Hector Babenco

HECTOR EDUARDO BABENCO
(70 anos)
Cineasta

☼ Mar del Plata, Argentina (07/02/1946)
┼ São Paulo, SP (13/07/2016)

Hector Eduardo Babenco foi um cineasta argentino, naturalizado brasileiro de ascendência judaico-ucraniana. Foi diretor de filmes como "Pixote, a Lei do Mais Fraco" (1980) e "Carandiru" (2003).

Hector Babenco nasceu em Mar del Plata, Argentina, em 07/02/1948 e quando estava com 19 anos, mudou-se para o Brasil e naturalizou-se brasileiro em 1977. Antes de se tornar cineasta, trabalhou como extra em filmes dos diretores espanhóis Sergio Corbucci, Giorgio Ferroni e Mario Camus.

Durante quatro anos, trabalhou com documentários, como "O Fabuloso Fittipaldi" (1975), de Roberto Farias. No mesmo ano fez seu primeiro longa-metragem, "O Rei da Noite" (1975), com Paulo José e Marília Pêra nos papéis principais. O  segundo, "Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia" (1976), inspirado em fatos reais, conseguiu uma das melhores bilheterias do cinema brasileiro, 5,4 milhões.

Em 1981, dirigiu "Pixote, a Lei do Mais Fraco", sobre as crianças abandonadas no Brasil. Foi um sucesso mundial e recebeu vários prêmio internacionais. No final da década de 80, "Pixote, a Lei do Mais Fraco" foi eleito pela revista American Film como um dos filmes mais marcantes da década.

Em 1984 adaptou o romance de Manuel Puig, "O Beijo da Mulher Aranha" (1985), trabalhando com parceiros internacionais, um modelo seguido depois por diferentes produções brasileiras. O filme, interpretado por William Hurt e Raul Julia, teve quatro indicações ao Oscar e levou o de melhor ator. No Festival de Cannes, William Hurt recebeu mais uma vez o  Prêmio de Interpretação Masculina. O filme foi o responsável pelo lançamento internacional de Sônia Braga.

Hector Babenco e Bárbara Paz
Seguindo esta linha de parcerias internacionais, dirigiu "Ironweed" (1987), baseado no romance de William Kennedy. Com Jack Nicholson e Meryl Streep, o filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator e Melhor Atriz, respectivamente.

Em 1990, fez outra adaptação, do romance de Peter Mathiessen, e dirigiu "Brincando nos Campos do Senhor" (1991), inteiramente filmado na Amazônia e interpretado por Tom Berenger, Daryl Hannah, Aldann Quinn e Kathy Bates.

Dois anos após um transplante de medula óssea, para se curar de um câncer, dirigiu "Coração Iluminado" (1998), seu projeto mais pessoal, inspirado em suas lembranças de adolescência.

Em 2003, elaborou o roteiro, junto com Fernando Bonassi e Victor Navas, e dirigiu "Carandiru", uma adaptação do livro homônimo de Drauzio Varela. O filme retrata a vida de um médico que atende no presídio de segurança máxima de Carandiru, convivendo com a realidade dos prisioneiros, e fez tanto sucesso quanto o livro.

Todos os seus filmes tratam de questões sociais, tendo uma visão pessoal e subjetiva das pessoas marginalizadas como desabrigados, prostitutas, prisioneiros políticos, homossexuais, e outra série de pessoas.

No teatro, estreou na direção, em 1988, no espetáculo "Loucos de Amor", de Sam Shepard, com Edson Celulari, Xuxa Lopes, Antonio Calloni e Lineu Dias. Em 2000, dirigiu "Closer - Mais Perto", de Patrick Marber, com Renata Sorrah, José Mayer, Marco Ricca e Guta Stresser. Sua mais recente incursão nos palcos aconteceu, em 2010, ao fazer a adaptação, junto com Marco Antônio Braz, do best-seller "Hell Paris", da escritora francesa Lolita Pille. A versão teatral do romance, a primeira feita no mundo, recebeu o nome de "Hell", tendo Bárbara Paz no papel da protagonista, contracenando com Ricardo Tozzi.

Morte

Hector Babenco morreu aos 70 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória na noite de quarta-feira, 13/07/2016, em São Paulo. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês desde terça-feira, 12/07/2016, para tratar uma sinusite, segundo sua filha, a fotógrafa Janka Babenco.

A morte foi confirmada pela produtora HB Filmes, responsável pelas principais obras do cineasta. Ainda segundo a produtora, Hector Babenco morreu às 22h50. "Ele passou por um procedimento simples. Ontem ele estava bem", lamentou Denise Winther, que trabalhou como assistente de Hector Babenco nos últimos cinco anos. O hospital também confirmou a morte, mas não deu maiores detalhes sobre o quadro de saúde do cineasta.

Além de Janka Babenko, Hector Babenco deixa mais uma filha, dois netos e a esposa, a atriz Bárbara Paz, com quem era casado desde 2010.

O velório ocorrerá na sexta-feira, 15/07/2016, na Cinemateca, em São Paulo, das 10h00 às 15h00. Depois disso, o corpo do cineasta será cremado no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, SP, em uma cerimônia apenas para familiares e amigos.

Teatro

  • 1988 - Loucos de Amor (De Sam Shepard)
  • 2000 - Closer - Mais Perto (De Patrick Marber)
  • 2010 - Hell (De Lolita Pille)

Cinema

  • 1975 - O Rei da Noite
  • 1977 - Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia
  • 1980 - Pixote, a Lei do Mais Fraco
  • 1984 - O Beijo da Mulher-Aranha
  • 1987 - Ironweed
  • 1990 - Brincando Nos Campos do Senhor
  • 1998 - Coração Iluminado
  • 2003 - Carandiru
  • 2007 - O Passado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!