Manoelita Lustosa

MANOELITA LUSTOSA
(72 anos)
Atriz, Cantora, Radialista, Escritora e Poetisa

☼ Pirapora, MG (25/03/1942)
┼ Belo Horizonte, MG (01/07/2014)

Atriz, cantora e radialista, Manoelita Lustosa, mineira de Pirapora e criada em Sete Lagoas, tem uma história de vida repleta de lutas que acabaram levando-a a viver momentos especiais na área artística.

Filha de pai pernambucano e mãe mineira, ainda menina ela vivia em cima de uma cadeira imitando os ídolos do rádio.

Já casada, ao mudar-se para Timóteo, MG, no Vale do Aço, Manoelita Lustosa entrou para a carreira política, assumindo em períodos distintos as secretarias municipais de cultura de Timóteo e Coronel Fabriciano.

Graduada em Letras e Filosofia, Manoelita Lustosa também foi jornalista e escritora de contos e poemas, cuja maioria ainda se mantém inédita.

A mudança para Belo Horizonte no início da década de 90 marcou mais um capítulo na vida da atriz, que estreou profissionalmente no teatro em 1994, no espetáculo "Tio Vânia", de Tchecov, sob a direção de Luiz Carlos Garrocho e Walmir José.

Posteriormente, fez o musical "Na Era do Rádio", com direção de Pedro Paulo Cava, seguido de uma série de comédias ao lado de Ílvio Amaral, entre as quais "A Comédia dos Sexos" e "É Dando Que Se Recebe".

Na TV, fez participação em "Laços de Família" (2000) e trabalhou em "Mulheres Apaixonadas" (2003), "JK", na TV Globo, e "Esmeralda" (2004)  no SBT.

No cinema, Manoelita Lustosa participou dos filmes "Depois Daquele Baile" (2006) e "Os 12 Trabalhos" (2007).

Em 2007, participou da novela "Maria Esperança", do SBT. Em seguida, transferiu-se para a TV Record onde integrou o elenco da novela "Amor e Intrigas" (2007), "Poder Paralelo" (2009) , "Vidas em Jogo" (2011) e "Balacobaco" (2012).

Seu último trabalho foi como a japonesa Terezinha Cho na novela "Dona Xepa" (2013) também da TV Record.

Morte

Manoelita Lustosa morreu em sua casa em Minas Gerais na terça-feira, 01/07/2014, por volta das 09:00 hs, vítima de insuficiência respiratória. A notícia foi informada pela TV Record. O corpo de Manoelita Lustosa foi velado e sepultado no Cemitério Parque da Colina, em Belo Horizonte, MG.

Manoelita Lustosa era viúva e deixou três filhas Manoela, Maria Bethânia e Mariana, e seis netos.

Televisão

  • 2003 - Mulheres Apaixonadas ... Inês Oliveira
  • 2004 - Esmeralda ... Rosário
  • 2006 - JK ... Parteira
  • 2007 - Maria Esperança ... Filomena Beiju (Filó)
  • 2007 - Amor e Intrigas ... Telma Dias
  • 2009 - Poder Paralelo ... Lurdes Leme
  • 2011 - Vidas em Jogo ... Nelize
  • 2012 - Balacobaco ... Etelvina Pedrosa
  • 2013 - Dona Xepa ... Terezinha Cho


Cinema

  • 2007 - Os Doze Trabalhos ... Norma
  • 2006 - Depois Daquele Baile ... Dona Cleide

Fonte: Wikipédia

Mário Gennari Filho

MÁRIO GENNARI FILHO
(59 anos)
Compositor, Multi-Instrumentista e Professor

* São Paulo, SP (07/07/1929)
+ São Paulo, SP (06/1989)

Mario Gennari Filho foi um exemplo de superação pois apesar de ser um deficiente visual não o impedi-o de tornar-se um excelente instrumentista, que tocava acordeom, violão, piano, solovox, guitarra havaiana. Além disso era exímio compositor, professor de vários instrumentos, mas principalmente de acordeom. Junto com a também acordeonista Rosani M. de Barros, teve um conservatório para o ensino do acordeom em São Paulo. Mario Gennari Filho formou inúmeros instrumentistas, na sua atuação como professor.

Destacou-se como acordeonista, principalmente nas décadas de 40 e 50. Sua estréia se deu quando tinha apenas oito anos, na Rádio Bandeirantes de São Paulo, no programa de Capitão Barduíno.

Em 1943, aos 14 anos gravou o primeiro disco pela gravadora Columbia, em dupla de acordeom com Ângelo Reale interpretando ao acordeom a rancheira "Sempre Alegre" e o maxixe "Rã na Frigideira", ambos de autoria de Ângelo Reale.

Em 1944 gravou seus primeiros discos solos com um choro "Tutti-Frutti" e uma polca, "Deliciosa", de sua autoria.

Em 1945 gravou a valsa "Viajando Pela Itália" (Valenti) e "Valsa da Meia-Noite" (Domínio Público), pela Continental. Gravou mais de 35 discos em 78 RPM pelas gravadoras Columbia, Continental e Odeon.

Em 1948 gravou de sua autoria a rancheira "Sorocabana" e a polca "Saci Pererê".

Em 1950 gravou na Odeon o baião "Casinha Pequenina" (Domínio Público), com arranjos seus e que se tornou um de seus maiores sucessos. No mesmo ano gravou o choro "Brasileirinho" de Waldir Azevedo.


Em 1951 gravou o fox "Terceiro Homem" (Anton Karas), com a participação de Garoto na guitarra havaiana, e "Maringá" (Joubert de Carvalho), em ritmo de baião. No mesmo ano gravou outro de seus grandes sucessos, "Chuá-Chuá" (Sá Pereira e Ari Pavão).

Em 1952 gravou "Taí" (Joubert de Carvalho) em ritmo de baião, e o baião "A Cuíca Tá Roncando" (Raul Torres). Ainda em 1952 obteve um de seus maiores sucessos com "Baião Caçula", regravado mais quatro vezes no mesmo período.

Em 1953 gravou de Francisco Alves, David Nasser e Felisberto Martins o baião "Quando Eu Era Pequenino" e de Joubert de Carvalho o bolero "Que Bom Que Estava".

Em 1955 gravou com sucesso de sua autoria o bolero "Teu Nome Tem Cinco Letras". Trabalhou na Rádio Bandeirantes e depois integrou o elenco da Rádio Tupi paulista, onde ficou por 12 anos. Com o advento da televisão, passou a atuar em vários programas paulistas.

Em 1957 gravou de sua autoria o maxixe "Namoro Sertanejo" e o baião "A Saudade Já Chegou".

Em 1958 compôs com Celeste Novais o rock balada "Perdoa-me", gravado por Tony Campello e o calipso "Belo Rapaz", gravado por Celly Campello, em disco que lançou os irmãos Campello.

Mário Gennari Filho acompanhou os irmãos Tony CampelloCelly Campello nos seus primeiros discos pela gravadora Odeon no final dos anos 50. Nos discos constam o nome de Mario Gennari e seu Conjunto. Algumas famosas canções acompanhadas por Mário Gennari Filho foram "Banho de Lua", "Estúpido Cupido", "Lacinhos Cor de Rosa" e "Pobre de Mim".

Em 1959 gravou com seu conjunto na gravadora Odeon o samba "Canta Brasil" (David Nasser e Alcir Pires Vermelho) e "Brigas, Nunca Mais" (Tom Jobim e Vinícius de Moraes).

Mário Gennari Filho fez várias excursões por todo o Brasil e recebeu várias vezes o Prêmio Roquette Pinto de melhor instrumentista.

Mário Gennari Filho faleceu em São Paulo, em junho de 1989, aos 59 anos. 


Discografia

  • 1967 - Mário Gennari Filho Revive Mário Gennari Filho (LP)
  • 1967 - Mário Gennari Filho e Seu Conjunto (LP)
  • 1965 - Sucessos - Mário Gennari Filho e Conjunto (LP)
  • 1963 - Telstar / Afrikaan Beat (Odeon, 78)
  • 1963 - Baião Caçula / Zíngara (Odeon, 78)
  • 1962 - Sucessos Que Andam Pelo Brasil (LP)
  • 1962 - Pinta Braba / Flor De Ipê (Orion, 78)
  • 1961 - Eu Danço, Tu Danças, Todos Dançam (LP)
  • 1961 - Rumbanita / Piccolina (Odeon, 78)
  • 1961 - Balanço Do Samba / Bat Masterson (Odeon, 78)
  • 1960 - O Milionário do Acordeom (LP)
  • 1960 - Cidade Maravilhosa / Casinha Pequenina (Odeon, 78)
  • 1960 - Pedacinho De Lua / Cupido Não Falhou (Odeon, 78)
  • 1959 - Mário Gennari Filho e Seus Sucessos (LP)
  • 1959 - Nativo / Canta Brasil (Odeon, 78)
  • 1959 - Brigas Nunca Mais / Hino Ao Amor (Odeon, 78)
  • 1959 - La Violetera / Quem É? (Odeon, 78)
  • 1958 - Em 4 Instrumentos (LP)
  • 1957 - Namoro Sertanejo / A Saudade Já Chegou (Odeon, 78)
  • 1957 - Razão De Um Querer / Brotolândia (Odeon, 78)
  • 1957 - Saudade Da Bahia / Que Murmurem (Odeon, 78)
  • 1957 - Cascatella / No Jardim De Um Templo Chinês (Odeon, 78)
  • 1956 - Dançando Com o Acordeonista Milionário
  • 1956 - Longe De Minha Terra / Sobre O Arco-Íris (Odeon, 78)
  • 1956 - Minha Prece / Lavadeiras De Portugal (Odeon, 78)
  • 1956 - Lisboa Antiga / Os Pobres De Paris (Odeon, 78)
  • 1956 - Mambo Do Martelo / Prece Ao Samba (Odeon, 78)
  • 1955 - Eu Tive Que Te Beijar / Teu Nome Tem Cinco Letras (Odeon, 78)
  • 1955 - Recuerdos De Ypacarai / Porque Te Quero (Odeon, 78)
  • 1954 - Ritmos Dançantes (LP)
  • 1954 - Seis Amores / Mira-me (Odeon, 78)
  • 1954 - Vaya Com Dios / Baião Do Auditório (Odeon, 78)
  • 1954 - Menina Na Janela / Bahia Com "H" (Odeon, 78)
  • 1954 - Violetas Imperiais / Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite (Odeon, 78)
  • 1953 - A Voz Do Violão / O Cigano (Odeon, 78)
  • 1953 - Quando Eu Era Pequenino / Que Bom Que Estava (Odeon, 78)
  • 1953 - Brincando De Roda / Vivo Só (Odeon, 78)
  • 1953 - Parabéns São Paulo / Lili (Odeon, 78)
  • 1952 - Taí / Velho Romance (Odeon, 78)
  • 1952 - A Cuíca Tá Roncando / Boneca (Odeon, 78)
  • 1952 - Copacabana / Índia (Odeon, 78)
  • 1952 - Coisinha Boa / Teu Nome (Odeon, 78)
  • 1952 - Garota / Cubanita (Odeon, 78)
  • 1952 - Baião Da Sorte / ABC Do Mambo (Odeon, 78)
  • 1951 - Terceiro Homem / Maringá (Odeon, 78)
  • 1951 - Chuá-Chuá / O "Eme" De Minha Mão (Odeon, 78)
  • 1951 - Odeon / Casinha Pequenina (Odeon, 78)
  • 1951 - De Papo Pro Ar / Na Baixa Do Sapateiro (Odeon, 78)
  • 1951 - Baião Caçula / Zingara (Odeon, 78)
  • 1950 - Casinha Pequenina / Aquarela Do Brasil-Rio de Janeiro (Odeon, 78)
  • 1950 - Brasileirinho / Não Me Toques (Odeon, 78)
  • 1949 - No Tempo Antigo / Arapuã (Continental, 78)
  • 1948 - Sorocabana / Saci Pererê (Continental, 78)
  • 1946 - El Novillero / Ou Vai, Ou Racha (Continental, 78)
  • 1945 - Viajando Pela Itália / Valsa Da Meia-Noite (Continental, 78)
  • 1945 - Tico-Tico No Fubá / Elci (Continental, 78)
  • 1945 - Raio De Sol / La Venzzoza (Continental, 78)
  • 1945 - Um Passeio Em Pernambuco / Granada (Continental, 78)
  • 1944 - Os Pintinhos No Terreiro / Tutti-Frutti (Continental, 78)
  • 1944 - Deliciosa (Continental, 78)
  • 1943 - Sempre Alegre / Rã Na Frigideira (Colúmbia, 78)


Indicação: Miguel Sampaio