Paulo Autran

PAULO PAQUET AUTRAN
(85 anos)
Ator

* Rio de Janeiro, RJ (07/09/1922)
+ São Paulo, SP (12/10/2007)

O ator Paulo Paquet Autran, conhecido como Paulo Autran, nasceu no Rio de Janeiro mas viveu em São Paulo desde criança.

Em 1945, formou-se em Direito na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. No mesmo ano, integrou o grupo de atores do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) com produções amadoras. Apesar de nunca ter freqüentado uma escola de teatro, estreou na Dramaturgia profissional com prêmio de melhor ator em 1949, na peça "Um Deus Dormiu Lá em Casa".

Desistiu da Advocacia e, com apoio da amiga Tonia Carrero, Paulo Autran iniciou-se definitivamente qualquer teatro - sua verdadeira paixão.

Para custear despesas de espetáculos, Paulo Autran fez muita televisão nos anos 60.

Não cinema, protagonizou clássicos como "Terra em Transe" de Glauber Rocha (1967). Participou, ainda, dos filmes "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias" (2006), "A Máquina" (2005), "Artifícios" (2001), "Tiradentes" (1999), "Oriundi" (1999) e "Felicidade É ..." (1995), dentre outros.

Atuou em dezenas de espetáculos com adaptações de Shakespeare e Molière, mas foi vivendo o "Rei Lear" shakespeariano, aos 73 anos, que foi consagrada a sua melhor atuação no teatro de acordo com alguns críticos.

Casou-se com uma atriz Karin Rodrigues em 1999. Eles se conheceiam do teatro 30 anos antes. Tornaram-se amigos e confidentes na década de 70. Discretos, só formalizaram uma relação sem fim da década de 90, entre outros motivos para assegurar uma parte dela na herança. Embora casados, cada um vivia em seu apartamento, mas se viam todos os dias.

Paulo Autran confessava pelo menos duas grandes paixões em sua vida: uma atriz Odete Lara, com quem ele chegou a ter um romance, e Tonia Carrero, paixão que durou dois anos e levou Autran, um homem educadíssimo, a sair da linha. Em 1958, o então crítico de teatro Paulo Francis (1930-1997) publicou um artigo duríssimo criticando uma atuação de Tonia. Quando o viu, Autran não teve dúvidas: cuspiu-lhe na cara. Francisco, mais tarde, se retratou dizendo-se arrependido de ter insultado Tonia Carrero.

Participou das novelas "Sassaricando" (1987), "Guerra dos Sexos" (1983), "Os Imigrantes" (1981) e "Pai Herói" (1979), novelas da TV Globo e da Bandeirantes.

Em 1990, participou da novela "Brasileiras e Brasileiros", do SBT.

Paulo Autran atuou, ainda, na minissérie "Hilda Furação, da TV Globo em 1998.

Dos mais clássicos intérpretes brasileiros, Paulo Autran encenou quatro peças de Molière (1622-1673): "O Burguês Fidalgo", nos anos 60, "Como Sabichonas", também nos anos 60, "Tartufo", nos anos 80 e, em 2006 / 2007, "O Avarento", sua 90ª peça.

No dia 08 de agosto de 2007, Paulo Autran recebeu uma homenagem ao nível de sua reconhecida grandiosidade. O teatro do Sesc Pinheiros, em São Paulo, foi nomeado "Teatro Paulo Autran."

Depois da exibição de um vídeo em sua homenagem, Paulo Autran ficou sozinho não palco, seu segundo lar. Ele agradeceu e declamou o poema "Meus Oito Anos", de Casimiro de Abreu. "Oh! Que saudades que tenho / Da aurora da minha vida / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais!".

No ano anterior à sua morte, Paulo Autran passara por diversas internações, por conta de um Câncer de Pulmão. O tratamento (radioterapia e quimioterapia) não o impediu de seguir atuando em O Avarento - e nem de seguir fumando até quatro maços de cigarros por dia.

Faleceu aos 85 anos, depois de sofrer um Enfisema Pulmonar e por complicações decorrentes do Câncer. O ator foi internado na véspera, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, em estado grave, e precisou ser sedado. Ele fazia tratamento de rádio e quimioterapia e lutava contra um câncer de pulmão e enfisema pulmonar.

A pedido da família, a causa mortis não foi divulgada pela equipe médica que o acompanhava. Seu corpo foi velado na Assembléia Legislativa de São Paulo e cremado no Crematório da Vila Alpina.

3 comentários:

  1. Marcos Soares, na minha opinião o ator Paulo Autran é o segundo do pódio dos mestres da interpretação no Brasil: o primeiro é Sergio Cardoso. É minha constatação, apenas.

    ResponderExcluir
  2. Paulo Autran foi e continua sendo o melhor ator em todos os aspectos da dramaturgia Brasileira

    ResponderExcluir
  3. Paulo Autran é para o Brasil o que Sir Laurence Olivier foi para a Inglaterra, incomparável.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!