Mário Fava

GIUSEPPE MÁRIO FAVA
(93 anos)
Mecânico

☼ Bariri, SP (24/01/1907)
┼ Rio de Janeiro, RJ (10/01/2000)

Giuseppe Mário Fava foi um mecânico brasileiro nascido em Bariri, SP, em 1907, filho de imigrantes italianos.

Habilidoso mecânico, em 1928, viveu grande aventura integrando durante 10 anos a equipe da Expedição Brasileira para a construção da estrada que interligaria as três Américas: a Carretera Panamericana.

Após retornar ao Brasil, como homenagem pelo grande feito, uma via pública no Rio de Janeiro recebeu o nome de sua cidade natal: a Rua Bariri.

Seu conhecimento como mecânico foi ponto determinante para o sucesso da viagem.

Ajudou a abrir a estrada Belém-Brasília e a fundar várias cidades no estado de Goiás. Na década de 50, pilotando um trator de esteira, iniciou a terraplanagem de Brasília. Na década de 60, foi o pioneiro no ramo de recauchutagem de pneus na cidade de Paranavaí, no Paraná.

Esta espetacular história foi contada em dois livros: "Eu Não Sabia Que Era Tão Longe", do escritor Baririense Osni Ferrari e "O Brasil Através das Três Américas", do escritor Beto Braga.

Os três aventureiros: Giuseppe Mário Fava (à esquerda), Leônidas Borges de Oliveira (ao centro) e Francisco Lopes da Cruz (à direita)
Carretera Panamericana
A Viagem Que Pretendia Unir As Américas

Em 1928, pilotando um Ford Modelo T, o popular Ford Bigode, e uma caminhonete, 3 homens saíram do Brasil rumo aos Estados Unidos. Inspirados pelo sonho do pan-americanismo, queriam provar que era possível unir as Américas nem que fosse por meio de uma rodovia.

Saíram do Brasil rumo aos Estados Unidos para cruzar 15 países e percorrer 28 mil km. Seu sonho era unir as três Américas ao rasgar uma estrada entre elas. A missão logo se mostraria muito mais dura, sofrida e perigosa do que eles podiam imaginar.

Ainda em território brasileiro, estavam perdidos havia dias no Pantanal Matogrossense, uma onça atacou 3 cães que caminhavam ao lado daquele estranho objeto sobre rodas. O mecânico Mario Fava, um dos integrantes do trio de aventureiros, atirou no animal. Mesmo ferido, o felino saltou sobre ele e o derrubou. Seu amigo Francisco, com o auxílio de um dos 5 índios que os ajudavam a sair da mata, cravou um facão no crânio do bicho. Atordoada, a onça agora era presa fácil para os cães, que a mataram e comeram. Essa foi só uma das muitas aventuras da comitiva.

A ideia da rodovia surgiu em 1923, na 5ª Conferência Internacional dos Estados Americanos, no Chile. Passados 5 anos da reunião, porém, o projeto ainda era considerado impossível. O tenente do Exército Leônidas Borges de Oliveira decidiu provar que era viável, sim, a construção da Carretera Panamericana, como seria chamada a futura obra. Para ajudá-lo, convidou o oficial da Aeronáutica Francisco Lopes da Cruz, amigo que sabia tudo de engenharia. Quando a dupla passou pela região de Pederneiras, SP, o mecânico Mário Fava, que sonhava conhecer os Estados Unidos, ofereceu-se para acompanhá-los.

A façanha é contada pelo historiador Beto Braga no livro "O Brasil Através das Três Américas". Ele soube do episódio em 1998, quando morava na Bolívia e conheceu o filho do comandante Oliveira, que lhe mostrou anotações feitas pelo pai. "Foram 8 anos de pesquisas para o livro", diz o autor.

Mario Fava, Passaporte
A expedição teve apoio financeiro do presidente Washington Luís e patrocínio do jornal O Globo, que doou o carro ao grupo. Batizado de Brasil, o Ford T saiu do Rio de Janeiro no dia 16/04/1928, aplaudido por uma multidão.

Em São Paulo, os expedicionários ganharam um reforço: a caminhonete Modelo T, presenteada pelo Jornal do Commercio. O automóvel recebeu o apelido de São Paulo. O primeiro contratempo viria em Bauru, SP: O dinheiro, fotos, documentos e a ata da viagem foram roubados. No Mato Grosso, deram de cara com a tal onça-pintada. Quase um ano depois da partida, alcançaram a fronteira paraguaia. Dos 2652 km percorridos até lá, mais da metade era de trilhas e picadas.

O Paraguai vivia um momento de forte tensão com a Bolívia. Havia uma disputa pela região do Chaco que se estendia desde a época colonial. A fronteira entre os dois países passava por ali e não era bem definida. A descoberta de gás e petróleo na Bolívia resultaria, 4 anos depois, na guerra mais sangrenta da América no século 20, a Guerra do Chaco. Mesmo no centro desse furacão, o presidente paraguaio, José Guggiari, encontrou-se com os brasileiros e os declarou hóspedes de honra.

Recepções com pompa e circunstância, aliás, se repetiram em muitos lugares. Eram acolhidos com festa por autoridades e moradores. Muitos ajudavam na tarefa de abrir caminhos - alguns por vontade própria e outros recrutados pelos Exércitos locais. No Peru, o trio encarou um obstáculo colossal: a cordilheira dos Andes. Lá, Mário Fava mostrou ser um sujeito de sorte, pois escapou duas vezes da morte. No dia 21/10/1929, São Paulo caiu num abismo e ele só sobreviveu porque o automóvel, na queda, ficou preso em uma árvore. Oito dias depois, enquanto a Bolsa de Nova York despencava, o carro Brasil também ia precipício abaixo. E o mecânico escapou por pouco outra vez.

Beto Braga considera Mário Fava o grande herói da expedição. Graças a seus conhecimentos, mantinha os carros funcionando mesmo na base do improviso. Na Bolívia, por falta de álcool (combustível do Ford T), o carro foi abastecido com uma bebida indígena feita de milho. Na Colômbia, encheram os pneus desgastados com capim - o que provocou outro acidente que quase esmagou Mário Fava. O "Intrépido Mecânico", como era chamado pela imprensa, também tinha talento de conquistador e teria se envolvido com inúmeras mulheres durante a jornada.

Carteira de Habilitação de Mario Fava emitida pela delegacia de polícia de Pederneiras em 1927.
Enquanto o grupo passava pelo Equador, recebeu a notícia de que Getúlio Vargas assumira o poder, com a Revolução de 1930. No Panamá, os carros foram desmontados para cruzar os rios. Os viajantes viram, espantados, índios loiros de olhos azuis (homens albinos da tribo dos cunas), encontraram a delegação olímpica brasileira a caminho de Los Angeles e souberam que, no Brasil, São Paulo tentava derrubar Getúlio Vargas e promulgar uma nova Constituição, era a Revolução Constitucionalista de 1932.

Na Nicarágua, o grupo se encontrou com o guerrilheiro Augusto Sandino. O líder popular pretendia derrotar a ditadura da família Somoza. Mas havia firmado um acordo com o governo e entregara grande parte de suas armas. Vítima de uma armadilha, foi executado. Os brasileiros tiraram a última foto do revolucionário, dois dias antes de sua morte.

Já durante a passagem pelo México, o comandante Oliveira se apaixonou pela médica Maria Buenaventura Gonzáles, que seria sua companheira por toda a vida. Enquanto isso, em 1935, o Movimento Comunista, liderado por Luís Carlos Prestes, ganhava força no Brasil. Mas não o suficiente para derrubar Getúlio Vargas.

A ditadura se instaurava no Brasil à medida que os expedicionários cruzavam os Estados Unidos. Lá, o grupo se encontrou com Henry Ford, que quis (mas não conseguiu) comprar os valentes carros Brasil e São Paulo para tê-los no acervo do museu de sua fábrica.

Em Cleveland, os brasileiros precisaram de uma autorização especial para dirigir, que foi assinada por Eliot Ness, o agente que prendeu Al Capone.

Em Washington, foram recebidos por Franklin Roosevelt. O presidente americano entregou uma carta de reconhecimento da nação à expedição. Durante os quase dois anos que passaram nos Estados Unidos, a intenção do grupo era persuadir governo e empresários a investir 100 milhões de dólares na construção da rodovia. Calculava-se que todo o trajeto da Carretera Panamericana custaria em torno de 500 milhões de dólares e os governos de cada país bancariam boa parte dos custos.

Convite de Mario Fava para a sessão do dia 24/11/1937 do Congresso dos Estados Unidos
Dez anos depois da saída do Brasil, os carros e o grupo voltaram de navio para casa. Reuniram-se com Getúlio Vargas, que lhes homenageou dando o nome da terra natal de cada integrante a ruas do Rio de Janeiro (Bariri, Descalvado e Florianópolis).

Leônidas foi nomeado cônsul privativo do Brasil na Bolívia e ocupou o cargo por mais de 20 anos. Mário Fava, um tempo depois, rumou para o norte, abrindo a estrada Belém-Brasília. O Ford Brasil está hoje no Museu dos Transportes, em São Paulo, e o São Paulo apodrece nos arredores do Museu do Ipiranga. Ainda que com trechos improvisados, já existe uma Carretera ligando o norte ao sul do continente, do Alasca à Patagônia, no sul do Chile. O primeiro país a concluir a obra foi o México, em 1950. O trecho da estrada que deveria ser construído no Brasil até hoje não saiu do papel.
"A intenção da expedição em unir as três Américas, como uma só nação, o verdadeiro espírito do pan-americanismo, antecede o Mercosul e outros acordos. A façanha dos expedicionários, mesmo valorizada na época, virando notícia de capa nos jornais, ficou no esquecimento!"
(Beto Braga)

Um ano depois de lançar "O Brasil Através das Três Américas", o escritor Beto Braga também refez o caminho da expedição pelas Três Américas com a mulher, Márcia, e os dois filhos, Caio e Renato. Em vez de calhambeques, a família viajou numa caminhonete Ford Excursion XLT munida de GPS e câmera GoPro. Os quatro saíram de Bauru, no interior de São Paulo, em 16/04/2011 - no aniversário de 83 anos da expedição - e passaram um ano na estrada. Entre 16/04/2011 e 20/04/2012, atravessaram 20 países, de Ushuaia, na Argentina, a Prudhoe Bay, no Alasca.
"Acrescentamos cinco países ao caminho original. Entre eles, o Chile pela importância da Carretera Panamericana no desenvolvimento do país; a Venezuela, que estava prevista no projeto inicial e foi um importante ramal a ser conectado na rodovia principal; e a República Dominicana, pelo convite do Instituto Panamericano de Geografia e História, órgão oficial da Organização dos Estados Americanos (OEA), para fazer a abertura da reunião do Conselho Diretivo em novembro de 2011."
83 anos depois, ainda há trechos que se mantêm como os descritos pelos expedicionários. Na região do Rio Atrato, da selva de Urabá e de El Darién, na divisa entre Colômbia e Panamá, ainda não foi construída a Carretera Panamericana.
"A principal diferença entre as nossas viagens é que eles fizeram história, e eu simplesmente tento resgatá-la!"
Convite de Mario Fava para visitar a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos no dia 20/12/1937
Resumo da Carretera Panamericana

Brasil

Ao som da Banda Marcial e do burburinho da multidão em frente à sede do jornal O Globo, no Rio de Janeiro, o tenente Oliveira, o engenheiro Lopes da Cruz e o mecânico Mario Fava partem em um Ford T no dia 16/04/1928 para descobrir, percorrer e projetar uma estrada que ligaria as Américas. A Expedição Brasileira de Estudos da Carretera Panamericana é recebida em Petrópolis pelo presidente Washington Luís. Em São Paulo, ganham uma caminhonete modelo T. No dia 02/02/1929, eles chegam ao último ponto do Brasil na rota, em Ponta Porã, PR.

Paraguai

Floresta no nordeste: Uma tempestade arranca do chão o rancho onde dormiam. Depois de 2 meses viajando dentro da mata, chegam a Villa Rica, cansados, barbudos, com infecção intestinal e febre.

Argentina

As rodovias eram boas e o país vivia uma expansão econômica, o que tornava a ligação entre Buenos Aires e a Carretera conveniente. São recebidos por ministros e têm 3 meses de tranquilidade.

Bolívia

Deslumbram-se com a Cordilheira dos Andes e com os animais da região. Veem de perto lhamas, vicunhas, alpacas e o gigante condor. Com a ajuda de cães que acompanham a excursão, caçam coelhos para comer.

Peru

Tablachaca: Mário Fava escapa por pouco de um acidente grave. Chegam doentes a Andahuailas. Após uma longa convalescença, seguem rumo à cordilheira. Levam 4 meses para atravessá-la.

Equador

Azuay: No dia 19/10/1930, desgovernado, o Ford Brasil rola 100m ribanceira abaixo. Mário Fava fica preso nas ferragens. O cachorro Tudor, que acompanhava o grupo, morre no acidente.

Colômbia

Picadas de insetos formam grandes feridas. Em Cali, o solo dos Andes destrói os pneus, que são enchidos com capim. Na selva de Urabá, os carros cruzam os rios desmontados.

Panamá

Colón: A expedição visita o canal do Panamá. Cidade do Panamá: O presidente, Ricardo Javané, fica impressionado com o fato de o grupo ter conseguido atravessar de carro a selva de Urabá, um feito inédito.

Nicarágua

Manágua: O líder guerrilheiro Augusto Sandino recebe a expedição na capital. Ele havia fechado um acordo de paz com o governo, mas foi vítima de uma armação em 21/02/1934 e morreu metralhado.

Honduras

Em apenas 8 dias, percorrem o trecho hondurenho, 187 km, que faria parte da futura Carretera Panamericana.

Guatemala

Cidade da Guatemala: Os carros são consertados e ganham pneus novos. O presidente, Jorge Ubico, lhes dá uma grande quantia em dinheiro.

México

Huixtla: São obrigados a atravessar rios sem pontes. Em San Jerônimo, Oliveira quase morre por causa de uma infecção intestinal. Na cordilheira do Oaxaca, o trajeto é aberto à custa de força física.

Estados Unidos

Austin: Apresentam o projeto ao prefeito e ao governador. Detroit: Henry Ford faz questão de conhecer os aventureiros e oferece um bom dinheiro para ter os carros Brasil e São Paulo no museu de sua fábrica. Oliveira, Mário Fava e Cruz recusam e seguem viagem. Washington, DC: Franklin Roosevelt reconhece a expedição em carta.

Mario Fava, 1925
Mário Fava Ganha Museu Com Seu Nome

Uma revista com o inventor Thomas Edison na capa foi o que fez o jovem Giuseppe Mário Fava querer ir para os Estados Unidos há quase um século. E a decidir, aos 21 anos, juntar-se à expedição automobilística, em junho de 1928. Quando Leônidas Borges de Oliveira e Francisco Lopes da Cruz lhe contaram que o plano era chegar até Nova York, o paulista de Bariri apaixonado por mecânica e eletricidade não teve dúvidas: Juntou suas roupas e as poucas ferramentas que tinha e se apresentou como o mecânico da aventura.

"Acredito que nem ele sabia, no início da viagem, a dimensão que teria seu feito. Esta é uma história que deve ser conhecida, reconhecida e lembrada por todo o Brasil, a América e, principalmente, pelos baririenses", diz Dinorá de Azevedo Lima Musegante, diretora de Educação, Cultura e Esporte da Prefeitura Municipal de Bariri, município na região de Jaú, a 330 quilômetros de São Paulo.

A cidade natal do mecânico, filho de imigrantes italianos, abriu em 13/12/2008 o Centro Educacional, Cultural e de Exposições Mário Fava, reinaugurado em 15/06/2016, após uma reforma. Segundo Dinorá, o espaço promove exposições, palestras, cursos, espetáculos de teatro, dança e música, além de exibição de filmes, formaturas e outros eventos.

O acervo é restrito: "Temos algumas fotos e cópias de cartas da expedição que foram impressas e organizadas numa exposição aberta à população. Mário Fava é um herói baririense e brasileiro, cujo feito é de grande importância para todo o continente americano", explica a diretora. Para a ex-prefeita Deolinda Marino, é preciso que cada baririense conheça a história de Mário Fava e reconheça, com orgulho, sua contribuição para os povos das três Américas. "Foi uma história de coragem, ousadia e perseverança, em busca de um ideal."

Até dar nome ao centro cultural, porém, o mecânico era um ilustre desconhecido na cidade. Além de ter saído jovem dali e passado dez anos na viagem do Rio de Janeiro a Nova York, depois de voltar ao Brasil ele retornou pouco à terra natal.

"Ele voltou a Bariri em junho de 1939 para visitar a família e depois sumiu pelo interior do Brasil", conta o escritor e engenheiro civil Osni Ferrari, autor do livro "Eu Não Sabia Que Era Tão Longe" (City Gráfica, 2011, 270 páginas), que resgata a epopeia americana.

Nascido em Bariri, Osni Ferrari conta que seu interesse pela história surgiu no começo de 2006, quando, assistindo a uma reportagem do Jornal Nacional, na TV Globo, ouviu o nome de sua cidade natal num trecho da Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião, de Francis Hime, Geraldo Carneiro e Paulo Cesar Pinheiro. Descobriu que se referia à rua do campo do time do Olaria e que o nome havia sido dado pelo presidente Getúlio Vargas em homenagem a um baririense que havia feito uma viagem histórica muitas décadas atrás.

O escritor-engenheiro lembra que um amigo professor de história já havia lhe falado sobre a aventura, mas teve dificuldade em encontrar mais informações. Até que, pela internet, chegou até o também escritor Beto Braga, que lhe deu mais detalhes sobre Mário Fava e os outros expedicionários.

Em seu livro, inspirado no filme Titanic, Osni Ferrari mistura registros históricos a diálogos de ficção. Hoje morador de Hortolândia, também no interior paulista, ele conta que mantém forte ligação com Bariri e já deu várias palestras sobre Mário Fava em escolas da cidade. "Para que a história de Mário Fava não morra de novo, é preciso contá-la às crianças", ensina. Osni Ferrari também planeja fazer uma segunda edição do livro com detalhes sobre a construção da estrada.

Ele ressalta, no entanto, que a história daquele que ficou conhecido como o "Intrépido Mecânico" por seus conhecimentos, habilidades e criatividade para se safar de dificuldades foi além da Expedição Pan-Americana.
"Ele foi um aventureiro que participou da construção de Brasília. Braço direito do engenheiro Bernardo Sayão, ligou o trator que simbolicamente deu início à terraplenagem da construção da nova capital do Brasil. Também ajudou a fazer a Estrada Belém-Brasília e a fundar cidades no interior de Goiás, como Ceres. Anos mais tarde, montou uma empresa de recauchutagem de pneus em Paranavaí, no norte do Paraná."
Quando Beto Braga o encontrou, em março de 1998, Mário Fava havia arrendado a empresa e vivia de uma pequena renda. Morava com o irmão em uma casa boa, mas pobre de mobília.

Ao retornar ao Brasil, acompanhou Bernardo Sayão na Marcha para o Oeste, desbravando e participando na fundação de cidades no interior de Goiás, inclusive Brasília, a nova Capital Federal e a abertura da Rodovia Belém-Brasília.

Após a morte acidental de Bernardo Sayão, Mário Fava participou da abertura pioneira do Norte do Paraná, instalando-se em Paranavaí, onde veio a falecer, solteiro e sem filhos, em 09 de janeiro de 2000, às vésperas de completar 93 anos de idade.

Mario Fava, 1932
Morte

Mário Fava faleceu no dia 10/01/2000, aos 93 anos, durante uma visita a parentes no Rio de Janeiro, RJ.
"Muita gente achava que Mário Fava era um velho louco pelas histórias que contava. Disse numa ocasião a seu médico que tinha conhecido o presidente americano Franklin Roosevelt e ele não acreditou. Ninguém acreditava"
(Beto Braga)

Fonte: Jornal CandeiaGuia do Estudante e Estadão
#FamososQuePartiram #MarioFava

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!