Asa Branca

WALDEMAR RUY DOS SANTOS
(57 anos)
Locutor de Rodeios e Cantor

☼ Turiúba, SP (19/04/1962)
┼ São Paulo, SP (04/02/2020)

Waldemar Ruy dos Santos, mais conhecido como Asa Branca, foi um locutor profissional de rodeios e cantor, nascido em Turiúba, SP, no dia 19/04/1962.

A carreira de Asa Branca foi meteórica. Virou locutor por acaso em 1985, quando o narrador oficial brigou com a direção de uma festa. Tomou gosto pela narração e resolveu se aperfeiçoar. Foi limpar cocheiras no Texas, onde acontecem alguns dos principais eventos da área nos Estados Unidos, e conheceu uma tecnologia avançada à época: microfone sem fio.

Ele então revolucionou a locução de rodeios no Brasil no final dos anos 1980 ao incrementar a locução a partir de um microfone sem fio, o que lhe permitia narrar de dentro da arena e entrevistar os peões ao vivo. Além do microfone sem fio, Asa Branca introduziu fogos de artifício, contratou DJ para tocar músicas de rock antes de o peão entrar em cena e criou rimas rápidas que deixavam o público maravilhado. Inovou, também, nas aberturas de rodeios com atrações e apresentações especiais como a presença do cavalo e do helicóptero.


Asa Branca investiu muito no profissionalismo desse esporte, envolvendo-se com política para garantir os direitos dos atletas. Em Barretos, apresentou o então candidato à presidência do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, à uma plateia que aguardava sua apresentação na festa. Neste dia o rodeio ganhou mais força política e se tornou um dos esportes mais praticados em nosso país.

Também fez sucesso na televisão, onde apresentou o "Som Brasil", o especial "Amigos", na TV Globo, e teve participações em novelas como "Mulheres de Areia" (1993) e "Rei do Gado" (1996), também da TV Globo.

Asa Branca marcou presença em diversos programas de televisão e rádio, como "Domingo Legal" (SBT), "Domingão do Faustão" (Globo), "Hebe" (SBT), "Domingo Show" (Record), "Silvia Poppovic" (Band), dentre outros.

Em 1998, Asa Branca disputou as eleições para deputado federal pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mas perdeu.

Asa Branca com a então namorada Marília Gabriela
Em 2013, Asa Branca foi hospitalizado por 83 dias devido a uma neurocriptococose, popularmente chamada "Doença do Pombo", que atinge o sistema nervoso. Chegou a ser submetido a seis cirurgias no cérebro, venceu a doença e retornou aos rodeios em 2014.

Por causa da neurocriptococose, Asa Branca adquiriu a meningite bacteriana e hidrocefalia. Para controlar as doenças, necessitou tomar remédios todos os dias e ir frequentemente ao médico para realização de exames.

Asa Branca enfrentou, desde 2017, um câncer na garganta, passando por várias sessões de radioterapia. A doença progrediu atingindo estado terminal.

O documentário "A Última Lenda dos Rodeios", uma produção da Veja e Kurundu Filmes, lançado em 26/08/2018, no encerramento da Festa do Peão de Barretos, retrata a vida de Asa Branca. A produtora Sentimental Filmes, em parceria com a Querosene Filmes e a Universal Pictures, lançou, em 2018, o filme "Asa Branca - A Voz da Arena". Sob a direção de Guga Sander, o longa conta a história de Asa Branca.

Vida de Luxo, Doença e Arrependimento

Ele já chegou a ganhar R$ 1 milhão em um único mês, morava nos Jardins, região nobre de São Paulo, usava helicópteros e aviões fretados como meio de transporte. Após abusar de uma vida de luxo, sexo e drogas, ele perdeu ao menos R$ 10 milhões.

A mulher de Asa Branca, Sandra dos Santos, afirmou ao programa "A Tarde É Sua" (Rede TV!) que a doença já se espalhou por todo o organismo.
"Os médicos disseram que a infecção dele está muito forte, tanto a pulmonar, que é a pneumonia, quanto o câncer. O câncer já tomou tudo, até a coluna cervical. A carótida dele está toda envolvida pelo câncer e para os médicos não tem mais o que fazer, agora a gente só espera a vontade de Deus, que Deus faça o que for melhor para ele!"
Sandra dos Santos ainda diz que ele pede parar morrer.
"Ele pede para Deus toda hora: 'tira meu sofrimento, não aguento mais sofrer!'. Espero que ele faça uma passagem com todos os espíritos protetores protegendo ele!"

Asa Branca conseguiu acompanhar o lançamento do livro que conta a história de sua vida, em dezembro de 2019. O locutor estava com 58 kg e recebia doses de morfina para tentar controlar as fortes dores.

Em outubro de 2019, Asa Branca, disse que se arrependia por ter construído sua carreira nos rodeios, em entrevista a revista Veja. Ele já estava sob cuidados paliativos.

Devido ao histórico de saúde de Asa Branca - ele era portador do vírus HIV e tinha oito válvulas na cabeça, resultado de uma criptococose -, os médicos disseram que cirurgia ou sessões de quimioterapia não seriam recomendadas.


Diante da situação, Asa Branca disse em entrevista à revista Veja ter se arrependido dos rodeios que narrava e que acredita que a doença veio como uma punição por ter construído sua fama com base na controversa tradição.
"Estou pagando toda a dor que causei e incentivei os outros a causar nos bichos dos rodeios. Dos rodeios grandes aos pequenos, a festa era de alegria para o público, mas de dor e sofrimento para os bichos!"
Na conversa, Asa Branca também admitiu se arrepender de ter gasto seu dinheiro de forma irresponsável - pouco lhe sobrou da fortuna que fez com os rodeios. Mas se voltasse atrás, ele disse que teria ido a festas e namorado com diversas mulheres de novo: "Eu bancava para todos uísque, cocaína e prostitutas!", disse o ex-locutor, que também lamenta seu vício na droga.

Morte

Além de ser portador do Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH ou HIV) desde 2007, Asa Branca foi diagnosticado, em 2017, com câncer na garganta. Numa entrevista concedida à Veja, afirmou que seus problemas de saúde "eram resultado da prática e do incentivo à violência contra bois e cavalos".

Asa Branca foi internado em 02/02/2020 em estado crítico, segundo uma nota divulgada pela família. Na terça-feira, 04/02/2020, o quadro se agravou e o Asa Branca faleceu aos 57 anos, no Instituto do Câncer, em São Paulo, em decorrência de um câncer na garganta.

Discografia

  • 1996 - Cowboy Country (Paradoxx Music)
  • 1997 - Cowboy Country - Volume 2 (Paradoxx Music)
  • 1998 - Asa Branca Romântico Especial (Paradoxx Music)
Com a dupla "Asa Branca e Rancharia"

  •  ? - Rodeio (EP)
  • 2018 - Na Pegada do Cowboy
Participações em Outros Projetos

  • Participação especial na música "Segura Peão", presente no álbum "Ventos Uivantes" de Sérgio Reis.

Filmografia

Televisão

  • 1993 - Mulheres de Areia ... Ele Mesmo (TV Globo)
  • 1996 - O Rei do Gado ... Ele Mesmo (TV Globo)
  • 1996 - Amigos Especial ... Apresentador (TV Globo)
  • 1997 - Som Brasil ... Apresentador (TV Globo)
Cinema

  • 2015 - A Última Lenda dos Rodeios (Documentário Biográfico)
  • TBD - Asa Branca - A Voz da Arena (Cinebiografia)

Livros

  • 2019 - Asa Branca - A Biografia (Raul Marques, Letramento Editora e Livraria)

Fonte: Wikipédia e Edil Francis
#FamososQuePartiram #AsaBranca

Francisco Brennand

FRANCISCO DE PAULA COIMBRA DE ALMEIDA BRENNAND
(92 anos)
Artista Plástico e Ceramista

☼ Recife, PE (11/06/1927)
┼ Recife, PE (19/12/2019)

Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand foi um artista plástico nascido em Recife, PE, no dia 11/06/1927. Desenvolvia seu trabalho com diversos suportes, tornando-se notório como ceramista.

Francisco Brennand nasceu nas terras do antigo Engenho São João, na cidade brasileira do Recife, PE. Filho de Ricardo de Almeida Brennand e Olímpia Padilha Nunes Coimbra, era descendente de Edward Brennand, originário de Manchester, na Inglaterra, que veio para o Brasil em 1820 para trabalhar em uma empresa ferroviária inglesa.

Em 1917, o pai de Francisco BrennandRicardo Brennand, criou a primeira fábrica de cerâmicas da família - a Cerâmica São João - nas terras do antigo engenho do bairro da Várzea, no Recife, herança recebida de Dona Maria da Conceição do Rego Barros Lacerda, uma prima de sua mãe.

Durante o ensino médio, após conhecer o trabalho do escultor Abelardo da Hora, Francisco Brennand desenvolveu seu interesse pelo desenho e pela literatura. No mesmo período conheceu Débora de Moura Vasconcelos, sua futura esposa, e Ariano Suassuna, seu colega de classe, com quem produzia um jornal literário, encarregando-se de realizar as ilustrações para os textos e poemas de Ariano.


Inicialmente, Francisco Brennand acreditava ser a cerâmica uma arte utilitária, menor, e por isso dedicou-se sobretudo à pintura a óleo. Entretanto, ao chegar à França, em 1948, deparou-se com uma exposição de cerâmicas de Picasso, e descobriu que muitos dos artistas da Escola de Paris haviam passado pela cerâmica: Além de Picasso, Chagall, Matisse, Braque, Gauguin, e sobretudo o catalão Joan Miró.

Já no início da década de 1950, de passagem por Barcelona, Francisco Brennand descobriu Antoni Gaudí, cujas obras - com suas formas sinuosas e o uso do trencadis, tradicional técnica catalã - causam-lhe forte impressão.

Após o seu primeiro período na Europa (1948 - 1951), Francisco Brennand retornou ao Brasil mas, logo em 1952, decidiu aprofundar-se no conhecimento das técnicas da cerâmica, iniciando estágio em uma fábrica de majólicas na cidade de Deruta, na província de Perúgia, Itália.


Durante esse estágio, Francisco Brennand iniciou suas experiências com o uso de esmaltes cerâmicos e queimas sucessivas da peça, em temperaturas variadas. A cada entrada da peça no forno, era aplicada uma camada diferente de esmalte, o que dava à superfície uma grande variedade de cores e texturas.

Na década de 1970, Francisco Brennand participou do Movimento Armorial, juntamente com Ariano Suassuna, seu principal idealizador.

No seu ateliê, instalado nas terras do antigo Engenho (depois Cerâmica) São João, no bairro da Várzea, no Recife, estão expostas muitas de suas obras, parte delas dispostas a céu aberto, em um grande jardim central.

Francisco Brennand foi autor de dois importantes espaços culturais da cidade do Recife: A Oficina Cerâmica Francisco Brennand e o Parque das Esculturas Francisco Brennand.

Em 2017 foi agraciado com a Medalha do Mérito Guararapes - Grã Cruz, a mais alta honraria do Estado de Pernambuco.

Morte

Francisco Brennand faleceu em 19/12/2019, aos 92 anos, vítima de infecção respiratória no Real Hospital Português de Beneficência, na cidade do Recife, PE.

Francisco Brennand estava fazendo um tratamento contra uma pneumonia. O corpo foi velado na Capela Imaculada Conceição, na Oficina Cerâmica Francisco Brennand e cremado no cemitério Morada da Paz, em Paulista, PE.

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #FranciscoBrennand

Ibsen Pinheiro

IBSEN VALLS PINHEIRO
(84 anos)
Jornalista, Advogado e Político

☼ São Borja, RS, (05/07/1935)
┼ Porto Alegre, RS (24/01/2020)

Ibsen Valls Pinheiro foi um jornalista, advogado e político, nascido em São Borja, RS, no dia 05/07/1935. 

Ibsen Pinheiro era filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), foi promotor de justiça e procurador de justiça. Foi deputado estadual no Rio Grande do Sul e presidente da Câmara dos Deputados durante o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello.

Filho de Ricardo Pinheiro Bermudes e Lilia Valls Pinheiro. Formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) na década de 1960.

Na política começou em 1976, quando foi eleito vereador da cidade de Porto Alegre e, em 1978, deputado estadual, sempre pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). A carreira como deputado federal pelo Rio Grande do Sul começou em 1982.

Em 1986 foi eleito deputado constituinte e, de fevereiro de 1991 a fevereiro de 1992, foi o presidente da Câmara dos Deputados, tendo conduzido o processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello.


Em 1994, teve seu mandato cassado após ser acusado de enriquecimento ilícito e irregularidades fiscais pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou as irregularidades no Orçamento da União, acusado pela revista Veja de participar do Escândalo dos Anões do Orçamento, um esquema de desvio de verbas, e condenado a ficar afastado da vida pública por oito anos.

Em 2000, o Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou o processo em que era acusado de sonegação fiscal.

Na primeira eleição em que concorreu após a retomada de seus direitos políticos, em 2002, concorreu a deputado federal, mas não se elegeu. Porém, em 2004, retornou à política, elegendo-se vereador de Porto Alegre, tendo sido o candidato mais votado naquela eleição.

Em 2006, foi eleito novamente deputado federal. Aliado do governo Lula, votou a favor da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), mas bateu de frente com os interesses do Presidente ao enviar em 2009 a Emenda Ibsen Pinheiro, que retirou royalties do petróleo dos Estados produtores, para divisão igual entre os Estados brasileiros.

Ibsen Pinheiro foi um dos deputados estaduais que se posicionaram contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Ibsen Pinheiro também fez parte do conselho deliberativo do Sport Club Internacional e era procurador de Justiça aposentado.

Morte

Ibsen Pinheiro faleceu na sexta-feira, 24/01/2020, aos 84 anos, em Porto Alegre, RS, vítima de uma parada cardiorrespiratória.

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #IbsenPinheiro

Tunai

JOSÉ ANTÔNIO DE FREITAS MUCCI
(69 anos)
Cantor e Compositor

☼ Ponte Nova, MG (13/11/1950)
┼ Rio de Janeiro, RJ (26/01/2020)

José Antônio de Freitas Mucci, mais conhecido como Tunai, foi um cantor e compositor nascido em Ponte Nova, MG, no dia 13/11/1950.

Tunai iniciou o seu curso de Engenharia Civil na cidade de Ouro Preto, MG, onde também estudou seu irmão e compositor João Bosco. Apesar de ser irmão de João Bosco, Tunai jamais usou o nome consagrado do irmão, famoso desde 1972, para pavimentar os caminhos na música. Os irmãos sempre estiveram profissionalmente distantes um do outro.

Depois de se transferir para Belo Horizonte, MG, onde concluiu seu curso, trabalhou durante um tempo como engenheiro e depois deixou a engenharia civil para se dedicar à carreira de músico, estreando em 1978.

Tunai foi parceiro de importantes letristas mineiros como Fernando Brant e Márcio Borges, autores dos versos das composições "Rei" (1981) e "Raras Maneiras" (1986).

Trabalhou com o letrista Sérgio Natureza, com quem compôs músicas para vários artistas como Elis Regina, Simone, Gal Costa, Nana Caymmi, Milton Nascimento, Beto Guedes, Roupa Nova, Fafá de Belém, Elba Ramalho e Sérgio Mendes, sempre com sucesso.


Foi Elis Regina, quem projetou Tunai como compositor em 1979, um ano após o artista ter decidido abandonar a faculdade de engenharia para se dedicar à música. Elis Regina já estava com o repertório do álbum "Essa Mulher" (1979) fechado. Mas decidiu reabri-lo assim que ouviu "As Aparências Enganam", canção de Tunai com letra de Sérgio Natureza.

A cantora ficou tão entusiasmada com a composição que tirou "Velho Arvoredo" (Hélio Delmiro e Paulo César Pinheiro) do disco para incluir "As Aparências Enganam" no álbum de 1979, ano em que Nana Caymmi deu voz a nada menos do que duas canções do então novato Tunai, "Pra Não Chorar" e "Pra Sempre", ambas com letras de Sérgio Natureza.

Começou ali para valer, naquele ano de 1979, a trajetória musical de Tunai, embora a rigor o compositor já tivesse sido lançado em 1978 por Fafá de Belém com a gravação de "Se Eu Disser", música de Tunai e Sérgio Natureza apresentada sem repercussão no álbum "Banho de Cheiro" (1978).

Tunai viveu o auge artístico na década de 1980. Em 1984, uma outra parceria de Tunai com Sérgio Natureza, "Frisson", de tonalidade bem mais pop do que as densas canções lançadas por Elis Regina e Gal Costa, invadiu as FMs e o coração do público em gravação feita pelo próprio Tunai para o álbum "Em Cartaz" (1984). "Frisson" também foi tema da novela "Suave Veneno" (1999), da TV Globo.

"Frisson" atravessou gerações em vozes como a da cantora Ivete Sangalo, que regravou a música em 1998, quando ainda era vocalista da Banda Eva.


Simone gravou sete composições de Tunai, incluindo a já mencionada "Raras Maneiras". "Depois das Dez" (Tunai e Sérgio Natureza), "Só de Amor" (Tunai e Sérgio Natureza), "Tinha de Ser" (Tunai e Sérgio Natureza), "Água na Boca" (Tunai e Abel Silva), "Olhos Negros" (Tunai) e "Apaixonada" (Tunai).

Milton Nascimento compôs "Certas Canções" com Tunai e lançou a música em álbum de 1982. A parceria foi ampliada com "Mar do Nosso Amor" (1984) e "Rádio Experiência" (1985).

Tunai também ficou imortalizado por canções e baladas de romantismo pop sensual como "Sintonia" (Sérgio Natureza). Também deixou samba, blues-rock e bolero em obra sintetizada pelo cantor e compositor no álbum "Eternamente...", songbook lançado em 2011 com participações de Milton Nascimento, Simone, entre outros nomes.

Mais recentemente, em 2019, Tunai festejou 40 anos de carreira com "Caderno de Lembranças" (2019), álbum que, ao contrário do que faz supor o título, apontou futuro para Tunai com repertório majoritariamente inédito.

Escrevendo para o Yahoo!, Regis Tadeu publicou uma crítica positiva para o cantor em 2012:
"Este talentoso e veterano cantor mineiro nunca recebeu os devidos créditos por conta de seu trabalho bem acima da média dos compositores advindos dos anos 70, mesmo que várias de suas canções tenham sido gravadas por Elis Regina, Fafá de Belém e Gal Costa. (...)"
Morte

Tunai faleceu na manhã de domingo, 26/01/2020, aos 69 anos, no Rio de Janeiro, RJ. Ele foi encontrado morto no sofá de sua casa por sua esposa. A morte foi constatada às 6h00, por parada cardíaca.

Discografia
  • 1980 - Trovoada - As Aparências Enganam (Polydor)
  • 1981 - Festival da Nova Música Popular Brasileira - Adeus à Dor (Polydor)
  • 1981 - Todos os Tons (PolyGram)
  • 1983 - Olhos do Coração (PolyGram)
  • 1984 - Em Cartaz (PolyGram)
  • 1985 - Tunai (PolyGram)
  • 1988 - Sobrou Pra Mim (Eldorado)
  • 1993- Dom (Maracujazz)
  • 2000 - Certas Canções (Jam Music)
  • 2003 - Sem Limites (Universal Music)
  • 2004 - Dança das Cadeiras (Independente)
  • 2011 - Eternamente... (MZA Music)

Fonte: Wikipédia e G1
#FamososQuePartiram #Tunai

Luiz Parreiras

LUIZ PARREIRAS
(78 anos)
Ator

☼ Niterói, RJ (11/07/1941)
┼ São Caetano do Sul, SP (05/01/2020)

Luiz Parreiras foi um ator de cinema, teatro e televisão, nascido em Niterói, RJ, no dia 11/07/1941.

Destaque em novelas da TV Tupi década de 1960 e 1970, como "Os Irmãos Corsos" (1966) e "Os Apóstolos de Judas" (1976), também foi protagonista em novelas do SBT, como "A Leoa" (1982), e destaque na novela "O Rei do Gado" (1996), no papel de Orestes, na TV Globo.

Luiz Parreiras atuou com Tônia Carrero no teatro e além de ator, também era conhecido por seu dom para as artes plásticas, com quadros que foram expostos em várias galerias. Luiz Parreiras  também teve sua passagem pelo esportes como nadador e jogador de Pólo Aquático pelo Vasco da Gama.

Luiz Parreiras morava no ABC há 10 anos. Atualmente morava em uma casa de repouso.

Morte

Luiz Parreiras faleceu no início da tarde de domingo, 05/01/2020, aos 78 anos, em São Caetano do Sul, SP, vitima de uma Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O velório aconteceu na segunda-feira, 06/01/2020, às 8h00, no Hospital São Caetano e ao meio-dia o corpo foi levado para o Crematório da Vila Alpina.

Carreira

Televisão

  • 1966 - Os Irmãos Corsos
  • 1976 - Os Irmãos Corsos
  • 1982 - A Leoa
  • 1983 - Moinhos de Vento
  • 1983 - Sombras do Passado
  • 1996 - Irmã Catarina
  • 1996 - Antônio dos Milagres
  • 1996 - O Rei do Gado
  • 1997 - Canoa do Bagre

Cinema

  • 1977 - Emanuelle Tropical
  • 1979 - Sede de Amar

Teatro

  • Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio
#FamososQuePartiram #LuizParreiras