Genésio Arruda

GENÉSIO ARRUDA
(69 anos)
Ator, Cantor, Compositor, Radialista, Cineasta e Produtor

* Campinas, SP (28/05/1898)
+ Campinas, SP (03/10/1967)

Genésio Arruda foi um dos pioneiros na representação do caipira em peças e filmes. Antes da aparição de Mazzaropi incorporando o nosso caipira, Genésio Arruda já levava esta imagem aos palcos e as telas da época. Infelizmente esses grandes nomes nuncam são citados como as fontes de inspiração destes grandes artistas que se consagraram. Raramente se ouve falar no nome de Genésio Arruda na história de nossa dramaturgia.

Genésio Arruda fez dupla com o ator que fazia um estilo de "caipira italiano"

Em 1930 formou sua própria companhia de teatro. Genésio Arruda é considerado um dos precursores do cinema brasileiro. Apresentava-se em espetáculos ao lado de sua esposa Noemia Liendo, seus filhos e músicos, sempre representando o caipira.

Ganhou o Troféu Saci como melhor ator coadjuvante no filme "Tristeza do Jeca" onde fazia o personagem chamado Coronel Policarpo.

Genésio foi também um dos pioneiros da música sertaneja. Apresentou-se em diversos programas de rádio. Em 1929, gravou seu primeiro disco interpretando a marcha "Vai, Santinha", dele e de Jorge Peixoto e o foxtrote "Odalisca", de Edgardo Ferreira. No mesmo ano participou do primeiro filme sonoro brasileiro, "Acabaram-se os Otários", no qual fazia o papel de um caipira.

No final da década de 1930, teve um programa radiofônico na Rádio Tupi de São Paulo. No mesmo ano filmou "Lua de Mel".

Formou o grupo "Genésio Arruda e Sua Gente". Ainda em 1930, gravou o cateretê "Trovas do Sertão", de Luiz Gomes Cruz. No mesmo ano, gravou com Raul Torres a embolada "O Piá da Nambu", e a canção cômica "Uma Festa no Arraial", de sua autoria. Gravou também as paródias "O Tango Tá na Moda" e "Cinembra Falado", ambos de sua autoria.

Em 1931 dirigiu o filme "Campeões de Futebol", com Otília Amorim e o cantor paulista Paraguassu. Nos anos 1930 dirigiu a "Companhia Genésio Arruda de Teatro de Revista", que encenou, dentre outras, a revista "Moinho do Jeca", com J. Aimberê como maestro.

Em fins dos anos 1930 teve um programa na Rádio Tupi de São Paulo. No mesmo período fez parte do elenco da "Casa de Caboclo", casa de espetáculos dirigida pelo dançarino e compositor Duque no Rio de Janeiro. Em 1941, gravou com o grupo "Sua Gente" os gêneros humorísticos "Viagem do Genésio", de sua autoria e de Januário França, e "Olhar e Gostar", de Heitor dos Prazeres e Sílvio Galicho. Nessas gravações contou com a participação de Luiz Gonzaga, então em começo de carreira, na sanfona.

Nos anos 1950, apresentou o programa de rádio "A Hora dos Municípios". Em 1961 atuou no filme "Tristeza do Jeca", de Mazzaropi. No final da carreira apresentou shows intitulados "Genésio Arruda e Sua Bandinha".

Obras

Cinembra Falado
Do Sertão as Capitá
Na Estação (Com Januário França)
Num Vagão de Segunda (Com Tom Bill / Cayaffa)
O Papagaio do Compadre (Com Januário França)
O Tango Tá na Moda
Onde Mora o Coronel (Com Tom Bill / Cayaffa)
Pindurassaia (Com Johan Joanna)
Uma Festa no Arraial
Vai, Santinha (Com Jorge Peixoto)
Viagem do Genésio (Com Januário França)

Discografia

1941 - Viagem do Genésio / Olhar e Gostar
1941 - O Papagaio do Compadre / Alavantu
1941 - Vida de Casado / Na Estação
1930 - Isso é Enguiço / Isso Mesmo é Que eu Quero
1930 - Trovas do Sertão / Mussurungo
1930 - Num Vagão de Segunda / Onde Mora o Coronel
1930 - O Piá da Nambu / Uma Festa no Arraial
1930 - O José Pelin / Do Sertão às Capitá,
1930 - O Tango Tá na Moda / Cinembra Falado
1929 - Vai, Santinha / Odalisca
1929 - Pindurassaia / Pamanho
1929 - Deixei de Ser Otário / Pé no Chão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!