Mostrando postagens com marcador 2000. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 2000. Mostrar todas as postagens

Mário Fava

GIUSEPPE MÁRIO FAVA
(93 anos)
Mecânico

☼ Bariri, SP (1907)
┼ Rio de Janeiro, RJ (10/01/2000)

Giuseppe Mário Fava foi um mecânico brasileiro nascido em Bariri, SP, em 1907, filho de imigrantes italianos.

Habilidoso mecânico, em 1928, viveu grande aventura integrando durante 10 anos a equipe da Expedição Brasileira para a construção da estrada que interligaria as três Américas: a Carretera Panamericana.

Após retornar ao Brasil, como homenagem pelo grande feito, uma via pública no Rio de Janeiro recebeu o nome de sua cidade natal: a Rua Bariri.

Seu conhecimento como mecânico foi ponto determinante para o sucesso da viagem.

Ajudou a abrir a estrada Belém-Brasília e a fundar várias cidades no estado de Goiás. Na década de 50, pilotando um trator de esteira, iniciou a terraplanagem de Brasília. Na década de 60, foi o pioneiro no ramo de recauchutagem de pneus na cidade de Paranavaí, no Paraná.

Esta espetacular história foi contada em dois livros: "Eu Não Sabia Que Era Tão Longe", do escritor Baririense Osni Ferrari e "O Brasil Através das Três Américas", do escritor Beto Braga.

Os três aventureiros: Giuseppe Mário Fava (à esquerda), Leônidas Borges de Oliveira (ao centro) e Francisco Lopes da Cruz (à direita)
Carretera Panamericana
A Viagem Que Pretendia Unir As Américas

Em 1928, pilotando um Ford Modelo T, o popular Ford Bigode, e uma caminhonete, 3 homens saíram do Brasil rumo aos Estados Unidos. Inspirados pelo sonho do pan-americanismo, queriam provar que era possível unir as Américas nem que fosse por meio de uma rodovia.

Saíram do Brasil rumo aos Estados Unidos para cruzar 15 países e percorrer 28 mil km. Seu sonho era unir as três Américas ao rasgar uma estrada entre elas. A missão logo se mostraria muito mais dura, sofrida e perigosa do que eles podiam imaginar.

Ainda em território brasileiro, estavam perdidos havia dias no Pantanal Matogrossense, uma onça atacou 3 cães que caminhavam ao lado daquele estranho objeto sobre rodas. O mecânico Mario Fava, um dos integrantes do trio de aventureiros, atirou no animal. Mesmo ferido, o felino saltou sobre ele e o derrubou. Seu amigo Francisco, com o auxílio de um dos 5 índios que os ajudavam a sair da mata, cravou um facão no crânio do bicho. Atordoada, a onça agora era presa fácil para os cães, que a mataram e comeram. Essa foi só uma das muitas aventuras da comitiva.

A ideia da rodovia surgiu em 1923, na 5ª Conferência Internacional dos Estados Americanos, no Chile. Passados 5 anos da reunião, porém, o projeto ainda era considerado impossível. O tenente do Exército Leônidas Borges de Oliveira decidiu provar que era viável, sim, a construção da Carretera Panamericana, como seria chamada a futura obra. Para ajudá-lo, convidou o oficial da Aeronáutica Francisco Lopes da Cruz, amigo que sabia tudo de engenharia. Quando a dupla passou pela região de Pederneiras, SP, o mecânico Mário Fava, que sonhava conhecer os Estados Unidos, ofereceu-se para acompanhá-los.

A façanha é contada pelo historiador Beto Braga no livro "O Brasil Através das Três Américas". Ele soube do episódio em 1998, quando morava na Bolívia e conheceu o filho do comandante Oliveira, que lhe mostrou anotações feitas pelo pai. "Foram 8 anos de pesquisas para o livro", diz o autor.

Mario Fava, Passaporte
A expedição teve apoio financeiro do presidente Washington Luís e patrocínio do jornal O Globo, que doou o carro ao grupo. Batizado de Brasil, o Ford T saiu do Rio de Janeiro no dia 16/04/1928, aplaudido por uma multidão.

Em São Paulo, os expedicionários ganharam um reforço: a caminhonete Modelo T, presenteada pelo Jornal do Commercio. O automóvel recebeu o apelido de São Paulo. O primeiro contratempo viria em Bauru, SP: O dinheiro, fotos, documentos e a ata da viagem foram roubados. No Mato Grosso, deram de cara com a tal onça-pintada. Quase um ano depois da partida, alcançaram a fronteira paraguaia. Dos 2652 km percorridos até lá, mais da metade era de trilhas e picadas.

O Paraguai vivia um momento de forte tensão com a Bolívia. Havia uma disputa pela região do Chaco que se estendia desde a época colonial. A fronteira entre os dois países passava por ali e não era bem definida. A descoberta de gás e petróleo na Bolívia resultaria, 4 anos depois, na guerra mais sangrenta da América no século 20, a Guerra do Chaco. Mesmo no centro desse furacão, o presidente paraguaio, José Guggiari, encontrou-se com os brasileiros e os declarou hóspedes de honra.

Recepções com pompa e circunstância, aliás, se repetiram em muitos lugares. Eram acolhidos com festa por autoridades e moradores. Muitos ajudavam na tarefa de abrir caminhos - alguns por vontade própria e outros recrutados pelos Exércitos locais. No Peru, o trio encarou um obstáculo colossal: a cordilheira dos Andes. Lá, Mário Fava mostrou ser um sujeito de sorte, pois escapou duas vezes da morte. No dia 21/10/1929, São Paulo caiu num abismo e ele só sobreviveu porque o automóvel, na queda, ficou preso em uma árvore. Oito dias depois, enquanto a Bolsa de Nova York despencava, o carro Brasil também ia precipício abaixo. E o mecânico escapou por pouco outra vez.

Beto Braga considera Mário Fava o grande herói da expedição. Graças a seus conhecimentos, mantinha os carros funcionando mesmo na base do improviso. Na Bolívia, por falta de álcool (combustível do Ford T), o carro foi abastecido com uma bebida indígena feita de milho. Na Colômbia, encheram os pneus desgastados com capim - o que provocou outro acidente que quase esmagou Mário Fava. O "Intrépido Mecânico", como era chamado pela imprensa, também tinha talento de conquistador e teria se envolvido com inúmeras mulheres durante a jornada.

Carteira de Habilitação de Mario Fava emitida pela delegacia de polícia de Pederneiras em 1927.
Enquanto o grupo passava pelo Equador, recebeu a notícia de que Getúlio Vargas assumira o poder, com a Revolução de 1930. No Panamá, os carros foram desmontados para cruzar os rios. Os viajantes viram, espantados, índios loiros de olhos azuis (homens albinos da tribo dos cunas), encontraram a delegação olímpica brasileira a caminho de Los Angeles e souberam que, no Brasil, São Paulo tentava derrubar Getúlio Vargas e promulgar uma nova Constituição, era a Revolução Constitucionalista de 1932.

Na Nicarágua, o grupo se encontrou com o guerrilheiro Augusto Sandino. O líder popular pretendia derrotar a ditadura da família Somoza. Mas havia firmado um acordo com o governo e entregara grande parte de suas armas. Vítima de uma armadilha, foi executado. Os brasileiros tiraram a última foto do revolucionário, dois dias antes de sua morte.

Já durante a passagem pelo México, o comandante Oliveira se apaixonou pela médica Maria Buenaventura Gonzáles, que seria sua companheira por toda a vida. Enquanto isso, em 1935, o Movimento Comunista, liderado por Luís Carlos Prestes, ganhava força no Brasil. Mas não o suficiente para derrubar Getúlio Vargas.

A ditadura se instaurava no Brasil à medida que os expedicionários cruzavam os Estados Unidos. Lá, o grupo se encontrou com Henry Ford, que quis (mas não conseguiu) comprar os valentes carros Brasil e São Paulo para tê-los no acervo do museu de sua fábrica.

Em Cleveland, os brasileiros precisaram de uma autorização especial para dirigir, que foi assinada por Eliot Ness, o agente que prendeu Al Capone.

Em Washington, foram recebidos por Franklin Roosevelt. O presidente americano entregou uma carta de reconhecimento da nação à expedição. Durante os quase dois anos que passaram nos Estados Unidos, a intenção do grupo era persuadir governo e empresários a investir 100 milhões de dólares na construção da rodovia. Calculava-se que todo o trajeto da Carretera Panamericana custaria em torno de 500 milhões de dólares e os governos de cada país bancariam boa parte dos custos.

Convite de Mario Fava para a sessão do dia 24/11/1937 do Congresso dos Estados Unidos
Dez anos depois da saída do Brasil, os carros e o grupo voltaram de navio para casa. Reuniram-se com Getúlio Vargas, que lhes homenageou dando o nome da terra natal de cada integrante a ruas do Rio de Janeiro (Bariri, Descalvado e Florianópolis).

Leônidas foi nomeado cônsul privativo do Brasil na Bolívia e ocupou o cargo por mais de 20 anos. Mário Fava, um tempo depois, rumou para o norte, abrindo a estrada Belém-Brasília. O Ford Brasil está hoje no Museu dos Transportes, em São Paulo, e o São Paulo apodrece nos arredores do Museu do Ipiranga. Ainda que com trechos improvisados, já existe uma Carretera ligando o norte ao sul do continente, do Alasca à Patagônia, no sul do Chile. O primeiro país a concluir a obra foi o México, em 1950. O trecho da estrada que deveria ser construído no Brasil até hoje não saiu do papel.
"A intenção da expedição em unir as três Américas, como uma só nação, o verdadeiro espírito do pan-americanismo, antecede o Mercosul e outros acordos. A façanha dos expedicionários, mesmo valorizada na época, virando notícia de capa nos jornais, ficou no esquecimento!"
(Beto Braga)

Um ano depois de lançar "O Brasil Através das Três Américas", o escritor Beto Braga também refez o caminho da expedição pelas Três Américas com a mulher, Márcia, e os dois filhos, Caio e Renato. Em vez de calhambeques, a família viajou numa caminhonete Ford Excursion XLT munida de GPS e câmera GoPro. Os quatro saíram de Bauru, no interior de São Paulo, em 16/04/2011 - no aniversário de 83 anos da expedição - e passaram um ano na estrada. Entre 16/04/2011 e 20/04/2012, atravessaram 20 países, de Ushuaia, na Argentina, a Prudhoe Bay, no Alasca.
"Acrescentamos cinco países ao caminho original. Entre eles, o Chile pela importância da Carretera Panamericana no desenvolvimento do país; a Venezuela, que estava prevista no projeto inicial e foi um importante ramal a ser conectado na rodovia principal; e a República Dominicana, pelo convite do Instituto Panamericano de Geografia e História, órgão oficial da Organização dos Estados Americanos (OEA), para fazer a abertura da reunião do Conselho Diretivo em novembro de 2011."
83 anos depois, ainda há trechos que se mantêm como os descritos pelos expedicionários. Na região do Rio Atrato, da selva de Urabá e de El Darién, na divisa entre Colômbia e Panamá, ainda não foi construída a Carretera Panamericana.
"A principal diferença entre as nossas viagens é que eles fizeram história, e eu simplesmente tento resgatá-la!"
Convite de Mario Fava para visitar a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos no dia 20/12/1937
Resumo da Carretera Panamericana

Brasil

Ao som da Banda Marcial e do burburinho da multidão em frente à sede do jornal O Globo, no Rio de Janeiro, o tenente Oliveira, o engenheiro Lopes da Cruz e o mecânico Mario Fava partem em um Ford T no dia 16/04/1928 para descobrir, percorrer e projetar uma estrada que ligaria as Américas. A Expedição Brasileira de Estudos da Carretera Panamericana é recebida em Petrópolis pelo presidente Washington Luís. Em São Paulo, ganham uma caminhonete modelo T. No dia 02/02/1929, eles chegam ao último ponto do Brasil na rota, em Ponta Porã, PR.

Paraguai

Floresta no nordeste: Uma tempestade arranca do chão o rancho onde dormiam. Depois de 2 meses viajando dentro da mata, chegam a Villa Rica, cansados, barbudos, com infecção intestinal e febre.

Argentina

As rodovias eram boas e o país vivia uma expansão econômica, o que tornava a ligação entre Buenos Aires e a Carretera conveniente. São recebidos por ministros e têm 3 meses de tranquilidade.

Bolívia

Deslumbram-se com a Cordilheira dos Andes e com os animais da região. Veem de perto lhamas, vicunhas, alpacas e o gigante condor. Com a ajuda de cães que acompanham a excursão, caçam coelhos para comer.

Peru

Tablachaca: Mário Fava escapa por pouco de um acidente grave. Chegam doentes a Andahuailas. Após uma longa convalescença, seguem rumo à cordilheira. Levam 4 meses para atravessá-la.

Equador

Azuay: No dia 19/10/1930, desgovernado, o Ford Brasil rola 100m ribanceira abaixo. Mário Fava fica preso nas ferragens. O cachorro Tudor, que acompanhava o grupo, morre no acidente.

Colômbia

Picadas de insetos formam grandes feridas. Em Cali, o solo dos Andes destrói os pneus, que são enchidos com capim. Na selva de Urabá, os carros cruzam os rios desmontados.

Panamá

Colón: A expedição visita o canal do Panamá. Cidade do Panamá: O presidente, Ricardo Javané, fica impressionado com o fato de o grupo ter conseguido atravessar de carro a selva de Urabá, um feito inédito.

Nicarágua

Manágua: O líder guerrilheiro Augusto Sandino recebe a expedição na capital. Ele havia fechado um acordo de paz com o governo, mas foi vítima de uma armação em 21/02/1934 e morreu metralhado.

Honduras

Em apenas 8 dias, percorrem o trecho hondurenho, 187 km, que faria parte da futura Carretera Panamericana.

Guatemala

Cidade da Guatemala: Os carros são consertados e ganham pneus novos. O presidente, Jorge Ubico, lhes dá uma grande quantia em dinheiro.

México

Huixtla: São obrigados a atravessar rios sem pontes. Em San Jerônimo, Oliveira quase morre por causa de uma infecção intestinal. Na cordilheira do Oaxaca, o trajeto é aberto à custa de força física.

Estados Unidos

Austin: Apresentam o projeto ao prefeito e ao governador. Detroit: Henry Ford faz questão de conhecer os aventureiros e oferece um bom dinheiro para ter os carros Brasil e São Paulo no museu de sua fábrica. Oliveira, Mário Fava e Cruz recusam e seguem viagem. Washington, DC: Franklin Roosevelt reconhece a expedição em carta.

Mario Fava, 1925
Mário Fava Ganha Museu Com Seu Nome

Uma revista com o inventor Thomas Edison na capa foi o que fez o jovem Giuseppe Mário Fava querer ir para os Estados Unidos há quase um século. E a decidir, aos 21 anos, juntar-se à expedição automobilística, em junho de 1928. Quando Leônidas Borges de Oliveira e Francisco Lopes da Cruz lhe contaram que o plano era chegar até Nova York, o paulista de Bariri apaixonado por mecânica e eletricidade não teve dúvidas: Juntou suas roupas e as poucas ferramentas que tinha e se apresentou como o mecânico da aventura.

"Acredito que nem ele sabia, no início da viagem, a dimensão que teria seu feito. Esta é uma história que deve ser conhecida, reconhecida e lembrada por todo o Brasil, a América e, principalmente, pelos baririenses", diz Dinorá de Azevedo Lima Musegante, diretora de Educação, Cultura e Esporte da Prefeitura Municipal de Bariri, município na região de Jaú, a 330 quilômetros de São Paulo.

A cidade natal do mecânico, filho de imigrantes italianos, abriu em 13/12/2008 o Centro Educacional, Cultural e de Exposições Mário Fava, reinaugurado em 15/06/2016, após uma reforma. Segundo Dinorá, o espaço promove exposições, palestras, cursos, espetáculos de teatro, dança e música, além de exibição de filmes, formaturas e outros eventos.

O acervo é restrito: "Temos algumas fotos e cópias de cartas da expedição que foram impressas e organizadas numa exposição aberta à população. Mário Fava é um herói baririense e brasileiro, cujo feito é de grande importância para todo o continente americano", explica a diretora. Para a ex-prefeita Deolinda Marino, é preciso que cada baririense conheça a história de Mário Fava e reconheça, com orgulho, sua contribuição para os povos das três Américas. "Foi uma história de coragem, ousadia e perseverança, em busca de um ideal."

Até dar nome ao centro cultural, porém, o mecânico era um ilustre desconhecido na cidade. Além de ter saído jovem dali e passado dez anos na viagem do Rio de Janeiro a Nova York, depois de voltar ao Brasil ele retornou pouco à terra natal.

"Ele voltou a Bariri em junho de 1939 para visitar a família e depois sumiu pelo interior do Brasil", conta o escritor e engenheiro civil Osni Ferrari, autor do livro "Eu Não Sabia Que Era Tão Longe" (City Gráfica, 2011, 270 páginas), que resgata a epopeia americana.

Nascido em Bariri, Osni Ferrari conta que seu interesse pela história surgiu no começo de 2006, quando, assistindo a uma reportagem do Jornal Nacional, na TV Globo, ouviu o nome de sua cidade natal num trecho da Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião, de Francis Hime, Geraldo Carneiro e Paulo Cesar Pinheiro. Descobriu que se referia à rua do campo do time do Olaria e que o nome havia sido dado pelo presidente Getúlio Vargas em homenagem a um baririense que havia feito uma viagem histórica muitas décadas atrás.

O escritor-engenheiro lembra que um amigo professor de história já havia lhe falado sobre a aventura, mas teve dificuldade em encontrar mais informações. Até que, pela internet, chegou até o também escritor Beto Braga, que lhe deu mais detalhes sobre Mário Fava e os outros expedicionários.

Em seu livro, inspirado no filme Titanic, Osni Ferrari mistura registros históricos a diálogos de ficção. Hoje morador de Hortolândia, também no interior paulista, ele conta que mantém forte ligação com Bariri e já deu várias palestras sobre Mário Fava em escolas da cidade. "Para que a história de Mário Fava não morra de novo, é preciso contá-la às crianças", ensina. Osni Ferrari também planeja fazer uma segunda edição do livro com detalhes sobre a construção da estrada.

Ele ressalta, no entanto, que a história daquele que ficou conhecido como o "Intrépido Mecânico" por seus conhecimentos, habilidades e criatividade para se safar de dificuldades foi além da Expedição Pan-Americana.
"Ele foi um aventureiro que participou da construção de Brasília. Braço direito do engenheiro Bernardo Sayão, ligou o trator que simbolicamente deu início à terraplenagem da construção da nova capital do Brasil. Também ajudou a fazer a Estrada Belém-Brasília e a fundar cidades no interior de Goiás, como Ceres. Anos mais tarde, montou uma empresa de recauchutagem de pneus em Paranavaí, no norte do Paraná."
Quando Beto Braga o encontrou, em março de 1998, Mário Fava havia arrendado a empresa e vivia de uma pequena renda. Morava com o irmão em uma casa boa, mas pobre de mobília.

Mario Fava, 1932
Morte

Mário Fava faleceu no dia 10/01/2000, aos 93 anos, durante uma visita a parentes no Rio de Janeiro, RJ.

"Muita gente achava que Mário Fava era um velho louco pelas histórias que contava. Disse numa ocasião a seu médico que tinha conhecido o presidente americano Franklin Roosevelt e ele não acreditou. Ninguém acreditava"
(Beto Braga)

Maurício Reis

JOÃO MAURÍCIO DA COSTA
(58 anos)
Cantor

☼ Santa Rita, PB (1942)
┼ Bonito, PE (22/07/2000)

João Maurício da Costa, conhecido artisticamente por Maurício Reis, foi um cantor brasileiro. Era representante do estilo conhecido como brega.

Nascido na cidade de Santa Rita, na Paraíba, João Maurício da Costa adotou o nome artístico de Maurício Reis e teve uma carreira de 29 anos. Conhecido no Nordeste como o "Cantor das Rosas", ele gravou 27 álbuns, entre LPs e CDs. Seus maiores sucessos são "Verônica" e "Mercedão Vermelho".

O LP "Fim de Noivado", lançado pela Phonogram em 1973, contém o clássico "Verônica" (C. Blanco), versão de Fernado Adour, teve a direção de produção assinada por Luis Paulo e Hyldon Souza.

Hyldon Souza é o mesmo que em 1975 estourou no país inteiro com as músicas "As Dores do Mundo" e "Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda", ambas de autoria do cantor. Ironicamente, no mesmo disco, a música "Lenço Manchado" (Isaias Souza), narra a história de um acidente automobilístico. Um homem apaixonado recebe a notícia de que sua mulher havia morrido num acidente na estrada. Os demais ocupantes saíram vivos, somente seu amor havia morrido. O único bem que ficou do amor, foi um lenço manchado de sangue.

Morte

Maurício Reis morreu no dia 22/07/2000, aos 58 anos, vítima de um acidente automobilístico ocorrido no município pernambucano de Bonito.

O acidente foi causado pelas fortes chuvas que caíam na região de Bonito e que inundou a pista da PE-109, provocando a derrapagem que jogou seu carro, um Fiat Tempra, na barragem do Prata. O cantor viajava no banco do passageiro e sofreu um grande impacto quando o Tempra afundou na rodovia inundada.

Muito nervoso, teve dificuldade para sair do veículo. Ainda respirando foi carregado pelos demais ocupantes do automóvel. Eles conseguiram ajuda de moradores da região, que jogaram uma corda para facilitar o resgate.

Minutos depois, uma ambulância chegou para transportar o músico para um hospital de Bonito. Por conta dos buracos, o carro de socorro teve o pneu furado. Maurício Reis mudou de condução, sendo levado na caçamba de uma Toyota. O músico não resistiu e morreu.

Seu filho, o tecladista Maurício Inácio Costa, dirigia o carro no momento do acidente, e conseguiu sobreviver. Maurício Reis havia saído de Gravatá, onde morava há sete anos, para fazer um show em Xexéu, na Zona da Mata Sul.

A família do cantor processou o Departamento de Estradas de Rodagem pela falta de sinalização na estrada, o que teria sido causa do desastre.

Indicação: Saulo Tarso de Oliveira

Brandãozinho

ANTENOR LUCAS
(74 anos)
Jogador de Futebol

☼ Campinas, SP (09/06/1925)
┼ São Paulo, SP (04/04/2000)

Antenor Lucas, mais conhecido como Brandãozinho foi um jogador de futebol brasileiro nascido em Campinas, SP, no dia 09/06/1925. Jogando como médio-volante, destacou-se na Portuguesa entre os anos 1950 e 1955. Fez dezoito partidas pela Seleção Brasileira, entre 1952 e 1954, inclusive atuou como titular na Copa do Mundo de 1954.

No começo dos anos 40, o jovem Brandãozinho, apelido que ganhou ainda na infância, foi levado para os quadros amadores da Associação Atlética Ponte Preta. Depois de algum tempo, foi encaminhado para jogar pela Caldense (Poços de Caldas, MG). Posteriormente, retornou ao futebol paulista e foi defender a Portuguesa Santista, onde profissionalizou-se.

Jogando pela Briosa na posição de médio volante, Brandãozinho despertou o interesse da Portuguesa de Desportos. Começou assim em 1947, uma épica batalha para trazer o jogador. Inicialmente, o negocio girou em torno de 400 mil cruzeiros antigos.

Porém, um diretor da Portuguesa Santista interrompeu o acordo com o time do Canindé por julgar o valor irrisório para um jogador daquela categoria. Então, Brandãozinho permaneceu no Ulrico Mursa durante todo o ano de 1948 e boa parte do ano de 1949.


Finalmente depois de uma longa negociação, exatamente em 10/08/1949, Brandãozinho assinava seu contrato com a Portuguesa de Desportos. O valor investido no jogador beirou os 600.000 cruzeiros antigos.

E não foi só isso. Com o certame já em andamento, a Portuguesa de Desportos teria dificuldades para aproveitar Brandãozinho durante aquele campeonato. Foi preciso uma intervenção direta do presidente da Federação Paulista de Futebol, o Sr. Roberto Gomes Pedrosa.

E Brandãozinho fez sua estréia em um clássico contra o Palmeiras e anotou seu primeiro tento justamente em uma partida contra a Portuguesa Santista, em setembro de 1949, na vitória por 4x1.

Campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1952, Brandãozinho, ao lado de Muca, Djalma Santos, Julinho Botelho, Ceci, Nininho, Renato, Pinga e Simão, escreveram um dos períodos mais vitoriosos da história da Portuguesa de Desportos.

Com o sucesso na Portuguesa de Desportos, Brandãozinho ganhou sua primeira chance na Seleção Brasileira e conquistou o campeonato Pan-Americano de 1952.

Brandãozinho também defendeu o selecionado paulista em inúmeras oportunidades, conquistando o tradicional campeonato brasileiro de seleções no ano de 1952.


Depois da tragédia de 1950, houve todo um processo de reformulação na antiga Confederação Brasileira de Desportos (CBD). Até o uniforme, anteriormente todo branco, foi trocado pelo canarinho, como até hoje conhecemos.

Para disputar o mundial de 1954, o técnico Zezé Moreira manteve Bauer e Brandãozinho na composição do setor de meia cancha. Brandãozinho participou da partida conhecida como a "Batalha de Berna", quando o Brasil foi derrotado pela Hungria pelo placar de 4x2, na primeira derrota da nova camisa canarinho.

Depois da conquista do Torneio Rio-São Paulo em 1955, Brandãozinho sentiu o agravamento de algumas contusões, além da complicação de uma cirurgia realizada logo após o mundial de 1954.

Depois de praticamente sete temporadas jogando pela Portuguesa de Desportos, Brandãozinho percebeu que seu momento de parar tinha chegado. Quando deixou definitivamente os gramados em 1957, o craque recebeu o passe livre e trabalhou nas divisões de base do Nacional e da própria Portuguesa de Desportos, onde posteriormente comandou o time principal.

Formado em Educação Física, estudou direito e trabalhou também como investigador de polícia.

Brandãozinho, que morava no bairro do Tucuruvi em São Paulo, faleceu no dia 04/04/2000.

Títulos

Portuguesa de Desportos:
  • 1952 - Torneio Rio-São Paulo
  • 1955 - Torneio Rio-São Paulo


Seleção Brasileira:
  • 1952 - Campeonato Pan-americano de Futebol


Omar Fontana

OMAR FONTANA
(73 anos)
Empresário e Piloto de Aviões

☼ Joaçaba, SC (07/01/1927)
┼ São Paulo, SP (08/12/2000)

Omar Fontana, filho de Attilio Fontana, foi o fundador, em 1955, da Sadia S/A Transportes Aéreos, que deu origem a TransBrasil.

Nascido em Joaçaba, SC, graduou-se em advocacia e ciências sociais, mas deixou a carreira acadêmica para tornar-se piloto na Panair do Brasil.

Omar Fontana fundou a companhia Sadia S/A Transportes Aéreos para fazer o transporte de carga para a empresa de alimentos Sadia, fundada por seu pai, Attílio Fontana.

Em 1953, ele propôs ao pai transportar carnes preparadas pela Sadia em Concórdia, no interior de Santa Catarina, para as churrascarias de São Paulo por meio de um vôo semanal, num avião DC-3 arrendado.

A operação deu certo e ajudou a Sadia a colocar seus produtos na praça paulista numa época em que as estradas eram de terra e os caminhões não tinham refrigeração. Com o lema "Pelo Ar, Para o Seu Lar", foi criada em 1955 a Sadia Transportes Aéreos, com dois aviões DC-3 e um C-47.


Em 1957, a Sadia fez uma parceria com a Real Aerovias, na época a maior companhia aérea da América Latina, com 118 aviões. Então, como vice-presidente de operações, Omar Fontana inaugurou serviços regulares do Brasil para Los Angeles, Estados Unidos, e Tóquio, Japão. Quatro anos depois, Omar Fontana desfez a associação com a Real Aerovias Brasil.

A Sadia Transportes Aéreos atendia principalmente à empresa de Concórdia, mas começou a ganhar espaço como companhia aérea comercial em 1961, quando comprou a Transportes Aéreos de Salvador. Com a aquisição, a empresa catarinense ganhou mais 15 aviões e estendeu seus vôos para mais 53 cidades.

Somente em 1972 a empresa passou a ser chamada de TransBrasil.

A empresa continuou então sua expansão até que em 1989, já com o nome de TransBrasil, quebrou a hegemonia da Varig em rotas internacionais e conseguiu concessão para vôos regulares para Orlando e Flórida, nos Estados Unidos.

Mais tarde, Omar Fontana fez uma injeção de capital na empresa e inaugurou serviços diários do Rio de Janeiro e de São Paulo para Miami e Orlando. Na seqüência, inaugurou vôos para Washington, New York, Buenos Aires, Viena, Amsterdã e Londres.

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras batizou o Embraer E-Jet de número 60, matrícula PR-AUJ, com o nome "Cmte. Omar Fontana – Pioneiro da Aviação", em homenagem a um dos grandes executivos da aviação brasileira, que entre outras marcas, fundou a Transbrasil.
De sua criação em 1972 até sua extinção, a TransBrasil enfrentou muitos problemas. O Plano Cruzado, em 1986, foi um dos marcos negativos na história da empresa. Além de ter perdido dinheiro com o congelamento de tarifas, a companhia fez uma aposta errada, ao aumentar agressivamente seu número de aviões prevendo crescimento na quantidade de passageiros. Endividada, a TransBrasil passou a década de 90 lutando contra o governo federal para reparar perdas financeiras pelo congelamento das tarifas.

Em julho de 1995, criou também a InterBrasil Star, empresa regional do grupo que ligava pequenas cidades do interior do Brasil aos principais aeroportos do país.

No ano de 1998 Omar Fontana se afastou do comando da empresa para se tratar de um câncer na próstata, mas permaneceu como presidente do conselho de administração. Ele não era mais o principal executivo da companhia, mas mantinha sua força na empresa.

Com a morte de Omar Fontana, aumentaram as dúvidas sobre o futuro da TransBrasil. A companhia enfrentava dificuldades financeiras e chegou a negociar uma união com a concorrente TAM. Principal acionista da empresa, Omar Fontana resistia à idéia de abrir mão do controle da TransBrasil.

Com sua morte, a TransBrasil perdeu o rumo, e afogada em dividas paralisou suas operações. Era o fim da TransBrasil que morreu 362 dias depois do seu fundador.

Morte

Omar Fontana, morreu em São Paulo, SP, no dia 08/12/2000. Ele tinha câncer e morreu depois de uma parada cardíaca, às 2h00, em sua casa, no bairro do Pacaembu. O enterro ocorreu em 09/12/2000, às10h00, no Cemitério do Morumbi.

Fonte: Wikipédia

Dona Neuma

NEUMA GONÇALVES DA SILVA
(78 anos)
Carnavalesca e Pastora

* Rio de Janeiro, RJ (08/05/1922)
+ Rio de Janeiro, RJ (17/07/2000)

Filha de Saturnino Gonçalves, um dos fundadores do Bloco dos Arengueiros, que mais tarde originou a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, sobrinha de outro compositor da escola, Arthurzinho, nasceu no subúrbio de Madureira, no Rio de Janeiro. Além de seus filhos de sangue, criou e educou 18 filhos adotivos.

Desde criança conviveu sempre com os grandes compositores da Mangueira. Seu pai, Saturnino Gonçalves, foi um deles.

Integrante da Velha Guarda da Mangueira, foi considerada, juntamente com Dona Zica, uma das grande damas da escola.

Considerada a Primeira Dama da Mangueira, sua casa era frequentada por personalidades como Noel RosaVilla-LobosNegrão de Lima, o prefeito Pedro Ernesto, além de Chico BuarqueTom Jobim e Ricardo Cravo Albin.

Chico Buarque, Dona Neuma e Tom Jobim
Integrou, na década de 70, o Conselho Superior das Escolas de Samba, órgão fundado pela Associação das Escolas de Samba e criado por Amaury Jório.

No ano de 1984 interpretou a faixa "Brasil, Terra Adorada" (Cartola e Carlos Cachaça) no disco "Cartola Entre Amigos".

Em 1998, a gravadora BMG lançou o CD "Chico Buarque de Mangueira", que homenageava os compositores da escola. Neste disco, apareceu na foto ao lado de Chico Buarque e de outras "tias" importantes da comunidade, como Tia Zica, Tia Zélia e Tia Chininha. Participou também como pastora na faixa "Capital do Samba" (Zé Ramos).

Em 1999, a gravadora Nikita Music produziu o CD "Velha Guarda da Mangueira e Convidados", no qual interpretou uma faixa.

No ano 2000 foi uma das principais colaboradoras do disco "Mangueira - Sambas de Terreiro e Outros Sambas", produzido pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. Além de conceder entrevistas e rememorar sambas de autores já falecidos, interpretou também algumas faixas, como "Linda Demanda" (Saturnino Gonçalves), "Fiquei Sem Esperança" (Saturnino Gonçalves), e "Adeus Mangueira" (Zé Espinguela). Com Nelson Sargento, interpretou a música "Eu Quero Nota" (Arthurzinho), "Sorriso Falso" (Zé Criança), "Quem Se Muda Pra Mangueira" (Zé Com Fome).


Em 2001, a cantora Alcione pediu ao compositor Arlindo Cruz que fizesse uma música em homenagem à "Primeira Dama da Mangueira", incluindo-a em seu novo disco "A Paixão Tem Memória".

Em 2008, em sua homenagem, foi inaugurada a Escola Tia Neuma, na Vila Olímpica da Mangueira, para 500 crianças de seis a 14 anos. A escola, com ensino gratuito em horário integral com aulas de esportes, ciências, biblioteca e laboratório de informática, foi inaugurada em solenidade presidida pelo governador Sérgio Cabral, sendo uma parceria do Estado com a iniciativa privada, Santa Mônica Centro Educacional. O evento contou com as presenças de Nelson Sargento e do ex-mestre-sala Delegado, além da cantora Alcione, que cantou o Hino Nacional, e da Banda do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro. Na ocasião, a presidente da escola, Eli Gonçalves da Silva, a Chininha, filha da homenageada, declarou:

"Ela tinha relação forte com a educação. Não era professora, mas ajudou a alfabetizar muitas crianças no morro."

Dona Neuma faleceu no dia 17/07/2000 no Hospital Salgado Filho, vítima de Acidente Vascular Cerebral (AVC), conseqüência de cirurgia para a retirada de um coágulo no cérebro.


Discografia

  • 2000 - Mangueira - Sambas de Terreiro e Outros Sambas
  • 1999 - Velha Guarda da Mangueira e Convidados
  • 1998 - Chico Buarque de Mangueira
  • 1984 - Cartola Entre Amigos


Morgana

ISOLDA CORRÊA DIAS
(65 anos)
Cantora

* São Paulo, SP (02/08/1934)
+ São Paulo, SP (04/01/2000)

Isolda Corrêa Dias foi uma cantora brasileira, filha de Geraldo Corrêa Dias e Maria Helena Franco Dias, conhecida com o nome artístico de Morgana Cintra e, posteriormente, Morgana, também era chamada de "A Fada Loira". Morgana cantava em várias línguas e era considerada por muitos como uma das melhores cantoras brasileira.

Seus principais sucessos foram "Arrependida" e "Serenata Do Adeus", ambas de 1958, "Canção Da Tristeza", "Conselho", "Este Seu Olhar", estas de 1959, "Hino Ao Amor", de 1960, "Não Pense Em Mim", de 1967, e "E a Vida Continua", de Jair Amorim e Evaldo Gouveia. Seus principais discos são "Esta é Morgana" (1959) e "Morgana" (1960).

Morgana ganhou muitos troféus durante sua carreira. Um Troféu Roquete Pinto, das Emissoras Unidas; 8 Discos de Ouro, do programa "Astros do Disco"; o Troféu Chico Viola; Os Melhores da Semana; Discos de Ouro, no Rio de Janeiro; Troféu Imprensa; Troféu Tupiniquim; e tantos outros, tanto em São Paulo, como no Rio de Janeiro e outras capitais brasileiras.

Morgana estudou no Colégio Alfredo de Gusmão e depois fez curso de balet, na Escola de Bailado da Prefeitura de São Paulo. Estudou canto e piano no Colégio Cristovão Colombo. Continuou os estudos com o maestro Tobias Perfetti e com Zaira Bianchi. Estudou ainda italiano, inglês, francês e castelhano.

Começou sua carreira como cantora lírica, no qual obteve êxito durante sete anos. Em 1958 passou a se dedicar à música popular, adotando o nome Morgana Cintra.


Contratada pela gravadora Copacabana estreou em discos ainda em 1958, quando gravou com o acompanhamento do conjunto de Severino Filho a "Serenata Do Adeus", de Vinícius de Moraes, em gravação que logo obteve grande sucesso. No lado B desse disco gravou com Booker Pittman, pai da cantora Eliana Pittman, o fox "Let's Fall In Love" (Arlen e Kehler). No mesmo ano, gravou o samba "Conselho" (Denis Brean e Osvaldo Guilherme), e o samba-canção "Era Uma Vez", de Lina Pesce. 

Obteve imediatamente grande sucesso com a primeira gravação "Serenata Do Adeus", que tornou-se bastante conhecida através de sua gravação. Logo após gravou "Mais Brilho Nas Estrelas", que também teve grande aceitação pelo público, bem como o recente sucesso de Edith Piaf, em versão de Odair Marzano, "Hino Ao Amor". Morgana também gravou "O Hino do IV Centenário", de Mário Zan.

Em 1958, Morgana recebeu o Troféu Imprensa como melhor cantora, e lançou com a orquestra de Osmar Milani o LP "Esta é Morgana", no qual interpretou as composições "Serenata Do Adeus" (Vinícius de Moraes), "Era Uma Vez" (Lina Pesce), "Sombras Entres Nós" (Hervé Cordovil e René Cordovil), "Dois Orgulhosos" (Antônio Bruno), "Conselho" (Denis Brean e Osvaldo Guilherme), "Mais Brilho Nas Estrelas" (Aloísio Figueiredo e Nelson Figueiredo), "Porque Tu Me Feres" (Gordurinha), e "Amar Ou Não Amar" (Antônio Bruno e Amauri Medeiros).

Em 1959, já com o nome artístico abreviado para apenas Morgana, gravou o samba-canção "Mais Brilho Nas Estrelas" (Aloysio Figueiredo e Nelson Figueiredo), com acompanhamento da orquestra de Osmar Milani, música que ela interpretaria no filme "Moral Em Concordata" (1959) uma comédia com direção e argumento de Fernando de Barros. No lado B desse disco gravou a toada "Bentevi" (Miranda e Maio), com acompanhamento da orquestra de Marin Pereira.


Ainda em 1959, Morgana fez sucesso com a gravação de "Hymne a L'amour" (Edith Piaf e Monnot), em versão de Odair Marzano, em disco que trazia no lado B a seresta "Choro Por Você" (Heitor Carrilho e Betinho). Nesse mesmo período participou do LP "A Música De Dolores" uma homenagem a Dolores Duran, falecida naquele ano, interpretando a "Canção Da Tristeza".

Em 1960, lançou seu terceiro LP interpretando as músicas "Tome Continha De Você" (Édson BorgesDolores Duran), "Encontrei o Amor" (Fernando César e Roberto Mário), "A Rosa (Canção da Rosa Que Eu Te Dou)" (Édson Borges), "Carinho e Amor" (Tito Madi), "Leva-me Contigo" (Dolores Duran), "Sonata Sem Luar" e "Elegia Ao Violão" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Menina Moça" (Luis Antônio), "Falar Por Falar" (Fernando César), "Segredo Para Dois" (Fernando César e Ted Moreno), "Só Falta Aqui Você" (Édson Borges e Sandra Alves), e "A Flor" (Vera Brasil e De Rosa).

Em 1961, lançou o LP "Morgana, A Fada Loura" que consolidaria definitivamente sua carreira, disco no qual cantou as músicas "Não Sei Explicar" (F. Jay e A. Harris) em versão de Teixeira Filho"Cantando Baixinho" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Manhã à Toa" (Ciloca Madeira e Regina Guerreiro), "Tarde Outonal" (Hector Lagna Fietta e Ribeiro Filho), "Até Sempre (Hasta Siempre)" (Mário Clavell) versão de Teixeira Filho"Volte Pra Mim (Come Back To Me)" (Roy Orbison e J. Nelson), e versão de Ciro Cruz e Marco Antônio Brandão, "Canta Pra Mim" (Lina Pesce), "Amare (Essere Amati)" (D. Vignali e Danpa) versão de Ramalho Neto"Teleco-Teco Nº 3" (Ciloca Madeira e Regina Guerreiro), "Fica Ou Vai" (Inara Simões de Irajá), "A Distância Não Vai Alterar" (H. Hilm, V. Aleda e P. Kreuder) versão de Teixeira Filho, e "Arrependida" (J. C. Villafuerte) versão de Sebastião Ferreira.

Para o natal de 1962, Morgana gravou em dueto com o cantor Moacyr Franco a canção "Natal De Felicidade" (Moacyr Franco e Wilton Franco).


Ainda em 1962, Morgana lançou o LP "Fuga Com Morgana" no qual cantou as músicas "Fuga", de Renato de Oliveira e Nazareno de Brito; "Areia branca", de Jorge Smera e Othon Russo; "Cravo vermelho", de Pernambuco e Sergio Malta; "A volta", de Ted Moreno e Fernando César; "Primeira estrela que vejo", de Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho; "Caminho perdido", de Luis Antônio; "Maldito", de Evaldo Gouveia e Jair Amorim; "Maldade", de Denis Brean e Osvaldo Guilherme; "Ninguém no mundo (Nessuno al mondo)", de A. Crafer e J. Nebb, e versão de Wilma Valéria; "Quero paz", de Ricardo Galeno e Cirene Mendonça; "Que tristeza é essa", de Silvio César, e "Para que me enganar", de Romeo Nunes e Édson França.

Em 1963, lançou o LP "A Romântica Morgana" com um repertório eminentemente romântico com as músicas: "Nem Deus" (João Roberto Kelly), "Espero Por Ti Meu Amor", uma versão de Claribalte Passos para "Da Un Giorno Al Altro" (F. de Paolis, Galotti e Medini), "Confessa Agora" (Alcyr Pires Vermelho e Hagá Faria), "Meu Grande Amor" (Antônio Bruno), "Adeus à Solidão" (Dalton Vogeler), "Quatro Letras" (Vera Brasil e Sivan Castelo Neto), "Vê, Lembra e Pensa" (Nazareno de Brito e Adolfo Maclerevsky), "Tema Do Amor Triste" (Rildo Hora e Clóvis Mello), "Tu" (Ed Lincoln e Silvio César ), "Canção Do Amor Perdido" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Mágoa" (Hervé Cordovil e Julio Atlas), e "Tristeza Triste" (Jorge Smera e Paulo Gesta).

Ainda em 1963, sua interpretação para o bolero "Maldito" (Evaldo Gouveia e Jair Amorim), foi incluída no LP "14 Maiorais Nº 2" da gravadora Copacabana, incluindo sucessos daquele momento. Também nesse mesmo ano participou da coletânea "5 Eestrelas Interpretam a Bossa Nova - Elizeth Cardoso, Marisa, Carminha Mascarenhas, Morgana e Lucienne Franco" da gravadora Copacabana que demonstrou o prestígio que tinha na época. Nesse LP interpretou as canções "A Flor" (Vera Brasil e De Rosa) e "Cravo Vermelho" (Pernambuco e Sergio Malta).

Em 1964, participou da coletânea "Tudo De Mim - Poemas e Canções de Jair Amorim" que a gravadora Copacabana lançou homenageando o compositor Jair Amorim. Nesse disco interpretou o bolero "Maldito". No mesmo ano, sua interpretação para o bolero "Deixa Pra Lá" (Nóbrega e Souza e Jerônimo Bragança), foi incluída no LP "As 14 Maiorais Em Boleros" da gravadora Copacabana.


Em 1965, gravou o LP "Morgana, Morgana, Morgana" que teve como destaque o bolero "Amor Eterno" (Alfredo Borba e Edson Borges), que foi incluído também na coletânea "Sucessos Volume 1" da gravadora Continental.

Morgana também atuou como cantora na TV. Sua canção mais famosa foi a música-tema da novela "O Direito de Nascer", da extinta TV Tupi, em 1965, escrita por por Talma de Oliveira e Teixeira Filho, baseada no original cubano de Félix Caignet, com direção de Lima Duarte, José Parisi e Henrique Martins. Nessa época, Morgana era carinhosamente chamada de "Fada Loira".

Em 1966, participou da coletânea "Lina Pesce - Seus Grandes Sucessos" com o qual a gravadora Copacabana homenageou a compositora Lina Pesce. Nesse disco foi incluída sua gravação para a música "Era Uma Vez".

Em 1967, duas gravações suas foram incluídas na coletânea "14 Sucessos De Ouro - Volume 8" da RGE, "Não Pense Em Mim" e "Kilimandjaro". No mesmo ano, participou da coletânea carnavalesca "Carnaval 68" do selo Som Maior interpretando a marcha "A História De Um Pierrot" (Celso Mendes).

Em 1968, participou do III Festival Internacional da Canção Popular defendendo a composição "Engano" (Renato de Oliveira e Fernando César), incluída no volume II dos discos do Festival lançados pela Odeon.

Morgana foi casada com Amaury Garcia de Oliveira, que trabalhava no ramo de restaurantes. E eles tiveram um filho, de nome Amaury. Em 1973, no auge do sucesso no Brasil e no exterior, ela decidiu trocar a carreira de cantora por uma rede de pizzarias, em sociedade com o marido.

Em 1977, sua interpretação para a "Serenata Do Adeus" (Vinícius de Moraes), foi incluída no LP "As Grandes Cantoras da MPB" do selo Som/Copacabana. Essa mesma gravação seria incluída em 1980, no LP "Saudade & Fossa" do selo Seta.

Morgana faleceu aos 65 anos, em 04/01/2000, e foi sepultada no Cemitério Quarta Parada, em São Paulo.


Discografia


  • 1966 - Lina Pesce - Seus Grandes Sucessos (Copacabana, LP)
  • 1965 - Morgana, Morgana, Morgana (Copacabana, LP)
  • 1964 - Deixa Lá / Luar Do Nosso Adeus (Copacabana, 78)
  • 1964 - As 14 Maiorais Em Boleros (Copacabana, LP)
  • 1964 - Tudo de Mim - Poemas e Canções de Jair Amorim (Copacabana, LP)
  • 1963 - Fuga / Ninguém No Mundo (Copacabana, 78)
  • 1963 - A Romântica Morgana (Copacabana, LP)
  • 1963 - 5 Estrelas Interpretam a Bossa Nova - Elizeth Cardoso, Marisa, Carminha Mascarenhas, Morgana e Lucienne Franco (Copacabana, LP)
  • 1962 - Maldito / Eu, a Tristeza e Você (Copacabana, 78)
  • 1962 - Natal de Felicidade (Copacabana, 78)
  • 1962 - Fuga Com Morgana (Copacabana, LP)
  • 1961 - Não Sei Explicar / A Distância Não Vai Alterar (Copacabana, 78)
  • 1961 - Amar / Cantando Baixinho (Copacabana, 78)
  • 1961 - Morgana, A Fada Loura (Copacabana, LP)
  • 1960 - Sonata Sem Luar / Elegia Ao Violão (Copacabana, 78)
  • 1960 - Este Amor / A Rosa (Copacabana, 78)
  • 1960 - Morgana (Copacabana, LP)
  • 1959 - Mais Brilho Nas Estrelas / Bentevi (Copacabana, 78)
  • 1959 - Hymne a L'amour / Choro Por Você (Copacabana, 78)
  • 1959 - Morgana (Copacabana, LP)
  • 1958 - Serenata Do Adeus / Let's Fall In Love (Copacabana, 78)
  • 1958 - Conselho / Era Uma Vez (Copacabana, 78)
  • 1958 - Esta é Morgana (Copacabana, LP)

Elsie Lessa

ELSIE LESSA
(86 anos)
Jornalista e Cronista

* São Paulo, SP (05/04/1914)
+ Cascais, Portugal (17/05/2000)

Elsie Lessa foi uma jornalista e cronista brasileira.

De 1952 a 2000, Elsie Lessa escreveu e publicou, sem interrupção, no jornal O Globo. Nenhum outro escritor teve um espaço por tanto tempo nas páginas do jornal.

Na juventude, embora natural de São Paulo, foi considerada uma das duas mais belas mulheres do Rio de Janeiro, a outra era Adalgisa Nery. O cronista Rubem Braga a seguiu pelas ruas de São Paulo, fascinado pela sua beleza e graça.

Entrou em O Globo como repórter, em 1946. Sobre ela, o escritor Ruy Castro disse:

"Elsie tem seu lugar ao lado dos maiores cronistas da língua portuguesa, como Rubem Braga, Paulo Mendes Campos e Fernando Sabino."

Era neta do escritor e gramático Júlio Ribeiro, membro da Academia Brasileira de Letras, e foi casada com o escritor e também imortal Orígenes Lessa, com quem teve um filho, o jornalista, cronista e escritor Ivan Lessa. Foi casada, pela segunda vez, com o jornalista e escritor Ivan Pedro de Martins.

Da esquerda para a direita: Pagu, Elsie Lessa, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e Eugênia Álvaro Moreyra
Saudades de Elsie Lessa

Carecem os jornais de hoje de textos que nos queiram tocar a alma, reacender-nos a sensibilidade, proporcionar-nos reflexões sobre as coisas simples da vida. O veículo jornal nada mais é que uma fonte crua e opaca de realidade, que mais nos seda os sentidos que instiga nosso impulso vivificador.

Pensar as singelezas da vida tornou-se atividade sem lugar na esteira incessante dos compromissos que nos aguardam e a reflexão sobre o cotidiano restringiu-se à abordagem de temas tais como violência, corrupção e miséria.

Cada dia mais robotizado na rotina casa-trabalho-casa, ao indivíduo resta "entreter-se" no entorpecimento dos copos de cerveja ou na alienação proporcionada pela caixa mágica que cotidianamente veneramos no calor do lar. Em outras palavras, estamos atrofiando os nossos sentidos. Somos, gradativamente, mais e mais incapazes de nos ater às singularidades, aos detalhes, às sutilezas do mundo que nos cerca. O prazer, cada vez mas indissociável do consumismo e refém das táticas de propaganda e do conceito de propriedade capitalista, torna-nos constantemente insatisfeitos.

Há alguns anos, perdemos uma das nossas mais sensíveis cronistas, Elsie Lessa, cujo lirismo do olhar nos revelava belezas insuspeitadas numa vida predominantemente caótica. Amiga do velho Rubem Braga, com que compartilhava semelhanças e anseios, essa cidadã do mundo (pois residiu em diversas cidades, brasileira e européias) voltava sua curiosidade para tudo aquilo que valesse a pena ser lembrado, contemplado: um sorriso de criança a brincar, um entardecer cor de rosa que nos transforma os sentimentos, a expressão inesperadamente curiosa de um companheiro anônimo de viagem, uma conversa com amigos à beira da praia, um passeio de bicicleta...

Jefferson Ávila Júnior acompanha visita de Elsie Lessa ao Museu Antônio Parreiras

Elsie nos convidava a desviar os olhos da rotina célere e voltá-los para elementos mais simples, resistentes, mas não menos belos, coisas corriqueiras que passam despercebidas por nossa sensibilidade fragilizada, numa tentativa de resgatar um prazer e uma felicidade primordiais. Faz parte dessa iniciativa o apego que a cronista tem por suas memórias. Elsie lança mão das próprias lembranças para, associando-as à memória da cidade (ou das cidades por onde passou), resgatar a sua própria história do esquecimento gradativo, causado pelo excesso de atribuições e informações do presente. Degustar novamente pela via da memória um doce que se comia na infância, comprado numa barraquinha que não mais existe; relembrar os livros que se lia na juventude, debaixo de uma árvore, comendo pão com manteiga; reconhecer-se emocionada e surpreendida diante da casa onde residiu na infância, tão igual a antes, mas tão oprimida pelas grandes construções modernas... Eis alguns exemplos hábitos e sensações que se quer proteger do fenecimento. Essa atitude revela a necessidade da escritora em colecionar experiências significativas e contáveis para dividi-las com o público leitor. Este, impulsionado didaticamente pela proposta da autora, vê-se incitado a fazer o mesmo e a reencontrar um prazer adormecido. E ao se permitir enxergar o mundo com olhos lúdicos, reata laços afetivos com a cidade - agora não somente agente de violência, mas também fonte de deleite – recobrando a capacidade de encontrar satisfação em coisas simples. Não se trata de fechar os olhos para os dilemas e dificuldades da vida, mas sim de impedir que eles amortizem a nossa sensibilidade, desumanizando-nos.

Para aqueles que desejem "experimentar" as crônicas lessianas, há as coletâneas "A Dama da Noite", "Ponte Rio-Londres" e "Canta Que a Vida é Um Dia". Permita-se reencontrar sua alma infantil e faça as pazes com o mundo e com a vida.

Aline Aimée Carneiro de Oliveira

Betinho

ALBERTO BORGES DE BARROS
(82 anos)
Cantor, Compositor e Guitarrista

* Rio de Janeiro, RJ (1918)
+ Maringá, PR (30/03/2000)

Filho de Josué de Barros, quem descobriu Carmen Miranda, Betinho nasceu no Rio de Janeiro no ano de 1918. Chegou a acompanhar a cantora ao violão, ao lado do pai, quando era adolescente. Juntos, introduziram o violão elétrico nas apresentações musicais, uma novidade para aquela ocasião. Betinho, na época que integrava orquestras de jazz onde se apresentava na Argentina. Compôs sucessos como "Fel", "Abandono", "Moral da História", "O Vendedor de Laranjas" e "Parte".

Entre 1941 e 1946 foi solista da orquestra de Carlos Machado, no Rio de Janeiro e Niterói.

Considerado pelos críticos musicais como sendo o primeiro cantor de Rock'n Roll do Brasil, Betinho começou a carreira artística como violonista acompanhando seu pai Josué de Barros, em apresentações artísticas pelo país. Sempre a frente do seu tempo, foi o pioneiro na utilização do violão elétrico e da guitarra, instrumentos estes até então desconhecidos no cenário musical daquela época.

Atuou durante vários anos em Buenos Aires na Argentina onde tocou em conjuntos de jazz. Foi guitarrista em diversas orquestras, entre as quais, a do maestro Zacarias. De 1941 até 1946, foi instrumentista da orquestra de Carlos Machado, que se apresentava no Cassino da Urca e no Cassino de Icaraí.

No início da década de 1950, fundou o grupo Betinho & Seu Conjunto, que obteve vários sucessos, apresentando-se na Rádio Nacional paulista e na Boate Excelsior. Em 1953 estreou em disco com seu conjunto gravando pela Copacabana o baião "É Sobremesa", de sua autoria em parceria com Nelson Figueiredo, e o choro "Betinho no Choro", de sua autoria. O baião "É Sobremesa" não fez muito sucesso no Brasil, mas chegou a receber sete gravações na Europa, entre as quais, uma com a orquestra do maestro Roberto Ingles com o título de "Sunrise Samba".

Em 1954 obteve grande sucesso com o fox "Neurastênico", que fez parte da trilha sonora da novela "Estúpido Cupido", parceria com Nazareno de Brito, que logo foi regravado seis vezes no Brasil e oito na Argentina, onde também fez muito sucesso, assim como também no Uruguai. Em 1956, o "Mambo do Galinho", também em parceria com Nazareno de Brito, foi gravado por Cauby Peixoto no LP "Canção do Rouxinol".

Novo Ritmo

No Brasil, a partir de 1955, começou a estourar nas rádios um novo ritmo musical: o Rock'n Roll. Aproveitando esta onda, Betinho acabou adquirindo, em uma viagem que fez aos Estados Unidos, uma guitarra Fender Stratocaster modelo Sunburst em substituição a sua Gibson-Les Paul comprada no início daquela década. Assim, em abril de 1957, com sua nova guitarra e a participação de seu conjunto, foi gravada nos estúdio da Rádio Record em São Paulo, o primeiro rock nacional, a música "Enrolando o Rock", de autoria sua juntamente com o compositor Heitor Carrilho. A música acabou fazendo parte da trilha sonora do filme "Absolutamente Certo", com Anselmo Duarte e Odete Lara, onde o grupo fez uma aparição: O primeiro clip de rock do Brasil.

No ano seguinte gravou "Little Darlin'", de William, com versão de Heitor Carrilho, o calipso "Baby Lover", de Wandra Herrel e o rock "Peanuts" de J. Cock. Na mesma época, o cantor Valdemar Roberto gravou na Polydor a toada "Vou Falar de Você", de sua parceria com Nazareno de Brito.

Em 1959 gravou com sucesso a guarânia "Quero Beijar-te as Mãos", de Arsênio de Carvalho e Lourival Faissal. Acompanhou com seu conjunto as gravações de diversos artistas  entre os quais, Ronnie Cord, Moacyr Franco em "O Rock do Mendigo", Gessy Soares de Lima, Rossini Pinto e Cleide Alves.

Vida Pessoal

Betinho casou-se em 1941 com a polonesa Presyla Herminia Zseja de Barros e tiveram 2 filhos: Alberto Josué Borges de Barros e Irany Borges de Barros. Em meados da década de 60, Betinho se tornou evangélico e mais tarde, um renomado pastor. Passou a compor músicas religiosas no estilo rock-balada, sendo o primeiro guitarrista evangélico do Brasil. Participou de gravações, fazendo solos de guitarras em alguns LP's de cantores do meio evangélico como por exemplo, Luiz de Carvalho. Após sua jubilação como pastor, foi morar com sua família na cidade de Maringá, PR onde frequentava a Igreja Batista Sião.

Betinho faleceu aos 82 anos, cheio de vitalidade, três anos após a morte de sua esposa, em 30 de março de 2000, na cidade deMaringá, PR.

Betinho & Seu Conjunto

Betinho & Seu Conjunto foi um grupo musical surgido no início dos anos 50 formado pelo guitarrista, compositor e cantor Alberto Borges de Barros, o Betinho, considerado pelos pesquisadores musicais como sendo o primeiro grupo de rock'n roll no Brasil. O grupo era eclético e tocava jazz, calipso, baião, choro, rock'n roll, fox, música cubana, entre outros. Os músicos que acompanhavam Betinho eram Renatinho (acordeão), Salinas (piano), Navajas (contrabaixo), Bolão (sax) e Pirituba e Rafael (percussões/baterias). Além de donos de uma impecável técnica musical e modernos, ajudaram à abrir as portas para novos estilos e movimentos da música brasileira como a jovem guarda.

Betinho & Seu Conjunto foi um dos maiores conjuntos de boate de São Paulo, eleito o melhor em 1957. As primeiras canções do grupo são em 1953. Em 1954 lançaram o fox "Neurastênico", um dos clássicos mais conhecidos do grupo. A fase rock'n roll chegou em 1957 com "Enrolando o Rock" e o LP "Rock & Calypso" em 1958. Lançaram mais clássicos no fim dos anos 50 e primeira metade dos anos 60. A banda se desfez no início dos anos 60.


Discografia Como Cantor Popular

  • 1953 - Baião e Sobremesa / Betinho no Choro (Copacabana)
  • 1953 - Batuca Jojo / Baianinho (Copacabana)
  • 1953 - Lig Le no Baião / Ralando Coco (Copacabana)
  • 1954 - Corridinho 1951 / Burrinho Garboso (Copacabana)
  • 1954 - Neurastênico / Burrinho Leiteiro (Copacabana)
  • 1955 - Johnny Apaixonado / O Califa no Mambo (Copacabana)
  • 1955 - Violão Borocochô / A Polca do Véio (Copacabana)
  • 1955 - Casa da Vizinha / Não Caio Noutra (Copacabana)
  • 1957 - Enrolando o Rock / Cha Cha Cura (Copacabana)
  • 1958 - Loucamente (Little Darling) / Se Ela Vier (Copacabana)
  • 1958 - Baby Lover / Peanuts (Copacabana)
  • 1959 - Quero Beijar-te as Mãos / A Lágrima Rolou (Copacabana)
  • 1960 - Limelight / Aquarela do Brasil (Copacabana)
  • 1961 - Theme From a Summer Place / Love Is a Many Splendoured Thing (Copacabana)
  • 1961 - Betinho & Seu Conjunto Dançante (Copacabana)
  • 1962 - Betinho, Rock e Calypso (Copacabana)
  • 1963 - O Rei da Noite (Copacabana)
  • 1963 - Betinho, Twist e Bossa Nova (Copacabana)
  • Queimando a Sanfona (Tropicana)
  • 1976 - LP Estupido Cupido Nacional (Música "Neurastênico" - Som Livre)
  • 1987 - LP Rock dos Anos 60 (Música "Enrolando o Rock" - Phonodisc)


Discografia Como Evangélico

  • Uma Rosa Com Amor Para Mamãe (Luiz de Carvalho - Participação Tocando Guitarra)
  • Eu Creio Num Ser (Luiz de Carvalho - Participação Tocando Guitarra)
  • Suave Mensagem
  • Festival de Louvores 

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio