Ederaldo Gentil

EDERALDO GENTIL PEREIRA
(67 anos)
Cantor e Compositor

☼ Salvador, BA (07/09/1944)
┼  Salvador, BA (30/03/2012)

Ederaldo Gentil Pereira, mais conhecido como Ederaldo Gentil, foi um cantor e compositor, nascido em Salvador, BA, no dia 07/09/1944.

Cantor e compositor da geração mais talentosa do samba baiano, Ederaldo Gentil ao lado de nomes como Edil PachecoBatatinha se notabilizou como um dos maiores sambistas da Bahia. 

Ederaldo Gentil nasceu no Largo Dois de Julho, centro histórico de Salvador. Filho de Seu Carlos e Dona Zezé, aos 11 anos já participava da bateria da Escola de Samba Filhos do Tororó, começando a compor para a escola ainda muito jovem, entrando para a ala da escola.

Foi jogador de futebol (meia-esquerda) do Guarany, chegando a treinar no Vitória.

Em 1960, após a morte do pai, a família passou a residir no bairro do Tororó. Ederaldo Gentil vai trabalhar com Albino Castro, no Palácio das Jóias, onde aprendeu a profissão de ourives e, depois, relojoeiro.


Em 1964, Com 20 anos, gerente da Casa Alfaia, vai trabalhar na Avenida Sete. Compôs "Rio de Lágrimas" e a música venceu o Festival de Música da Prefeitura de Salvador em 1967. No mesmo ano, compôs para a Escola de Samba Filhos do Tororó seu primeiro samba-enredo, "Dois de Fevereiro".

Em 1965, "Um Rio de Lágrimas" cantada por Raquel Mendes, fica em 6º lugar no Concurso de Músicas Carnavalescas. A canção foi gravada no disco "Carnaval da Bahia Para o Brasil”, lançado pela Sutursa no ano seguinte, em 1966.

Em 1968, ganhou outra vez o Festival de Música da Prefeitura de Salvador, dessa vez com o samba "Silêncio". Este festival reinaugurou o Teatro Castro Alves, o principal da cidade, tendo sido o júri presidido por Dorival Caymmi e Jorge Amado, para o qual foram convidadas personalidades do Rio de Janeiro, como Sérgio Porto, Oscar Castro-Neves, Quarteto em Cy e o crítico Ricardo Cravo Albin. No mesmo ano, classificou um samba-enredo de sua autoria, "História dos Carnavais", em concurso promovido pela prefeitura de Salvador. Ainda em 1968, Tião Motorista foi responsável pela gravação de sua primeira música, "Esquece a Tristeza".

Em 1969, Jair Rodrigues gravou pela Philips dois sambas seus em parceria com Edil Pacheco, "Alô, Madrugada" e "Berequetê".


Em 1970, com "O Samba Chama", venceu o 1º Festival de Samba de Salvador. Integrou o conjunto Função, com o qual fez diversos shows pela cidade de Salvador. Nessa época, Maria Bethânia e Eliana Pittman gravaram composições suas.

Em 1972 compôs com Anísio Félix o samba-enredo "In-Lê-In-Lá", em homenagem aos cinquenta anos de Mãe Menininha do Gantois, para a Escola de Samba Filhos do Tororó.

No ano de 1973, mudou-se para São Paulo e assinou contrato com a gravadora paulista Chanteclair, lançando seu primeiro disco, um compacto simples contendo duas composições suas, "Triste Samba" e "O Ouro e a Madeira". Ainda neste ano, com a música "O Ouro e Madeira" (Ederaldo Gentil), venceu o 1º Concurso de Sambas, realizado no Pelourinho.

 Em 1975, o conjunto Nosso Samba regravou pela Odeon "O Ouro e a Madeira" (Ederaldo Gentil), tornando a música um grande sucesso e projetando o nome do compositor nacionalmente. Ainda nesse ano, retornou a Salvador e participou no Teatro Vila Velha do show "Improviso". Obteve também o primeiro lugar, no mesmo ano, no concurso de sambas-enredos de Salvador. Gravou seu primeiro LP pela Chanteclair, "Samba, Canto Livre de um Povo", interpretando "O Ouro e a Madeira" (Ederaldo Gentil), "Pam Pam Pam" (Ederaldo Gentil e Batatinha), "Rose" (Ederaldo Gentil e Nelson Rufino), "Fevereiro Eu Volto" (Ederaldo Gentil e Eustáquio de Olivieira), "Samba, Canto Livre de um Povo" (Ederaldo Gentil e Edil Pacheco), entre outras. Continuando 1975, Alcione, no disco "A Voz do Samba", pela gravadora Philips, interpretou uma composição sua em parceria com Batatinha, "Espera".


Em 1976, lançou seu segundo disco, "Ederaldo Gentil - Pequenino",  também pela Chanteclair, no qual interpretou diversas composições de sua autoria, como "O `Rei" (Ederaldo Gentil e Paulo Diniz), "In-lê-in-lá" (Ederaldo Gentil e Anísio Félix), "Vento Forte" (Ederaldo Gentil Eustáquio Oliveira) e "A Bahia Vem" (Ederaldo Gentil e Batatinha). Alcione gravou "Agolonã" (Ederaldo Gentil e Batatinha).

Em 1977, no LP "Pra Que Chorar", Alcione interpretou "Feira do Rolo" (Ederaldo Gentil),  e em 1978, "A Volta ao Mundo". Por esta época, com Batatinha, montou o show "O Samba Nasceu na Bahia".

No ano de 1983, pela gravadora Nosso Som Gravações e Produções, lançou o disco "Identidade", no qual foram incluídas as faixas "Luandê" (Ederaldo Gentil e Capinam), "Provinciano" (Ederaldo Gentil e Roque Ferreira), "Ternos da Lapinha" (Ederaldo Gentil e Gereba) e "Choro - Dor" (Ederaldo Gentil).

Em 1998, a EMI lançou o disco "Diplomacia", de Batatinha. Nesse CD, juntamente com Batatinha, Nelson Rufino, Walmir Lima, Edil Pacheco e Riachão, participou da faixa "De Revólver Não". Constou ainda, neste mesmo disco, uma de suas parcerias com Batatinha, "Ironia", interpretada por Jussara Silveira.


Em 1999, foi lançado o CD "Pérolas Finas", em sua homenagem. Produzido por seu parceiro e amigo Edil Pacheco, o disco contou com diversas participações especiais, como as de Gilberto Gil e Felipe de Angola em "Luandê" (Ederaldo Gentil), composta após uma viagem do compositor a Angola, Luiz Melodia interpretando "Espera" (Ederaldo Gentil e Batatinha), Beth Carvalho em "Eu e a Viola" (Ederaldo Gentil), Elza Soares em "A Saudade Me Mata" (Ederaldo Gentil), Jair Rodrigues, recriando um sucesso de 1975 do grupo Nosso Samba, em "O Ouro e a Madeira" (Ederaldo Gentil), Lazzo interpretou "Rose" (Ederaldo Gentil e Nelson Rufino), Carlinhos Brown e Cézar Mendes em "Barraco" (Ederaldo Gentil), Paulo César Pinheiro prestou homenagem ao amigo interpretando "De Menor" (Ederaldo Gentil), a dupla Paulinho Boca de Cantor e Pepeu Gomes cantou "In-lê-in-lá" (Ederaldo Gentil Anísio Félix), composta em homenagem à Mãe Menininha do GantoisJussara Pinheiro interpretou "Impressão Digital" (Ederaldo Gentil), Vânia Bárbara apareceu em "Oceano de Paz" (Ederaldo Gentil). O disco trouxe ainda Edil Pacheco, parceiro e amigo, cantando "Maria da Graça" (Ederaldo Gentil), e a participação do cantor João Nogueira. Na linha de frente dos músicos, constam Maurício Carrillo (violão), Pedro Amorim (bandolim), Cristóvão Bastos (piano), Jorge Simas (violão), Marco 7 Cordas (violão) e Luciana Rabello (cavaquinho).

Em 2004 sua composição "Passarela da Vida" (Ederaldo Gentil e Dalmo Castello) foi incluída no CD "Passeador de Palavras", de Dalmo Castello.

No ano de 2017, seu sobrinho, o músico Luisão Pereira, reuniu seus três discos lançados e mais um de inéditas (com novos artistas gravando a sua obra) em uma caixa de CDs com lançamento de parte de sua obra. Entre seus principais intérpretes constavam Agepê, Alcione, Miltinho, Eliana Pittman, Leny Andrade, Maria Bethânia, Originais do Samba, Beth Carvalho, Elza Soares, Jair Rodrigues e Roberto Ribeiro

Morte

Ederaldo Gentil faleceu na sexta-feira, 30/03/2012, aos 67 anos, em Salvador, BA, vítima de infecção generalizada após complicações intestinais. 

O sepultamento ocorreu no sábado, 31/03/2012, às 16h00, no Cemitério do Campo Santo, em Salvador, BA.

Discografia

  • 1999 - Diplomacia (EMI, CD)
  • 1999 - Pérolas Finas (Copene - Companhia Petroquímica do Nordeste, CD)
  • 1983 - Identidade (Nosso Som Gravações e Produções, LP)
  • 1976 - Ederaldo Gentil - Pequenino (Chanteclair, LP)
  • 1975 - Samba, Canto Livre de um Povo (Chanteclair, LP)
  • 1973 - Triste Samba / O Ouro e a Madeira (Chanteclair, Compacto Simples)

#FamososQuePartiram #EderaldoGentil

Irene Brietzke

IRENE BEATRIZ DE MATTOS BRIETZKE
(76 anos)
Atriz e Diretora

☼ Porto Alegre, RS (07/12/1944)
┼  Porto Alegre, RS (14/09/2021)

Irene Beatriz de Mattos Brietzke, de nome profissional Irene Brietzke, foi uma atriz e diretora de teatro, nascida em Porto Alegre, RS, no dia 07/12/1944.

Irene Brietzke criou e dirigiu o grupo Teatro Vivo, com o qual montou vários espetáculos a partir de textos de Bertolt Brecht, mas também de autores brasileiros contemporâneos.

Estreou como atriz em 1966, na peça infantil "Quatro Pessoas Passam Enquanto as Lentilhas Cozinham", de Stuart Walker, com direção de Ivo Bender.

Em 1967, começou a cursar teatro no Centro de Arte Dramática (CAD) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). No curso, participou de montagens com textos de Lorca ("Dona Rosita, a Solteira", 1967), Bertolt Brecht e Weill ("A Ópera dos Três Vinténs", 1969) e Ésquilo ("Agamemnon", 1971). Como trabalho de diplomação, dirigiu "A Cantora Careca", de Eugène Ionesco.

Em 1971, graduou-se em letras e direção teatral pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Dois anos depois, concluiu sua pós-graduação em teatro na Universidade de Denver, nos Estados Unidos.

De volta a Porto Alegre, em 1976 tornou-se professora de direção teatral e interpretação no Departamento de Arte Dramática (DAD) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Em 1978, Irene Brietzke optou por dedicar-se ao trabalho de direção teatral, montando, com alguns de seus alunos no Departamento de Arte Dramática (DAD), a peça "O Casamento do Pequeno Burguês", de Bertolt Brecht, com a qual conquistou seu primeiro Troféu Açorianos.

Em 1979, com o mesmo núcleo de atores, especialmente Denize Barella e Mirna Spritzer, fundou o grupo Teatro Vivo, que estreou com roteiro da própria Irene Brietzke, "Frankie, Frankie, Frankenstein", inspirado no romance de Mary Shelley, e que cumpriu temporada em vários estados brasileiros, através do Projeto Mambembão da Funarte.

O grupo Teatro Vivo manteve intensa atividade em toda a década de 1980 e no início dos anos 1990, tendo encenado 16 espetáculos em 15 anos, com destaque para textos de Bertolt Brecht e pesquisas de aplicação dos princípios do teatro brechtiano em textos brasileiros contemporâneos. Segundo o crítico Cláudio Heemann, Irene Brietzke atinge o ponto alto de sua carreira como diretora com os espetáculos "Peer Gynt", de Ibsen (1987), e "Mahagonny", de Bertolt Brecht (1988).


Em maio de 1990, Irene Brietzke participou como convidada especial do Colóquio sobre teatro brasileiro e alemão, promovido pelo Instituto Goethe em Berlim. No mesmo ano, voltou a trabalhar como atriz, em dois espetáculos dirigidos por Miriam Amaral, ambas as atuações premiadas: Recebeu o Prêmio Quero-Quero por "Onde Estão os Meus Óculos?", de Karl Valentin (1990) e os Prêmios Sated e Açorianos por "Ana Stein Compra Uma Calça e Vai Jantar Comigo", de Thomas Bernhard (1992).

Nos anos 1990, voltou a trabalhar como atriz, dirigiu peças infantis e foi curadora do festival de teatro Porto Alegre em Cena (1996-1997). Recebeu o Prêmio Qorpo Santo, da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, por sua contribuição à história cultural da cidade. 

Em 1991, recebeu o Prêmio Na-Amat, da organização internacional As Pioneiras.

Em 1993, retornou à Alemanha para pesquisar no Arquivo Brecht de Berlim, visando a encenação do espetáculo "Um Homem é um Homem", que comemorou os 15 anos de atividades do Teatro Vivo.

Em 1998, dirigiu ainda a abertura oficial do Carnaval de Porto Alegre e recebeu o Prêmio Ieacen, do Instituto Estadual de Artes Cênicas, por seu relevante empenho no desenvolvimento do teatro no Estado do Rio Grande do Sul.

Na virada do século, dirigiu dois espetáculos baseados em textos da escritora Martha Medeiros e ainda, a convite do governo do Rio Grande do Sul, o espetáculo "Rio Grande do Sul em Música e Dança", que teve 7 apresentações na Expo 2000, em Hanôver, na Alemanha.

Desde 2003, vinha trabalhando exclusivamente como atriz, em filmes e programas de televisão, principalmente com os diretores gaúchos Sérgio Silva, Jorge Furtado e Ana Luiza Azevedo.

Em 2009, recebeu o Prêmio Joaquim Felizardo, da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Morte

Irene Brietzke faleceu na terça-feira, 14/09/2021, aos 76 anos, em sua residência, vítima de câncer.
O velório aconteceu a partir das 13h00 de terça-feira, 14/09/2021, no Cemitério São Miguel e Almas.

Carreira

Atriz
  • 2014 - Doce de Mãe (Série) ... Carlinda
  • 2011 - Três Vezes Por Semana (Curta) ... Sílvia
  • 2011 - Homens de Bem (Telefilme) ... Miranda
  • 2011 - Até a Vista (Curta) ... Bruja
  • 2010 - Antes Que o Mundo Acabe" (Longa) ... Glória
  • 2008-2009 - Fantasias de Uma Dona de Casa (Série) ... Tia Ivone
  • 2007 - Saneamento Básico, o Filme" (Longa) ... Pedagoga
  • 2003 - O Homem Que Copiava (Longa) ... Cliente do Supermercado
  • 2003 - Miriam (Curta) ... Miriam
  • 2002 - Houve Uma Vez Dois Verões ... Mãe de Inácio (Voz)
  • 1997 - Ângelo Anda Sumido (Curta) ... Mulher do terceiro andar
  • 1997 - Anchietanos (Episódio: "A Comédia da Vida Privada") ... Professora de Inglês
  • 1990 - Heimweh / Nostalgia (Longa)

Diretora Teatral
  • 2002 - Almas Gêmeas
  • 2000 - Rio Grande do Sul Em Música e Dança
  • 2000 - Trem-Bala
  • 1998 - Noite Brecht
  • 1996 - Biba, Dudu, Molenga e Chorona
  • 1995 - O Menino Maluquinho
  • 1994 - Um Homem é Um Homem
  • 1986 - Parentes Entre Parênteses
  • 1987 - Peer Gynt
  • 1988 - Mahagonny
  • 1985 - A Aurora da Minha Vida
  • 1984 - O Casamento do Pequeno Burguês (Segunda Montagem)
  • 1983 - No Natal a Gente Vem Te Buscar
  • 1982 - O Rei da Vela
  • 1981 - Happy End
  • 1980 - Salão Grená
  • 1979 - Praça de Retalhos
  • 1979 - Frankie, Frankie, Frankenstein
  • 1978 - O Casamento do Pequeno Burguês
  • 1971 - A Cantora Careca

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #IreneBrietzke

Lourdes Bandeira

LOURDES MARIA BANDEIRA
(72 anos)
Professora e Pesquisadora

☼ Ijuí, RS (1949)
┼ Brasília, DF (12/09/2021)

Lourdes Maria Bandeira foi uma professora universitária e pesquisadora, nascida em Ijuí, RS, no ano de 1949. Ela foi uma das maiores referências nas pesquisas sobre violência contra a mulher no Brasil.

Graduou-se, em 1971, em Ciências Socias pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

No ano de 1978 concluiu o mestrado em Sociologia na Universidade de Brasília (UnB) e doutorado, em 1984, na Université René Descartes – de Paris V, sob orientação de Viviane Isambert Jamati, com defesa da tese Force de Travail et Scolarité; le cas du Nord-Est Brésilien (1975-1979).

Realizou Pós-Doutorado na área de Sociologia do Conflito com o professor Michel Wieviorka, na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) no período de 2001 a 2002.

Carreira

Lourdes Bandeira, lecionou na graduação e na pós-graduação do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), entre 1977 e 1991.

Desde o início da década de 1990, era docente no Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), tornando-se, a partir de 2005, professora titular. Foi também coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Mulher (NEPEM) e membro do Conselho de Direitos Humanos da Universidade de Brasília (UnB).

Sua produção acadêmica prioriza a Sociologia Urbana e da Cultura - Gênero, Feminismo, Violência de gênero, e Políticas Públicas, atuando, principalmente, em temas de feminismo, gênero e violência contra a mulher.

De 2008 a 2011 integrou a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). Nesse período, foi secretária de Planejamento e Gestão e, em março de 2012, foi nomeada para o cargo de Secretária-executiva da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), onde permaneceu até janeiro de 2015.

Entre os anos de 2017 e 2018 foi membro do comitê editorial da Editora da Universidade de Brasília (UnB), também participou, como Editora-chefe, da Revista Sociedade e Estado.

Morte

Lourdes Maria Bandeira faleceu no domingo, 12/09/2021, aos 72 anos, em Brasília, DF, vítima de Embolia Pulmonar e Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Obras

  • 2019 - Encontros Com a Sociologia - Lourdes Maria Bandeira, Mariza Veloso e Edson Farias (Orgs.)
  • 2012 - Dicionário Temático Desenvolvimento e Questão Social
  • 2007 - A Segurança Pública no Distrito Federal - Lourdes Maria Bandeira e Arthur Trindade Maranhão Costa
  • 2006 - Políticas Públicas e Violência Contra as Mulheres: Metodologia de Capacitação de Agentes Público(a)s - Lourdes Maria Bandeira, Tânia Mara Campos de Almeida
  • 2005 - Mulheres Em Ação: Práticas Discursivas, Práticas Políticas
  • 2004 - Introdução - A Inscrição Policial Nas Teorias Sobre Violência de Gênero e a Escrita Desse Processo - Lourdes Maria Bandeira, Andrea Mesquita de Menezes e Tânia Mara Campos de Almeida
  • 2000 - Politica, Ciência e Cultura em Max Weber - Lourdes Maria Bandeira, Maria Francisca Pinheiro Coelho e Marilde Loiola de Menezes (Orgs.)
  • 1999 - Violência, Gênero e Crime no Distrito Federal - Lourdes Maria Bandeira e Mireya Suárez
  • 1997 - Feminismo e Gênero - Lourdes Maria Bandeira e Deis Elucy Siqueira (Org.)
  • 1995 - A Historia de Vida de Elisabeth Teixeira: Uma Líder Camponesa - Lourdes Maria Bandeira e R. Godoy
  • 1986 - Mulheres, Palanques e Monumentos (Revista)

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #LourdesMariaBandeira

Graciete Santana

GRACIETE MOREIRA CARNEIRO SANTANA
(40 anos)
Atleta

☼ Serra Preta, BA (12/10/1980)
┼ Feira de Santana, BA (16/09/2021)

Graciete Moreira Carneiro Santana foi uma fundista olímpica, nascida em Serra Preta, BA, no dia 12/10/1980.

Graciete Santana representou o Cruzeiro nas competições e estava registrada na Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) pela Associação de Atletismo Simõesfilhense (AASF).

Graciete Santana representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 na maratona feminina do atletismo.

Começou a praticar corrida de rua como parte de tratamento de bulimia. Atingiu o índice olímpico, em 2016, ao terminar a Maratona de Sevilha, na Espanha, em 14º lugar, com o tempo de 2:38:33.

Graciete Santana tinha vitórias nas maratonas de Londrina e Florianópolis.

Nos Jogos Olímpicos finalizou a maratona em 128º lugar, com o tempo de 3:09:15.

Nos 25 km, a atleta tinha duas marcas entre as dez melhores de sua carreira, de 1h32min11, em 2014, e de 1h32min53, em 2013, ambas obtidas em Aracaju, SE. Sua melhor marca na meia maratona era 1h18min55, na Meia Maratona Internacional da Bahia, em 2015.

Morte

Graciete Moreira faleceu na quinta-feira, 16/09/2021, aos 40 anos, em Feira de Santana, BA, vítima de câncer.

Graciete Santana foi diagnosticada com melanoma severo e vinha passando por tratamento contra o câncer, mas não resistiu. A informação foi confirmada por Joelson Moreira Carneiro, irmão de Graciete.

Fonte: Wikipédia e UOL
#FamososQuePartiram #GracieteSantana

Marina Miranda

MARINA MIRANDA
(90 anos)
Atriz e Humorista

☼ Paraíba do Sul, RJ (30/09/1930)
┼ Rio de Janeiro, RJ (20/09/2021)

Marina Miranda foi uma atriz e humorista nascida em Paraíba do Sul, RJ, no dia 30/09/1930.

Ao todo, os pais de Marina Miranda tiveram oito filhos, mas não tinham condições de sustentar as crianças. Aos dois anos de idade, ela foi entregue para ser criada por Aydil Floresta Miranda, a Dona Didi.

Seu primeiro contato artístico foi em 1955, cantando músicas líricas no programa "Papel Carbono", de Renato Murce, na Rádio Nacional.

Marina era fã de óperas, e muito jovem comprava discos de músicas clássicas, e após ouvir as músicas, escrevia sua próprias partituras. Um jornaleiro italiano do bairro, a ajudava na pronuncia correta nos trechos do canto lírico. A aspirante a cantora de óperas chegou a ganhar uma bolsa de estudos na Escola Nacional de Música, mas precisou abandonar para poder trabalhar e ajudar nas despesas domésticas. Quando sobrava um dinheirinho, fazia aulas particulares com a cantora Marieta Campelo.

Com a voz de soprano, começou a destacar-se nos programas de calouro, e com seu primeiro prêmio recebido no rádio, comprou um liquidificador para Dona Didi. Seu primeiro salário, obtido anos depois, foi usado para comprar a primeira geladeira de sua protetora. Além de ajudar a mulher que a criou como filha, Marina também doava parte do seu salário e visitava frequentemente um orfanato na Gávea, solidária com as crianças que tiveram uma vida similar a sua.

Em 1956 Celso Guimarães a levou para a TV Rio, onde ela estreou em alguns quadros humorísticos, devido a sua natureza divertida e espontânea. Mas conforme ela mesmo declarou em entrevistas, o preconceito de alguns colegas não permitiu seu crescimento na televisão.

Dercy Gonçalves e Marina Miranda
Em 1960, Marina Miranda estreou no teatro, na revista "Porque Me Afano no Bananal", de Geysa Boscoli. No elenco, os veteranos Jararaca & Ratinho e Aracy Cortês.

Em 1961, estreou no cinema em um pequeno papel na comédia "Entre Mulheres e Espiões" (1961), estrelado por Oscarito.

Mas sua grande chance ocorreu quando o empresário Carlos Machado a convidou para estrelar o espetáculo "O Teu Cabelo Não Nega" (1963), sobre a vida do compositor Lamartine Babo, interpretado por Joel de Almeida). O espetáculo fez um enorme sucesso, e como consequência, Marina começou a ganhar mais destaque no Canal 13, onde ela já era contratada há alguns anos.

Marina Miranda começou a brilhar no programa "Noites Cariocas", onde fazia diversas personagens, mas a Brigitte, casada com um milionário americano, vivido por Milton Carneiro, era a mais popular delas. Brigitte, que usava meias de seda e casacos de pele, exigia uma empregada branca, vivida pela vedete Teresa Costelo.

Na TV Rio, Marina Miranda participou de diversos programas de humor, como "O Abre Alas" e "O Riso é o Limite". Marina chegou a gravar um disco com marchinhas de carnaval nesta época. A comediante era chamada pelos críticos de Grande Otelo de Saias.

No cinema, Marina ainda atuou em "Os Caras de Pau" (1971) e "Ipanema Toda Nua" (1971).

Marina Miranda, Agnaldo Timóteo e Tião Macalé
Em 1968, Marina foi para a TV Globo, onde passou a atuar no programa "Balança Mais Não Cai" (1968-1971). Foi neste programa que surgiu o bordão "Oh Crioula Difícil!", proferido por Tião Macalé.

Na TV Globo, Marina atuou em novelas como "Dona Xepa" (1977), "Dancin' Days" (1978), "Vereda Tropical" (1984), "A Gata Comeu" (1985) e "Mandala" (1987). Mas foi nos programas de humor onde a artista mais brilhou.

Marina participou de "Os Trapalhões", "Zorra Total" e "Escolinha do Professor Raimundo", onde interpretou a personagem Dona Mandala.

Após muitos anos na TV Globo, Marina Miranda deixou a emissora.

Em 2006, enfrentando um possível despejo de seu apartamento no Rio de Janeiro, por inadimplência de condomínio, ela foi contar seu drama no programa de Sônia Abrão. Lá, Marina comoveu diretores da novela "Prova de Amor" (2005), que a convidaram para atuar no folhetim da TV Record. Atuou também em "Caminhos do Coração" (2007), "Os Mutantes - Caminhos do Coração" (2008) e "Promessas de Amor" (2009). Também atuou no especial de fim de ano "Balada, Baladão" (2010), seu último trabalho na televisão.

Em 2010, Marina Miranda foi agraciada com o Troféu Raça Negra 2010 pela sua contribuição à cultura do país. O evento solene ocorreu na Sala São Paulo, uma das mais modernas e luxuosas da América Latina.
"Esse prêmio tem grande valor pra mim. É a primeira vez que ganho um troféu!"
(Marina Miranda)

Marina Miranda morava com sua filha, Sylvia, que trabalha como ambulante no Rio de Janeiro. Sylvia chegou a fazer recentemente uma vaquinha virtual, para arrecadar dinheiro para o tratamento de saúde da mãe.

Morte

Marina Miranda faleceu na segunda-feira, dia 20/09/2021, aos 90 anos, dez dias antes de seu aniversário de 91 anos, vítima de de infecção urinária e doença pulmonar, no Rio de Janeiro, RJ. Marina Miranda sofria da Doença de Alzheimer.

Marina Miranda e Tião Macalé
Carreira

Televisão
  • 2010 - Balada, Baladão ... Mãe do Balada
  • 2009 - Promessas de Amor ... Marisa Gama
  • 2008 - Os Mutantes - Caminhos do Coração
  • 2007 - Caminhos do Coração
  • 2005 - Prova de Amor ... Vó Zita
  • 2001 - Escolinha do Professor Raimundo ... Dona Charanga
  • 2000 - Zorra Total ... Dona Charanga
  • 1999 - Mulher Rita (Episódio "Pai de Família")
  • 1992-1994 - Os Trapalhões ... Vários Personagens
  • 1992-1993 - Escolinha do Professor Raimundo ... Dona Mandala / Dona Charanga
  • 1991 - O Dono do Mundo ... Zuleika
  • 1988 - Bebê a Bordo ... Babá
  • 1987 - Mandala ... Conceição
  • 1985 - Tenda dos Milagres ... Nhá Esperança
  • 1985 - A Gata Comeu ... Nair
  • 1984 - Vereda Tropical ... Dirce
  • 1983 - Caso Especial ... Matilde (Episódio: "Alice & Alice")
  • 1983 - A Festa é Nossa ... Noiva
  • 1979-1987 - Os Trapalhões ... Vários Personagens
  • 1978 - Dancin' Days ... Edwiges
  • 1977 - Dona Xepa ... Sarita
  • 1968-1971 - Balança Mas Não Cai ... Vários Personagens
  • 1963-1964 - O Riso é o Limite ... Vários Personagens
  • 1961-1963 - Noites Cariocas ... Brigitte
Cinema
  • 1971 - Ipanema Toda Nua ... Prostituta
  • 1971 - Os Caras de Pau
  • 1961 - Entre Mulheres e Espiões

#FamososQuePartiram #MarinaMiranda

Frankito Lopes

AGÍLIO LOPES DA SILVA
(69 anos)
Cantor e Compositor

☼ Ilha do Bananal, TO (26/04/1939)
┼ Goiânia, GO (27/11/2008)

Agílio Lopes da Silva, mais conhecido pelo nome artístico Frankito Lopes, foi um cantor e compositor nascido na Ilha do Bananal, TO, no dia 26/04/1939.

Frankito Lopes nasceu na Ilha do Bananal e fez sua carreira no Pará. Era conhecido como Índio Apaixonado. Ele era descendente de índios do Pará, e fez sucesso, principalmente no Norte e Nordeste do Brasil a partir da década de 1970 com o slogan "O Índio Apaixonado".

Frankito Lopes iniciou a carreira artística na década de 1970, compondo e gravando músicas românticas, em especial, boleros e guarânias, fazendo sucesso principalmente, no Norte e Nordeste do país.

Contratado pela gravadora Gravasom, lançou, em 1983, o LP "Caminhando Sozinho", no qual registrou onze composições de sua autoria, "Caminhando Sozinho" (Frankito Lopes), "Eu Canto Porque Sou Apaixonado" (Frankito Lopes), "Longe dos Seus Olhos" (Frankito Lopes), "Veja Meus Olhos" (Frankito Lopes), "Na Cadeira da Saudade" (Frankito Lopes), "Revolta" (Frankito Lopes), "Carimbó da Aldeia" (Frankito Lopes), "De Passagem Pra Belém" (Frankito Lopes), "Eu Nasci Pra Te Amar" (Frankito Lopes), "Conselho" (Frankito Lopes), "Deixe Meu Cabelo" (Frankito Lopes), "Quyero Aty (Quero Você)" (Carlos Santos e Alípio Martins), com versão de Frankito Lopes.


Dois anos depois, em 1985, lançou o LP "Fruto de Um Romance", com todas as músicas de sua autoria, com exceção de "Eu Preciso de Você" (Amilton Lelo) e "Quero Dormir Em Teus Braços" (Frankito Lopes e Vicente Dias). As outras músicas do disco, de sua autoria foram, "Prova de Amor" (Frankito Lopes), "O Homem Mais Apaixonado" (Frankito Lopes), "A Solidão Me Fez Chorar" (Frankito Lopes), "Fruto de um Romance" (Frankito Lopes), "Chorando em Meu Apartamento" (Frankito Lopes), "Cleide" (Frankito Lopes), "Eu Lhe Sirvo de Cobertor" (Frankito Lopes), "Vem Minha Índia" (Frankito Lopes), "Eu Te Amo, Tu Me Amas" (Frankito Lopes) e "Saudade do Meu Amor" (Frankito Lopes).

Em 1986, gravou o LP "Chorei", com as músicas "Meu Desepero" (Frankito Lopes), "Não Adianta Mulher" (Frankito Lopes), "Noite Comprida" (Frankito Lopes), "Coração Prisioneiro" (Frankito Lopes), "Hoje Eu Vou Buscar Você" (Frankito Lopes), "Desse Jeito Você Me Acaba" (Frankito Lopes), "Chorei" (Frankito Lopes), "Levo Comigo a Sua Imagem" (Frankito Lopes), "Lamento" (Frankito Lopes), "Vai-vai Cartinha" (Frankito Lopes), "Beijo Lunar" (Frankito Lopes) e "Eu Tenho Medo" (Frankito Lopes).

Em 1987, gravou o LP "Explode Coração", que incluiu as músicas "É Paixão e Nada Mais" (Frankito Lopes e Ronaldo Adriano), "Explode Coração" (Frankito Lopes), "Rolando Em Meu Leito" (Frankito Lopes), "Não Desligue o Telefone" (Frankito Lopes), "O Amor Maior do Mundo" (Frankito Lopes), "Vem Dançar Comigo" (Frankito Lopes), "Tem Dó de Mim" (Frankito Lopes), "Pra Mim Não Chorar" (Frankito Lopes), "O Amor Que Lhe Ofertei" (Frankito Lopes), "Bobobo no Bububu" (Frankito Lopes), "Onde Está Teu Orgulho" (Frankito Lopes) e "Índia Dengosa (Frankito Lopes)".


Em 1989, lançou o LP "Bar da Boemia", no qual interpretou as músicas "É Tarde Pra Esquecer" (Frankito Lopes), "A Paixão Que Me Domina" (Frankito Lopes), "Obrigado Minha Fã" (Frankito Lopes), "Deixa o Flechinha" (Frankito Lopes), "Não Posso Dizer o Nome Dela" ((Frankito Lopes e Benedito Seviero), "Coração de Bailarina" (Frankito Lopes e Itamaracá), "Eu Estou Sempre Chorando"  (Frankito Lopes e Ronaldo Adriano), "Encontro Com a Saudade" (Frankito Lopes, Célio Antônio e Valadares), "Bar da Boemia" (Frankito Lopes e Benedito Seviero), "Canoeiro do Araguaia" (Frankito Lopes e Goianito), "Quatro Paredes" (Frankito Lopes e Reginaldo Sodré), "Casinha Pobrezinha" (Amilton Lelo).

Em 1990, lançou o LP "Minhas Canções de Amor", onde gravou "Minhas Canções de Amor" (Frankito Lopes e Silvino Neves), "Boa Noite Amor da Minha Vida" (Amilton Lelo), "A Nossa Filha" (Frankito Lopes e Benedito Seviero), "Ela é Minha Paixão" (Frankito Lopes), "Minha Linda Rosa" (Frankito Lopes), "Eu Adoro Você" (Frankito Lopes), "Como Fui Me Enganar" (Frankito Lopes, Cícero Rossy e Geraldo Cabrobó) "Vou Mudar de Endereço" (Frankito LopesCícero Rossy e Geraldo Cabrobó), "Adeus Querida" (Frankito Lopes e Aurélio Santos), e "Isso é Você" (Frankito Lopes e Goianito).


Em 1992, foi lançada, pela Gravasom, a coletânea "Os Grandes Sucessos de Frankito Lopes", com 14 sucessos do cantor, "Fruto de Um Romance", "Parabéns", "Quero Dormir Em Teus Braços", "Caminhando Sozinho", "O Homem Mais Apaixonado", "A Solidão Me Fez Chorar", "Minha Linda Rosa", "Eu Canto Porque Sou Apaixonado", "A Mulher Que Eu Sempre Quis", "Não Posso Dizer o Nome Dela", "Eu Estou Sempre Chorando", "Rolando Em Meu Leito", "Carimbó da Aldeia" e "Índia Dengosa".

Em 1994, lançou o LP "Cantando e Chorando - Volume 11", interpretando "Eu Te Amo Meu Amor" (Frankito Lopes), "Chega de Sofrer" (Frankito Lopes), "Solidão" (Frankito Lopes), "Só Falta o Rabo" (Frankito Lopes), "Confissão" (Frankito Lopes), "Cantando e Chorando" (Frankito Lopes), "Castelo Desfeito" (Frankito Lopes e Vicente Dias), "Meu Violão Apaixonado" (José Ajimenes), versão de  Frankito Lopes, "A Maior Montanha do Mundo" (Amilton Lelo), além da clássica guarânia "Índia" (Manuel Ortiz Guerrero), com versão de José Fortuna.

Depois de gravar mais de dez LPs, lançou seu primeiro CD em 2003, interpretando sucessos românticos, como "A Namorada Que Sonhei" e "É Paixão e Nada Mais".

Em 2005, foi lançado o CD "Grandes Sucessos: Frankito Lopes - O Índio Apaixonado" com sucessos como "Eu Sou Um Sofredor", "Quero Dormir Em Teus Braços", "Prova de Amor", entre outras.

Morte

Frankito Lopes faleceu na quinta-feira, 27/11/2008, aos 69 anos, em Goiânia, GO, vítima de uma Cirrose Hepática. Deixou uma filha e netos.

Discografia

  • 1981 - Quero Dormir Em Teus Braços (LP, Gravasom)
  • 1982 - Parabéns Pra Minha Dor (LP, Gravasom)
  • 1983 - Caminhando Sozinho (LP, Gravasom)
  • 1985 - Fruto de um Romance (LP, Gravasom)
  • 1986 - Chorei (LP, Gravasom)
  • 1987 - Explode Coração (LP, Gravasom)
  • 1989 - Bar da Boemia (LP, Gravasom)
  • 1990 - Minhas Canções de Amor (LP, Gravasom)
  • 1991 - Vou Te Levar Na Tribo (LP, Gravasom)
  • 1992 - Frankito Lopes - Os Grandes Sucessos de Frankito Lopes (LP, Gravasom)
  • 1994 - Frankito Lopes - Cantando e Chorando (LP, Gravasom)
  • 2003 - Frankito Lopes (CD)
  • 2005 - Frankito Lopes - O Índio Apaixonado (CD)

#FamososQuePartiram #FrankitoLopes

Sérgio Mamberti

SÉRGIO DUARTE MAMBERTI
(82 anos)
Ator, Diretor, Produtor, Autor, Artista Plástico e Político

☼ Santos, SP (22/04/1939)
┼ São Paulo, SP (03/09/2021)

Sérgio Duarte Mamberti foi um ator, diretor, produtor, autor, artista plástico e político nascido em Santos, SP, no dia 22/04/1939.

Formado pela Escola de Artes Dramáticas (EAD) de São Paulo, foi dramaturgo há mais de 50 anos. Era irmão do também ator Cláudio Mamberti e pai do ator Duda Mamberti.

Sérgio Mamberti fez sua estreia no teatro na peça "Antígone América" escrita por Carlos Henrique Escobar, produzida por Ruth Escobar e dirigida por Antônio Abujamra.

Em 1962, venceu o Prêmio Moracy do Val realizado pelo jornal Última Hora na categoria Ator Revelação pelo espetáculo "Antígone - América".

Após a peça no ano de 1963, passou a integrar o grupo de teatro Decisão, juntamente com nomes como Antônio Abujamra, Glauce Rocha e Plínio Marcos. Pelo grupo participou da peça "O Balcão" de Jean Genet o que lhe garantiu o Prêmio Governador do Estado de São Paulo, na categoria Melhor Ator Coadjuvante.

Em 1964, recebeu o Prêmio Saci de Teatro que era organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo na categoria Melhor Ator Coadjuvante pela peça "O Inoportuno".


Sérgio Mamberti
 foi casado entre 1964 e 1980 com Vivien Mahr, com quem teve três filhos: Duda MambertiCarlos e FabrízioVivien Mahr morreu precocemente aos 37 anos, devido a uma série de problemas respiratórios.

Em 1969, recebeu o Prêmio Governador do Estado de SP na categoria Melhor Ator Coadjuvante por sua atuação na peça teatral "O Balcão".

Na década de 1970, juntamente com seu irmão Cláudio Mamberti participou de inúmeras peças de teatro na capital paulista trabalhando com importantes nomes da dramaturgia brasileira como Beatriz Segall, Regina Duarte e Paulo José.

Em 1974, Sérgio Mamberti foi indicado ao Prêmio Molière na categoria Melhor Ator pela peça "O Jogo do Poder".

Em 1975, recebeu o Prêmio Molière na categoria Melhor Ator pela peça "Réveillon". Ainda na peça "Réveillon" venceu a categoria Melhor Ator do Prêmio Governador do Estado de SP, o Prêmio APCA - Teatro / Associação Paulista de Críticos de Arte - SP e da Revista Veja SP.

Sérgio Mamberti, interpretou Galeno Sampaio na novela "Brilhante" (1981) da TV Globo.


Em 1982, ele conheceu Ednardo Torquato, com quem viveria uma relação de 37 anos, até a morte de Ednardo em 2019. Com o parceiro, adotou a filha única, Daniele.

Como diretor em 1982, recebeu o prêmio de Melhor Espetáculo pela sua peça "Coração na Boca" em premiação no Rio de Janeiro.

Em 1984, interpretou Rei Claúdio na peça "Hamlet", do inglês William Shakespeare, organizado por Marco Aurélio. No mesmo ano viveu Argan na peça "Tartufo", de Molière dividindo a peça com Paulo Autran, sob a direção de José Possi Neto.

Em 1988, viveu um de seus personagens mais marcantes, Eugênio, mordomo homossexual de Celina (Nathália Timberg), na novela "Vale Tudo" (1988) de Gilberto Braga.

No ano de 1989 venceu a categoria de Melhor Ator Coadjuvante pela novela "Vale Tudo" (1988) em que interpretou Eugênio.

Na década de 1990, viveu um de seus personagens mais marcantes, o Drº Victor, no programa infanto-juvenil "Castelo Rá-Tim-Bum", da TV Cultura.


Em 1995, venceu o Prêmio Mambembe de Melhor Ator Coadjuvante pelo espetáculo "Pérola".

Em 1996, venceu o Prêmio Sharp de Melhor Ator também pela peça "Pérola".

Em 1997, venceu o Prêmio APETESP de Melhor Ator também por "Pérola".

Em 1998, venceu o Prêmio Internacional Lumière. Também recebeu o prêmio Patrimônio de Bauru realizado pelo município do interior do Estado de São Paulo.

Em 2008, recebeu o prêmio mais alto de nível cultural do país Ordem do Mérito Cultural (OMC)

Em 2013, viveu o vilão Dionísio na novela "Flor do Caribe" (2013).

Em 2016, fez sua estreia nos serviços de streaming na série "3%" produzida pela Netflix.

No ano de 2017, foi homenageado na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) no dia do ator.

Em 2018, venceu o prêmio Grande Prêmio da Crítica APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte.

Em 2019, ganhou destaque na peça "O Ovo de Ouro" que conta história de judeus que eram obrigados a matar outros judeus na Alemanha Nazista.

Carreira Política

Filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), Sérgio Mamberti ocupou durante o Governo de Lula diversos cargos dentro do Ministério da Cultura:

- Secretário de Música e Artes Cênicas;
- Secretário da Identidade e da Diversidade Cultural;
- Presidente da Fundação Nacional de Artes FUNARTE;
- Secretário de Políticas Culturais.

Sérgio Mamberti posicionou-se de maneira contrária ao processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Em 2018, interpretou o seu personagem Drº Victor juntamente com os atores Pascoal da Conceição (Drº Abobrinha) e Eduardo Silva (Bongô) para pedirem votos ao então candidato petista Fernando Haddad. Também nesse ano, protestou contra a prisão do presidente Lula, participando do movimento Lula Livre.

Morte

Sérgio Mamberti faleceu na na madrugada de sexta-feira, no dia 03/09/2021, aos 82 anos, num hospital da rede Prevent Sênior, em São Paulo, SP, vítima de Falência Múltipla dos Órgãos, em decorrência de uma Infecção Pulmonar. 

Em julho de 2021, Sérgio Mamberti já havia sido hospitalizado para tratar de uma pneumonia e chegou a passas por uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Sérgio Mamberti foi velado no Teatro SESC Padre Anchieta, e sepultado no Cemitério da Consolação, em São Paulo, SP.

Carreira

Televisão
  • 1968 - Ana ... Tenório
  • 1969 - Algemas de Ouro ... Miro
  • 1970 - As Pupilas do Senhor Reitor ... Drº João Semana
  • 1971 - Os Deuses Estão Mortos ... Padre Antenor
  • 1971 - Quarenta Anos Depois ... Padre Antenor
  • 1979 - Meu Nome é Villa-Lobos
  • 1979 - Dinheiro Vivo ...  Pacheco
  • 1981 - Brilhante ... Galeno Sampaio
  • 1984 - Transas e Caretas ... Antônio
  • 1986 - Dona Beija ... Coronel Elias Felizardo
  • 1987 - Helena ... Amílcar Botelho de Castro
  • 1988 - Vale Tudo ... Eugênio
  • 1989 - Cortina de Vidro ... Cristóvão
  • 1990 - A História de Ana Raio e Zé Trovão ... Pupo Valdez
  • 1990 - Pantanal ... Drº Arnaud
  • 1992 - As Noivas de Copacabana ... Dono da Boate
  • 1993 - Agosto ... Senador Victor Freitas
  • 1993 - Olho no Olho ... Napoleão Guedes Zapata
  • 1994/1997 - Castelo Rá-Tim-Bum ... Drº Victor Astrobaldo Stradivarius Victorius I
  • 1995 - Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados ... Tio Nonô
  • 1996 - Dona Anja ... Padre Antônio
  • 1996 - O Campeão ... Porfírio
  • 1997 - Anjo Mau ... Otávio Ferraz
  • 1998 - Labirinto ... Geraldo
  • 2000 - A Muralha ... Cristóvão Rabelo
  • 2001 - Estrela-Guia ... Alaor Pimenta
  • 2001 - A Turma do Pererê ... Padre Juquinha (Episódio: "Malhando o Judas")
  • 2001 - O Clone ... Drº Vilela
  • 2002 - Sabor da Paixão ... Silvano Cilbuski
  • 2002 - A Grande Família ... Drº Euclides (Episódio: "Um Homem Para Chamar Lineu")
  • 2004 - Da Cor do Pecado ... Desembargador
  • 2005 - Essas Mulheres ... Coronel Vigário Lourenço Camargo
  • 2006 - O Profeta ... Guia Espiritual de Marcos
  • 2006 - Linha Direta ... Milton Bednarski (Episódio: "O Bandido da Luz Vermelha")
  • 2007 - Desejo Proibido ... Frei Domingos
  • 2011 - O Astro ... Padre Laurindo
  • 2012 - A Vida da Gente ... Juiz César Villares (Episódio: "18 de Fevereiro")
  • 2013 - Flor do Caribe ... Dionísio Albuquerque / Klaus Wagner
  • 2016 - Sol Nascente ... Dom Manfredo Giulini
  • 2016 - 3% ...  Conselheiro Matheus (Temporada 1)
  • 2017 - Felipa e o Foguete ... Avô da Felipa
  • 2017 - Eu, Ela e um Milhão de Seguidores ... Saul (Episódio: "Cheguei Lá?")

Cinema
  • 1966 - Nudista à Força
  • 1969 - O Bandido da Luz Vermelha ... Passageiro do táxi
  • 1972 - O Jogo da Vida e da Morte ... Marcelo
  • 1973 - Toda Nudez Será Castigada ... Odésio
  • 1976 - À Flor da Pele ... Jorge
  • 1978 - Parada 88 - O Limite de Alerta ... Santana
  • 1979 - Maldita Coincidência
  • 1982 - O Olho Mágico do Amor ... Prolíxenes
  • 1982 - Noites Paraguayas
  • 1982 - O Homem do Pau-Brasil ... Pedroso
  • 1982 - Rio Babilônia
  • 1984 - O Baiano Fantasma ... Protegido que sofre ataque cardíaco
  • 1985 - Made In Brazil ... Raul
  • 1985 - Avaeté - Semente da Vingança ... Deputado Andorinha
  • 1986 - Sonho Sem Fim ... Quiromante
  • 1987 - A Dama do Cine Shanghai ... Stan
  • 1987 - A Menina do Lado ... Paulo Maurício
  • 1987 - A Mulher Fatal Encontra o Homem Ideal
  • 1987 - Anjos da Noite ... Apresentador
  • 1987 - Brasa Adormecida ... Primo Bispo
  • 1988 - Fogo e Paixão
  • 1988 - O Mentiroso ... Coringa
  • 1988 - Romance ... Deputado
  • 1990 - Beijo 2348/72 ... Juiz
  • 1991 - O Corpo ... Delegado
  • 1991 - Olímpicos ... Jogador de pôquer
  • 1992 - Dudu Nasceu
  • 1992 - Perfume de Gardênia
  • 1992 - Oswaldianas ... Cesar Castilho
  • 1994 - Dente Por Dente ... Drº Charles
  • 1994 - Mil e Uma ... Perito
  • 1994 - O Efeito Ilha ... Cardeal
  • 1996 - Com Que Roupa?
  • 1997 - Doces Poderes ... Bob
  • 1999 - Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme ... Drº Victor Stradivarius
  • 1999 - Hans Staden ... Jacó
  • 2000 - Brava Gente Brasileira ... Padre
  • 2000 - Tônica Dominante ... Senhor Distinto
  • 2001 - 3 Histórias da Bahia ... Teixeirinha
  • 2003 - Xuxa Abracadabra ... Tio Nicolau / Mágico Merlino
  • 2007 - O Homem Que Desafiou o Diabo ... Coronel Ruzivelte
  • 2008 - O Cavaleiro Didi e a Princesa Lili ... Sacerdote
  • 2008 - Bodas de Papel ... Nonato
  • 2010 - Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha ... Neném Jr.
  • 2012 - Aconteceu no Bixiga ... Padre Antônio
  • 2013 - O Inventor de Sonhos ... Duque de Alva
  • 2013 - Jogo das Decapitações ... Siqueira
  • 2015 - O Samba Daqui ... Avô José
  • 2021 - O Pastor e o Guerrilheiro ... Seu Geraldo

Teatro
  • 1964 - O Inoportuno (De Harold Pinter /Direção Antônio Abujamra)
  • 1968 - Navalha na Carne (De Plínio Marcos / Direção Jairo Arco e Flexa)
  • 1969 - O Balcão (De Jean Genet / Direção Victor Garcia)
  • 1975 - Reveillon (De Flávio Márcio /Direção Paulo José)
  • 1980 - Calabar: O Elogio da Traição (De Chico Buarque e Ruy Guerra / Direção Fernando Peixoto)
  • 1984 - Hamlet (De Shakespeare / Direção Márcio Aurélio)
  • 1985 - Tartufo (De Molière / Direção José Possi Neto)
  • 1995 - Pérola (De Mauro Rasi / Direção Mauro Rasi)
  • 2001 - O Evangelho Segundo Jesus Cristo (De José Saramago / Direção José Possi Neto)
  • 2015 - Visitando Sr. Green (De Jeff Baron / Direção Cássio Scapin)
  • 2018 - Um Panorama Visto da Ponte (De Arthur Miller / Direção Zé Henrique de Paula)
  • 2019 - O Ovo de Ouro (De Luccas Papp / Direção Ricardo Grasson)

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #SergioMamberti

Dudu Braga

ROBERTO CARLOS BRAGA
(52 anos)
Produtor Musical, Radialista, Jornalista e Instrumentista

☼ Belo Horizonte, MG (14/12/1968)
┼ São Paulo, SP (08/09/2021)

Roberto Carlos Braga, mais conhecido por Dudu Braga, foi um produtor musical e instrumentista, filho do cantor Roberto Carlos, nascido em Belo Horizonte, MG, no dia 14/12/1968.

Filho do cantor Roberto Carlos com Cleonice Rossi Braga, Dudu Braga tinha mais três irmãos: Ana Paula Rossi Braga, Rafael Carlos Torres Braga e Luciana Carlos

Dudu Braga era deficiente visual e sua história, por ser alvo das curiosidades dos fãs de seu pai, já foi contada por diversos ângulos, com diferentes interpretações e inúmeras conclusões. Dudu se considera privilegiado por poder contar com a compreensão e apoio de quase um país inteiro e também pelas facilidades que teve para procurar possíveis soluções para o seu problema em várias partes do mundo. Sua natureza alegre não permitiu que ficasse deprimido quando constatou a irreversibilidade de sua deficiência e buscou adaptar-se para viver da melhor forma possível dando um verdadeiro show de recuperação.

Publicitário por formação, produtor musical, radialista e jornalista, ele tinha uma ligação estreita com a rádio onde apresentou o programa "As Canções Que Você Fez Pra Mim", líder de audiência em 40 emissoras de rádios do Brasil e também em Portugal. Assinava ainda colunas de revistas, tocava bateria em sua banda RC Na Veia, era absolutamente eficiente em tudo o que fazia.

Dudu Braga ao lado do pai Roberto Carlos
Eduardo Braga é o terceiro filho de Roberto Carlos. Na infância ganhou os apelidos de Segundinho e Dudu Braga. Tudo por causa de uma música de Eduardo Araújo que Dudu aprendeu a tocar e cantar. A imprensa acompanhou de perto seu nascimento. Paparazzis ficaram de plantão no hospital de olho em fotos do bebê. Assim que houve o nascimento, o bebê foi diagnosticado com Glaucoma Congênito, um problema nos olhos.

Dudu Braga chegou a passar por cirurgias na visão na Holanda. Roberto Carlos chegou a declarar em entrevista, qual foi o seu sentimento com o filho no colo, na Europa, momentos antes da cirurgia nos olhos:
"Eu e Nice (esposa) fomos tentar recuperar a visão do meu filho. Envelheci quinze anos numa sala de espera!"
(Roberto Carlos)

Após passar por cirurgias nos olhos na infância e também na vida adulta, Dudu Braga afirmou, em 2020, que seguia praticamente cego e que teria apenas 5% da visão do olho esquerdo. Em entrevistas, ele afirmava que estava sempre tratando a cegueira com novos procedimentos para não prejudicar ainda mais a visão.

Dudu Braga sempre foi apaixonado por música, como o pai. Em 2019, descobriu um câncer no pâncreas que no mesmo ano foi curado. Passou por quimioterapia e internação no Hospital Albert Einsten, em São Paulo. Um novo câncer reapareceu em setembro de 2020.

Dudu Braga, a esposa Valeska Braga, a filha Laura e o pai Roberto Carlos no aniversário de 1 ano da filha.
Dudu Braga
fazia parte da banda RC Na Veia. A banda é formada por Dudu Braga (na baterista), Alex Capela (no vocal), Fernando Miyata (na guitarra) e Juninho Chrispim (no baixo). O grupo faz uma releitura no estilo rock and roll das músicas do cantor Roberto Carlos.

Dudu Braga tinha uma filha chamada Laura. Laurinha, como todas a chamavam, foi a sétima neta do Roberto Carlos. A filha é fruto do casamento de Dudu Braga e Valeska Silva. Laura nasceu em 14/10/2015, em em São Paulo, SP, de cesariana, com o peso de 3,1 quilos e medindo 50 centímetros.

Nas redes sociais era possível acompanhar o relacionamento de pai e filha. Em um dos vídeos, Laura diz: "Papai, papai, sente eu aqui. Sente. Estou aqui!", diz a filha Laura, antes de pegar nas mãos do pai e colocar em seu rosto.

Dudu Braga anunciou nas redes sociais, em 17/09/2020, que estava lutando contra um novo câncer. O pai, Roberto Carlos, ficou arrasado com a notícia. Mas Dudu, esposa, filha e família, estavam juntos e confiantes nesta nova batalha.
"Como vocês podem ver, estou bem. Claro que, quando você recebe essa notícia, o mundo vem abaixo. Mas é aquela história: Não adianta ficar se lamentando. Tem que ir para cima para resolver e foi isso que a gente fez (...) Meu pai ficou, poxa vida, arrasado. Mas agora ele está para cima. Paizão é um cara para cima!" 
(Dudu Braga no Instagram)

Rafael Carlos, Dudu Braga, Ana Paula, Roberto Carlos e Luciana Carlos
Os Filhos de Roberto Carlos

Rafael Carlos Torres Braga
Com 56 anos de idade, Rafael é o filho mais velho de Roberto Carlos. De acordo com Leo Dias, Roberto Carlos confirmou a paternidade através de um exame de DNA quando Rafael tinha 24 anos. Maria Lucila Torres, ex-modelo que faleceu pouco depois da confirmação da paternidade do filho com o artista, é a mãe de Rafael Carlos Torres.

Roberto Carlos Braga II (Dudu Braga)
Assim como o pai, Roberto Carlos Braga II, ou Dudu Braga, era ligado às artes. Ele trabalhava como produtor musical, além de comandar programas de rádio, e também era conhecido como Segundinho por ser o segundo filho de Roberto Carlos. Ao todo, viveu com a esposa por mais de 18 anos, mas casou oficialmente apenas em setembro de 2020.

Ana Paula Rossi Braga
Roberto Carlos teve duas filhas, fruto do casamento com Nice, sua primeira esposa. Ana Paula Rossi Braga, faleceu aos 45 anos, em abril de 2011, depois de uma parada cardíaca. Ela era casada com o guitarrista Paulinho Ferreira, que integrava a banda de Roberto Carlos, mas não teve filhos. O relacionamento com o pai era próximo. 

Luciana Carlos 
Com 51 anos de idade, a segunda filha de Roberto Carlos se chama Luciana Carlos e também é fruto do relacionamento do cantor com Nice. Luciana era irmã de Ana Paula por parte de mãe e de pai e a partida da irmã, segundo a herdeira, foi uma das maiores perdas de sua vida. "Foi muito sofrido pra mim!", declarou Luciana ao voltar para o Brasil. Ela se casou e morou em Londres, na Inglaterra, por mais de seis anos. 

Morte

Na quarta-feira, 08/09/2021, a assessoria de imprensa de Dudu Braga atualizou os fãs sobre seu estado de saúde no tratamento contra o câncer no peritônio. Segundo informações da assessoria, Dudu Braga seguia internado e o quadro dele era estável, apesar de irreversível. A morte foi confirmada durante a tarde de quarta-feira.

Dudu Braga faleceu na quarta-feira, 08/09/2021, aos 52 anos, vítima de câncer no peritônio, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, SP.

Dudu Braga deixa a esposa Valeska com quem era casado há 17 anos e também a filha Laura, que estava com 5 anos de idade.

No velório de Dudu Braga, Roberto Carlos estava "literalmente arrasado e destruído", contou o assessor de imprensa do cantor. Amigos e familiares que o acompanharam no velório e no enterro de seu filho, se comoveram com a longa crise de choro de Roberto Carlos durante a cerimônia.
"Quem estava no velório viu como ele está destruído. Chorou muito, muito mesmo. Foi doloroso vê-lo desse jeito!"
(Contou um amigo de Roberto Carlos)

Como o próprio Roberto Carlos costumava afirmar em entrevistas: Dudu Braga era seu maior ídolo. Numa das últimas conversas entre os dois, já no hospital - onde Dudu tratava um câncer irreversível no peritônio, membrana que envolve a parede abdominal -, o filho afirmou ao pai que, se algo ruim acontecesse, ele "gostaria de ir embora com uma camisa do Corinthians, uma roupa confortável e tênis". E assim foi feito.

Roberto Carlos se despede do segundo filho em um intervalo de dez anos. Em 2011 ele já havia perdido a filha Ana Paula, aos 47 anos, vítima de um ataque cardíaco. Em uma publicação feita em 2016 em sua conta do Twitter, Roberto Carlos aparece ao lado de Nice, que faleceu em 1990 devido a um câncer de mama, Dudu e Ana Paula.

#FamososQuePartiram #DuduBraga