.

Aos 16 anos, recebeu como parte da partilha de bens de sua mãe cerca de 257 mil réis. Cinco anos depois, por ocasião do falecimento da avó, foi-lhe concedido 99 mil réis. Considerando que esses valores eram parte da divisão entre numerosos herdeiros, pode-se supor que a família de Francisco tinha um bom nível econômico. Por essa época, Francisco trabalhava como tropeiro, viajando de Minas Gerais pela estrada geral que passava por Valença, Rio de Janeiro.

Casou tarde, por volta de 1860, aos 34 anos, com Brasília Eugenia da Silva Almeida, mulher branca, com quem teve 15 filhos. Neste ano comprou sua primeira fazenda no Arraial de São Sebastião do Rio Bonito. Começava sua ascensão como próspero cafeicultor no no Vale do Paraíba fluminense.

Palácio Amarelo, Petrópolis, RJ. Antiga residência do Barão de Guaraciaba
Os Negócios

Em poucos anos, o barão Francisco Paulo de Almeida comprou outras fazendas de café: Veneza, Santa Fé, Três Barras, Santa Clara e Piracema. Por último, em 1897, já na República, adquiriu a Fazenda Pocinho, entre os municípios de Vassouras e Barra do Piraí.

Suas fazendas estendiam-se pelo Vale do Paraíba fluminense somando um vasto território de 250 km2, centenas escravos e uma fortuna de quase 700 mil contos de réis, patrimônio de um bilionário. Só a fazenda Veneza, em Conservatória, possuía 400 mil pés de café. As sedes de suas fazendas eram belíssimas e ele vivia no extremo luxo. Na corte, possuía um espaçoso sobrado na Tijuca, Rua Moura Brito. Em Petrópolis, cidade de veraneio da nobreza imperial brasileira, era proprietário do célebre Palácio Amarelo, no centro da cidade. O palacete foi adquirido, em 1894, pelo governo para servir de sede da Câmara Municipal.

Homem talentoso para lidar com as finanças, o barão Francisco tinha investimentos diversificados. Em 1870, dedicou-se ao negócio de importação e exportação, com escritório situado na antiga Rua de Bragança, 31, na Corte. Participou da construção da Estrada de Ferro de Santa Isabel do Rio Preto, cujos trilhos atravessavam sua Fazenda Veneza e assistiu sua inauguração ao lado de Dom Pedro II, em 1883.

Aplicava em ações e foi sócio fundador do Banco Territorial de Minas Gerais e do Banco Crédito Real de Minas Gerais. A diversificação dos negócios evitou que Francisco perdesse sua fortuna com o declínio do café do Vale que levou à ruína os barões de café.

Fazenda Veneza, em Conservatória, RJ
O Título de Barão

Em 16/09/1887, Francisco Paulo de Almeida foi agraciado pelo título nobiliárquico de Barão de Guaraciaba. Segundo o decreto, assinado pela Princesa Isabel, regente do trono na ausência do imperador. O título fora-lhe concedido por "merecimento e dignidade" pela beneficência em favor da Santa Casa de Misericórdia de Valença, Rio de Janeiro, em que foi provedor no biênio 1882-1884.

Foi o primeiro e único barão negro do império. Na hierarquia nobiliárquica, barão era o primeiro título de nobreza, seguido por visconde, conde, marquês e duque, sendo este último o de maior importância. Era uma prerrogativa do monarca eleger quem ostentaria essas distinções. Não havia uma regra clara para a concessão, justificada, em geral, por "serviços prestados ao Estado".

Segundo Schwarcz, ao final do Império, a nobreza brasileira possuía 316 barões, 54 viscondes, 10 condes e nenhum duque. Duque de Caxias, o único duque em todo o período imperial, falecera em 07/05/1880. O nome Guaraciaba, palavra de origem tupi que significa "lugar do sol" (junção de kûarasy, sol, e aba, lugar) seguia a voga indianista presente na pintura acadêmica e nos romances brasileiros da época. Dar nomes indígenas aos títulos de nobreza conferia um caráter tropical e exótico à corte imperial.

O Barão e o Escravismo

Francisco Paulo de Almeida iniciou sua trajetória em uma época em que o fluxo de africanos escravizados foi mais vigoroso. A partir de 1850, com o fim do tráfico negreiro, a reposição da força de trabalho ocorreria por meio do tráfico interno. Como seria a relação de Francisco com a nobreza da Corte? E com a oligarquia cafeeira? Sabe-se que ele desfrutou da amizade da Princesa Isabel e do Conde D’Eu. Mas o título de barão só lhe foi concedido ao final de sua vida. Por essa época, viajava frequentemente à Europa, permanecendo por longo tempo em Paris onde seus filhos estudavam. Como grande fazendeiro, homem de negócios e aristocrata Francisco certamente acompanhou todos embates sobre questão da mão de obra: o fim definitivo do tráfico (1850), a Lei de Terras (1850), a introdução de mão de obra livre imigrante nas fazendas de café, a Lei do Ventre Livre (1871), do Sexagenário (1885) e a abolição (1888).

Embora fosse mulato, ou negro, segundo algumas fontes, o barão Francisco estava longe de ser um abolicionista. Na abolição de maio de 1888, ele tinha cerca de 200 escravos na sua fazenda Veneza, em Conservatória.

Após a Proclamação da República, adquiriu o Palácio Amarelo, atual sede do Legislativo da cidade de Petrópolis, foi perseguido pelo legislativo, até vender seu imóvel.

O Barão de Guaraciaba, pelos fatos percebidos, tinha uma visão aguçada de seu tempo, das relações próprias de sua sociedade e dos atributos que o indivíduo necessitava para nela estar e transitar. Nesta sociedade, além do poder econômico, para se situar, para estar, para se manter e para se relacionar com a sociedade, era preciso se preocupar com a instrução.

Por isso, suas filhas, além do programa de estudos preconizado pela Lei Nacional de 15/10/1827, que instituiu a instrução pública para meninas em todo o Império brasileiro (leitura, escrita, quatro operações de aritmética, gramática de língua nacional, os princípios da moral cristã e de doutrina da religião católica, apostólica e romana, bem como as prendas que servem à economia doméstica), estudaram piano, o segundo instrumento de sua devoção. Os filhos foram enviados para estudar em Paris, França.

Nos últimos anos de sua vida, o Barão de Guaraciaba, viajou constantemente para Paris. Faleceu em 09/02/1901, na casa de sua filha Adelina, situada à Rua Silveira Martins, 81. Foi sepultado no Cemitério São João Batista longe da Baronesa que foi sepultada no Cemitério de Bemposta, distrito de Três Rios, RJ.

Em vida, o Barão de Guaraciaba desfez-se de quase todos os seus bens, deixando de herança a Fazenda Pocinho e a Fazenda Santa Fé para suas filhas e para os homens deixou dinheiro em espécie. 

Mônica de Souza Destro
O Barão Negro, Seu Palácio e Seus 200 Escravos
Família resgata memória de um dos homens mais ricos do Brasil Imperial e que ganhou título da Princesa Isabel
(Por Caio Barreto Briso)

Algumas páginas poderiam se desfazer em mãos descuidadas. São documentos guardados a sete chaves há mais de um século. Embora esmaecidas, as folhas mancham de tinta os dedos de quem as manuseia. "Aqui está a história da nossa família", diz Mônica de Souza Destro, na sala de sua casa, em Juiz de Fora, MG. Ela tem muitas pastas empilhadas na sua frente, onde guarda fragmentos de uma história tão esquecida quanto fascinante.

Revirar esses papéis é voltar ao tempo do tataravô de Mônica, o mineiro Francisco Paulo de Almeida, primeiro e único Barão de Guaraciaba, um proprietário rural e banqueiro brasileiro. Um dos mais importantes barões do café do segundo reinado. Titulado como Barão de Guaraciaba pela própria Princesa Isabel, acumulou um enorme patrimônio no Vale do Paraíba fluminense. Suas fazendas estendiam-se pelos estados do Rio de Janeiro e também de Minas Gerais, somando um vasto território estimado em 250 quilômetros quadrados, e uma fortuna de quase 700 mil contos de réis, coisa de bilionário. Mas um detalhe tornava o barão diferente dos outros nobres: Ele era negro em um país escravocrata. Reinou em um mundo dominado por brancos.

"Foi um gênio das finanças. Seu patrimônio era colossal, nem a queda do café o fez quebrar. As sedes de suas fazendas eram belíssimas, ele vivia no extremo luxo. Tinha investimentos diversificados, aplicava em ações, fundou bancos. Foi sócio fundador do Banco Territorial de Minas Gerais e do Banco Crédito Real de Minas Gerais. Por isso se tornou um dos homens mais ricos de seu tempo."
(Afirma o historiador José Carlos Vasconcelos, especialista no passado do Vale do Paraíba)

Mônica de Souza Destro é a guardiã dos documentos históricos que reconstroem a história do barão. Com a ajuda de Vasconcelos, ela está montando a árvore genealógica de sua família. É um trabalho hercúleo. Em um software de genealogia instalado em seu computador, já cadastrou 580 nomes de parentes. A lista começa com os 15 filhos que o barão teve com a mulher, Dona Brasília, e chega até Marina, de 10 anos, caçula de Mônica.

Quem começou a organizar o arquivo da família foi seu avô, o engenheiro Antônio Augusto de Almeida e Souza. Até os 98 anos, idade em que morreu, cuidou com esmero de todas as fotos, inventários, testamentos e certidões de nascimento e óbito dos parentes. Cada filho e neto do barão possui uma minibiografia, escrita à mão por seu Antônio.


Embora fosse negro, o aristocrata estava longe de ser um abolicionista. Quando a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, tinha cerca de 200 escravos na Fazenda Veneza, em Conservatória, onde possuía mais de 400 mil pés de café. Mesmo com a abolição, a maioria continuou trabalhando para o barão, e alguns foram incluídos no testamento, caso de Isabelinha, que trabalhava na sede da fazenda e ganhou, na divisão da herança, o mesmo valor em dinheiro que os filhos: quase 2.000 contos de réis.

Para desenvolver a árvore genealógica da família, Mônica, que trabalha como secretária em um consultório médico, foi atrás dos primos mais distantes. Conheceu diversos parentes de quem nunca ouvira falar, vários deles encontrados no Facebook - nem todos se interessaram em ajudá-la.

Dos 13 filhos do barão, 12 casaram e aumentaram a família, a exceção é Serbelina, a primogênita, que só viveu até os 2 anos.

Com a morte do patriarca, em 09/02/1901, em uma mansão no Catete - para onde se mudou após vender o Palácio Amarelo, em Petrópolis, à Câmara dos Vereadores -, sua família se espalhou por cidades do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. A maioria dos descendentes não se parece mais nem de longe com o barão. Alguns, como Mônica, têm olhos claros. As filhas do Barão de Guaraciaba se casaram com portugueses, e os filhos, com mulheres brancas.

Familiares e historiadores acreditam que o barão tenha começado a vida como ouvires, especialista na confecção de abotoaduras de ouro. Também ganhava dinheiro tocando violino em enterros. Mas foi ao tornar-se tropeiro que ele teria lucrado o bastante para comprar sua primeira fazenda, em meados do século XIX.

O que ainda não se sabe sobre o barão, a tataraneta Mônica está tentando descobrir. Seu sonho é escrever um livro contando a saga do negro que conquistou o Império.

"O ramo da minha família é um dos que possuem menos recursos. Mas a história está conosco. Para mim, é o que importa", afirma.

Indicação: Miguel Sampaio

Sarah Corrêa

SARAH CORRÊA
(22 anos)
Nadadora

☼ Rio de Janeiro, RJ (14/08/1992)
┼ Rio de Janeiro, RJ (02/05/2015)

Sarah Corrêa foi uma nadadora brasileira nascida no Rio de Janeiro, RJ, no dia 14/08/1992.

Nos Jogos Sul-Americanos de 2010, Sarah Corrêa ganhou a medalha de ouro no revezamento 4x200m livres, batendo o recorde da competição.

Integrando a delegação nacional que disputou os Jogos Pan-Americanos de 2011, em Guadalajara, no México, ganhou a medalha de prata nos 4x200m livres por participar das eliminatórias da prova. Também ficou em 15º lugar nos 800 metros livres.

Sarah Corrêa se aposentou da natação em 2014, passando a iniciar uma carreira de modelo. Em sua carreira na natação, representou os clubes Unisanta, Minas Tênis Clube, Flamengo e Fluminense.

No período entre seus 11 e 17 anos, treinou com o técnico Daniel Wolokita, no Marina Barra Clube, na condição de sócia atleta, e a partir dos 18 anos, obteve autorização por mérito, visão esportiva e social do comando deste Clube, na época, e também pela afinidade com este treinador.


No final de fevereiro de 2014, com nova gestão, o Marina proibiu-a de lá continuar seus treinos, pois competia com a camisa de outro Clube que a patrocinava, apesar que o Marina não participava com qualquer apoio financeiro. Este fato dificultou muito sua continuidade como atleta, desestimulando-a e desistindo da carreira.

Foi trabalhar como vendedora de loja de varejo. Apesar da grande decepção, mas com verdadeiro espírito esportivo, ela deixou uma emocionante carta de agradecimento, encaminhada ao Diretor de Esportes, relativo ao período que treinou no Marina Barra Clube, abaixo transcrita:

Mensagem original de Sarah Corrêa enviada no sábado, 01/03/2014 para a Diretoria Esportiva do Marina Barra Clube:

"Bom dia Rogério! Tudo bom? Então, esta semana o Daniel veio me comunicar sobre a decisão do clube em relação a minha permanência. Por isso, venho por meio deste email agradecer imensamente o que vocês fizeram por mim em 2013, deixando com que eu treinasse no clube. O Marina sempre foi uma casa pra mim, já que eu cheguei no clube aos 11 anos e só fui me desligar aos 17. Sempre tive um grande carinho por todos os profissionais!! Então esse é o meu muito obrigada! Pois esse novo período ao lado do Daniel foi de extrema importância para minha carreira. Por ultimo, irei retomar a faculdade de educação física no segundo semestre e gostaria de talvez no futuro ter a oportunidade e privilégio de estagiar no Marina e manter esta relação com esse clube que faz parte da minha carreira como atleta. Atenciosamente, Sarah Corrêa."

Morte

Sarah Corrêa morreu na tarde de sábado, 02/05/2015, aos 22 anos. Sarah Corrêa foi atropelada por um carro na noite de sexta-feira, 01/05/2015, e levada em estado gravíssimo para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro.

A mãe de Sarah Corrêa, Maria Fatima Alves Gonçalves, publicou no Facebook, no começo da madrugada, que Sarah estava em "estado de morte cerebral". A assessoria da Secretaria Municipal de Saúde, no entanto, afirmou que a jovem morreu em decorrência de falência múltipla dos órgãos.

Maria Fátima afirmou em outra postagem que a filha foi "assassinada" e cobrou justiça. "Minha filha foi assinada por mais um maluco bêbado do trânsito dessa cidade quero justiça e não vou descansar enquanto não acabar com esse cara", desabafou a mãe na rede social.


De acordo com o Corpo de Bombeiros, o atropelamento ocorreu por volta das 18h00 na Estrada dos Bandeirantes. O veículo atingiu Sarah Corrêa e um homem identificado como Paulo Soares, de 58 anos. Ele morreu no local e Sarah Corrêa foi socorrida inconsciente.

Segundo a Polícia Militar, o atropelador foi levado para a 42ª DP. Já a assessoria da Polícia Civil informou que o motorista se apresentou espontaneamente na 42ª DP. Ele teria alegado que não prestou socorro às vítimas porque procurou atendimento em um hospital antes de se dirigir à unidade policial. Ele foi liberado depois de prestar depoimento, mas será chamado para dar novas declarações. A identidade dele não foi revelada pela corporação.

Ainda segundo a assessoria da Polícia Civil, foi feita perícia no local do acidente, imagens de câmeras de vigilância das imediações foram solicitadas e testemunhas do atropelamento estão sendo ouvidas.

Fonte: Wikipédia e G1