Mostrando postagens com marcador 1929. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 1929. Mostrar todas as postagens

Moura Brasil

JOSÉ CARDOSO DE MOURA BRASIL
(82 anos)
Médico

* Iracema, CE (10/02/1846)
+ Rio de Janeiro, RJ (10/01/1929)

José Cardoso de Moura Brasil foi um médico, nascido na então povoação de Caixa-só, hoje Vila de Iracema, do município de Pereiro, CE, no ano de 1846. Radicou-se em Salvador, BA, no ano de 1866.

Moura Brasil era filho do tenente-coronel José Cardoso Brasil e Tereza Maria de Moura Brasil. Iniciou os seus estudos de humanidade no Liceu do Ceará em 1865. No ano seguinte embarcou para a Bahia, onde concluiu os seus preparatórios e, em 1867, a 15 de março, ingressou na Faculdade de Medicina. Doutorou-se em 30 de novembro de 1872 e meses depois seguiu para a Europa afim de fazer os diversos cursos de especialidade, o que realizou com o maior proveito e especializou-se em oftalmologia.

De retorno do Velho Continente esteve no Ceará, tendo sido alvo de entusiástica recepção, pois que o seu nome já era um símbolo de sapiência e caridade. Do Ceará viajou para o Rio de Janeiro e ali fixou residência e estabeleceu a sua clínica.

Alma compassiva, espírito devotado ao bem alheio, cirurgião de perícia admirável, adquiriu larga fama, passando a ser tido e reconhecido como a maior personalidade na clinica e cirurgia oftalmológica. Foi o mestre dos mestres da oftalmologia no Brasil.

Escreveu trabalhos da maior proficiência e praticou as mais ousadas e delicadas intervenções operatórias. Foi Comendador da Ordem de Cristo e recusou várias comendas e títulos, inclusive o de Barão, que se lhe oferecera no Ministério João Alfredo.

Prestou serviços à população pobre e fundou a Policlínica Geral do Rio de Janeiro, sendo seu presidente durante a proclamação da República em 1889.

É autor de obras como "Tratamento Cirúrgico Para o Deslocamento de Retina" (1879), "Contribuição Para o Estudo Comparativo de Diversos Processos Operativos no Tratamento das Afecções Oculares" (1880), e outras obras.

Foi membro da Academia Imperial de Medicina, futura Academia Nacional de Medicina, tornando-se seu presidente.

Impasse na Naturalidade de Moura Brasil

No tocante á naturalidade deste sábio e ilustre, surgiu séria dúvida provocada por um jornal norte-riograndense, o qual sustentava, á vista de uma certidão de batismo, ter nascido o Drº Moura Brasil na vila de Apodi, do Rio Grande do Norte. Entretanto, ficou plenamente demonstrado, por ele próprio, que fora chamado a esclarecer o ponto controvertido, ser o grande médico natural da vila de Iracema, numa de cujas fazendas nasceu, embora tenha sido batizado naquela vila potiguar.

A carta abaixo, transcrita integralmente, escrita de próprio punho pelo Drº Moura Brasil, tira de vez a dúvida que passou a pairar com relação ao seu local de nascimento.

Rio de Janeiro, 15 de Julho de 1901.
Meu caro e illustrado amigo Dr. Paulino Nogueira.
Recebi a sua presada carta, e vou respondel-a. Muito lisongeou-me saber que uma illustre folha do Rio Grande do Norte disputa para aquelle Estado o meu humilde berço à pequena localidade do nosso amado Ceará.
Eis o facto:
Em 1845, meu pae, Tenente coronel José Cardoso Brasil, residia em sua fazenda - Passagem Franca -, no Rio Grande do Norte, muito perto dos limites da província do Ceará; mas meus avós maternos, Antonio Ferreira de Moura e D. Maria Joaquina de Moura, e minha avó paterna, D. Feliciana, que viveu 105 annos, residiam na pequena povoação de Caixa-só, hoje Villa de Iracema.
Meus pais costumavam passar as festas de Natal na pequena povoação  em companhia dos meus avós. Minha mãe, em adiantado estado de gravidez, demorou-se alli pela conveniencia da companhia, e em princípio de 1846 tive a fortuna de respirar o puro ar cearense naquella pequena localidade, onde tantas vezes expandiu-se desatenta a minha infancia.
Por occasião da sécca de 1845, meu pae, no desempenho das funções de delegado de polícia, teve de punir furtos de gados, em que se acharam envolvidas pessoas das suas relações; desgostoso mudou-se  nos primeiros mezes de 1846 para a fazenda Atraz da Serra, no Riacho de Figueirêdo, a 4 legoas do Caixa-só, e 3 da Passagem Franca, fazenda que ainda hoje é conservada sob a minha posse por herdeiros de um irmão.
Eis porque nasci no Ceará, e igual honra me caberia se tivesse pela primeira vez visto a luz na fazenda Passagem Franca, do Rio Grande do Norte, a qual ainda deve pertencer aos herdeiros do meu fallecido irmão Joaquim Cardoso.
Entretanto baptisei-me  na antiga Villa do Apody onde residiam meus padrinhos, Antonio Nunes de Oliveira e Dona Marianna.
No mais continúe a dispor do
Amigo affectuoso e muito obrigado
Moura Brasil

Moura Brasil faleceu aos 82 anos no Rio de Janeiro, RJ, no dia 10/01/1929.

Roberto Rodrigues

ROBERTO RODRIGUES
(23 anos)
Desenhista, Ilustrador e Escultor

* Rio de Janeiro, RJ (1906)
+ Rio de Janeiro, RJ (29/12/1929)

Nascido no Rio de Janeiro em 1906, era filho do político e jornalista Mário Rodrigues, fundador dos jornais A Manhã e Crítica, irmão do também jornalista Mário Filho e do dramaturgo Nelson Rodrigues.

Exímio desenhista, trabalhou como ilustrador nos jornais da família e em outros jornais. Ingressou em 1923 na Escola Nacional de Belas Artes, onde conquistou algumas premiações, se destacando também pelas veementes críticas que fazia aos grandes pintores acadêmicos da época. Algumas mostras do artista foram organizadas após a sua morte: em 1930, no Liceu de Artes e Ofícios, Rio de Janeiro, em 1993 na Galeria A. S. Studio, São Paulo, e em 2000, no Conjunto Cultural da Caixa, Rio de Janeiro, e mais recentemente na Galeria Hermitage.

A Tragédia

Na tarde de 26/12/1929, a jornalista e escritora Sylvia Serafim Thibau, 28 anos, que colaborava em A Gazeta, de São Paulo, e nas revistas Fon-Fon e Selecta, do Rio de Janeiro, com o pseudônimo de Petite Source, casada e mãe de dois filhos pequenos, deu um tiro na barriga de Roberto Rodrigues de 23 anos, na redação do jornal Critica, de propriedade da família Rodrigues.

Naquele mesmo dia, a primeira página do jornal trazia uma reportagem difamatória sobre o desquite de Sylvia, cuja ilustração, assinada por Roberto Rodrigues, insinuava que ela traíra o marido. O desenho mostrava um médico, no caso, o Drº Manoel de Abreu, com quem Sylvia se tratava, alisando as coxas de uma mulher, Sylvia.

O desenhista não morreu imediatamente. Padeceu ainda por três dias. O atentado transformou-se em Tragédia Rodrigueana: três meses depois da morte de Roberto Rodrigues, o patriarca da família, Mário Rodrigues, que nunca se conformou com a perda do filho querido, morreu vítima de trombose cerebral. Cinco meses após a morte de Mário Rodrigues, Sylvia, responsabilizada pelos Rodrigues pelas duas mortes, foi julgada e absolvida, apesar da família ter feito uma das maiores, mais duras e ofensivas campanhas contra uma pessoa na imprensa carioca.

Dois meses depois, estourou a Revolução de 30, e o jornal Critica, defensor do regime que era derrubado, acabou sendo empastelado e nunca mais circulou. Era a desgraça completa da família Rodrigues. No entanto, o último capítulo desta dramática história ainda não estava escrito. Dois anos depois de ser absolvida, Sylvia se apaixonou pelo tenente-aviador Armando Menezes. Os dois tiveram um filho chamado Rohny.

Armando Menezes foi transferido para Curitiba e abandonou Sylvia. Logo em seguida, um juiz decretou a prisão de Sylvia porque ela foi acusada de falsificar documentos para estudar numa faculdade de direito.

Com medo de um novo escândalo, Sylvia fugiu para Curitiba atrás de Armando Menezes. Ela foi rejeitada pelo tenente e tentou o suicídio em um quarto de hotel. A polícia transferiu Sylvia para a enfermaria da casa de detenção em Niterói, Rio de Janeiro. Na madrugada de 27/04/1936, Sylvia suicidou-se ao lado de seu filho de três anos, que estava dormindo.

A morte de Roberto Rodrigues deixou marcas profundas num dos seus irmãos mais famosos, Nelson Rodrigues, considerado o maior dramaturgo brasileiro, que era apenas um jovem de 17 anos quando testemunhou a tragédia. É o próprio Nelson Rodrigues quem revela:

"E confesso: o meu teatro não seria como é, nem eu seria como sou, se eu não tivesse sofrido na carne e na alma, se não tivesse chorado até a última lágrima de paixão o assassinato de Roberto."

Por Roberto Rodrigues

"O meu primeiro desenho? Não me recordo. Talvez fosse o elefante que ninguém adivinhou. Não fui uma criança prodígio. Lembro-me que apostava um tostão com outros garotos para ver quem desenhava melhor. Sempre perdia…
Gostava de fazer rabiscos, criando um novo tipo de submarino ou canhão cujo mecanismo só eu entendia. Depois tive vontade de crescer para fazer a independência de um país qualquer. Do Canadá por exemplo.
A minha arte é sincera. Sou eu mesmo. Não tenho a preocupação de fazer blague, nem me interessam a gramática artística ou a cartilha social. Muita gente acha horrível o que faço. Pode ser. Não fosse a vida a minha inspiradora… Em todo caso sou moço, e é possível que um dia encontre a beleza das coisas feias.Tanto é belo um idílio romanesco como um crime bárbaro.
Vênus de Milo dá saudade das mulheres feias. Tudo depende do momento. Às vezes prefiro o necrotério, com as mães chorando, a Copacabana com as meninas bonitas e alegres. No resto, sou igual a qualquer mortal — tolero a vida por covardia. Creio que o artista moderno não pode ter a ingenuidade dos antigos. Antigamente, dormia-se bem e comia-se melhor.
O ar era mais puro e existia tranqüilidade de espírito. Hoje o artista trabalha torturado pelo trepidar alucinante das máquinas. Tem a maldade dos milhões de seres animalizados na luta pela vida. Quando eu era pequeno um senhor disse que o artista morria de fome. O castigo melhor é deixá-lo viver.A própria arte se encarrega de matá-lo, muito mais lenta e cruelmente. Não vês como a mãe tem pena do filho artista?
Se encontrares um artista na rua tira o chapéu. O trabalho mais insignificante dele equivale a tua vida inteira de esforço mental."

(Roberto Rodrigues)

Fonte: Wikipédia e Associação dos Magistrados Brasileiros