Ricardo de Almeida

RICARDO DE ALMEIDA
(34 anos)
Ator e Autor Teatral

* São Paulo, SP (1954)
+ São Paulo, SP (1988)

O ator e autor teatral Ricardo Almeida era filho do autor de novelas Manoel Carlos.

Manteve uma fértil parceria com Miguel Magno na escrita e interpretação.
Iniciou a sua carreira de ator no Teatro Orgânico Aldebarã. Em 1979, escreveu, junto com Miguel Magno, "Quem Tem Medo de Itália Fausta?", espetáculo considerado precursor do Teatro Besteirol.

"Quem Tem Medo de Itália Fausta?" foi o espetáculo que projetou nacionalmente Ricardo de Almeida e Miguel Magno. O texto nasceu de forma despretensiosa, como costuma ocorrer com os grandes sucessos. Ricardo e Magno haviam lido um livro sobre o ator Leopoldo Fróes (1882-1932) e, a partir dessa leitura, ele e Miguel Magno começaram a criar cenas brincando com a figura do "ponto", aquele funcionário cuja função era "soprar" do fosso do palco o texto para os atores.

Assim surgiu a Diva dependente do ponto, esquete que abria a montagem. Aos poucos, outros foram se agregando. "Itália Fausta" ganhou ainda, como "entreato", hilariante crítica ao academicismo na conferência de duas professoras sobre "a importância dos monossílabos e das interjeições átonas do dialeto javanês na literatura dramática da ilha de Java durante os últimos 15 dias do século 12 antes de Cristo".

O espetáculo estreou num pequeno teatro no Bexiga - hoje o "Espaço Ágora" dirigido por Roberto Lage e Celso Frateschi. "Eu vi aquela montagem dezenas de vezes", lembrou mais tarde Eduardo Martini que atuou nessa comédia, primeiro contracenando com Miguel Magno e, numa remontagem, com Marcos Oliveira.

Na década de 1980, Ricardo Almeida foi dirigido por encenadores como Antônio Abujamra, Jorge Takla e Bia Lessa.

Além da carreira teatral, Ricardo Almeida escreveu para a TV. Junto com Alcides Nogueira, foi redator do programa educativo da TV Globo chamado de "Zero a Seis". Ao lado do seu pai, o novelista Manoel Carlos, escreveu a minissérie "O Cometa" para a TV Bandeirantes.

Trabalhos Como Ator

1979 - Quem Tem Medo de Itália Fausta?
1980 - Os Filhos de Dulcina
1983 - Um Orgasmo Adulto Escapa do Zoológico
1984 - O Segredo da Alma de Ouro
1984 - Hamleto
1985 - A Trilogia da Louca
1987 - As Guerras do Alecrim e da Manjerona

Trabalhos Como Autor

1979 - Quem Tem Medo de Itália Fausta?
1981 - Os Filhos de Dulcina
1981 - Pirlim

Morte

Ricardo de Almeida faleceu de complicações decorrentes da AIDS.

Renato Master

RENATO MASTER
(65 anos)
Ator e Dublador

* São Paulo, SP (1939)
+ São Paulo, SP (26/05/2004)

Estreou na televisão, em 1964, na novela "A Moça Que Veio de Longe", um dos maiores sucessos da extinta TV Excelsior, vivendo o personagem Henrique. A partir daí teve uma carreira que inclui mais de 30 novelas, vivendo de protagonistas a antagonistas.

Foi casado com a atriz Nívea Maria na década de 1960 quando a atriz tinha 18 anos e os dois trabalhavam na TV Excelsior. Mas o casamento durou menos de um ano. Segundo a própria Nívea Maria: "Eu era uma jovem rebelde".

Como dublador, dublou atores como Allen Garfield, Franklin Cover, Frank Tejo, Gil Geera, Eddie Jones, James Best, Ken James, An McGregor, John Diar, Jank Azmar, dentre outros.

Televisão

1964 - A Moça que Veio de Longe ... Henrique
1965 - Em Busca da Felicidade
1965 - Os Quatro Filhos
1965 - Ainda Resta uma Esperança
1965 - Onde Nasce a Ilusão ... Renato
1966 - As Minas de Prata ... Dom Fernando
1967 - Os Fantoches ... Vítor
1969 - A Cabana do Pai Tomás ... David
1969 - Acorrentados ... Blasco Ibáñez
1970 - O Meu Pé de Laranja Lima
1970 - Irmãos Coragem ... Rafael Marques
1970 - Pigmalião 70 ... Sérgio
1971 - Nossa Filha Gabriela
1972 - Quero Viver ... Bill
1973 - Venha Ver o Sol Nascer na Estrada
1975 - Um dia, o Amor ... Prado
1980 - Pé de Vento
1983 - Razão de Viver
1983 - Pecado de Amor ... Antônio
1990 - A História de Ana Raio e Zé Trovão ... Angelino
1994 - Você Decide (Episódio Paternidade)
1994 - Caminhos Cruzados ... Renato
1996 - O Rei do Gado
1998 - Torre de Babel ... Juiz

Cinema

1969 - No Paraíso das Solteironas
1973 - Desejo Proibido
1974 - O Exorcista de Mulheres
1977 - Noite em Chamas
1978 - O Prisioneiro do Sexo
1978 - O Estripador de Mulheres
1979 - Sede de Amar
1979 - Dani, um Cachorro Muito Louco
1981 - O Homem que Virou Suco
1981 - Amélia, Mulher de Verdade
1984 - Meu Homem, Meu Amante
1986 - Filme Demência
1991 - Per sempre
1993 - Discretion Assured

Dublagem

Diretor

Matador
O Mundo de Beakman (Dublavídeo)
O Poderoso Thor (redublagem de 2003)

Dublador

Senhor Akiyama em Jaspion;
Doutor Kamasawa e o monstro Shila em Changeman;
General Desmark (Nakara Kikuchi) em Goggle V;
O vilão Mohs em Winspector;
Mangold (Dave Hager) em Double Jeopardy;
Bennigton (Dick Cusack) em Feitiço do Coração;
Mitsumasa Kido em Cavaleiros do Zodíaco
Arcanjo em Águia de Fogo
Kibosh (James Earl Jones) em Gasparzinho: Como Tudo Começou
Denethor (John Noble) em O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei
Jubei Yamada em Fatal Fury 2 - O Desafio de Krauser
Avô do Shurato e Deus Brafma em Shurato

O ator morreu trabalhando, dentro dos estúdios da Dublavídeo em São Paulo, onde era diretor de dublagem e estava dirigindo o ator Carlos Silveira.

Renato fazia ainda na Dublavídeo a novela "Paixões Ardentes" (dirigida por Vanessa Alves) para Rede TV!, onde dublava o avô das protagonistas Martin Acevedo.

Fonte: Wikipédia e Ohayo

Genésio Arruda

GENÉSIO ARRUDA
(68 anos)
Ator, Cantor, Compositor, Radialista, Cineasta e Produtor

* (1899)
+ (02/10/1967)

Genésio Arruda foi um dos pioneiros na representação do caipira em peças e filmes. Antes da aparição de Mazzaropi incorporando o nosso caipira, Genésio Arruda já levava esta imagem aos palcos e as telas da época. Infelizmente esses grandes nomes nuncam são citados como as fontes de inspiração destes grandes artistas que se consagraram. Raramente se ouve falar no nome de Genésio Arruda na história de nossa dramaturgia.

Genésio Arruda fez dupla com o ator que fazia um estilo de "caipira italiano"

Em 1930 formou sua própria companhia de teatro. Genésio Arruda é considerado um dos precursores do cinema brasileiro. Apresentava-se em espetáculos ao lado de sua esposa Noemia Liendo, seus filhos e músicos, sempre representando o caipira.

Ganhou o Troféu Saci como melhor ator coadjuvante no filme "Tristeza do Jeca" onde fazia o personagem chamado Coronel Policarpo.

Genésio foi também um dos pioneiros da música sertaneja. Apresentou-se em diversos programas de rádio. Em 1929, gravou seu primeiro disco interpretando a marcha "Vai, Santinha", dele e de Jorge Peixoto e o foxtrote "Odalisca", de Edgardo Ferreira. No mesmo ano participou do primeiro filme sonoro brasileiro, "Acabaram-se os Otários", no qual fazia o papel de um caipira.

No final da década de 1930, teve um programa radiofônico na Rádio Tupi de São Paulo. No mesmo ano filmou "Lua de Mel".

Formou o grupo "Genésio Arruda e Sua Gente". Ainda em 1930, gravou o cateretê "Trovas do Sertão", de Luiz Gomes Cruz. No mesmo ano, gravou com Raul Torres a embolada "O Piá da Nambu", e a canção cômica "Uma Festa no Arraial", de sua autoria. Gravou também as paródias "O Tango Tá na Moda" e "Cinembra Falado", ambos de sua autoria.

Em 1931 dirigiu o filme "Campeões de Futebol", com Otília Amorim e o cantor paulista Paraguassu. Nos anos 1930 dirigiu a "Companhia Genésio Arruda de Teatro de Revista", que encenou, dentre outras, a revista "Moinho do Jeca", com J. Aimberê como maestro.

Em fins dos anos 1930 teve um programa na Rádio Tupi de São Paulo. No mesmo período fez parte do elenco da "Casa de Caboclo", casa de espetáculos dirigida pelo dançarino e compositor Duque no Rio de Janeiro. Em 1941, gravou com o grupo "Sua Gente" os gêneros humorísticos "Viagem do Genésio", de sua autoria e de Januário França, e "Olhar e Gostar", de Heitor dos Prazeres e Sílvio Galicho. Nessas gravações contou com a participação de Luiz Gonzaga, então em começo de carreira, na sanfona.

Nos anos 1950, apresentou o programa de rádio "A Hora dos Municípios". Em 1961 atuou no filme "Tristeza do Jeca", de Mazzaropi. No final da carreira apresentou shows intitulados "Genésio Arruda e Sua Bandinha".

Obras

Cinembra Falado
Do Sertão as Capitá
Na Estação (Com Januário França)
Num Vagão de Segunda (Com Tom Bill / Cayaffa)
O Papagaio do Compadre (Com Januário França)
O Tango Tá na Moda
Onde Mora o Coronel (Com Tom Bill / Cayaffa)
Pindurassaia (Com Johan Joanna)
Uma Festa no Arraial
Vai, Santinha (Com Jorge Peixoto)
Viagem do Genésio (Com Januário França)

Discografia

1941 - Viagem do Genésio / Olhar e Gostar
1941 - O Papagaio do Compadre / Alavantu
1941 - Vida de Casado / Na Estação
1930 - Isso é Enguiço / Isso Mesmo é Que eu Quero
1930 - Trovas do Sertão / Mussurungo
1930 - Num Vagão de Segunda / Onde Mora o Coronel
1930 - O Piá da Nambu / Uma Festa no Arraial
1930 - O José Pelin / Do Sertão às Capitá,
1930 - O Tango Tá na Moda / Cinembra Falado
1929 - Vai, Santinha / Odalisca
1929 - Pindurassaia / Pamanho
1929 - Deixei de Ser Otário / Pé no Chão

Rafael de Carvalho

MANUEL RAFAEL DE CARVALHO
(63 anos)
Ator, Produtor e Dramaturgo

* Caiçara, PB (16/02/1918)
+ Salvador, BA (03/05/1981)

Aos quinze anos deixou seu estado e foi para Salvador e se tornou ator, produtor e dramaturgo, sempre preocupado com a cultura popular e suas manifestações.

Na capital baiana ele venceu festivais interpretando poemas e escreveu o livro "Quadra Quadrilha" e duas peças. Estreou no cinema em "Aguenta o Rojão" (1958) e participou de "Um Candango na Belacap" (1961).

Na TV, começou apenas em 1973, na telenovela "O Bem-Amado", interpretando o personagem Emiliano Medrado.

Ary Fontoura e Rafael de Carvalho

Destacou-se nos filmes: "Macunaíma", "O Doce Esporte do Sexo", "O Trapalhão na Ilha do Tesouro", "Fogo Morto", "Crueldade Mortal", "Gargalhada Final", "Eles Não Usam Black-Tie" e "O Homem que Virou Suco".

Na televisão teve papéis marcantes nas telenovelas O Bem-Amado (sua estreia na TV), Gabriela e Saramandaia (TV Globo), Cavalo Amarelo (ao lado de Dercy Gonçalves) e Rosa Baiana (TV Bandeirantes).

Morreu vitimado por Infarto, logo depois de encerrar as filmagens de "O Baiano Fantasma", de Denoy de Oliveira.

Fonte: Wikipédia