João Petra de Barros

JOÃO PETRA DE BARROS
(33 anos)
Cantor

* Rio de Janeiro, RJ (23/06/1914)
+ Rio de Janeiro, RJ (11/01/1948)

João Petra de Barros era irmão do também cantor Mário Petra de Barros. Começou cantando, no início dos anos 30, no Programa Casé, na Rádio Philips. Em pouco tempo, conquistou fama por ter um timbre parecido com o de Francisco Alves, grande ídolo do rádio na época. Passou a ser chamado de "A Voz de 18 Quilates".

Era figura constante em rodas de samba, juntamente com Noel Rosa, Luís Barbosa e Custódio Mesquita. Com eles e outros personagens de nossa música popular brasileira, entre os quais, Francisco Alves, Paulo BarbosaLuís Barbosa, Benedito Lacerda, Lamartine Babo e outros, frequentavam o famoso Café da Uma Hora, situado no nº 476 da Rua São Francisco Xavier, zona norte do Rio de Janeiro.

Em 1933, lançou seu primeiro disco, pela Odeon, interpretando o samba "Até Amanhã" (Noel Rosa). Logo na estréia, alcançou grande sucesso no carnaval. No mesmo ano, com acompanhamento da Orquestra Copacabana gravou de Ismael Silva o samba "Seja o Que Deus Quiser" (André Filho), a marcha "Gente Danada" (Noel Rosa e Francisco Alves), o samba "Nem Com Uma Flor" e, com Luís Barbosa lançou o samba "Seja Breve" (Noel Rosa). Também na mesma época, fez sucesso com o fox canção "Cantor de Rádio" (Custódio Mesquita e Paulo Roberto).

João Petra de Barros foi um dos principais artistas do elenco da Rádio Globo. Participou, ao lado de Carmen MirandaCustódio Mesquita, de vários programas de rádio e de teatros. Participou do recital em benefício do Sindicato Brasileiro de Artistas de Rádio, que reuniu grandes nomes do rádio, em 1934.



Seu maior sucesso foi "Feitiço Da Vila" (Noel Rosa e Vadico), gravada em 1934, pela Odeon. No mesmo ano gravou de Custódio Mesquita a marcha "Lourinha", de Ismael Silva o samba "Não É Tanto Assim" e dois sambas de Ary Barroso"Duro Com Duro" e "Sentinela Alerta", o segundo, em dueto com Noel Rosa. Ainda em 1934, fez sucesso com o fox trot "Ninon (Quando Tu Sorris)", versão de João de Barro para composição de B. Kaper e W. Jurman, e com a valsa "Nestas Noites De Amor" (Custódio Mesquita e Orestes Barbosa).

João Petra de Barros foi o intérprete da primeira versão de "Pastorinhas", ainda com o título "Linda Pequena", parceria de Noel Rosa e Braguinha, gravada pela Odeon em 1933 e lançada em 1935.

Ainda em 1935, gravou com Aurora Miranda, a marcha "O Tempo Passa" (Custódio Mesquita Paulo Orlando), e o samba "De Madrugada" (Vicente Paiva e Haroldo Barbosa). 

Em 1940 gravou a marcha "Olha Ela" (Russo do Pandeiro e Peterpan), e o samba "Em Cima Da Hora"(Russo do Pandeiro e Valfrido Silva).

Em 1941 lançou os sambas "Ai, Ai, Ai" (Haroldo Lobo e Milton de Oliveira) e "Mal-Agradecida" (Ataulfo Alves e Jardel Noronha).

Em 1942 fez sucesso com o fox "Mais Um Minuto Apenas" (Newton Teixeira e Mário Lago).

Em 1946 gravou seu último disco, interpretando de Pedro Caetano e Geraldo Costa o samba "Dorme Meu Amor" e o samba tango "Já Sou Feliz". Fez também sucesso com a canção "Última Inspiração" (Peterpan), gravada pela RCA Victor, com a marcha "Professora De Saudade" (André FilhoOrestes Barbosa), o samba "Foi No Teu Olhar" (André Filho) e o fox "O Que O Teu Piano Revelar" (Custódio Mesquita Orestes Barbosa). Ao longo de sua curta carreira, gravou 48 discos, com 94 músicas ao todo.

João Petra de Barros teve sua carreira interrompida por acidente do qual resultou a amputação de uma perna. Desgostoso com o ocorrido, acabou cometendo suicídio em 11/01/1947, mas deixou uma importante bagagem musical que acabou por incluí-lo entre os melhores intérpretes da Música Popular Brasileira.

Discografia

  • 1946 - Dorme Meu Amor / Já Sou Feliz (Continental, 78)
  • 1945 - Moça Bonita / Vingança De Palhaço (Continental, 78)
  • 1944 - Depois De Um Longo Inverno / Agora É Tarde (RCA Victor, 78)
  • 1943 - Quem Será? / Sou Eu Quem Volta (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Teatro De Revista / Mais Um Minuto Apenas (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Último Sonho / Louquinho Por Ela (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Foi Ela Que Me Deixou / Saudade Do Teu Beijo (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Só Vendo / Chorar É Meu Consolo (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Não É Bem Isso / Quem É O Tal? (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Ai, Ai, Ai / Mal-Agradecida (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Segura O Bode / Já Passou Da Hora (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Santo Antônio Amigo / Bonequinha De Veludo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Não Dou Liberdade A Mulher / Rosa De Veludo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - É Feliz / Mariana Me Deu O Bolo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Não Adianta Beber / Não Há Razão (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Última Inspiração (RCA Camden, LP)
  • 1940 - Olha Ela / Em Cima Da Hora (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Pobre Pierrô / É Tarde (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Flor Do Lodo / Última Inspiração (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Olha ela/Em cima da hora (RCA Victor, 78)
  • 1935 - O Tempo Passa / De Madrugada (Odeon, 78)
  • 1935 - De Quem É O Meu Amor? (Odeon, 78)
  • 1935 - Beijo Mascarada / O Teu Olhar (Odeon, 78)
  • 1935 - O Que O Teu Piano Revelou / Tapera (Odeon, 78)
  • 1935 - A Noite É Nova / Quando Eu For Velho Para Sonhar (Odeon, 78)
  • 1935 - Linda Pequena / Você Prometeu (Odeon, 78)
  • 1934 - A Felicidade Não Sorri Duas Vezes (Columbia, 78)
  • 1934 - Lourinha / Não É Tanto Assim (Odeon, 78)
  • 1934 - Foi Tocando Violão / Olhei O Teu Retrato (Odeon, 78)
  • 1934 - Ave Noturna / Por Que Canto? (Odeon, 78)
  • 1934 - Duro Com Duro / Sentinela Alerta (Odeon, 78)
  • 1934 - A Lua Não Mudou / Meu Rosal (Odeon, 78)
  • 1934 - Ninon (Quando Tu Sorris) / Nestas Noites De Amor (Odeon, 78)
  • 1934 - Professora Da Saudade / Foi No Teu Olhar (Odeon, 78)
  • 1934 - Feitiço da Vila/Chegou Papai Noel (Odeon, 78)
  • 1934 - Noiva Do Meu Coração / Menina Bonita (Odeon, 78)
  • 1933 - Quero Falar Com Você / Até Amanhã (Odeon, 78)
  • 1933 - Amor, Meu Grande Amor / Seja O Que Deus Quiser (Odeon, 78)
  • 1933 - Daquele Jeito / É Carinho Que Ela Quer (Odeon, 78)
  • 1933 - Gente Danada / Nem Com Uma Flor (Odeon, 78)
  • 1933 - Tu És Bela / Morena Meu Amor (Odeon, 78)
  • 1933 - Sorrindo Sempre / Isso Não Se Faz (Odeon, 78)
  • 1933 - Cantor De Rádio / Veio D'Água (Odeon, 78)
  • 1933 - Se Eu Tivesse Um Bem / Canção Ao Microfone (Odeon, 78)
  • 1933 - Palacete De Malandro / Conto Da Carochinha (RCA Victor, 78)
  • 1933 - Seja Breve / Caixa Econômica (RCA Victor, 78)
  • 1933 - Dor De Uma Saudade / Sonho Bonito (RCA Victor, 78)

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB
Indicação: Miguel Sampaio

Augusto Calheiros

AUGUSTO CALHEIROS
(64 anos)
Cantor e Compositor

* Murici, AL (05/06/1891)
+ Rio de Janeiro, RJ (11/01/1956)

Augusto Calheiros foi um cantor e compositor brasileiro. Transferiu-se ainda muito jovem de Maceió para o Recife, PE, entrando em contato com a família do bandolinista Luperce Miranda onde todos eram músicos. Iniciou sua carreira artística no Recife, em meados dos anos 1920.

Tornou-se conhecido como "A Patativa do Norte" por sua voz afinada e estilo peculiar de interpretação. Foi convidado para ser o cantor do grupo formado pelos irmãos Luperce (Bandolim), João (Bandolim), Romualdo Miranda (Violão), Manoel de Lima (Violão) e João Frazão (Violão). Por sugestão do historiador Mário Melo foi escolhido o nome de "Turunas da Mauricéia", em lembrança aos tempos do domínio holandês e do governo de Maurício de Nassau.


Em 1927, os Turunas chegavam ao Rio de Janeiro, sem Luperce Miranda, que mudou para a Cidade Maravilhosa apenas alguns meses depois.

Cantavam emboladas e cocos, ritmos até então desconhecidos na cidade, e trajavam roupas sertanejas, com chapéus de abas largas erguidas na frente, onde se podia ler: "Guajurema", "Riachão", "Periquito" e "Patativa do Norte".

A estréia do grupo no Rio de Janeiro ocorreu no Teatro Lírico, em espetáculo patrocinado pelo jornal Correio da Manhã, onde Augusto Calheiros fez enorme sucesso por causa de sua voz afinada e estilo peculiar de interpretação.. Suas apresentações na Rádio Clube marcaram época. A embolada "Pinião", de sua autoria e Luperce Miranda, que integrava o repertório do grupo, foi cantada em toda a cidade, constituindo-se em grande sucesso da carnaval de 1928.


Ainda em 1927, participou das primeiras gravações com os Turunas da Mauricéia que registraram outras composições de sua parceria com Luperce Miranda como a canção "As Belezas do Sertão" e o samba "O Pequeno Tururu".

Em 1929, os Turunas da Mauricéia gravaram quatro composições de sua autoria, os sambas "Eu Vi Camaleão", "É Boi", "Minha Viola é Boa" e "Trem Passageiro".

Augusto Calheiros morreu no Rio de Janeiro, RJ, no dia 11/01/1956, vítima de Falência Múltipla dos Órgãos, motivado por diabetes. Devido ao amor de Augusto Calheiros pela cidade de Garanhuns, PE, o prefeito na época, Washington Medeiros, em 1958, transladou os restos mortais do Rio de Janeiro para Garanhuns.

Discografia

  • 1991 - Augusto Calheiros (Revivendo, CD)
  • 1956 - Alda / Flor Do Mato (Odeon, 78)
  • 1955 - Caboclo De Raça (Odeon, LP)
  • 1954 - Meu Dilema / Audiência Divina (Todamérica, 78)
  • 1954 - Pinião / Helena (Odeon, 78)
  • 1954 - Revendo O Passado / Mané Fogueteiro (Odeon, 78)
  • 1954 - Grande É O Teu Amor / O Pequeno Tururu (Odeon, 78)
  • 1954 - Ave Maria / Belezas Do Sertão (Odeon, 78)
  • 1954 - Pisando Corações / Tás Com Medo, Falas (Odeon, 78)
  • 1954 - Como És Linda Sorrindo / Samba Do Caná (Odeon, 78)
  • 1954 - Casa Desmoronada / Chuá-chuá (Odeon, 78)
  • 1954 - A Patativa Do Norte (Odeon, LP)
  • 1953 - Sonata Das Estrelas/Saudade Do Meu Norte (Todamérica, 78)
  • 1953 - Sonho De Ilusões / Cabocla Pureza (Todamérica, 78)
  • 1952 - Serenata Matuta / Sonhando Ao Mar (RCA Victor, 78)
  • 1952 - Grande Mágoa / No Rio Tietê (Todamérica, 78)
  • 1952 - Se As Mulheres Quisessem / Juquinha Mulato (Todamérica, 78)
  • 1950 - Pisa No Chão Devagar / Adeus Pilar (RCA Victor, 78)
  • 195? - Augusto Calheiros (Camden, LP)
  • 195? - Recordando Augusto Calheiros (Odeon, LP)
  • 1947 - Garoto Da Rua / Fatal Desilusão (RCA Victor, 78)
  • 1947 - Vida De Caboclo / Prelúdios De Sonatas (RCA Victor, 78)
  • 1946 - Meu Ranchinho / Dúvida (RCA Victor, 78)
  • 1945 - Senhor Da Floresta / Bela (RCA Victor, 78)
  • 1945 - Caboclo Vingador / Célia (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Amar Em Segredo / Cabocla Ruim (Odeon, 78)
  • 1941 - Grande É O Teu Amor / Casa Desmoronada (Odeon, 78)
  • 1940 - Trinta Minutos / Visão Do Passado (Odeon, 78)
  • 1940 - Rancho Da Encruzilhada / Caboclo Ciumento (Odeon, 78)
  • 1939 - Minha Vida Em Tuas Mãos / Vontade De Amar (Odeon, 78)
  • 1939 - Ave Maria / Se Amas És Feliz (Odeon, 78)
  • 1938 - Do Pilá / Engenho Moedô (Odeon, 78)
  • 1938 - Restos De Ventura / Como És Linda Sorrindo (Odeon, 78)
  • 1938 - A Quem Culpar Afinal / Única Ventura (Odeon, 78)
  • 1937 - Quero-te Cada Vez Mais / No Meu Sertão (Odeon, 78)
  • 1937 - Foi Da Bahia / Seresta Do Norte (Odeon, 78)
  • 1937 - Deus Quando Viu... / Palhoça Abandonada (Odeon, 78)
  • 1936 - Que Esperança, Meu Bem / Boneca Sem Coração (Odeon, 78)
  • 1936 - Cantadô Misterioso / Eu Sou Carioca (Odeon, 78)
  • 1936 - Flor Do Sertão / Ranchinho Abandonado (Odeon, 78)
  • 1936 - Cabana Triste / Ilusão (Odeon, 78)
  • 1935 - Tô Te Oiando (Odeon, 78)
  • 1935 - Crepúsculo Gaúcho / Serenata Ao Luar (Odeon, 78)
  • 1935 - Meu Sertão / Falando Ao Teu Retrato (Odeon, 78)
  • 1935 - O Tocador De Violão / Coração Das Plantas (Odeon, 78)
  • 1935 - São Paulo Bandeirante / Sob A Luz Da Lua (Odeon, 78)
  • 1934 - E Me Deixou Saudade... / Caboclo De Raça (Odeon, 78)
  • 1934 - Olhos De Helena / Mané Fogueteiro (Odeon, 78)
  • 1933 - Revendo O Passado / Flor Do Mato (Parlophon, 78)
  • 1933 - Alma De Tupi / Céu Do Brasil (RCA Victor, 78)
  • 1931 - Lalá (Parlophon, 78)
  • 1931 - A Canoa Virou (Parlophon, 78)
  • 1931 - Sombras Do Passado / Tava Lá (Parlophon, 78)
  • 1930 - Teu Olhar / Foram Dizer (Odeon, 78)
  • 1930 - Didi Meu Bem / Perdoa E Confessa (Parlophon, 78)
  • 1930 - Pedindo Beijos (Parlophon, 78)
  • 1930 - Sou Da Bahia / Sou Casquinha (Parlophon, 78)
  • 1930 - Assim É Que É / Tome Jeito (Parlophon, 78)
  • 1930 - Linda Cabocla / Ao Murchar Das Rosas (Parlophon, 78)
  • 1930 - Teus Olhos Castanhos/Tará (Parlophon, 78)
  • 1930 - Eu Sou Pretinho (Parlophon, 78)
  • 1930 - Ordinário Marcha (Parlophon, 78)

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB e Jornal "O Monitor" de Garanhuns (16/08/1986)
Indicação: Miguel Sampaio

Henricão

HENRIQUE FELIPE DA COSTA
(76 anos)
Cantor e Compositor

* Itapira, SP (11/01/1908)
+ Rio de Janeiro, RJ (11/06/1984)

Henrique Felipe da Costa, o Henricão, foi um cantor e compositor brasileiro. Participou de vários filmes brasileiros, como "O Gato de Madame" (1956), e "Betão Ronca Ferro" (1970).

Ele foi mais um desses inúmeros casos de compositores de grandes sucessos que caíram no esquecimento. Figura querida dos seus pares, o risonho cantor e também ator, Henricão, gostava muito de Carnaval. Fala-se que ele era considerado o primeiro Rei Momo Negro da história do Carnaval.

Seu apelido vem de sua alta estatura. Também era um gigante na hora de compor. É autor de inúmeras músicas que se tornaram eternas, dentre elas "Está Chegando a Hora", um dos maiores sucessos da história do carnaval e até hoje cantada nos estádios brasileiros ou na despedidas de alguém. A canção foi gravada por Carmen Costa, intérprete preferida do compositor, com quem chegou a formar dupla nos anos 40, e regravada por nomes de peso da Música Popular Brasileira como Maria Bethânia e Elis Regina. "Está Chegando a Hora", na verdade, é uma adaptação de "Cielito Lindo", uma antiga melodia do folclore mexicano. O compositor confessou que estava em Pernambuco e percebeu que a platéia gostava de cantar a música mexicana, escreveu uma nova letra que caiu de imediato no gosto do público, o que levou Ary Barroso a considerar plágio aquilo que, obviamente, é apenas uma versão da música.

Mas unanimidade mesmo na obra de Henricão é a adorável "Só Vendo Que Beleza",  parceria com Rubem Campos. O compositor conta que a inspiração para a música surgiu quando ouviu uma conversa de bar entre dois aspirantes a Fuzileiros Navais. O interessante é que a singeleza da letra, que retrata um ambiente bucólico, marcado de belezas naturais propícias ao romance, uma verdadeira fórmula da felicidade, foi contrastado pouco tempo depois pelo próprio Henricão ao compor "Casinha da Marambaia", música que mostra um cenário pessimista e de destruição daquele belo cenário da música anterior. provavelmente uma forma do brilhante compositor pegar carona no sucesso da sua composição original.

Após sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro, RJ, no dia 11/06/1984, a Escola Municipal Jardim Campos, fundada em 1982, mudou de nome para Escola Municipal Henrique Felipe da Costa, através do Decreto nº 20.275 de 19/10/1984.

Indicação: Miguel Sampaio