Geysa Bôscoli

GEYSA GONZAGA DE BÔSCOLI
(71 anos)
Teatrólogo, Jornalista, Escritor e Compositor

* Rio de Janeiro, RJ (25/01/1907)
+ Caxambu, MG (07/11/1978)

Geysa Gonzaga de Bôscoli, que ficou conhecido apenas como Geysa Bôscoli, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 1907. Sobrinho da compositora Chiquinha Gonzaga, irmão de Jardel Jércolis e Héber de Boscoli e tio do compositor e produtor Ronaldo Bôscoli. Estudou nos Colégios Alfredo Gomes e Ateneu Boscoli e formou-se, em 1927, pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro. Mesmo ano em que estreia como autor teatral, com a revista "Pó-de-Arroz", na Companhia Trô-lô-lô.

Trabalhou como revisor no Jornal do Comércio e como repórter do jornal O Imparcial. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Autores durantes seis anos consecutivos.

 Recebeu o título de "Conselheiro Benemérito" da Casa dos Autores. Fundou as revistas "Ouro Verde" e "Show", os semanários A Comarca e Correio de Blumenau, em Santa Catarina, e trabalhou em vários órgãos da imprensa carioca. Escreveu o livro "A Pioneira Chiquinha Gonzaga", em edição particular.

Destacou-se no teatro musical como autor, produtor de revistas e compositor. Estreou em abril de 1927, com a revista em dois atos "Pó-de-Arroz", representada pela Companhia Tro-ló-ló, fundada por ele e pelo irmão Jardel, no velho Teatro Lírico do Rio de Janeiro.

Em 1928, escreveu com Nelson Abreu e Luís Iglesias a revista "O Que Eu Quero É Nota", com músicas de Paraguaçu e Sinhô, estreada no Teatro Carlos Gomes, no mesmo ano.

Considerada uma das maiores estrelas do teatro de revista em todos os tempos, a paulista Margarida Max, formou, com Augusto Aníbal e João Lins, o trio principal de atrações da revista "Onde Está O Gato", de autoria de Geysa Bôscoli e Luiz Iglesias foi montada em 1929, no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro.

Em 1937, estreou a revista "Maravilhosa", escrita com o irmão Jardel, que lançou o grande sucesso de Ary Barroso, "No Tabuleiro Da Baiana", interpretada no teatro por Grande Otelo e Déo Maia.

Em 1940, compôs para a sua opereta "Gandaia", com Jardel Jércolis, e em parceria com Custódio Mesquita, o fox-blue "Naná", gravado com sucesso por Orlando Silva pela RCA Victor, e "Céu E Mar", gravado por Francisco Alves, pela Columbia no mesmo ano.

Em 1945, inaugurou o Teatro Regina, hoje Teatro Dulcina, com a comédia "O Grande Barqueiro".

Fundou em 1948, com seu irmão, o Teatro Jardel, em Copacabana, primeiro teatro de bolso, tornando-se pioneiro em levar os teatros, antes restritos ao centro da cidade, a outros bairros do Rio de Janeiro.

Em 1950 e 1952, recebeu, por seu trabalho no Teatro Jardel, duas medalhas de ouro como "Melhor Produtor de Teatro Musicado".

Foi pioneiro ao escrever as duas primeiras revistas radiofônicas do Brasil, transmitidas pela Rádio Nacional: "Adão E Eva" e "Carioca Da Gema", esta em parceria com Jorge Murad. Produziu ainda muitas outras peças de teatro musicado como "Eu Quero É Rosetá" (Com Luís Peixoto); "Canta, Brasil" (Com Luís Peixoto e Paulo Orlando), em 1946; "O Brasil É Nosso" (com Luís Peixoto e música de Ary Barroso), em 1957.

Geysa Bôscoli faleceu aos 71 anos, na cidade mineira de Caxambu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!