Kid Vinil

ANTÔNIO CARLOS SENEFONTE
(62 anos)
Cantor, Compositor, Radialista e Jornalista

☼ Cedral, SP (10/03/1955)
┼ São Paulo, SP (19/05/2017)

Kid Vinil, nome artístico de Antônio Carlos Senefonte, foi um cantor, compositor, radialista e jornalista, nascido em Cedral, SP, no dia 10/03/1955, que destacou-se no cenário musical do rock brasileiro dos anos 80, com o grupo Magazine. 

Kid Vinil foi vocalista do Verminose, Magazine, Kid Vinil e os Heróis do Brasil e Kid Vinil Xperience. Atualmente retomava as atividades de radialista com um programa semanal na Rádio Rock 89 FM de São Paulo, toda quintas-feira às 23h59, e na Web Rádio Brasil 2000. E mais, a Banda Magazine estava novamente na ativa com seus integrantes originais, Lu Stopa (Baixo), Trinkão Watts (Bateria), Ted Gás (Guitarra) e Kid Vinil (Vocal) para uma merecida guinada no cenário musical tão aguardada por muitos.

No início dos anos 80, Kid Vinil havia tocado na banda Verminose, mais voltada para o punk rock e o rockabilly. Foi precursor e incentivador do movimento punk paulista, organizando shows e tocando músicas de bandas de punk rock e pós-punk em seu programa de rádio, na antiga Rádio Excelsior, no Programa Kid Vinil. Nos anos 80 marcou forte presença no cenário musical como vocalista do grupo Magazine, com as canções "Tic Tic Nervoso" (Marcos Serra e Antônio Luiz), "A Gata Comeu" (Caetano Veloso), que foi tema de abertura da novela com mesmo nome da TV Globo, "Sou Boy", "Adivinhão" (Baby Santiago e Wilson Miranda) e "Glub Glub No Clube"


Na TV participou em 1987 do programa "Boca Livre" na TV Cultura, programa que teve em sua primeira fase competições entre colégios, seguindo com a realização de festival de novas bandas e por último mostra de bandas independentes por onde passou bandas como Inocentes, Golpe de Estado, 365, O Gueto, Cólera, Ratos de Porão, Escova e a Máfia, entre tantos outros importantes para o cenário nacional. Também passou por lá o Toy Dolls, grupo punk inglês.

Ainda, apresentou o "Som Pop" em sua fase final, de 1989 a 1993,  após o saudoso Gerson de Abreu.

Depois, em 2000, tornou-se Video Jockey (VJ) da MTV, participando de programas como "Lado B" em que apresentava videoclipes de bandas underground, especialmente do exterior. Neste mesmo ano voltou com o Magazine, lançando um segundo trabalho pela gravadora Trama, o CD "Na Honestidade" em 2002.

Encerradas as atividades com o Magazine formou uma nova banda, o Kid Vinil Xperience em 2005. Com o Kid Vinil Xperience lançou em 2010 o seu primeiro CD, "Time Was", um disco de covers de músicas favoritas e obscuras e em 2013 o primeiro DVD, "Vinil Ao Vivo", gravado em 2010 na cidade de Novo Horizonte, SP, pelo selo Galeão, com interpretações de todos os hits de sua carreira.

Em 2008, lançou um livro pela Ediouro Publicações, "Almanaque do Rock", que relata a trajetória do rock, começando pelos anos 50 até os dias de hoje.

Morte

Kid Vinil era diabético e começou a apresentar problemas ainda no dia 16/04/2017, depois de ter passado mal após se apresentar na cidade mineira de Conselheiro Lafaiete. No dia 18/04/2017, ele foi transferido em um avião com UTI Móvel para o Hospital da Luz, em São Paulo. Para conseguir custear o translado, a família fez uma campanha para arrecadar R$ 15 mil. O artista chegou a ser levado para a UTI da unidade hospitalar e ficou em coma induzido.

Kid Vinil realizou uma série de exames, mas o diagnóstico não foi informado.
"Ele fez uma bateria de exames. Os médicos disseram que o coração e o pulso estão normais. Temos que descobrir a causa disso, então será apenas com os resultados. O hospital nos deu uma grande atenção. Vamos ficar eternamente agradecidos ao hospital, que nos vem dando toda a assistência!"
(Márcio Souza, produtor) 

No início da tarde de sexta-feira, 19/05/2017, a família do músico fez uma publicação no perfil pessoal dele.
"Aos amigos, parceiros de vida do nosso querido Kid. Infelizmente nosso amado passa pelo momentos mais crítico de sua recuperação e entendemos que agora é o momento dele com Deus, que acreditamos poder todas as coisas e fazer o que for melhor para o Kid. Pedimos que continuem as orações pois Kid não desistiu de lutar e sempre acreditou!"
Kid Vinil faleceu na sexta-feira, 19/05/2017, aos 62 anos, em São Paulo, SP. A informação foi confirmada por Luiz Thunderbird através do Twitter:
"Amigos, acabei de receber a mais triste notícia de que meu amigo e professor Kid Vinil faleceu hoje a tarde. Muita tristeza!"

Discografia

Como membro do Magazine:

  • 1983 - Soy Boy / Kid Vinil (Compacto, WEA / Elektra)
  • 1983 - Magazine (LP, WEA/Elektra)
  • 1983 - Adivinhão / Casa da Mãe (Compacto, WEA / Elektra)
  • 1984 - Tic Tic Nervoso / Atentado ao Pudor (Compacto, WEA / Elektra)
  • 1985 - Glub Glub no Clube / Sapatos Azuis (Compacto, WEA / Elektra)
  • 1985 - Comeu / Crucial (Compacto, WEA / Elektra)

Como membro do Kid Vinil e Os Heróis do Brasil:

  • 1986 - Kid Vinil e os Heróis do Brasil (LP, 3M)

Disco Solo:

  • 1989 - Kid Vinil (LP, RGE)

Como membro do Verminose:

  • 1995 - Xu-Pa-Ki (LP, Independente)

Como membro do Magazine:

  • 2002 - Na Honestidade (CD, Trama)

Como membro do Kid Vinil Xperience:

  • 2010 - Time Was (CD, Kid Vinil Records)
  • 2013 - Vinil Ao Vivo (DVD, Galeão Discos)
  • 2014 - Kid Vinil Xperience (EP, 2014)

Marcos Tumura

MARCOS AURÉLIO TUMURA
(49 anos)
Ator, Cantor, Diretor, Coreógrafo e Figurinista

☼ Curitiba, PR (09/03/1968)
┼ São Paulo, SP (18/05/2017)

Marcos Aurélio Tumura foi um ator e cantor brasileiro nascido em Curitiba, PR, no dia 09/03/1968.

Ao longo de três décadas de carreira participou de trabalhos no teatro e televisão. Marcos Tumura começou como dançarino do Teatro Guaíra fazendo teatro com as peças "Rent" e "Aí Vem o Dilúvio".

Marcos Tumura esteve muitas vezes no elenco dos musicais de Claudia Raia.

Em 2001 foi escolhido para representar em "Les Misérables" o papel principal, vencendo 200 candidatos.

Marcos Tumura fez grandes musicais como "A Bela e a Fera", "O Fantasma da Ópera", "Miss Saigon", "Cabaret", "Crazy For You" e "Raia 30".

Estava no musical "Forever Young".

Em 2007 abriu sua própria produtora, Tumura Produções, ao lado do amigo Fred Sposito.

Na televisão ficou mais conhecido como o vilão Salazar do seriado "Patrulha Salvadora".

Marcos Tumura além de ator e cantor foi diretor, coreógrafo,figurinista e mestre de cerimônias.

Morte

Marcos Tumura morreu na madrugada de quinta-feira, 18/05/2017, aos 49 anos, vítima de infarto agudo do miocárdio, em São Paulo, SP. De acordo com amigos, ele passou mal após uma partida de vôlei e foi levado para o Hospital 9 de Julho mas não resistiu e faleceu.

Claudia Raia usou as redes sociais para lamentar a perda do amigo:
"Hoje o Brasil acordou mais cinza e triste, perdemos nosso amado, meu irmão, companheiro na vida e na arte Marcus Tumura, estamos sem ar, devastados e comunicamos a família do Teatro Musical Brasileiro que o velório deste grande artista sera no Cemitério do Araçá a partir de 12:00hs e a cerimônia de cremação no Crematório da Vila Alpina as 21:00"
Claudia Raia e Marcos Tumura
Carreira

Televisão
  • 2004 - Sítio do Pica-Pau Amarelo
  • 2008 - Negócio da China ... Elenco de Apoio
  • 2010 - Ti Ti Ti ... Vicky
  • 2014 - Patrulha Salvadora ... Salazar / Faraó
  • 2016 - Sol Nascente ... Massao

Teatro
  • Rent
  • Aí Vem o Dilúvio
  • Les Misérables
  • A Bela e a Fera
  • O Fantasma da Ópera
  • Cabaret
  • Crazy For You
  • Raia 30
  • Forever Young

Cinema
  • O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes ... Verdugo (Voz)

Fonte: Wikipédia

Góis Monteiro

PEDRO AURÉLIO DE GÓIS MONTEIRO
(66 anos)
Militar e Político

* São Luiz de Quitunde, AL (12/12/1889)
+ Rio de Janeiro, RJ (16/10/1956)

Pedro Aurélio de Góis Monteiro foi um militar general-de-exército e político brasileiro. Era filho de Pedro Aureliano Monteiro dos Santos e Constança Cavalcanti de Góis Monteiro.

Oriundo de família com ascendência militar iniciou sua carreira na Escola de Guerra de Porto Alegre chegando ao posto de General-de-exército. Ao longo dos anos adotou um viés legalista ao combater os Dezoito do Forte, o Tenentismo e a Coluna Prestes durante os anos 20.

O irromper da Revolução de 1930 o levou a exercer o comando militar da mesma contribuindo sobremaneira para o seu êxito. Pouco tempo depois comandou as tropas Federais que debelaram a Revolução Constitucionalista de 1932 e, durante os combates com os paulistas, perdeu seu irmão, o capitão Cícero Augusto de Góis Monteiro que era integrante do 9º Regimento de Infantaria do Exército Brasileiro.

Após esse evento, foi ungido Ministro da Guerra (1934-1935) do governo Getúlio Vargas ocupando tal posição até a escolha de Eurico Gaspar Dutra como seu sucessor, o que não impediu Góis Monteiro de participar ativamente da decretação e manutenção do Estado Novo (1937-1945) evento que ajudou a consolidar seu clã como a força política dominante em Alagoas, Estado governado por dois de seus irmãos entre 1941 e 1945.

Na época em que foi ministro da Guerra, elaborou a Doutrina de Segurança Nacional que inspirou várias leis a esse respeito tanto na Era Vargas quanto no Regime Militar de 1964.

Em setembro de 1937, Góis Monteiro descobre o Plano Cohen, que foi um planejamento falso, forjado pelo então capitão Olympio Mourão Filho, de uma Revolução Comunista no Brasil. Esse plano foi posteriormente utilizado por Getúlio Vargas como justificativa do golpe que deu origem ao Estado Novo.

Góis Monteiro foi Chefe do Estado Maior do Exército Brasileiro entre 1937 e 1943, retornando ao ministério nos últimos dias de Getúlio Vargas no poder em 1945. Foi mantido no cargo no governo José Linhares e nos primeiros meses da gestão de Eurico Gaspar Dutra.

Após deixar o poder foi eleito senador pelo Partido Social Democrático (PSD) em 1947. No ano de 1945 seu irmão Ismar de Góis Monteiro havia sido eleito para esse mesmo cargo e em 1958 foi a vez de Silvestre Péricles chegar à Câmara Alta do país. No entanto, em 1950 Góis Monteiro não conseguiu se reeleger e ainda rejeitou um convite para ser vice-presidente na chapa de Getúlio Vargas.

Góis Monteiro foi chefe do Estado-Maior das Forças Armadas entre 15/02/1951 e 01/12/1952. A seguir, foi ministro do Superior Tribunal Militar (STM), de 15/12/1952 até seu falecimento em 16/10/1956.

Homenagens Recebidas
  • Grã-Cruz da Ordem de Quetzal (México)
  • Grã-Cruz da Ordem de Vasco Nunez de Balboa (Panamá)
  • Grã-Cruz da Ordem da Estrela Polar
  • Grã-Cruz da Ordem de Manoel de Cespedes (Cuba)

José Kairala

KAIRALA JOSÉ KAIRALA
(39 anos)
Comerciante e Político

☼ Manaus, AM (01/02/1924)
┼ Brasília, DF (04/12/1963)


Kairala José Kairala foi um comerciante e político brasileiro, nascido em Manaus, AM, no dia 01/02/1924, senador pelo Acre em 1963. Era filho de José Kairala e Carolina Moussuly Kairala. Foi assassinado no exercício do mandato, dentro do prédio do Senado Federal, vítima de uma bala perdida disparada pelo também senador Arnon de Mello.

Após trabalhar como comerciante, Kairala José Kairala, elegeu-se em outubro de 1962, suplente do senador pelo Acre José Guiomard, na legenda do Partido Social Democrático (PSD). Devido a licença solicitada por Guiomard, assumiu uma cadeira no Senado no dia 06/07/1963.

Sua última sessão como senador aconteceu em 04/12/1963, quando Arnon de Mello ocupava a tribuna para rebater acusações que lhe foram desferidas seu inimigo político, Silvestre Péricles de Góis Monteiro. Silvestre Péricles interrompeu o discurso, bradando novas injúrias e avançando sobre Arnon de Mello, que sacou a arma e disparou contra o adversário, que saiu ileso.


Sentado à primeira fila, porém, José Kairala foi atingido no estômago por um dos três tiros disparados. Os dois senadores foram dominados e aprisionados, ilesos, mas José Kairala, sentado no plenário, havia sido atingido. Removido para o Hospital Distrital de Brasília, faleceu algumas horas mais tarde. Apesar de presos em flagrante após o crime, os senadores alagoanos acabaram isentos de punição.

José Kairala era casado com Creusa Kairala, com quem teve quatro filhos, o último dos quais só nasceu após sua morte.

Por conta do acontecido sua família retornou ao Acre e a seguir foi para Minas Gerais até fixar-se no Distrito Federal em 1977, e nesse período sua esposa trabalhou como lavadeira e babá após a viuvez.

Arnon de Mello

ARNON AFONSO DE FARIAS MELLO
(72 anos)
Jornalista, Advogado, Político e Empresário

☼ Rio Largo, AL (19/09/1911)
┼ Maceió, AL (29/09/1983)

Arnon Afonso de Farias Mello foi um jornalista, advogado, político e empresário brasileiro, nascido em Rio Largo, AL, no dia 19/09/1911, pai de Fernando Collor de Mello, ex-presidente do Brasil, e de Pedro Collor de Mello.

Era filho do senhor de engenho Manuel Afonso de Mello e de Lúcia de Farias Mello. Estudou em Maceió até mudar-se para o Rio de Janeiro em 1930 onde trabalhou como jornalista em A Vanguarda, jornal fechado pela Revolução de 1930.

Advogado formado pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1933, trabalhou no Diário de Notícias, nos Diários Associados antes da graduação e, após esta, trabalhou na Associação Comercial do Rio de Janeiro, no Diário Carioca e em O Jornal.

Em 1936 assumiu a direção da Gazeta de Alagoas e foi membro do conselho diretor da Associação Brasileira de Imprensa.

Carreira Política

Após o fim do Estado Novo ingressou na União Democrática Nacional (UDN) e foi eleito suplente de deputado federal em 1945, e exerceu o mandato mediante convocação. Por esta mesma legenda foi eleito simultaneamente deputado federal e governador de Alagoas em 1950, optando por este último cargo onde cumpriu um mandato de 5 anos.

Retornou à vida política pelo Partido Democrata Cristão (PDC) sendo eleito senador em 1962, ingressando na Aliança Renovadora Nacional (ARENA) após a decretação do bipartidarismo pelo Regime Militar de 1964.

Reeleito pelo voto direto em 1970, foi reconduzido ao mandato como senador biônico em 1978.

Assassinato no Congresso

Em 04/12/1963, o senador Arnon de Mello (PDC-AL), atirou contra Silvestre Péricles (PTB-AL). O segundo disparo acertou o abdome do senador José Kairala (PSD-AC), um comerciante de Brasiléia, que morreria horas depois no Hospital Distrital de Brasília com os intestinos e a veia ilíaca trespassados.

Tudo foi causado por uma acirrada rixa regional. Silvestre Péricles, que andava armado, prometeu matar Arnon de Mello, que pôs um Smith Wesson 38 na cintura e marcou discurso para desafiá-lo.

Silvestre Péricles conversava com o senador Arthur Virgílio Filho (PTB-AM). Arnon de Mello provocou e Silvestre Péricles partiu para cima, gritando "Crápula!"Arnon de Mello não deixou o rival se aproximar: sacou o revólver, mas antes que atirasse, Silvestre Péricles, mais rápido, apesar dos 67 anos, jogou-se ao chão, enquanto sacava sua arma. O senador João Agripino (UDN-PB), atracou-se com Silvestre Péricles para tirar-lhe a arma. José Kairala tentou ajudar, mas foi atingido pelo segundo disparo de Arnon de Mello.

Os senadores Arnon de Melo (de costas) e Silvestre Péricles, ambos de Alagoas, trocam ofensas no Senado em 05/12/1963. Ao lado direito de pé (o mais baixo), o suplente José Kairala, poucos segundos antes de ser atingido.
Os dois contendores foram presos; em dias, o Senado Federal deu licença para que fossem processados. Ambos acabaram absolvidos.

José Kairala, de 39 anos, tinha três filhos, entre 2 e 6 anos, e deixou a mulher grávida. Era um suplente, assumira 6 meses antes e devolveria o mandato ao titular, José Guiomard, no dia seguinte. No Senado, teve tempo de fazer 13 discursos e apresentar dois projetos. Levava a mesma inicial carismática, JK, consagrada por seu colega de bancada Juscelino Kubitschek.

Apesar do assassinato, e ainda que tenha sido dentro do Senado Federal, na presença de inúmeras autoridades, Arnon de Mello não teve seu mandato cassado nem qualquer punição imposta pela Mesa.

Logo após o tiroteio ambos senadores foram presos em flagrante, porém, mesmo com o homicídio e as testemunhas, ficaram presos pouco tempo.


Silvestre Péricles foi enviado para o quartel da Aeronáutica em Brasília, onde ficou pouco mais de um mês. Em janeiro de 1964, ele foi para o Hospital do Exército no Rio de Janeiro, onde passou por algumas cirurgias. Em 16/04/1964 foi inocentando e solto. De licença médica voltou ao Senado em 07/06/1964.

A prisão de Arnon de Mello foi mais longa, quase 7 meses. Logo após o crime ele foi levado ao quartel do Exército e depois transferido para a Base Aérea de Brasília, onde ficou até ser inocentado pelo assassinato de José Kairala, em 30/07/1964. O Senado abriu processo para cassação dos senadores, mas ela foi rejeitada. Arnon de Mello retornou ao Senado no dia seguinte à sua absolvição.

Arnon de Mello foi casado com Leda Collor de Mello e tiveram cinco filhos: Fernando Collor de Mello, Pedro Collor de Mello, Leopoldo Collor, Leda Maria Collor de Mello e Ana Luiza Collor de Mello.

Arnon Afonso de Farias Mello faleceu em Maceió, AL, no dia 29/09/1983, aos 72 anos. Ao falecer estava filiado ao Partido Democrático Social (PDS), no qual ingressou em 1980. Após sua morte a cadeira foi ocupada por Carlos Lyra.

Obras
  • 1931 - Os Sem Trabalho da Política
  • 1933 - São Paulo Venceu
  • 1940 - África - Viagem às Colônias Portuguesas e à África Inglesa
  • 1958 - Uma Experiência de Governo

Nelson Xavier

NELSON AGOSTINI XAVIER
(75 anos)
Ator e Diretor

☼ São Paulo, SP (30/08/1941)
┼ Uberlândia, MG (10/05/2017)

Nelson Agostini Xavier, mais conhecido por Nelson Xavier, foi um ator e diretor brasileiro. Ao longo de cinco décadas de carreira participou de trabalhos no teatro, televisão e cinema.

Nascido em São Paulo, SP, no dia 30/08/1941, Nelson Agostini Xavier tinha tudo para ser advogado. Ao menos era o que sua mãe, Carolina Agostini, dona de casa, desejava. O pai, Olavo Xavier, era pintor, mas nunca chegou a conhecê-lo.

Nelson Xavier cursou Direito, mas a paixão pelas artes, em especial pelo cinema mudo, foi mais forte e o estimulou a mudar de caminho profissional. Tudo começou com uma viagem para a Europa. Ele ganhou uma bolsa de estudos na Itália, para fazer um curso de advocacia durante três meses. Lá, foi à Roma e Florença, teve o primeiro contato com artes plásticas clássicas e renascentistas. Ele se sensibilizou ao ponto de colocar na cabeça que precisava estudar drama e deixar o Direito para trás, só tinha que encontrar uma maneira de ganhar dinheiro com isso.

Nelson Xavier em "Sol de Verão" (1982)
Entrou para a Escola de Artes Dramáticas da Universidade de São Paulo (USP) e também para o Teatro de Arena, um dos mais importantes grupos de teatro naquela época, que tinha como princípio fazer desta arte uma ferramenta de transformação social. Lá, fez amizades com expoentes do meio artístico, sendo chamado para atuar em diversas peças, como "Eles Não Usam Black-Tie" (1958), de Gianfrancesco Guarnieri, "Chapetuba Futebol Clube" (1959), de Oduvaldo Vianna Filho, "Gente Como a Gente" (1959), de Roberto Freire, e "Julgamento em Novo Sol" (1962), de Augusto Boal.
"O Teatro de Arena começou o teatro brasileiro contemporâneo. Antes de nós, era tudo muito solene, declamado. Dos novos nomes, eu me encantava com o Flavio Migliaccio, que usava o que chamamos de estilo passarinho: ele cuspia as palavras, não ficava falando com imponência. Era absolutamente revolucionário!"
A formação profissional acompanhou a formação política. Por influência dos colegas do Teatro de Arena, Nelson Xavier começou a ler os clássicos do marxismo. Nesse momento, Eduardo Coutinho, futuro cineasta, lhe arrumou emprego de revisor na revista Visão, onde passou a colaborar também como crítico de cinema e teatro. Durante um tempo, ganhou a vida como jornalista.

Nelson Xavier em "Voltei Pra Você" (1983)
Imerso em um ambiente de ebulição cultural, tornou-se também ator de cinema, apesar de ter a convicção de que isso nunca foi sua vocação. Atuar era difícil para um rapaz tímido como ele e, naquele momento, queria mesmo era estar atrás das câmeras. Até porque, câmera, segundo ele, era algo que lhe assustava profundamente.
"Eu tive muita dificuldade em começar a fazer televisão. As máquinas eram enormes, eu tinha pavor, até tremia!"
Mas não teve jeito. No dia 31/03/1964, tropas do Exército ocuparam as ruas das principais cidades do Brasil. No dia seguinte, uma Junta Militar tomou o poder. A sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), onde Nelson Xavier realizava ensaios periódicos para estreia de uma peça, foi incendiada. O ator se sentiu perdido: seus valores entraram em conflito, principalmente diante das dificuldades impostas pela censura em se fazer teatro político.

Dessa forma, ele intensificou sua participação no cinema. Até o final dos anos 1970, foram muitos os filmes, mais de 20, como "O ABC do Amor" (1967), de Eduardo Coutinho, Rodolfo Kuhn e Helvio Soto; "Os Deuses e os Mortos" (1970), de Ruy Guerra, "É Simonal" (1970) e "A Culpa" (1972), de Domingos de Oliveira; "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976), de Bruno Barreto; e "A Queda" (1978), também de Ruy Guerra, que lhe rendeu um Urso de Prata no Festival de Berlim.

Por influência de amigos, neste período, Nelson Xavier começou a fazer também televisão.

Nelson Xavier como Lampião e Tânia Alves como Maria Bonita na minissérie 'Lampião e Maria Bonita' (1982)
De João da Silva a Lampião

Sua primeira participação na televisão foi pequena, viveu o personagem Zorba, na novela "Sangue e Areia" (1967), de Janete Clair.

Seis anos depois, conseguiu seu primeiro grande papel, em "João da Silva" (1973). Na novela de Jairo Bezerra, produzida pela TV Rio, e exibida pela TV Cultura, TVE e TV Globo, Nelson Xavier viveu um retirante nordestino, que se muda para o Rio de Janeiro em busca de melhores condições de vida. A novela era um projeto educativo, com objetivo de dar dicas a emigrantes em uma grande cidade, que se encontravam na mesma situação do protagonista. Assuntos relacionados a ensino, emprego e moradia perpassavam a trama. Foi um sucesso. O ator passou a ser reconhecido nas ruas e adorado pelo público.

Em 1982, Nelson Xavier estava pronto para viver outro protagonista, desta vez, na primeira minissérie da TV Globo, "Lampião e Maria Bonita". Dirigida por Paulo Afonso Grisolli, a minissérie se baseou nos últimos seis meses de vida de Virgulino Ferreira da Silva, o cangaceiro mais temido do sertão, nos idos dos anos 1930. Os heróis, vividos por Nelson Xavier e Tânia Alves, foram muito bem recebidos pelo público, assim como o novo formato de dramaturgia.

A preparação para a trama foi intensa. A equipe passou um mês se locomovendo pelo interior do Nordeste para gravar as cenas externas. A ideia era mostrar lugares em que Lampião e seu bando realmente estiveram. Para dar o melhor de si, Nelson Xavier estudou a história do bandido social, que "disse 'não' ao sistema e levou este 'não' às últimas consequências". A identificação foi tão profunda que ele acredita ter vivido uma experiência quase transcendental.
"Um dia, quando estava me preparando para entrar em cena, vesti a roupa do figurino, já estava maquiado e só faltava colocar os óculos. Quando eu subi os óculos, alguma coisa me arrebatou. Eu senti que estava sendo 'cavalo' de uma possessão. Eu não sou médium, mas a impressão era essa, foi forte!"
Momento similar, só com "Chico Xavier" (2010).

Nelson Xavier em "Gabriela" (2012)
Em 1985, o ator teve a oportunidade em trabalhar novamente com Paulo Afonso Grisolli. Desta vez, na minissérie "Tenda dos Milagres", com roteiro de Aguinaldo Silva. Nesta ocasião, Nelson Xavier era o protagonista Pedro Arcanjo, que, à beira da morte, relembra aventuras, festas, amores e sua luta para manter vivas na Bahia as culturas negra e mestiça.
"Pedro Arcanjo me ensinou muito, ele era um brasileiro admirável. Fiz o trabalho com empenho, querendo acertar. A composição do personagem era mais simples. Diferente do Lampião, que era um sujeito mais posudo, o Pedro Arcanjo era frágil, mas precisava defender seus ideais com firmeza!"
A Bahia se tornou um local muito querido e, para ele, foi uma satisfação voltar ao Estado para as gravações da minissérie "O Pagador de Promessas" (1988), dirigida por Tizuka Yamasaki, com autoria de Dias Gomes. Na ocasião, Nelson Xavier interpretou o gigolô Bonitão, que tentava seduzir a mocinha Rosa, interpretada por Denise Milfont. O que o ator mais gosta de lembrar desse trabalho é, na verdade, a amizade que fez com Mário Lago, que interpretou o clérigo Dom Germano.
"O Mário e eu tínhamos uma coisa em comum: comíamos muito mocotó. Logo no início, demos uma volta perto do hotel e encontramos um restaurante simples, que preparava um bom mocotó. Fomos lá todos os dias e eu pude desfrutar bastante da amizade e companhia dele!"
Entre minisséries, Nelson Xavier também fez novelas na emissora nesse período. Interpretou, por exemplo, o ex-jagunço Zelão em "Voltei Pra Você" (1983), de Benedito Ruy Barbosa; e o delegado Joel, na trama de Ivani Ribeiro, "Hipertensão" (1986).

Nelson Xavier como monge budista em "Joia Rara" (2013)
Outros Trabalhos

Em 1989, Nelson Xavier foi convidado para trabalhar na TV Manchete, onde conheceu sua atual esposa, a atriz Via Negromonte. Na emissora concorrente, atuou em três tramas, incluindo "Kananga do Japão" (1989), de Wilson Aguiar Filho e dirigida por Tizuka Yamasaki; e "A História de Ana Raio e Zé Trovão" (1990), novela de Marcos Caruso, com direção de Jayme Monjardim.

Em 1992, Nelson Xavier voltou para a TV Globo para viver o delegado Francisco Queiroz, em "Pedra Sobre Pedra", de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares.

Em 1993, interpretou o comerciante Norberto, dono da venda onde os personagens faziam compras ou paravam para uma bebida, na novela "Renascer", de Benedito Ruy Barbosa. Ele também interpretou o Padre Bento, na segunda versão de "Irmãos Coragem" (1995), dirigida por Luiz Fernando Carvalho, quem considera um grande colega de trabalho em sua carreira.
"Ele é muito criativo, e permite que o ator crie e brinque em cima do personagem!"

Espiritualidade

Em 2001, Nelson Xavier teve a oportunidade de interpretar um mestre espiritual de uma sociedade alternativa, em Goiás. Purunam era um médico que se interessou por medicina alternativa e se tornou o principal conselheiro da protagonista Cristal (Sandy), na novela "Estrela-Guia", de Ana Maria Moretzsohn.
"Foi bonitinho viver o Purunam, principalmente porque eu acreditava no que ele pregava, mesmo sem ter ainda me tornado simpático a cultura védica, como aconteceu depois. Tinham cenas com diálogos enormes, mas não tive dificuldades, veio fácil para mim!"
Com "Chico Xavier", em 2010, o ator voltou a ter uma experiência sensível, na pele do médium mineiro, que transformou sua vida. Para Nelson Xavier, Chico Xavier desempenhou bem sua missão na Terra, como um apóstolo.
"Acredito que toda geração tem um papel a cumprir. O problema é cumprir ou trair. Eu acho que a minha geração quis mudar o Brasil e não conseguiu e é lamentável. Mas o trabalho do ator também pode mudar as pessoas, ainda que em pequena escala!"
A espiritualidade adquirida com os papéis anteriores possibilitou que interpretasse Ananda, líder espiritual budista que ajuda o mocinho Franz Hauser (Bruno Gagliasso) a sobreviver após uma avalanche no Himalaia, em "Joia Rara" (2013). A trama de Duca Rachid e Thelma Guedes se passava no Brasil e no Nepal. Os atores passaram 15 dias filmando em Katmandu. Nelson Xavier gostou da experiência:
"Eu vi muita pobreza nas ruas. Mas as pessoas são muito serenas, e o budismo proporciona isso!"
Para compor o personagem, o ator buscou incorporar essa serenidade e transmitir, em suas falas, a generosidade e o amor ao próximo.
"O verdadeiro artista cria uma linguagem própria. E, depois de tantos anos pensando que não tinha vocação para ser ator, hoje eu acho que tenho isso, consegui desenvolver essa linguagem!"
(Nelson Xavier)

Morte

Nelson Xavier faleceu na madrugada de quarta-feira, 10/05/2017, aos 75 anos, na cidade de Uberlândia, MG, vítima de insuficiência respiratória em decorrência de um câncer. Ele lutava contra a doença há 14 anos. O corpo de Nelson Xavier será levado ao Rio de Janeiro, onde deve ser cremado na quinta-feira, 11/05/2017.

Sua última aparição pública foi na exibição do longa-metragem "Comeback" durante o Festival do Rio em 2017. No drama de Erico Rassi, Nelson Xavier interpretou Amaro, um ex-pistoleiro que se refugia em uma pequena cidade de Goiás após sua aposentadoria.

Nelson Xavier deixa a mulher, a atriz Via Negromonte (Wilma Fernandes Negromonte), e quatro filhos.

Tereza Villela Xavier, filha de Nelson Xavier, usou sua página no Facebook para falar da perda do pai:
"Lamento informar a quem possa interessar que meu pai, Nelson Xavier, faleceu esta noite em Uberlândia. Seu corpo será transferido, celebrado e cremado no Rio de Janeiro em cemitério ainda não determinado. Agradeço desde já as mensagens de apoio. Ele virou um planeta! Estrela ele já era. Fez tudo que quis, do jeito que quis e da sua melhor maneira possível, sempre!"

Nelson Xavier em "O Pagador de Promessas" (1988)
Carreira

Televisão
  • 1967 - Sangue e Areia ... Zorba
  • 1973 - João da Silva ... João da Silva
  • 1982 - Lampião e Maria Bonita ... Lampião
  • 1982 - Sol de Verão ... Zito
  • 1983 - Voltei Pra Você ... Zelão
  • 1985 - Tenda dos Milagres ... Pedro Arcanjo
  • 1986 - Hipertensão ... Joel
  • 1988 - O Pagador de Promessas ... Bonitão (Minissérie)
  • 1989 - Kananga do Japão ... Caveirinha
  • 1990 - A História de Ana Raio e Zé Trovão ... Leopoldo Canjerê
  • 1990 - Fronteiras do Desconhecido ... Albano (Ep.: "A Rua do Salto")
  • 1992 - Pedra Sobre Pedra ... Delegado Queiróz
  • 1993 - Renascer ... Noberto
  • 1995 - Irmãos Coragem ... Padre Bento
  • 1996 - Salsa e Merengue ... Mestre Bento Sobral
  • 1997 - Anjo Mau ... Manuel
  • 1999 - Suave Veneno ... Fortunato Queiroz
  • 2000 - O Cravo e a Rosa ... Drº Caio
  • 2001 - As Filhas da Mãe ... Mauro das Flores
  • 2001 - Estrela-Guia ... Purunam
  • 2004 - Senhora do Destino ... Sebastião Ferreira da Silva
  • 2005 - América
  • 2005 - Belíssima ... Bento Pereira
  • 2008 - A Favorita ... Edvaldo
  • 2012 - Gabriela ... Coronel Altino Brandão
  • 2013 - Joia Rara ... Ananda Rinpoche
  • 2015 - Babilônia ... Sebastião


Cinema Como Diretor
  • 1978 - A Queda


Cinema Como Ator
  • 1959 - Fronteiras do Inferno
  • 1960 - Cidade Ameaçada
  • 1963 - Seara Vermelha
  • 1964 - Os Fuzis
  • 1965 - A Falecida
  • 1965 - Arrastão
  • 1966 - Três Histórias de Amor
  • 1967 - O ABC do Amor
  • 1968 - Desesperato
  • 1968 - Massacre no Supermercado
  • 1970 - Dois Perdidos Numa Noite Suja
  • 1970 - Os Deuses e os Mortos
  • 1970 - É Simonal
  • 1971 - As Confissões de Frei Abóbora
  • 1972 - A Culpa
  • 1973 - Vai Trabalhar, Vagabundo!
  • 1974 - Rainha Diaba
  • 1976 - Dona Flor e Seus Dois Maridos
  • 1976 - Marília e Marina
  • 1976 - Ovelha Negra
  • 1976 - Soledade
  • 1977 - Feminino Plural
  • 1977 - Gordos e Magros
  • 1978 - A Queda
  • 1979 - O Bom Burguês
  • 1979 - A Rainha do Rádio
  • 1980 - Bububu no Bobobó
  • 1980 - O Bandido Antonio Dó
  • 1981 - Eles Não Usam Black-Tie
  • 1982 - Amor e Traição
  • 1982 - A Ferro e a Fogo
  • 1983 - Gabriela
  • 1983 - O Cangaceiro Trapalhão
  • 1983 - O Mágico e o Delegado
  • 1984 - Para Viver um Grande Amor
  • 1984 - Tensão no Rio
  • 1985 - O Rei do Rio
  • 1988 - Luar Sobre Parador
  • 1988 - Amor Vagabundo
  • 1989 - Césio 137 - O Pesadelo de Goiânia
  • 1991 - Brincando Nos Campos do Senhor
  • 1991 - Vai Trabalhar, Vagabundo II
  • 1994 - Lamarca
  • 1996 - Sombras de Julho
  • 1998 - O Testamento do Senhor Napumoceno
  • 2001 - Girl |From Rio
  • 2002 - Lua Cambará - Nas Escadarias do Palácio
  • 2003 - Benjamim
  • 2003 - Narradores de Javé
  • 2010 - Chico Xavier
  • 2011 - As Mães de Chico Xavier
  • 2011 - O Filme dos Espíritos
  • 2014 - A Despedida
  • 2014 - Trash
  • 2016 - Comeback


Nelson Xavier no Festival de Cinema de Gramado
Prêmios e Indicações

Festival de Gramado

Vencedor: Melhor Ator por "O Testamento do Senhor Nepomuceno"

Festival de Brasília

Vencedor: Melhor Ator

Milton Luiz Pereira

MILTON LUIZ PEREIRA
(79 anos)
Jurista, Radialista, Professor e Político

☼ Itatinga, SP (09/12/1932)
┼ Curitiba, PR (16/02/2012)

Milton Luiz Pereira foi um jurista e político brasileiro, nascido em Itatinga, SP, no dia 09/12/1932.

Milton Luiz Pereira mudou-se ainda adolescente para Curitiba, PR. Na capital, iniciou amizade com José Richa, então estudante de Odontologia.

Filho de José Benedito Pereira e Júlia Pinto Pereira, formou em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 1958. Foi Procurador Judicial Municipal e advogado credenciado pela Caixa Econômica Federal da Comarca de Campo Mourão, PR.

Como advogado, Milton Luiz Pereira foi atuar em Campo Mourão, no Centro-Oeste do Paraná, em 1959, e rapidamente foi reconhecido por seu trabalho.

Em 1963 aceitou disputar a eleição para prefeito da cidade pelo Partido Democrata Cristão (PDC), de Ney Braga. O historiador Santos Júnior, que é de Campo Mourão, conta que a eleição parecia perdida. Milton Luiz Pereira tinha poucos recursos e concorria com o empresário Ivo Trombini, que além de dinheiro tinha o apoio do ex-presidente Juscelino Kubits­­chek. Então senador, Juscelino Kubits­­chek fez um grande comício no município. O troco de Milton Luiz Pereira foi visitar cada eleitor em casa. Elegeu-se.


Então, entre 1964 e 1967, foi prefeito de Campo Mourão, PR, e ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Nessas funções, realizou obras e julgamentos importantes. Mas o maior legado que deixou ao Paraná e ao Brasil, segundo relatos de várias pessoas que o conheceram, em artigos e cartas publicadas pela Gazeta do Povo, foi sua conduta. Um homem público íntegro, humilde e sempre pronto para aprender.

Como prefeito, promoveu uma grande inovação para a época: criou o Conselho Comunitário, que contava com a participação de uma pessoa de cada bairro da cidade. O trabalho foi produtivo: as receitas financeiras do município cresceram e a gestão de Milton Luiz Pereira entregou várias obras, como bibliotecas, rede de água e esgoto, estradas, a rodoviária. Graças ao Conselho e às obras, Cam­­po Mou­­rão foi escolhido à época como "Município Modelo do Paraná".

Entre o final da década de 1960 até a sua aposentadoria, exerceu diversos cargos na esfera jurídica Estadual e Federal, como:
  • Juiz Federal Substituto da 2ª Vara da Seção Judiciária do Paraná;
  • Juiz Federal da 5ª Vara da Seção Judiciária do Rio Grande do Sul;
  • Juiz Substituto do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, em vários biênios;
  • Ministro do Tribunal Federal de Recursos;
  • Juiz Presidente do Conselho de Administração do Tribunal Regional Federal;
  • Ministro do Superior Tribunal de Justiça, decreto de 1992;

Também foi professor catedrático em universidades de Curitiba e Umuarama.

Em 14/02/2014, no segundo aniversário de falecimento de Milton Luiz Pereira e sua esposa Mary, foi fundado o Instituto Milton Luiz Pereira, com a intenção de promover ações e assistência sociais, bem como estudos e iniciativas para o exercício das virtudes e ideais daquele que lhe deu o nome.

Milton Luiz Pereira e o Fusca
Presente do Povo

Em 1967, Milton Luiz Pereira renunciou ao cargo de prefeito para ser nomeado juiz federal, atingindo o objetivo de chegar à magistratura. O convite surgiu de contatos com políticos. Eles já haviam oferecido outros cargos, como secretário estadual, e sugerido a candidatura à Assembleia ou à Câ­­ma­­ra Federal. Mas Milton Luiz Pereira não se interessou.

Foi nessa época que a população de Campo Mourão fez a célebre arrecadação de dinheiro e comprou um Fusca de presente para o prefeito, que não tinha automóvel. Santos Júnior conta que se esqueceram de colocar gasolina. Mas isso não foi problema. A população empurrou o Fusca, com Milton Luiz Pereira, a mulher e os filhos, até a casa deles. "Além do carro, o ex-prefeito ganhou um jogo de canetas, um relógio de ouro e até um frango, presente de um lavrador, que andou 20 quilômetros, a pé!", relata o historiador.

O Fusca azul se tornou um amuleto usado por Milton Luiz Pereira até o fim da vida. Foi seu único carro.


"Toda vez que entro nele, sinto-me em Campo Mourão. Naquele momento, senti que o povo sabe ser justo!", dizia o juiz.

Milton Luiz Pereira permaneceu como juiz federal e, em 1988, assumiu a presidência do Tribunal Federal de Recursos (TFR), fato noticiado com destaque na Gazeta do Povo de 20 de novembro. O órgão já estava em vias de ser extinto, por força da nova Constituição. O Judiciário foi remodelado e surgiram os Tribunais Regionais Federais. Pela sua experiência, Milton Luiz Pereira assumiu o TRF da 3ª Região, em São Paulo.

Em 1992 foi nomeado Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde ficou por 10 anos.

Aposentado, teve mais tempo para se dedicar às novenas na Igreja São Judas Tadeu, do qual era devoto, e à família. Com Rizoleta Mary teve 5 filhos e com ela viveu até o fim.

Morte

Milton Luiz Pereira, o Drº Milton, como era conhecido entre os servidores da Justiça Federal, faleceu na madrugada do dia 16/02/2012, em Curitiba, PR, aos 79 anos, poucas horas após o falecimento de sua esposa, Rizoleta Mary Pereira. Ela morreu por volta das 19h00 de quarta-feira, 15/02/2012, e o ministro às 2h20 de quinta-feira, 16/02/2012.

Os dois estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, PR, há uma semana, de acordo com familiares. Milton Luiz Pereira e Rizoleta Mary Pereira tinham câncer no pulmão e morreram em decorrência de complicações da doença.

Em nota oficial, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Ministro Ari Pargendler lamentou as mortes, pois "formavam um casal harmonioso nutrido pelo amor que sentiam pelos filhos".

O velório do casal começou por volta das 12h30 de quinta-feira, 16/02/2012, no Cemitério Parque Iguaçu, de acordo com informações do Serviço Funerário Municipal e da funerária responsável. Os corpos foram sepultados na sexta-feira, 17/02/2012, às 10h00, no mesmo cemitério.

Almir Guineto

ALMIR DE SOUZA SERRA
(70 anos)
Cantor e Compositor

☼ Rio de Janeiro, RJ (12/07/1946)
┼ Rio de Janeiro, RJ (05/05/2017)

Almir de Souza Serra, mais conhecido por Almir Guineto, foi um cantor e compositor brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 12/07/1946. Fundador do Fundo de Quintal, Almir Guineto foi um dos maiores representantes do samba de raiz. Entre seus principais sucessos, destacavam-se "Caxambu", "Conselho", "Jibóia", "Lama Nas Ruas" e "Mel Na Boca".

Nascido e criado no Morro do Salgueiro, na cidade do Rio de Janeiro, Almir Guineto teve contato direto com o samba desde a infância, já que havia vários músicos em sua família. Seu pai Iraci de Souza Serra era violonista e integrava o grupo Fina Flor do Samba. Sua mãe Nair de Souza, mais conhecida como Dona Fia, era costureira e uma das principais figuras da Acadêmicos do Salgueiro. Seu irmão Francisco de Souza Serra, mais conhecido como Chiquinho, foi um dos fundadores dos Originais do Samba.

Na década de 1970, Almir Guineto já era mestre de bateria, um dos diretores da Salgueiro e fazia parte do grupo de compositores que frequentavam o bloco carnavalesco Cacique de Ramos. Nessa época, Almir Guineto inovou o samba ao introduzir o banjo adaptado com um braço de cavaquinho. O instrumento híbrido foi adotado por vários grupos de samba.

Em 1979, Almir Guineto mudou-se para a cidade de São Paulo para se tornar o cavaquinista dos Originais do Samba. Lá fez "Bebedeira do Zé", sua primeira composição gravada pelo grupo. A cantora Beth Carvalho gravou algumas composições de Almir Guineto, como "Coisinha do Pai", "Pedi Ao Céu" e "Tem Nada Não".

Fundo de Quintal e Carreira Solo

No início dos anos 80, Almir Guineto ajudou a fundar o grupo Fundo de Quintal junto com os sambistas Bira, Jorge Aragão, Neoci, Sereno, Sombrinha e Ubirany. Mas ele deixou o grupo logo após a gravação de "Samba é no Fundo de Quintal", primeiro LP do conjunto, e seguiu para carreira solo.

Almir Guineto conquistou fama com a premiação no Festival MPB-Shell, da Rede Globo, em 1981, em que interpretou o samba-partido "Mordomia" (Ari do Cavaco e Gracinha). Sua notoriedade como compositor e intérprete aumentaria ao longo daquela década.

Beth Carvalho gravou "É, Pois, É" (Almir Guineto, Luverci Ernesto e Luís Carlos) em 1981, "À Luta, Vai-Vai!" (Almir Guineto e Luverci Ernesto) e "Não Quero Saber Mais Dela" (Almir Guineto e Sombrinha) em 1984, "Da Melhor Qualidade" (Almir Guineto e Arlindo Cruz), "Pedi ao Céu" (Almir Guineto e Luverci Ernesto) e "Corda no Pescoço" (Almir Guineto e Adalto Magalha) em 1987.

Alcione gravou "Ave Coração" (Almir Guineto e Luverci Ernesto) em 1981 e "Almas & Corações" (Almir Guineto e Luverci Ernesto) em 1983. Jovelina Pérola Negra gravou "Trama" (Almir Guineto e Adalto Magalha) em 1987.

Em 1986, a gravadora RGE lançou o LP "Almir Guineto", que teve grande sucesso comercial. Nesse disco, Almir Guineto gravou algumas de suas parcerias com Adalto Magalha, Beto Sem Braço, Guará da Empresa, Luverci Ernesto e Zeca Pagodinho. Entre os grandes destaques, estão "Caxambu", "Mel na Boca", "Lama nas Ruas" e "Conselho".

Ainda naquela década, a RGE lançou os LPs "Perfume de Champanhe" (1987), que teve repercussão com "Batendo na Palma da Mão" (Almir Guineto e Guará da Empresa) e "Jeito de Amar" (1989).

Em 1991, a RGE lançou o disco "De Bem Com a Vida".

Canção em Marte

Em 1997, "Coisinha do Pai" foi programada pela engenheira brasileira da Nasa, Jacqueline Lyra, para acionar um robô norte-americano da missão Mars Pathfinder, em Marte. em 1998, Almir Guineto compôs com Arlindo Cruz, Sombrinha e Xerife, "Samba de Marte", que relata a história da chegada de "Coisinha do Pai" em solo marciano.

Em 2002, a gravadora Paradoxx lançou o CD "Todos os Pagodes". Ainda em 2002, Almir Guineto participou de "Bum-bum-baticum-Beto" e "Tributo a Beto Sem Braço", dois shows em homenagem a este sambista carioca, que ocorreram respectivamente no Bar Supimpa e Teatro João Caetano, ambos na cidade do Rio de Janeiro.

Em julho de 2007, Almir Guineto comemorou seu aniversário em um show, com diversos convidados, no Espaço Santa Clara, na cidade de São Paulo.

Em 2009, Almir Guineto fez parceria com o rapper Mano Brown, dos Racionais MC's, na música "Mãos".

Morte

Almir Guineto faleceu aos 70 anos, na manhã de sexta-feira, 05/05/2017, no Rio de Janeiro, RJ, após complicações de problemas renais crônicos e diabetes. Ele estava em tratamento no Hospital Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nos últimos 15 meses, Almir Guineto lutava contra problemas renais crônicos, o que o impossibilitou de assumir compromissos em shows e apresentações.

O corpo de Almir Guineto será velado na quadra do Salgueiro, na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, no sábado, 06/05/2017, a partir das 15h00.

O velório acontece até às 13h00 de domingo, 07/05/2017, quando o corpo será levado para o Cemitério de Inhaúma, também na Zona Norte do Rio de Janeiro. O enterro acontecerá às 15h00.

Discografia

  • 1981 - O Suburbano (Beverly/Copacabana)
  • 1982 - A Chave do Perdão (Copacabana)
  • 1985 - Sorriso Novo (RGE)
  • 1986 - Almir Guineto (RGE)
  • 1987 - Perfume de Champagne (RGE)
  • 1988 - Olhos da Vida (RGE)
  • 1989 - Jeito de Amar (RGE)
  • 1991 - De Bem Com a Vida (RGE)
  • 1993 - Pele de Chocolate (RGE)
  • 1995 - Acima de Deus, Só Deus (RGE)
  • 1997 - Pés (RGE)
  • 1999 - Almir Guineto (Universal)
  • 2002 - Todos os Pagodes (Paradoxx)
  • 2003 - Sambas de Almir (Vieira Records)
  • 2012 - Cartão de Visita (Radar Records)


Fonte: Wikipédia e G1

Belchior

ANTÔNIO CARLOS GOMES BELCHIOR FONTENELLE FERNANDES
(70 anos)
Cantor e Compositor

☼ Sobral, CE (26/10/1946)
┼ Santa Cruz do Sul, RS (30/04/2017)

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, conhecido simplesmente como Belchior, foi um cantor e compositor brasileiro nascido em Sobral, CE, no dia 26/10/1946. Belchior foi um dos primeiros cantores de Música Popular Brasileira do nordeste brasileiro a fazer sucesso nacional, em meados da década de 1970.

Durante sua infância, no Ceará, foi cantador de feira e poeta repentista. Estudou música coral e piano com Acácio Halley. Seu pai tocava flauta e saxofone e sua mãe cantava em coro de igreja. Tinha tios poetas e boêmios. Ainda criança, recebeu influência dos cantores do rádio Ângela Maria, Cauby Peixoto e Nora Ney. Foi programador de rádio em Sobral.

Em 1962, mudou-se para Fortaleza, onde estudou Filosofia e Ciências Humanas. Começou a estudar Medicina, mas abandonou o curso no quarto ano, em 1971, para dedicar-se à carreira artística. Ligou-se a um grupo de jovens compositores e músicos, como Fagner, Ednardo, Rodger Rogério, Teti, Cirino entre outros, conhecidos como o Pessoal do Ceará.


De 1965 a 1970 apresentou-se em festivais de música no Nordeste.

Em 1971, quando se mudou para o Rio de Janeiro, venceu o IV Festival Universitário da Música Popular Brasileira, com a canção "Na Hora do Almoço", interpretada por Jorge Melo e Jorge Teles, para um de seus futuros clássicos, com a qual estreou como cantor em disco, um compacto da etiqueta Copacabana.

Em São Paulo, para onde se mudou, compôs canções para alguns filmes de curta metragem, continuando a trabalhar individualmente e às vezes com o grupo do Ceará.

Em 1972 Elis Regina gravou sua composição "Mucuripe" (Belchior e Fagner).

Belchior e Luiz Carlos Gomes Sobrinho
Atuando em escolas, teatros, hospitais, penitenciárias, fábricas e televisão, gravou seu primeiro LP em 1974, na gravadora Chantecler.

Em 1976, o segundo, "Alucinação", pela gravadora Polygram, consolidou sua carreira, lançando canções de sucesso como "Velha Roupa Colorida", "Como Nossos Pais", que depois foram regravadas por Elis Regina, e "Apenas Um Rapaz Latino-americano". Outros êxitos incluem "Paralelas", lançada por Vanusa, e "Galos, Noites e Quintais", regravada por Jair Rodrigues.

Em 1979 no LP "Era Uma Vez Um Homem e Seu Tempo" (Warner) gravou "Comentário a Respeito de John", uma homenagem a John Lennon, também gravada pela cantora Bianca.

Em 1983 fundou sua própria produtora e gravadora, Paraíso Discos, e em 1997 tornou-se sócio do selo Camerati.

Polêmicas

Em 2005, Belchior abandonou a então mulher Ângela para passar a viver com a Edna Prometheu depois de conhecê-la no ateliê do amigo comum Aldemir Martins. Posteriormente Belchior deixou de fazer shows e abandonado inclusive bens pessoais. Ele vinha enfrentando processos judiciais relacionados a pensões alimentícias de duas filhas e um processo trabalhista. Por causa desses processos Belchior teve contas bancárias bloqueadas e por isso estava impedido de retirar o dinheiro relativo aos direitos de suas músicas. O cantor se encontrava em Porto Alegre, tendo morado em hotéis, casas de fãs e mesmo em uma instituição de caridade.

Em 2009 a TV Globo noticiou um suposto desaparecimento do cantor. Segundo a emissora, o cantor havia sido visto pela última vez em abril de 2009, ao participar de um show do cantor tropicalista baiano Tom Zé, realizado em Brasília. Turistas brasileiros afirmam terem-no encontrado no Uruguai em julho do mesmo ano. As suspeitas foram confirmadas quando Belchior foi encontrado no Uruguai, de onde concedeu entrevista para o programa Fantástico, da TV Globo. Na entrevista, o cantor revelou não haver desaparecido e estar preparando, além de um disco de canções inéditas, o lançamento de todas as suas canções também em espanhol.

No ano de 2012 ele novamente desapareceu, juntamente com a sua mulher, de um hotel 4 estrelas na cidade de Artigas, no Uruguai. Deixou para trás uma dívida de diárias e pertences pessoais. Ao ser identificado passeando por Porto Alegre afirmou que as noticias sobre a dívida no Uruguai não seriam verdadeiras.

Morte

Belchior faleceu na noite de sábado, 29/04/2017, em Santa Cruz do Sul, RS, aos 70 anos. Familiares confirmaram o falecimento, entretanto, não informaram a causa da morte. O corpo deve ser trazido para o Ceará ainda hoje, 30/04/2017. O sepultamento deve ocorrer em Sobral, CE.

Em nota, o governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, decretou luto oficial de três dias no Estado e reconheceu a importância de Belchior para a música brasileira:
Recebi com profundo pesar a notícia da morte do cantor e compositor cearense Belchior. Nascido em Sobral, foi um ícone da Música Popular Brasileira e um dos primeiros cantores nordestinos de MPB a se destacar no País, com mais de 20 discos gravados. O povo cearense enaltece sua história, agradece imensamente por tudo que fez e pelo legado que deixa para a arte do nosso Ceará. Que Deus conforte a família, amigos e fãs de Belchior. O Governo do Estado decretou luto oficial de três dias. 
Camilo Santana 
Governador do Ceará

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio também divulgou nota de pesar:
A cultura musical cearense e de todo o País, assim como outras expressões das nossas artes, perde uma das suas mais marcantes personalidades. Não há como aferir o tamanho dessa perda que, infelizmente, encerra um longo e grave período de ausência de Belchior entre nós. É hora de nos solidarizarmos com os parentes, amigos e fãs, dentre os quais me incluo, alem de manifestarmos a nossa eterna gratidão por este cearense ter trazido ao mundo uma poesia transcendente em todos os seus aspectos.
Roberto Claudio Rodrigues Bezerra
Prefeito de Fortaleza

A Associação Cearense de Imprensa também se manifestou em nota:
A Associação Cearense de Imprensa (ACI) expressa seu pesar pelo falecimento do cantor e compositor cearense Belchior. Suas canções constituem um legado representativo para a Música Popular Brasileira.

Excertos

"Só há uma coisa que o artista deve sempre fazer: desobedecer. Eu só acredito na dignidade do artista através da rebeldia."
"Quando a moçada pegou a mochila e meteu o pé na estrada, aí por 68, eu já vinha chegando de volta… Eu era pobre, vinha fugindo da escola, desde os 17 anos perambulava como andarilho e poeta apaixonado, dormindo embaixo das estrelas, transando com os cantadores, violeiros e loucos que vagam pela vida."
(Excertos da reportagem "Belchior, 12 anos de Música, Estrada e Rebeldia" - Revista Pop, 12/1975)

"Os artistas estão muito mesquinhos, tímidos, escolhendo lugares para cantar. Mas eu proponho uma ida para além dessas máscaras todas. Com um trabalho simples, direto, sem mistérios, minha preocupação é abrir um espaço em que se possam dizer coisas. O resto é papo furado."
"Não dou importância a essas críticas. São preocupações supérfluas, assim como é o sucesso, essa situação criada pelo público. Para mim, o que mais importa é que aparecendo na televisão, consigo mostrar a minha arte para milhões de pessoas. As pessoas exigem de mim um comportamento de superstar, mas eu prefiro seguir os ensinamentos da estrada."
(Depoimentos na reportagem Belchior: "Não visto máscara de superstar" - Revista Pop, 09/1977)

"Não gosto de músicas ou letras apenas contemplativas, passivas. Eu falo – e devo falar – dos enganos que nós, os jovens, sofremos por ver as nossas esperanças caírem por terra. Assim, não abro mão da agressão. Acho que é preciso fazer um trabalho irreverente e insolente. Caso contrário, vira aquele negócio de música de fundo de restaurante, sabe como é? As pessoas estão comendo e a arte serve apenas de relaxante, entretenimento. Facilitador da digestão."
"Não me interessa, como artista, produzir e criar pensando na eternidade da obra. Eu quero dar toques. Isso é fundamental para mim, pois o homem é o fim e o objetivo de si mesmo. Eternidade não é um dado humano, comum. Aliás, em qualquer nível é uma farsa, uma mentira. Sou contra. Eternidade é o tédio dos deuses, que gostariam de ser mortais. Minha ligação é com a terra."
"O meu disco tem um título que eu gosto, 'Alucinação'. Sabe, viver é mais importante que pensar sobre a vida. É uma forma de delírio absoluto, entende? A alegria, a ironia, a provocação, são tão importantes quanto sorrir, brincar, amar. Acho importante provocar. Um trabalho novo só aparece através da agressividade. Eu estou tranquilo quanto às consequências do meu trabalho. Acho importante que ele cause polêmica. É para desafinar mesmo! Desafinar sempre, que esse é o desafio. Hoje em dia, já não se pode mais criar sem correr riscos. E eu quero enfrenta-los."
"Aos 16 anos, eu não aguentei a barra, saí de casa, tentando buscar uma alternativa… Não vejo mal nenhum em sair por aí, botar o pé na estada. O nordestino tem a alma de emigrante, é uma ave de arribação, como diz Luiz Gonzaga. Agora, quem põe o pé na estrada precisa estar preparado para aguentar a barra. De 1971 até hoje, o negócio não foi fácil. Dormi em muita calçada. Segurei de perto a barra da Lapa (RJ). Senti fome e frio. Fiquei de pires na mão, nas salas de espera das gravadoras."
(Excertos de "Belchior: O que me interessa é amar e mudar” - Entrevista para Eduardo Athayde - Jornal Hit-Pop, 06/1976)

"Optei pelo trabalho, pois não dá para ficar curtindo as mágoas. Sei que nós somos de uma geração de pavor, de medo. Mas eu não curto essa miséria. O negócio é criar, a despeito da dor, da ferida, do machucado. Talvez, por isso, o resultado seja uma arte agressiva – a criatividade é um risco, não dá para criar sem perigo. Mas, mesmo assim, me interesso muito mais pela vida que pela arte, sacou?"
(Excerto da reportagen "Belchior, Sem Medo do Perigo" - Revista Pop, 03/1976)

"Eu não faço música partidária. Eu sou a favor de um recrudescimento das qualidades individuais, diante de qualquer instituição e também da instituição política. Tem governo, eu sou contra. Tem partido, eu sou contra. Eu não quero pertencer a partido, igreja, escola, a nenhum grupo institucional. Se eu pertenço a algum é por estrita obrigação da qual eu não posso fugir. Nós, os homens desse tempo, estamos humilhados pelas injunções do poder. Eu não quero poder nenhum. O poder é corruptor. Por natureza, o poder é avarento."
(Excerto da reportagem "Belchior, Como o Diabo Gosta" - Revista Música, 09/1979)


Discografia

  • 1971 - Na Hora do Almoço (Copacabana - Compacto)
  • 1973 - Sorry, Baby (Copacabana - Compacto)
  • 1974 - Mote e Glosa (Continental - LP/K7)
  • 1976 - Alucinação (Polygram - LP/CD/K7)
  • 1977 - Coração Selvagem (Warner - LP/CD/K7)
  • 1978 - Todos os Sentidos (Warner - LP/CD/K7)
  • 1978 - Pop Brasil (Warner Music / WEA)
  • 1979 - Era Uma Vez Um Homem e Seu Tempo (Warner - LP/CD/K7)
  • 1980 - Objeto Direto (Warner - LP)
  • 1982 - Paraíso (Warner - LP)
  • 1984 - Cenas do Próximo Capítulo (Paraíso/Odeon - LP)
  • 1986 - Um Show: 10 Anos de Sucesso (Continental - LP)
  • 1987 - Melodrama (Polygram - LP/K7)
  • 1988 - Elogio da Loucura (Polygram - LP/K7)
  • 1990 - Projeto Fanzine (Polygram - LP/K7)
  • 1991 - Divina Comédia Humana (MoviePlay - CD)
  • 1991 - Acústico (Arlequim Discos - CD)
  • 1993 - Baihuno (MoviePlay - CD)
  • 1995 - Um Concerto Bárbaro - Acústico Ao vivo (Universal Music - CD)
  • 1996 - Vício Elegante (Paraíso/GPA/Velas - CD)
  • 1999 - Autorretrato (BMG - CD)
  • 2002 - Pessoal do Ceará (Continental / Warner - CD)
  • 2008 - Sempre (Som Livre - CD)

Participações Especiais

  • 1979 - Massafeira