Lili Carabina

DJANIRA RAMOS SUZANO
(56 anos)
Bandoleira, Assaltante, Assassina e Traficante

☼ Rio de Janeiro, RJ (1944)
┼ Rio de Janeiro, RJ (05/04/2000)

Djanira Ramos Suzano, conhecida pelo pseudônimo de Lili Carabina, Djanira Metralha ou Djanira da Metralhadora, foi uma bandoleira, assaltante, assassina e traficante nascida no Rio de Janeiro, RJ, em 1944.

Infamemente notória nos anos 1970 e 1980 por participar de uma quadrilha que usava fantasias em suas ações criminosas. Djanira, particularmente, usava uma peruca loira, maquiagem pesada, óculos escuros e roupas justas para seduzir os guardas de segurança das agências enquanto seus comparsas entravam para executar o roubo.

Djanira ganhou o apelido de seus próprios cúmplices, apesar de utilizar sempre pistola 9mm, e não carabina, durante os assaltos.

Em uma entrevista a Revista Veja disse ter sido uma Roceira de Minas. Casou-se por imposição dos pais, mas apaixonou-se por um traficante e fugiu com ele, tendo os primeiros dois filhos.

Teria entrado no crime aos 20 anos, quando seu companheiro foi assassinado e ela, em vingança, matou os dois responsáveis.

Em 1975, passou a ser assaltante de bancos.

Presa no final dos anos 80, e condenada, ao todo, a mais de 100 anos de reclusão, chegou a fugir seis vezes da cadeia.

Em 1988, ainda foragida, foi baleada na cabeça ao tentar furar uma blitz, portando armas e drogas, e passou 33 dias em coma. Uma das balas ficou alojada em sua cabeça, não foi retirada, e parte do lado esquerdo de seu corpo ficou paralisada, obrigando-a a usar muletas.

Ao se recuperar, Djanira voltou para a Penitenciária Feminina Talavera Bruce, no Rio de Janeiro, onde tornou-se evangélica. Deveria cumprir pena até o ano 2019, mas foi beneficiada pelo indulto de natal de 1999, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso por ter diabete aguda.

Sua vida foi objeto de duas biografias escritas por Aguinaldo Silva (antes de ser autor de novelas, tinha sido repórter de polícia), "Lili Carabina - Retrato de Uma Obsessão" e "A História de Lili Carabina". Estes livros foram adaptados para o cinema no filme "Lili, a Estrela do Crime", de 1989, com Betty Faria no papel-título.

Apesar da saúde debilitada (sofria de diabetes e colesterol alto) e de andar sempre apoiada em muletas, Dejanir fazia questao de manter a vaidade da juventude tingindo os cabelos.

Os vários anos na prisao também lhe renderam o respeito das presidiárias, as quais Lili Carabina fazia questão de dar conselhos sobre a vida no mundo crime: "Dinheiro de roubo vem fácil e vai embora rápido!", dizia.

Lili Carabina tinha uma filha, Dejane, e dois netos. Teve mais dois filhos. O primeiro, 33 anos, morreu ao bater com a moto num ônibus. O caçula, traficante, foi assassinado, aos 19, com mais de 40 tiros.

Lili Carabina Nunca Existiu

Em 2017, com a estreia de uma peça de teatro sobre a vida de Lili CarabinaAguinaldo Silva publicou textos e deu declarações afirmando que Lili Carabina nunca existiu, foi apenas uma personagem criada por ele com base nas histórias policiais que ele cobria nos seus tempos de jornalista.

No entanto, diversos textos jornalísticos afirmam que Lili Carabina é realmente Djanira Ramos Suzano, criminosa cuja ficha policial é marcada por seis fugas de cadeias, condenações por homicídios, assaltos, latrocínio, tráfico, direção perigosa, porte de armas e falsidade ideológica.

Em matéria publicada na Folha, por exemplo, é possível encontrar um depoimento no qual Djanira relata as táticas que usava para executar seus assaltos a bancos, joalherias e casas lotéricas e ressalta como suas roupas extravagantes e seu poder de sedução eram essenciais no modo como executava suas ações:
"Eu entrava sempre na frente, porque quem fica para trás corre mais risco. Eu procurava prender o guarda ou o gerente, puxava conversa, jogava um charme. Eles me achavam bonita e eu ia enganando o cara, até ter chance de abrir a bolsa e puxar a arma. O nome Djanira foi a polícia que botou. Meu nome é Djanir. Depois acharam que eu tinha uma metralhadora, mas usava uma pistola 9 milímetros adaptada, com cano que dava para tirar, para caber na bolsa. Como eu usava dois pentes de bala, acharam que eu tinha uma metralhadora. Aí chamavam de loura da metralhadora, mulata pistoleira, mudava muito!"
(Djanira Ramos Suzano)

Embora não usasse uma carabina ou uma metralhadora, tal qual sugeriam a alcunha com a qual tornou-se célebre, Djanira sabia manejar muito bem sua pistola 9 mm e fazia também da sedução uma importante arma para executar seus crimes e colocar em prática os seus planos de fuga.

Morte

Djanira Ramos Suzano faleceu na manhã de quarta-feira, 05/04/2000, aos 56 anos, vítima de infarto, no Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, RJ.

Lili Carabina foi sepultada na tarde de quinta-feira, 06/04/2000,no Cemitério de Campo Grande.

#FamososQuePartiram #LiliCarabina

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!