Daniel Lobo

DANIEL LOBO
(43 anos)
Ator e Diretor

☼ Rio de Janeiro, RJ (07/02/1973)
┼ Tubarão, SC (24/03/2016)

Daniel Lobo foi um ator brasileiro nascido no Rio de Janeiro no dia 07/02/1973. Foi o terceiro e último ator a interpretar o personagem Pedrinho na primeira versão do "Sítio do Pica-Pau Amarelo" da TV Globo, em 1985 e 1986.

Ainda na televisão, atuou nas novelas e minisséries, "Desejo" (1990), "74.5 Uma Onda no Ar" (1994), "Confissões de Adolescente" (1994), "Esperança" (2002) e "Beleza Pura" (2008).

Por seu desempenho em teatro recebeu os prêmios Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Troféu Mambembe / Ministério da Cultura e Festival Nacional de Teatro de São Paulo.

Idealizou o projeto "O Amante do Girassol", espetáculo poético-musical e CD homônimo em que reúne textos e canções de sua autoria interpretadas por Amyr Klink, Drª Zilda Arns, Monja Coen, Diogo Vilela, Reynaldo Gianecchini, Mariana Ximenes, Chico Anysio, Paulo Goulart, Eva Wilma, entre outros.

No teatro, Daniel Lobo atuava na peça "Nise da Silveira - Guerreira da Paz", sobre a história da psiquiatra alagoana discípula do psicanalista alemão Carl G. Jung. Ele também era o diretor do espetáculo. Em Santa Catarina, a peça foi encenada em Florianópolis em julho de 2015.

A peça estava sendo apresentava no Museu de Arte de São Paulo (MASP). Após seis semanas, a peça teve de ser interrompida por causa do estado de saúde de Daniel Lobo. No dia 12/03/2016, o ator avisou em seu perfil no Facebook que a temporada seria suspensa.

Daniel Lobo era casado há seis meses com a regente de coral Flávia Sebold e planejava ter um filho ainda em 2016. Segundo a mulher, os sintomas começaram a aparecer há apenas cinco semanas.

Morte

Daniel Lobo morreu em Tubarão, no Sul de Santa Catarina, às 19h40, de quinta-feira, 24/03/2016, aos 43 anos, em decorrência de um tumor. De acordo com a Central de Óbito de Tubarão, Daniel Lobo tinha um tumor e estava internado no Hospital Nossa Senhora da Conceição.

Daniel Lobo foi sepultado por volta das 15h00 de sexta-feira, 25/03/2016, no Cemitério Municipal de São Ludgero, município no Sul de Santa Catarina.

A esposa do ator, Flávia Sebold, lamentou a morte no Facebook:

"Hoje uma parte de mim se foi.
Daniel Lobo, meu primeiro namorado, meu esposo, meu homem, meu amor.
Não sei como dizer a falta que você me faz.
Você foi um guerreiro. Lutou bravamente nestas últimas semanas.
Lutou bravamente hoje.
Você que me tornou mulher, foi o sol da minha vida. Trouxe alegria para os meus dias.
Aprendi o que é amor.
Te aceitei por inteiro. Lembra?
Te amei em todos os detalhes.
Semana passada no café da manhã você estava com uma leveza no semblante, estava feliz, com um sorriso leve e encantador.
Te amo para sempre.
Meu coração sempre estará com teu coração.
Nós não éramos dois, éramos um.
Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, no amor e na dor.
Vá em paz. Descanse meu amor.
Descanse com os anjos. Meu pai estará te ajudando e cuidando de você aí.
Te amo.
Saudades eternas."

Trabalhos

  • 1985 - Sítio do Pica-Pau Amarelo ... Pedrinho
  • 1986 - Sítio do Pica-Pau Amarelo ... Pedrinho
  • 1987 - Bambolê
  • 1990 - Desejo ... Afonsinho
  • 1994 - 74.5 Uma Onda no Ar ... Neco
  • 1994 - Confissões de Adolescente
  • 2002 - Esperança ... Felipe
  • 2008 - Beleza Pura ... Miguel

Fonte: WikipédiaTeatropediaG1 e Ego
Indicação: Neyde Almeida

José Carlos Avellar

JOSÉ CARLOS AVELLAR
(79 anos)
Crítico, Ensaísta, Professor e Gestor Público de Cinema

☼ Rio de Janeiro, RJ (15/12/1936)
┼ Rio de Janeiro, RJ (18/03/2016)

José Carlos Avellar foi um crítico e gestor público de cinema brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 15/12/1936.

Jornalista de formação, José Carlos Avellar trabalhou por mais de vinte anos como crítico de cinema do Jornal do Brasil. Atualmente era integrante do conselho editorial da revista Cinemais e da publicação virtual El Ojo Que Piensa, da Universidade de Guadalajara, México.

Era consultor dos festivais internacionais de cinema de Berlim desde 1980, de San Sebastián desde 1993, e de Montreal desde 1995. Desde 2006 era o curador, com Sérgio Sanz, do Festival de Gramado.

José Carlos Avellar já publicou seis livros de ensaios sobre cinema, e foi co-autor de dezenas de trabalhos sobre o cinema brasileiro e latino-americano, entre eles "Le Cinéma Brésilien" (Centre Pompidou, Paris) e "Hojas de Cine" (Universidad Autonoma Metropolitana, México).

Teve ainda inúmeros ensaios publicados em catálogos de festivais de cinema como o de Manheim, Locarno e Valladolid. Organizou a edição de "O Processo do Cinema Novo", de Alex Viany e a edição brasileira das duas principais obras de Sergei Eisenstein, "A Forma do Filme" e "O Sentido do Filme".

Não satisfeito com seu papel de critico e ensaísta, José Carlos Avellar dedicou grande parte de sua vida à administração cultural do cinema brasileiro.

Na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM), foi vice-diretor em dois períodos, em 1969 e 1985, e diretor de 1991 a 1992. Foi diretor da área cultural da Embrafilme (1985-1987) e diretor-presidente da RioFilme (1994-2000). Presidiu o Conselho do Programa Petrobrás Cinema desde 2001.

Na Escola de Cinema Darcy Ribeiro (ECDR), José Carlos Avellar foi curador do Cineclube, editor dos Cadernos da ECDR e ainda faz parte da coordenação dos Cursos Regulares, onde lecionou Linguagem Audiovisual e História do Cinema Brasileiro.

Foi vice-presidente da Fédération Internationale de la Presse Cinématographique (FIPRESCI), de 1986 a 1995, e secretário da mesma entidade para a América Latina. Participou de júris oficiais e de júris da crítica em vários festivais internacionais, inclusive em Cannes e Veneza.

Por suas atividades cinematográficas, recebeu em dezembro de 2006 a condecoração de Chevalier Des Arts Et Lettres, conferida pelo governo francês, através do Cônsul Geral da França no Rio de Janeiro.

Nos anos 1960 e 1970, José Carlos Avellar também exerceu várias funções como cineasta. Estreou na direção com o curta "Treiler" (4 min, 1965) e co-dirigiu dois filmes coletivos: "Destruição Cerebral" (25 min, 1977), com Nick Zarvos e Joatan Vilela; e "Viver é Uma Festa" (14 min, 1972) com Tereza Jorge, Isso Milan, Manfredo Caldas e Alvaro Freire.

Foi diretor de fotografia do média "Manhã Cinzenta" (1969) de Olney São Paulo e do longa "Triste Trópico" (1974), de Arthur Omar. Produziu o documentário "Passe Livre" (1974), de Oswaldo Caldeira, e montou "Ião" (1976), de Geraldo Sarno.

Morte

José Carlos Avellar morreu na sexta-feira, 18/03/2016, aos 79 anos. Ele estava internado desde 09/02/2016 no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital São Lucas, em Copacabana, Rio de Janeiro, onde travava um câncer. De acordo com a assessoria de imprensa da unidade, morreu em decorrência de complicações de um linfoma.

O velório ocorreu no domingo, domingo, 20/03/2016, às 11h00, e a cremação, às 16h00, no Memorial do Carmo, no Caju.

Bibliografia

Livros Publicados

  • 2007 - O Chão da Palavra: Cinema e Literatura no Brasil
  • 2002 - Glauber Rocha
  • 1995 - A Ponte Clandestina - Tteorias de Cinema na América Latina
  • 1995 - Deus e o Diabo na Terra do Sol
  • 1986 - O Cinema Dilacerado
  • 1982 - Imagem e Ação, Imagem e Som, Imaginação" (editora Paz e Terra, São Paulo)

Organização de Volumes

  • 2007 - O Que o Cinema Vê, o Que Vemos no Cinema
  • 1999 - O Processo do Cinema Novo (De Alex Viany)
  • 1990 - A Forma do Filme (De Sergei Eisenstein)
  • 1990 - O Sentido do Filme (De Sergei Eisenstein)

Artigos em Obras Coletivas

  • 2008 - "Hacer Cine - Producción Audiovisual En América Latina" (Org. Eduardo Russo, Ed. Paidós, Buenos Aires)
  • 2007 - "Toda a Vida Mais Cem Anos" em "Ecos do Cinema - de Lumière ao Digital" (Org. Ivana Bentes, Ed. da UFRJ, Rio de Janeiro)
  • 2006 - "O Paraíso do Espectador" (e mais 4 textos) em "Cinema Político Italiano - Anos 60 e 70" (Org. Alvaro Machado, Ed. Cosac e Naify, São Paulo)
  • 2005 - "Os Anos 70, Ainda Sob a Tempestade" (Org. Adauto Novaes, Ed. Europa, Rio de Janeiro)
  • 2004 - "Mujeres y Cine En América Latina" (Org. Patricia Tores San Martín, Universidad de Guadalajara)
  • 2003 - "Alle Radici Del Cinema Brasiliano" (Org. Gian Luigi De Rosa, Università Degli Studi Di Salerno)
  • 2003 - "Cine Documental En América Latina" (Org. Paulo Paranaguá, Ed. Cátedra, Madrid)
  • 2003 - "The Cinema Of Latin America" (Org. Alberto Elena e Marina Díaz López, Wallflower Press, Londres)
  • 2002 - "Julio Bressane" (Org. Simona Fina e Roberto Turigliatto, edição do Torino Film Festival, Turim)
  • 2001 - "Brasilien In Lateinamerikanischen Kontext" (Org. Walter Bruno Berg, Max Niemeyer Verlag, Tübingen, Alemanha)
  • 1998 - "Cinema Novo And Beyond" (The Museum Of Modern Art, New York)
  • 1997 - "Framing Latin American Cinema" (Org. Ann Marie Stock, Minnesota Press, USA)
  • 1996 - "O Cinema no Século" (Org. Ismail Xavier, Ed. Imago, Rio de Janeiro)
  • 1995 - "El Documental Como Creación" (Org. Teresa Toledo, Filmoteca de La Generalitat Valenciana, Valencia)
  • 1995 - "Prima e Dopo La Rivoluzione, Dal Cinema Novo Al Cinema Marginal" (Org. Marco Giusti e Marco Melani, Ed. Lindau e Festival Internazionale Cinema Giovani, Turim)
  • 1992 - "A La Decouverte de l'Amerique Latine" (Org. Paulo Paranaguá, Cinema du Réel, Centre Georges Pompidou, Paris)
  • 1988 - "Latin American Vision" (Org. Patricia Aufderheide, International House Of Philadelphia, USA)
  • 1987 - "Le Cinéma Brésilien" (Org. Paulo Pranaguá, Centre Georges Pompidou)
  • 1986 - "O Bestiário de Chris Marker" (Org. Robert Grélier, edição Livros Horizonte, Portugal)
  • 1980 - "Anos 70: Cinema" (Ed. Europa, com Jean-Claude Bernardet e Ronald Monteiro)

Indicação: Miguel Sampaio

Berto Filho

ULISBERTO LELOT
(75 anos)
Jornalista e Locutor

☼ Rio de Janeiro, RJ (13/03/1940)
┼ Rio de Janeiro, RJ (12/03/2016)

Berto Filho, nascido Ulisberto Lelot, foi um jornalista e locutor de televisão brasileiro atuante desde 1956. Ele foi o primeiro apresentador do "RJTV".

Trabalhou durante as décadas de 1970 e 1980 na apresentação de vários telejornais da TV Globo, como o "Jornal Nacional", "Fantástico" e "Jornal Hoje", tanto como apresentador titular quanto substituto, até 1986, quando desligou-se da emissora.

Em 1989, foi contratado pela TV Rio, então controlada pelo pastor Nilson Fanini, onde apresentava um programa de entrevistas, sendo dispensado em pouco tempo, passando nove anos sem contrato em televisões.

Em 1998, foi contratado pela Rede Manchete para apresentar o "Manchete Primeira Mão", e, pouco depois, o "Jornal da Manchete". Continuou na emissora até o seu fim, estando presente até na fase da TV!, que foi a transição entre a Rede Manchete e a RedeTV!.

Berto Filho atuou como locutor de vídeos institucionais e foi apresentador de eventos e feiras até ser recontratado pela Rede Globo em 2004 para substituir Celso Freitas, que mudou-se para a TV Record, na locução das matérias do "Fantástico". Ele foi escolhido pela emissora por ter voz e entonação muito semelhantes à de Cid Moreira, também locutor do "Fantástico". Segundo o jornalista Flávio Ricco, em 2008, não houve a renovação do contrato de Berto Filho com a TV Globo, ficando apenas Cid Moreira nas locuções do "Fantástico".

A Saúde

Berto Filho lutou contra um câncer no fígado e se recuperava de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ele mudou-se na segunda-feira, 25/01/2016, para o Retiro dos Artistas, no Rio de Janeiro, e chegou com problemas de saúde sérios. De acordo com Cida Cabral, administradora do local, nos últimos três anos, o jornalista ficou viúvo e perdeu sua irmã.

"Ele morava com o filho, que não tinha como cuidar direito, também trabalha e nos procurou para saber da possibilidade da gente poder acolhê-lo e ajudá-lo. O Retiro o recebeu de portas abertas, sabendo o quanto ele batalhou!"
(Cida Cabral)

Na época, Cida Cabral contou que Berto Filho estava também com um problema na voz, que o tinha deixado ainda mais debilitado e deprimido.

Há três anos, Berto Filho estava bem e foi até o Retiro dos Artistas pleitear uma vaga para uma irmã dele, que era cantora, e morava no interior de São Paulo.

"Ele passou o dia, conversou com todo mundo, estava feliz, mas, nestes três anos, perdeu irmã, a esposa e em seguida foi diagnosticado com câncer!"
(Cida Cabral)

Berto Filho não tinha plano de saúde, e estava fazendo tratamento no Instituto Nacional do Câncer (INCA) e contava com o atendimento médico do Retiro dos Artistas.

Morte

Berto Filho morreu no sábado, 12/03/2016, por volta das 13h00, vítima de câncer na garganta e cérebro. Ele padecia de câncer na garganta e no cérebro há dois anos. Berto Filho morreu um dia antes de completar 76 anos e os filhos organizavam uma festa de aniversário para comemorar a data.

Na trajetória de luta contra a doença, os parentes de Berto Filho comemoravam uma recente melhora. Ainda no ínicio de 2015, o câncer havia sumido. No mesmo dia que teve alta, porém, a  mulher de Berto Filho foi internada, também com câncer.

"Ela viu ele com câncer. Sofreu muito. Quando ele recebeu a alta, ela me falou: Henry, vai lá pegar que o seu pai está saindo do hospital. No dia seguinte, ela foi internada, ficou 33 dias entubada, na UTI, e morreu. Acho que isso também mexeu muito com ele. Esse ano que passou foi como uma sobrevida!"
(Henry Lelot)

Parceiros de uma vida inteira, Berto Filho e a mulher estavam juntos há 55 anos. Com a perda da mulher e a reincidência do câncer, Berto Filho voltou a ser tratado no Instituto Nacional do Câncer (INCA). Lá, uma nova bateria de exames, além de radioterapia e quimioterapia. 

"Ele melhorou. De um dia para o outro, começou a falar. A voz voltou, voltaram os planos!", contou o filho do jornalista. Henry Lelot, agora, quer seguir com um dos últimos projetos do pai. Durante o último ano, Berto Filho escreveu um livro e faltam detalhes para que seja publicado, revelou o filho.

Em um dos últimos diálogos de Henry com o pai, o filho do jornalista conta como tentava alentar Berto Filho a respeito do que poderia ser o destino. A última vez que Henry esteve com o pai foi na sexta-feira, 11/03/2016, no período da tarde.

"Pai, você sabe que a gente tem que encarar de frente as coisas. Você sabe que está com dois caminhos à frente. Mas os dois são bons. Um, se você sobreviver e ficar aqui comigo, com a gente, nós vamos publicar esse livro juntos. Você vai me ajudar. E depois, você vai acabar indo, não tem jeito. A outra opção é caso Deus queira te levar antes. Imagina só, se ele te levar antes. Quem vai te buscar é a mamãe. Você vai se encontrar com ela lá. Está todo mundo lá te esperando. Lá tem mais gente que você ama do que aqui, já!", contou emocionado o filho.

Trabalhos

Rede Manchete
  • Manchete Primeira Mão
  • Jornal da Manchete

Rede Globo
  • RJTV
  • Jornal Nacional
  • Fantástico
  • Jornal Hoje


Naná Vasconcelos

JUVENAL DE HOLANDA VASCONCELOS
(71 anos)
Compositor, Instrumentista e Percussionista

☼ Recife, PE (02/08/1944)
┼ Recife, PE (09/03/2016)

Juvenal de Holanda Vasconcelos, mais conhecido como Naná Vasconcelos, foi um compositor, instrumentista e percussionista brasileiro. Eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat.

Naná Vasconcelos nasceu no dia 02/08/1944, em Recife, PE. Especialista em ritmos e diferentes estilos da  World Music, MPB e do Jazz, Naná Vasconcelos era um músico com oito prêmios Grammy, considerado autoridade mundial quando no assunto.

Filho de violonista, começou na Banda Marcial de seu pai, aos 12 anos, tocando bongos e maracas em Recife. Desde jovem envolvido nos movimentos de Maracatu, era virtuoso no berimbau e adepto de métricas pouco usuais no jazz - com levadas em 5/4 ou 7/4, mas que são muito tocados no nordeste brasileiro.

Iniciou sua carreira profissional em Recife, tocando bateria em cabarés. Mais tarde, foi percussionista da Banda Municipal local. Acompanhou Gilberto Gil em shows pelo Nordeste.

Em 1967 viajou para o Rio de Janeiro, onde conheceu Maurício Mendonça, Nelson Angelo, Joyce e Milton Nascimento, com quem atuou na gravação de dois LPs.


Em 1968 seguiu para São Paulo. Ao lado de Nelson Angelo, Franklin e Geraldo Azevedo, fez parte do Quarteto Livre, que acompanhou Geraldo Vandré em "Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores" na fase paulista do III Festival Internacional da Canção.

Em 1969, apresentou-se com Gal Costa no Curtisom e no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MASP). 

De volta ao Rio de Janeiro, formou o Trio do Bagaço, com Nelson Angelo e Maurício Maestro, apresentando-se, com o grupo, no México, a convite de Luis Eça.

Atuou na trilha sonora de "Pindorama" (1970), filme de Arnaldo Jabor. Nessa época, conheceu Gato Barbieri, com quem viajou para New York, Estados Unidos, para a gravação de um disco. Nesta cidade, participou de festivais de jazz, como o de Chateau Vallon, e gravou com Jean-Luc Ponty, Don Cherry, Roff Kün, Oliver Nelson e Léon Thomas.

Mais tarde, viajou para a Europa. Fez contato com gravadoras parisienses através de Pierre Barrouh. Apresentou-se no Teatro Ranelagh e foi convidado a gravar com Joachin Kunhu, na Alemanha, seguindo, depois para Montreux, Suíça, onde realizou mais um show. Atuou durante dois anos com o Quarteto Iansã, na Europa.


Seguiu, depois, para a África, onde permaneceu durante seis meses fazendo pesquisas. Seu primeiro LP, "Africadeus", foi gravado no exterior. Ainda na Europa, compôs a trilha sonora de uma novela para a televisão francesa com temas brasileiros. Em Portugal gravou um disco no dialeto angolano quimbundo.

Em 1972 retornou ao Brasil e apresentou, no Teatro Fonte da Saudade, o material com que participou de festivais e gravações com Don Cherry, Tony Williams, Art Blakey, Miles Davis e Oliver Nelson, entre outros, utilizando instrumentos de percussão como o berimbau e a queixada de burro. Nessa apresentação, interpretou o repertório de seu disco "Africadeus" e uma bachiana de Villa-Lobos, regendo um coral e atuando como único músico do show.

No ano seguinte, em 1973, gravou seu segundo LP, "Amazonas", lançado pela Philips, mesclando o ritmo brasileiro ao folclore africano. Ainda na década de 1970, voltou a Paris, onde realizou um trabalho com crianças excepcionais.

Trabalhou durante oito anos com Egberto Gismonti, com quem gravou, na Alemanha, o LP "Dança das Cabeças" (1977), nomeado Álbum do Ano pela Stereo Review e premiado com o Grober Deutscher Schallplattenpreis.

Em 1979 gravou o LP "Egberto Gismonti & Naná Vasconcelos & Walter Smetak". Nessa época, transferiu-se novamente para New York. Atuou com artistas internacionais como Pat Metheny, B.B. King e Paul Simon.

Naná Vasconcelos é autor da música de "O Sertão das Memórias" (1996), filme de José de Araújo.


Em 1997 voltou ao Brasil para organizar, com Gilberto Gil, o IV Panorama Percussivo Mundial, realizado no Teatro Castro Alves, do qual participaram artistas de vários países do mundo.

Em 1999 lançou o CD "Contaminação", contendo suas composições "Science" (Naná Vasconcelos, Vinicius Cantuária e Mércia Rangel), "Tá Na Roda Tá" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "Irapurú" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "Quase Choro" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "Luz de Candeeiro" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "Cajú" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "To You To" (Naná Vasconcelos Vinicius Cantuária), "Lágrimas" (Naná Vasconcelos, Dino Braia, Mércia Rangel e Alceu Valença), "Coco Lunar" (Naná VasconcelosDino BraiaMércia Rangel e Alceu Valença), "Forró do Antero" (Naná VasconcelosDino BraiaMércia Rangel e Alceu Valença), "A Seca" (Naná VasconcelosDino BraiaMércia Rangel e Alceu Valença), "Ciranda" (Naná Vasconcelos e Mércia Rangel) e "Contaminação" (Naná Vasconcelos e Mércia Rangel).

Em 2000 participou do CD da banda Via Sat.

Em 2001 lançou o CD "Fragmentos", uma compilação de temas que compôs para filmes e espetáculos teatrais. No repertório, "Vento Chamando Vento", "Mundo Verde", "Sertão das Memórias", "Forró do Antero", "Vozes", "Vamos Pra Selva", "Caminho dos Pigmeus""Gorée", além de sua versão para "Marimbariboba" (Domínio Público). Também nesse ano, participou, como arranjador, do CD "Cordel do Fogo Encantado".


Em 2002 lançou o CD "Minha Lôa", contendo suas composições "Futebol", "Afoxé do Nêgo Véio", "Estrela Negra" (Naná Vasconcelos e João de Souza Leão), "Goreé", "Macaco", "Don's Rollerskates (Tributo a Don Cherry)""Curumim", "Voz Nagô" (Paulo César Pinheiro e Pedro Amorim), "Isleña" (Kiko Klaus), "Caboclo de Lança" (Erasto Vasconcelos e Esdras) e "Forró das Meninas" (Erasto Vasconcelos, Guga e Murilo).

Lançou, em 2005 o CD "Chegada", com a participação de César Michiles (flautas e saxes), Lui Coimbra (cello, charango e violão), Chiquinho Chagas (piano, teclados e acordeon) e Lucas dos Prazeres (percussão).

Em 2006 lançou o CD "Trilhas", reunindo temas que compôs para os filmes "Quase Dois Irmãos" (2005), de Lucia Murat, "Nzinga" (2007), de Rose Lacret e Otávio Bezerra, e "Ori - Canção Para Aisha", de Raquel Gerber, e para os espetáculos de dança "Corpos Luz", da Companhia de Balé Dança Vida, de Ribeirão Preto, e "Balé de Rua - Uma História Brasileira", da Companhia Balé de Rua, de Uberlândia. Em todas as faixas, o músico assina voz e percussão.

Em parceria com Marcos Suzano, Caito Marcondes e Coração Quiáltera, lançou, em 2010, o CD "Sementeira: Sons da Percussão", contendo suas composições "Sementeira", "Ifá", "Convite" e "Ensaio Geral", todas com Caito Marcondes, Marcos Suzano e Coração Quiáltera, "Lua Nova" (Naná Vasconcelos e Coração Quiáltera), "Nada Mais Sério" (Coração Quiáltera), "Triciclo" (Coração Quiáltera), "Ditempus Intempus" (Coração Quiáltera), "Canto de Trabalho" (Caito Marcondes) e "No Morro" (Marcos Suzano).

Morte

Naná Vasconcelos faleceu na manhã de quarta-feira, 09/03/2016, em Recife, PE, aos 71 anos.  Ele estava com câncer no pulmão.

De acordo com a assessoria do Hospital Unimed III, onde estava internado, Naná Vasconcelos teve uma parada respiratória e passou por um procedimento, mas não resistiu e faleceu às 7h39.

Até o último dia 29/02/2016, ele estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade de saúde, mas, depois, foi transferido para um quarto, onde pôde ter mais contato com a família.

Em 2015 Naná Vasconcelos passou mais de 20 dias no mesmo hospital, após descobrir o câncer. Segundo Patrícia Vasconcelos, sua esposa e produtora, Naná Vasconcelos passou mal após um show realizado em Salvador, BA, no dia 28/02/2016, com o violoncelista Lui Coimbra. Ao retornar ao Recife, foi internado.

Em 2015 Naná Vasconcelos também se sentiu mal antes de um show, mas achou que não era nada demais e seguiu com a agenda. No Recife, após uma bateria de exames, foi constatado o câncer.

"Pegou todos de surpresa porque ele havia feito um raio-x do pulmão no ano passado (2014) e uma revisão geral há dois meses e nada foi encontrado. Foi tudo muito rápido, um susto!"
(Declarou a esposa à época)

Ao ser liberado, pouco mais de 20 dias depois, Naná Vasconcelos falou sobre o desafio de enfrentar a doença.

"Eu tenho essa situação, e tenho que enfrentar com força, pensamento positivo. E vou enfrentar com o pensamento de que eu vou chegar lá!"
(Naná Vasconcelos, em 2015)

Naná Vasconcelos prosseguiu, então, com o tratamento, que incluiu sessões de quimioterapia e de radioterapia, por 40 dias.

Apesar do câncer, Naná Vasconcelos participou da abertura do Carnaval do Recife no Marco Zero, em 2016, na companhia de 400 batuqueiros. E em seu último carnaval, o percussionista dividiu o palco com o Clube Carnavalesco Misto Pão Duro, grupo centenário homenageado no carnaval do Recife, com o Nação do Maracatu Porto Rico, também celebrado, e com os cantores Lenine e Sara Tavares, de Cabo Verde.

Discografia
  • 2010 - Sementeira: Sons da Percussão (Naná Vasconcelos, Marcos Suzano, Caito Marcondes e Coração Quiáltera - Tratore, CD)
  • 2006 - Trilhas (Naná Vasconcelos - Azul Music, CD)
  • 2005 - Chegada (Naná Vasconcelos - Azul Music, CD)
  • 2002 - Minha Lôa (Naná Vasconcelos - Net Records, CD)
  • 2001 - Fragmentos (Naná Vasconcelos - Núcleo Contemporâneo, CD)
  • 2001 - Cordel do Fogo Encantado (Participação - Rec Beat Discos, CD)
  • 2000 - Via Sat (Participação - Morango Music, CD)
  • 1999 - Contaminação (Naná Vasconcelos - M. Officer, CD)
  • 1994 - Contando Estórias (Naná Vasconcelos - Velas, CD)
  • 1990 - Lester (Naná Vasconcelos e Antonello Salis - Brass Star, CD)
  • 1989 - Rain Dance (Naná Vasconcelos e The Bushdancers - Island Records/Polygram, LP)
  • 1986 - Bush Dance (Naná Vasconcelos - Island/WEA)
  • 1985 - Nanatronics (Naná Vasconcelos - Europa Music, LP)
  • 1984 - Duas Vozes (Egberto Gismonti e Naná Vasconcelos - ECM Records)
  • 1983 - Codona 3 (Collin Walcott, Don Cherry e Naná Vasconcelos - ECM Records/Ariola, LP)
  • 1983 - Zumbi (Naná Vasconcelos - Europa Music, LP)
  • 1982 - Codona 2 (Collin Walcott, Don Cherry e Naná Vasconcelos - ECM/WEA, LP)
  • 1979 - Egberto Gismonti & Naná Vasconcelos & Walter Smetak (LP)
  • 1979 - Codona (Don Cherry, Collin Walcott e Naná Vasconcelos - ECM Records/WEA, LP)
  • 1979 - Saudades (Naná Vasconcelos - ECM/WEA, LP)
  • 1978 - Sol do Meio Dia (Participação - ECM/EMI-Odeon)
  • 1977 - Dança das Cabeças (Egberto Gismonti e Naná Vasconcelos - ECM/EMI-Odeon)
  • 1974 - Naná Vasconcelos, Nelson Ângelo e Novelli (Saravah, LP)
  • 1973 - Amazonas (Naná Vasconcelos - Phonogram, LP)
  • 1972 - Africadeus (Naná Vasconcelos - Saravah, LP)

Domício Costa

DOMÍCIO COSTA DOS SANTOS FILHO
(87 anos)
Ator, Compositor, Dublador e Diretor de Dublagens

☼ Rio de Janeiro, RJ (02/12/1928)
┼ Rio de Janeiro, RJ (05/03/2016)

Domício Costa dos Santos Filho foi um ator, dublador e diretor de dublagem brasileiro. Nasceu em 02/12/1928, no Rio de Janeiro. Começou a carreira ainda bem jovem, com apenas 14 anos na Rádio Nacional, como rádio-ator. Ingressou na profissão junto com jornalista Carlos Palú. Também se formou em jornalismo na adolescência, o que o ajudou muito nos trabalhos que desempenhou no rádio.

Também na Rádio Nacional foi diretor de rádio-teatro, e posteriormente foi gerente da emissora. Também foi gerente de outras três rádios, Rádio Ipanema, Rádio FM Nacional e Rádio Volta Redonda.

Na Radio Nacional atuou em uma das obras mais conhecidas do rádio brasileiro, "A Paixão de Cristo", fazendo o papel de Judas. Também fez o Osvaldo em "Direito de Nascer", participou também de alguns "Teatro de Mistério" escritos por Hélio do Soveral, interpretando o Inspetor Santos, participou de "Anastácia", entre outros.

Além do trabalho em rádio, Domício Costa também foi compositor e compôs ao lado de Roberto Faissal a primeira música da cantora Dolores Duran.

Entre seus colegas de rádio, trabalhou com muitos daqueles que viriam a ser seus colegas na dublagem como Milton Rangel, Darcy Pedrosa, Cauê Filho, Newton da Matta, Luís Manuel, Rodney Gomes, Bruno Netto, Carlos Marques, Waldir Fiori, Wolner Camargo, Neuza Tavares, entre tantos outros.

Domício Costa permaneceu no rádio por 44 anos, saindo em 1988, onde na época desempenhava a função de superintendente da Rádiobrás.

Fez televisão, na época da televisão ao vivo. Fez "TV de Vanguarda" na TV Tupi do Rio de Janeiro, ao lado de Lima Duarte, Fernanda Montenegro, Sérgio Brito, dentre outros.

No teatro participou de "Caiu o Primeiro de Abril" com Ary Fontoura, Sadi Cabral, Lourdes Mayer, e direção de Chico Anysio, no Teatro Rival.

Na dublagem entrou em 1958, na Ziv, uma produtora de dublagem fundada dentro dos estúdios da TV Rio, no posto 6, no antigo prédio do Cassino Atlântico, na Avenida Atlântica em Copacabana, por Carlos De La Riva, que também foi técnico de som na empresa. Lá participou dos filmes de Charlie Chan, e com isso ganhou na época um prêmio da produtora e distribuidora americana dos longas, a MCA, que foi uma visita aos estúdios da empresa nos Estados Unidos.

Uma outra curiosidade é que na empresa Ziv, percussora da dublagem no Rio de Janeiro e no Brasil, a remuneração dos dubladores era paga em dólares. Talvez por esses trabalhos serem mandados diretamente das distribuidoras, ou talvez pela própria empresa que era mexicana, e tinha a sede no Brasil comandada por Carlos De La Riva.

Domício Costa passou por outras empresas, como Cine Castro, TV Cinesom, Dublasom Guanabara, Herbert Richers, Televox, Telecine, VTI, Delart, Cinevídeo, entre muitas outras.

No começo dos anos 1970 foi o narrador da Cine Castro que dizia a frase "Versão Brasileira Cine Castro Rio de Janeiro e São Paulo", e também narrava nas séries, filmes e desenhos da empresa. Com a compra da Cine Castro, Domício Costa continuou na empresa até ela mudar o nome para Televox, onde foi narrador da empresa até o fechamento da mesma.

Na Telecine foi um dos narradores e era ele quem dizia "Biblioteca de Desenhos Animados, Versão Brasileira Telecine", quadro de desenhos produzidos pela MGM.

Entre seus trabalhos como dublador, Domício Costa ficou muito conhecido principalmente com os desenhos animados. Ele foi uma das vozes do Popeye nas dublagens feitas na Cine Castro, a partir de 1966. Chico Bola / Lobo Mau em "Droopy e Dripple", Mightor em "O Poderoso Mightor", Ruivão na segunda e mais conhecida dublagem de "Jambo e Ruivão", Prefeito em "As Meninas Superpoderosas", Leôncio em "Novo Pica-Pau", Dick Vigarista e o Muttley quando falava na primeira dublagem de "Máquinas Voadoras" e a segunda voz em "Corrida Maluca", Eustácio Resmungão em "Coragem, o Cão Covarde", Iroh em "Avatar - A Lenda de Aang", Zeus no longa-metragem "Hércules", a primeira voz na série "Hércules", a primeira voz do Prefeito em "As Meninas Superpoderosas: Geração Z", Devimon em "Digimon", dentre tantos outros.

Em filmes foi Frank McCloud interpretado por Humphrey Bogart em "Paixões em Fúria", James Bond interpretado por Sean Connery em "007 - Contra o Satânico Drº No" e a primeira dublagem de "Moscou Contra 007", Lord Voldemort interpretado por Richard Bremmer em "Harry Potter e a Pedra Filosofal", Sabata interpretado por Lee Van Cleef em "Sabata: O Homem Que Veio Para Matar", McCutcheon interpretado por Aubrey Morris em "Bordel de Sangue", Kasper Gutman interpretado por Sydney Greenstreet em "O Falcão Maltês", Comandante da Missão interpretado por Anthony Hopkins em "Missão Impossível 2", Heinrich Von Garten interpretado por Christopher Lee em "Rios Vermelhos 2 - Anjos do Apocalipse", Alan Gaskell interpretado por Clark Gable em "Mares da China", Richard Dadier interpretado por Glenn Ford em "Sementes da Violência", Curley interpretado por George Kennedy em "Os Filhos de Katie Elder", entre outros personagens.

Além disso também fez a voz de outros atores como Spancer Tracy em "A Mulher Absoluta" e "A Um Passo do Fim", Robert Taylor em "Estrada Proibida" e "Pecado e Redenção", Robert Mitchum em "Colinas da Ira" e "Paixão de Bravo", Charlton Heston em "A Marca da Maldade" e "As Aventuras de Buffalo Bill", entre outros.

Em séries fez Mestre Kan interpretado por Philip Ahn em "Kung Fu - A Lenda Continua", a primeira voz de Gamemnon Busmalis interpretado por Tom Mardirosian em "Oz - A Vida é Uma Prisão", entre outros.

Em novelas fez o Drº Mendive interpretado por Fernando Torre Laphame em "A Usurpadora", Miguel Beltrán interpretado por Mario Casillas em "O Privilégio de Amar", entre outros.

Na década de 1990, o documentarista Jacques Cousteau mandou uma carta de próprio punho elogiando a narração de Domício Costa em suas matérias que foram ao ar pelo Discovery Channel. Domício Costa ficou muito contente com esse elogio.

Trabalhou até 2006 como dublador, dedicando-se apenas ao rádio, no qual trabalhava no programa "Show do Antônio Carlos", que fazia das 6h00 às 9h00, na Rádio Globo Rio AM 1220 Khz, ao lado do também dublador Duda Espinoza.

Domício Costa veio a se aposentar em 2011 e foi morar com sua filha na Bahia, mas retornou a dublagem em 2013.

Ele era considerado um dos maiores dubladores de todos os tempos. Nas dublagens e narrações mais clássicas ouvimos sua voz, e apesar dos anos terem se passado, continuava com o mesmo timbre forte, de boa postura, e sempre com a brilhante interpretação, que só um mestre na dublagem sabia fazer.

Morte

Domício Costa faleceu na manhã de sábado, 05/03/2016, aos 87 anos no Rio de Janeiro, RJ. A causa da morte não foi revelada. A informação foi publicada na Fanpage do dublador Guilherme Brigss que escreveu:

"Faleceu hoje o querido Domício Costa, um dos clássicos atores de dublagem de nosso país e que eu tive o grande prazer de aprender muitas coisas através de seu trabalho e de nossas várias conversas pelos estúdios aqui do Rio de Janeiro. Entre seus trabalhos como dublador, Domício ficou muito conhecido principalmente com os desenhos como o Dick Vigarista, Eustácio em Coragem, o Cão Covarde, o Prefeito em As Meninas Superpoderosas, entre vários outros. Eu mesmo me inspiro muito no trabalho dele, com sua voz e interpretação extremamente ricas e deliciosas. Fique em paz e com Deus, mestre. Obrigado por tudo."

Trabalhos

  • Popeye (uma das vozes) em "Popeye" (versão Cine Castro)
  • Ito (Masanari Nihei) em "Ultraman"
  • Narrador dos desenhos da Warner Bros que dizia "Biblioteca de Desenhos Animados"
  • Narrador em "O Regresso de Ultraman"
  • Cobrinha Azul (segunda voz) em "Cobrinha Azul"
  • Chico Bola / Lobo Mau em "Droopy e Dripple"
  • Mightor em "O Poderoso Mightor" e "Harvey, o Advogado"
  • Ruivão em "Jambo e Ruivão" (segunda dublagem)
  • Narrador em "Sawamu o Demolidor"
  • Narrador em "A Pantera Cor-de-Rosa"
  • Prefeito em "As Meninas Superpoderosas"
  • Leôncio em "Novo Pica-Pau"
  • Dick Vigarista e Muttley em "Máquinas Voadoras" e "Corrida Maluca"
  • Eustácio Resmungão em "Coragem, o Cão Covarde"
  • Iroh em "Avatar - A Lenda de Aang"
  • Zeus em "Hércules" (longa-metragem) e (primeira voz) em "Hércules" (série)
  • Prefeito (primeira voz) em "As Meninas Superpoderosas: Geração Z"
  • Wilbur Cobb em "Ren e Stimpy"
  • Pai da Vaca e do Frango (segunda voz) em "A Vaca e o Frango"
  • Srº Burns (segunda voz) em "Os Simpsons"
  • Barão Strucker em "X-Men Evolution"
  • Draaga em "Liga da Justiça Sem Limites"
  • Fowler em "A Fuga das Galinhas" (longa-metragem)
  • Professor em "Os Flintstones nos Anos Dourados"
  • Bo em "Garfield e Amigos" (versão Sincrovídeo)
  • Devimon em "Digimon Adventure"
  • Hudson em "Gargoyles"
  • Lobo Mau em "Os Três Porquinhos"(longa-metragem)
  • Matagi em "Samurai Champloo"
  • Sarmoti em "O Rei da Selva" (longa-metragem)
  • Jackie em "Jackson Five"
  • Bobby em "Super Dínamo"
  • Thunderbolt em "Cavalo de Fogo"
  • Satã em "A Princesa e o Cavaleiro"
  • Professor Força em "Silverhawks"
  • Mágico Ramnizar em "Os Cavaleiros da Arábia"
  • Cardeal Glick (George Carlin) em "Dogma"
  • Fleegle (segunda voz) em "Banana Splits"
  • Athos (Van Heflin) em "Os Três Mosqueteiros"
  • Frank McCloud (Humphrey Bogart) em "Paixões em Fúria"
  • James Bond (Sean Connery) em "007 - Contra o Satânico Drº No"
  • James Bond (Sean Connery) em  "Moscou Contra 007" (primeira dublagem)
  • Lord Voldemort (Richard Bremmer) em "Harry Potter e a Pedra Filosofal"
  • Hickory / Homem de Lata (Jack Haley) em "Magico de Oz" (Telecine)
  • Gamemnon Busmalis (Tom Mardirosian) em "Oz - A Vida é Uma Prisão"
  • Stinger (James Tolkan) em "Top Gun - Ases Indomáveis"
  • Morrell (Patrick Godfrey) em "O Conde de Monte Cristo"
  • Mestre Kan (Philip Ahn) em "Kung Fu - A Lenda Continua"
  • Maxwell Dent (Jürgen Prochnow) em "Um Tira da Pesada 2"
  • Drº Charlie Humphries (Rufus Collins) em "Fome de Viver"
  • Gene Hackman em "O Assalto" e "Sem Saída"
  • Drº Mendive (Fernando Torre Laphame) em "A Usurpadora"
  • Richard Jones "Dick" (Ronny Cox) em "Robocop - O Policial do Futuro"
  • Cardeal Glick (George Carlin) em "Dogma"
  • Charlton Heston em "A Marca da Maldade" e "As Aventuras de Buffalo Bill"
  • Sabata (Lee Van Cleef) em "Sabata: O Homem Que Veio Para Matar"
  • McCutcheon (Aubrey Morris) em "Bordel de Sangue"
  • Kasper Gutman (Sydney Greenstreet) em "O Falcão Maltês"
  • Lord Wolfingham (Henry Daniell) em "O Gavião do Mar"
  • Captain Ross (John Randolph) em "King Kong"
  • Spancer Tracy em "A Mulher Absoluta" e "À Um Passo do Fim"
  • Robert Taylor em "Estrada Proibida" e "Pecado e Redenção"
  • Robert Mitchum em "Colinas da Ira" e "Paixão de Bravo"
  • Miguel Beltrán (Mario Casillos) em "O Privilégio de Amar"
  • Comandante da Missão (Anthony Hopkins) em "Missão Impossível 2"
  • Heinrich Von Garten (Christopher Lee) em "Rios Vermelhos 2 - Anjos do Apocalipse"
  • Roberts (Pat Hingle) em "O Resgate de Jéssica"
  • Técnico John Schiffner (Brian Dennehy) em "Jogadas de Verão"
  • Eyvind (Max Von Sydow) em "A Maldição do Anel"
  • Sargento Berger (Peter Lorre) em "A Cruz de Lorena"
  • Alan Gaskell (Clark Gable) em "Mares da China"
  • Alan Squier (Leslie Howard) em "Floresta Petrificada"
  • Richard Dadier (Glenn Ford) em "Sementes da Violência"
  • Curley (George Kennedy) em "Os Filhos de Katie Elder"
  • Profº Oliver Lindenbrook (James Mason) em "Viagem Ao Centro da Terra"
  • C.R. MacNamara (James Cagney) em "Cupido Não Tem Bandeira" (primeira dublagem)

Indicação: Miguel Sampaio

Severino Filho

SEVERINO DE ARAÚJO SILVA FILHO
(88 anos)
Cantor, Instrumentista, Produtor e Arranjador

☼ Belém, PA (1928)
┼ Rio de Janeiro, RJ (01/03/2016)

Severino de Araújo Silva Filho foi um cantor, instrumentista, produtor e arranjador brasileiro. Era irmão de Ismael Neto, criador do grupo Os Cariocas, e de Hortênsia da Silva Araújo, que também participou do grupo. Era pai da atriz Lúcia Veríssimo. Estudou com Hans Joachim Koellreutter.

Ao lado do irmão Ismael Neto, formou, a partir de 1942, o grupo vocal Os Cariocas.

A partir de 1956, com a morte do irmão, assumiu a liderança do grupo, sendo responsável pelas harmonizações vocais. No período de 21 anos em que o grupo suspendeu suas atividades, continuou sua carreira individual, atuando como produtor e arranjador. 

Em 1987, com a volta do conjunto ao cenário artístico, assumiu novamente a liderança do grupo, que se encontra atualmente em plena atividade.

Os Cariocas

Os Cariocas, conjunto vocal formado no Rio de Janeiro em 1942, atuou ininterruptamente até 1967, alcançando maior popularidade nos períodos de 1948 a 1955 e de 1961 a 1967.

Organizado pelos irmãos Ismael de Araújo Silva Neto e Severino de Araújo Silva Filho do bairro carioca da Tijuca. O grupo atuou como quinteto até 1961, contando inicialmente com Ari Mesquita, Salvador e Tarqüínio, amigos e moradores do mesmo bairro. Começou apresentando-se no Instituto Lafayette, colégio onde o pai dos paraenses trabalhava como professor.

Nessa época, Ismael Neto iniciou-se no violão, enquanto Severino Filho tomou aulas de teoria musical com Hans Joachim Koellreutter

Em 1945, com Valdir Prado Viviani, pianista e solista de gaita, substituindo Ari Mesquita, que adoecera, o grupo se inscreveu no "Papel Carbono", programa de calouros de Renato Murce na Rádio Clube.

Estrearam cantando o Fox "If You Please", obtendo o terceiro lugar, o que os animou a tentar nova apresentação, desta vez alcançando o primeiro lugar com a interpretação de "Rum And Coca-Cola".

Quando Renato Murce decidiu reunir o programa todos os vencedores das diversas disputas, o conjunto liderado por Ismael Neto foi o campeão absoluto.

Decidiram então profissionalizar-se e, por intermédio de um amigo da família, Ismael Neto conseguiu uma apresentação para o maestro Radamés Gnattali, na época diretor artístico da Rádio Nacional.

Este gravou um acetato com o grupo e mostrou-o a Haroldo Barbosa, chefe da discoteca da emissora, que contratou o conjunto, na base de cachê, para atuar no programa "Um Milhão de Melodias".


Em princípios de 1946, intitulando-se Os Cariocas, iniciaram carreira como artistas exclusivos da Rádio Nacional, onde permaneceram por mais de 20 anos. Ainda em 1946 Tarqüínio e Salvador deixaram o grupo, e foi com a seguinte formação que Os Cariocas atravessaram sua primeira fase de maior popularidade: Emanuel Barbosa Furtado (Badeco), primeira voz; Severino Filho, segunda voz; Ismael Neto, terceira voz e autor das vocalizações; Jorge Quartarone (Quartera), quarta voz; Valdir, quinta voz e solos, inclusive assobiados.

Em fins de 1947 João de Barro, diretor artístico da Continental e versionista de vários filmes do norte-americano Walt Disney, chamou o conjunto para realizar a dublagem do desenho animado "Ferdinando".

Convidados em seguida a gravar na Continental, lançaram, no início de 1948, "Nova Ilusão" (Luís Bittencourt e José Meneses) e "Adeus, América" (Haroldo Barbosa e Geraldo Jacques), que marcaram, ambos, o primeiro grande sucesso do grupo.

Entre outros discos seus lançados na Continental destacaram-se a marcha junina "Eu Também Sou Batista" (Wilson Batista e José Batista) e o baião "Juazeiro" (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira).

Atuando também como compositor, Ismael Neto fez "Marca na Parede", um dos grandes sucessos lançados por Os Cariocas na gravadora Sinter, onde passaram a gravar a partir de 1950.

Em 1953 Ismael Neto passou a compor com Antônio Maria, e a dupla tornou-se responsável por alguns dos grandes sucessos de meados da década de 1950, como "Canção da Volta", lançada por Dolores Duran em 1954, e "Valsa de Uma Cidade", gravada por Os Cariocas.

Novamente na Continental em 1954, no ano anterior haviam passado para a RCA Victor, em dezembro o grupo participou da gravação da "Sinfonia do Rio de Janeiro", um LP de dez polegadas com músicas de Tom Jobim e Billy Blanco.

Lúcia Veríssimo e Severino Filho

Em fins de 1955 Severino Filho assumiu a liderança do conjunto, quando Ismael Neto adoeceu, falecendo no ano seguinte, 1956), sendo substituído por sua irmã, Hortênsia da Silva Araújo.

Em 1956 o grupo apresentou-se na Argentina, México, Porto Rico e Estados Unidos.

Na fase da Bossa-Nova, na década de 1960, atuaram intensamente, incluindo novas composições em seu repertório e influenciando outros conjuntos vocais que surgiam, com seu estilo de interpretação.

Em 1961 o grupo sofreu suas derradeiras alterações, com a saída de Hortênsia e Valdir, este substituído por Luís Roberto Gomes. Transformados em quarteto, gravaram dois LPs na Mocambo, em 1962, e passaram depois para a Philips, onde gravaram suas mais representativas interpretações dessa segunda fase, em vários LPs, até 1967, quando o grupo se dissolveu.

Após 1967, Severino Filho continuou trabalhando como arranjador de orquestras de estúdio.

Em 1988, o grupo voltou a se apresentar e seus integrantes sofreram com a perda do contrabaixista Luís Roberto Gomes, que morreu vítima de infarto durante uma apresentação no Jazzmania, no Rio de Janeiro, em 20/10/1988.

Em novembro de 1997, comemoraram 50 anos de carreira com show no Mistura Fina, e lançaram novo disco, o CD "A Bossa Brasileira", pelo selo Albatroz, com a seguinte formação: Severino Filho (piano), Jorge Quartera (bateria), os dois que restaram da formação original, e os recém-chegados Nil Teixeira (violão) e Eloi Vicente (baixo).

 Morte

Severino de Araújo Silva Filho morreu na manhã de terça-feira, 01/03/2016, aos 88 anos, depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória. Ele estava internado no Hospital Quinta d'Or, no Rio de Janeiro, desde o dia 18/01/2016 devido a uma trombose pulmonar.

Severino Filho foi internado no final do ano passado no Hospital São Luiz, em São Paulo, antes de ser transferido para o Rio de Janeiro. Desde então, seu quadro de saúde piorou e, no dia 29/01/2016, teve de amputar a perna direita. Apesar da gravidade do quadro, ele estava lúcido durante todo o tempo em que esteve hospitalizado.

Discografia

  • 2001 - Os Clássicos Cariocas (Ouver Records, CD)
  • 1997 - Amigos do Rei-Tim Maia e Os Cariocas (Vitória Régia, CD)
  • 1997 - A Bossa Brasileira (Paradoxx Music, CD)
  • 1992 - Reconquistar (Warner Music, LP)
  • 1990 - Minha Namorada (Som Livre , LP)
  • 1966 - Arte & Vozes (Philips, LP)
  • 1966 - Passaporte (Philips, LP)
  • 1965 - Os Cariocas de Quatrocentas Bossas (Philips, LP)
  • 1964 - A Grande Bossa dos Cariocas (Philips, LP)
  • 1963 - Mais Bossa Com Os Cariocas (Philips, LP)
  • 1962 - A Bossa dos Cariocas (Philips, LP)
  • 1957 - Os Cariocas a Ismael Netto (Columbia, LP)

Indicação: Miguel Sampaio