quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Adriana de Oliveira

ADRIANA DE OLIVEIRA
(20 anos)
Modelo

* Santo André, SP (11/08/1969)
+ Ouro Fino, MG (27/01/1990)

Adriana de Oliveira nasceu e foi criada numa pacata travessa de Santo André, cidade industrial do ABC Paulista, numa pequena família de classe média formada por ela, seu irmão Ivan e seus pais, Amélia e Nélson de Oliveira.

Ainda na adolescência, ela se formou como técnica em Processamento de Dados na vizinha cidade de São Bernardo do Campo, mas continuou levando a mesma vida tranqüila e normal, sem muito luxo nem grandes pretensões profissionais. Aos dezesseis anos, incentivada pelo irmão, Adriana procurou uma pequena agência de sua cidade e fez algumas fotos despretensiosas, a partir das quais começou a ser chamada para fazer pequenos desfiles e catálogos de moda. As fotos para uma campanha de Natal das lojas Mesbla tinham se tornado até então seu maior trabalho.

Com corpo e rosto indistintamente belos, mas uma beleza ainda em estado bruto, Adriana, então com 18 anos, foi chamada para se apresentar na Class Modelos, em São Paulo (uma das melhores agências brasileiras de então, filiada à Ford Models americana). Com seu book embaixo do braço, Adriana chegou à agência como uma garota típica de sua idade, vestindo roupas desgrenhadas e falando gírias tipicamente surfistas. No entanto, os agentes da Class viram na moça um imenso potencial e decidiram investir nela.

Com extraordinária beleza e dotada de medidas apropriadas para o mundo da moda (58 kg distribuídos em 1,73 metro de altura), a Cinderela de Santo André, como seria carinhosamente chamada, logo foi convidada a fazer definitivamente parte da equipe da Class. Seis meses depois, Adriana já era a modelo mais requisitada da agência.

Foi preciso apenas pouco mais de um ano para a carreira de Adriana tomar um rumo definitivo ao estrelato. Em 1989, ela venceu em primeiro lugar na etapa brasileira do concurso Supermodel Of The World, e logo depois ficou entre as 12 mulheres mais lindas do planeta na final mundial, em Los Angeles.

Em pouco tempo, Adriana teria seu rosto estampado em revistas do Brasil e do mundo e participaria de diversos desfiles, ensaios fotográficos e comerciais (Palmolive, Bob's, Pool, Mappin, Bis, Divina Decadência, entre outros).

Com o sucesso, ela se tornou presença obrigatória em revistas como Nova, Máxima, Moda Brasil, Manequim, Cláudia, Faça Fácil, entre dezenas de outras publicações.

Muito disciplinada, muitas vezes era flagrada sorvendo um iogurte e comendo uma maçã no intervalo entre uma sessão de fotos e outra, mesmo após horas em estúdio. Adriana era tida como exemplo de sucesso e profissionalismo e ferozmente disputada no mundo da moda — todos queriam tê-la como modelo.

No fim de 1989, Adriana já tinha o melhor cachê publicitário do país em sua área, além de viagens marcadas para o Japão, Nova York, Milão e Paris. Ela já tinha se transformado em uma mulher com uma carreira de milhões de dólares e estava pronta para se firmar como o "Rosto dos Anos 90".

Morte

Adriana era uma jovem cheia de energia e gostava de aproveitar cada minuto de sua vida como se fosse o último. Na sexta-feira, 26 de janeiro, após sair de um casamento, mesmo sem ir se trocar em casa, ela decidiu aproveitar o pouco tempo que tinha do fim de semana em companhia do namorado Ciro de Azevedo Marques e dos amigos Dagoberto da Costa e Cláudia Bassaneto. O grupo então rumou para um sitio no interior de Minas Gerais, num Gol branco 1985, de propriedade de Adriana.

Durante o final de semana no Sítio Vale à Vista, em Ouro Fino, Adriana, junto com o namorado e o casal de amigos, começou a beber álcool e a usar drogas. Por volta das 14 horas do sábado 27, ela passou mal, caiu no chão e, sufocada, começou a se contorcer e a gritar. Nenhum de seus amigos conseguiu segurá-la em virtude da agitação e da enorme força que apresentou, mas com medo de levá-la ao hospital devido ao estado em que se encontravam, tentaram reanimá-la ali mesmo. Duas horas e meia depois, ao perceber que a modelo não melhorava, resolveram finalmente levá-la ao hospital de Ouro Fino com a ajuda de um vizinho que ouviu os gritos de Adriana e veio socorrê-la.

A modelo já chegou morta ao hospital em virtude de uma Parada Cardiorrespiratória e, minutos depois, o médico finalmente constatou sua morte cerebral. Ela havia ingerido uma combinação fatal de cocaína, maconha, álcool e diazepan, substâncias que foram detectadas no seu exame cadavérico. O diazepan é comumente encontrado em pílulas de emagrecimento.

Seu namorado e o casal acompanhante foram na época acusados de omissão de socorro, tráfico e tentativa de ocultar a verdadeira causa da morte. No sítio, foram encontrados um espelho quebrado (usado para cheirar cocaína) e tubos para aspiração do pó. Constatou-se, no entanto, que antes de a polícia civil chegar ao local, havia sido feita uma "limpeza" de outros vestígios. O processo jurídico da morte da modelo se arrastou por anos, foi arquivado e ninguém foi condenado.

A morte trágica de Adriana de Oliveira, de apenas 20 anos, provocou grande atenção da mídia sobre o caso, bem como criou grande comoção na sociedade brasileira, em especial na paulista. A princípio, não se conseguiu entender como uma pessoa que tinha uma vida aparentemente tão cor-de-rosa poderia se envolver com drogas. Seu caso serviu como um grande alerta para o problema das drogas entre os jovens e é freqüentemente citado como exemplo do perigo que o uso de tais entorpecentes pode representar.

O comercial da marca Kibon - tirado do ar logo após sua morte - foi o último filmado pela modelo e estampava em horário nobre as telas de televisão em todo o país.

A overdose interrompeu a vida de uma garota linda e cheia de sonhos, tida por todos como uma pessoa meiga, doce, brincalhona e cheia de ideais, além de muito profissional, e que aproveitava qualquer tempo livre para se divertir. Adriana adorava surfar, e não se importava em se aventurar, mesmo que isso significasse meter os pés na lama ou levar arranhões em trilhas no mato. Ela já fazia planos de abandonar a carreira em poucos anos, ainda no auge, e montar seu próprio negócio.

Pouco antes de sua morte, a modelo havia feito fotos para duas revistas americanas e para a Vous canadense. Infelizmente, o destino quis que ela fosse lembrada para sempre assim, excepcionalmente bela e jovem.

Mesmo hoje, anos após sua morte, Adriana figura nas lembranças das muitas pessoas que a admiravam e que nunca entenderam o porquê de sua morte, assim como a de outras estrelas de renome, também ceifadas da vida por uma overdose, como River Phoenix, Elis Regina e Janis Joplin.

Fonte: Wikipédia

18 comentários:

  1. Que linda, eu tinha 13 nessa época e ainda lembro do rebu que isso causou. Pena mesmo!! Rita

    ResponderExcluir
  2. Eu lembro disso tambem...eu tinha 17 anos quando iso aconteceu...fiquei chocada..eu nao deixava de ver as fotos dela..era muito linda..

    ResponderExcluir
  3. Foi uma surpresa ver essa repostagem aqui. Após tantos anos ainda me lembro dela e do sucesso que a Adriana fez na época, linda e talentosa. Sua morte foi chocante, mais chocante o fato dos amigos não terem socorrido a tempo de salvá-la. Atualmente uso o exemplo do que ocorreu em sala de aula para alertar os jovens.

    ResponderExcluir
  4. Sou nascido em Ouro Fino, mas desde 1987 moro em Pouso Alegre MG, cidade pròximo ao local da tragédia. Este blog me fez relembrar o ocorrido... pocha já fazem 21 anos.
    Marquinhos.

    ResponderExcluir
  5. tbem lembro desse caso, moro proximo a Ouro fino onde aconteceu o fato.

    ResponderExcluir
  6. me lembro cara dessa atriz, muito linda mesmo , eu tinha 8 anos quando assistir esse caso , me lembrei dele aqui no site , é uma pena mesmo !

    ResponderExcluir
  7. Foi a brasileira mais bela do Século XX, mas não apareceu na enquete do Fantástico. Morreu no dia seguinte ao meu anivesário, Não: não morreu! Eternizou-se! Foi um cometa. Ninguém que via televisão naquele tempo pode esquecê-la. Foi como um cometa: um brilho intenso e repentino, que também se apagou subitamente.

    ResponderExcluir
  8. Eu me lembrava muito dela pois carregava uma foto dela em minha carteira em 1989, pois achava ela linda....agora....quando leio estes textos acima, fico indignado que as pessoas tratam estes casos como acidente, claro, ela nao queria morrer, mas abusou e droga eh isto ai..eh morte, eh vicio, eh alienacao, eh corrupcao...eh tudo de ruim por uns momentos de prazer passageiro...fica ai mais um alerta, mesmo apos varios artistas famosos terem morrido do mesmo problema, porem, sempre haverah pessoas estupidas...e a justica nao foi feita no caso dela, os outros 3 pilantras que estavam com ela deveriam ter pagado um tempo na cadeia..mas nao existe justica, esquecam !!! Ela foi parte responsavel pela propria morte prematura, hoje, provavelmente, se nao estivesse caido nesta vida superficial de modelo, poderia estar ai com seus 42 anos, bonitona, bem casada e com filhos maravilhosos..poderia ter produzido mais para a sociedade...DROGA EH ESCORIA, e nao ha diferenca entre drogado pobre e feio com os ricos, belos e famosos...moralmente estragados. Quem nao entende este tipo de morte eh porque nao entende a realidade maldosa das drogas.

    ResponderExcluir
  9. Ela já ia se firmar como "o rosto dos anos 90", segundo uma reportagem que li na Manchete. Pena mesmo! Ciara

    ResponderExcluir
  10. é certo que ela, como tantas outras, foi viçiada pelo namorado e 'amigos'. que muito infelizmente não foram condenados.que justiça essa brasileiram hein! vale destacar que as candidatas helena Ranaldi e Adriana Garambone tornaram-se atrizes.

    ResponderExcluir
  11. Não acho que ninguém seja capaz de "viciar" outra pessoa. No meu meio de trabalho, tem muita gente que usa drogas. Oferecem pra você mas você diz não. Não interessa se é seu amigo. O que faz você ir na onda é a falta de informação ou amor próprio (que certamente não era o caso da Adriana). Não sei a educação que ela teve nem conheço os pais dela, mas creio que em algum momento houve alguma falha. Todo mundo sabe que no mundo da moda rola droga, deviam ter preparado ela.

    ResponderExcluir
  12. É lamentável. E as drogas continua cada vez mais ceifando vidas!!!

    ResponderExcluir
  13. É lamentável!!! A droga cada vez mais, ceifando vidas!!!

    ResponderExcluir
  14. Era realmente uma moça linda,muito bonita,cheia de vida,era uma bela mulher,uma bela e ótima garota Adriana de Oliveira,mas usou drogas,droga nunca leva um ser humano ao um bom caminho,sempre leva a um péssimo caminho,infelizmente as drogas levaram lamentavelmente Adriana de Oliveira a morte e Adriana de Oliveira alem de ter se dedicado a carreira de modelo,infelizmente se dedicou tambem as drogas,ela realmente tinha um futuro brilhante pela frente,essa moça jovem,que na época que morreu só tinha 20 anos,hoje se estivesse viva,estaria na meia-idade,que é dos 40 aos 60 anos,teria 44 anos de vida se estivesse viva hoje.
    Dé Martins.

    ResponderExcluir
  15. tinha 7 anos e a conhecia pelo comercial da kibon... lembro até hoje do Fantástico tentando remontar o tragédia! Bem punk...

    ResponderExcluir
  16. Era linda,mesmo q sua alma tenha encontrado,luz

    ResponderExcluir