Goiá

GERSON COUTINHO DA SILVA
(46 anos)
Cantor e Compositor

☼ Coromandel, MG (11/01/1935)
┼ Uberaba, MG (20/01/1981)

Gerson Coutinho da Silva, mais conhecido como Goiá, foi um cantor e compositor brasileiro.

Logo abaixo está a transcrição fiel da biografia do poeta, datilografada por ele mesmo de forma resumida, quase como um currículum:

GERSON COUTINHO DA SILVA (GOIÁ)
Filiação: Celso Coutinho da Silva e Margarida Rosa de Jesus

Nasci em 11 de janeiro de 1935, em Coromandel, na Rua Raul Soares, numa casa que muitos anos depois ficou conhecida por Casa do Períque (o nosso Péricles, de saudosa memória);

Desde pequenino, sempre gostei de "falar versos" (recitar trovas), e como sempre recebia em troca um "cachê" (doce, queijo, requeijão, etc.), meu entusiasmo cresceu sobremaneira, até que um dia, no auge da interpretação, quis dar um colorido especial à uma frase, expressando-a com bastante força, mas, o que todos ouviram foi um longo e grave ruído, considerado impróprio e vergonhoso, na presença "dos mais velhos", e foi assim que Coromandel perdeu seu declamador, de quatro anos de idade...

Ganhei de meu pai uma gaita de boca, que foi minha companheira por muitos anos, até que a troquei por um cavaquinho, mas, a minha alegria maior foi quando ganhei um violão "de tarrachas", que era o meu grande sonho...

Comecei a cantar em dupla com vários parceiros, dentre eles, Anterino Coutinho, meu irmão Nelson, Geraldo Telles (Geraldinho do Vigilato), seu irmão José (Zé do Vigilato), e quando chegávamos naquelas festas animadas, o pessoal sempre dizia:

- "Chegou o fio do Cerso cum seus cumpanhêro!"

E a coisa "fervia" até o nascer do sol!

Essa época marcou muito para mim e é responsável, em grande parte, pela saudade impossível que sinto da infância!

Comecei a estudar música com o mestre José Ferreira e enquanto não terminava o curso, passei a ser o tocador de bumbo ou bombo, e como por essa ocasião eu formava dupla com o Miguelinho (filho do "Miguel Batalhão"), arranjei para ele um lugar na banda de música, como tocador de tarol. E depois das retretas (Chapadão, Alegre, Mateiro, Santa Rosa, etc), a gente cantava nas "barracas" e o incentivo era imenso.

Após passarmos uma temporada em Lagamar, em casa de minha irmã Maria e de meu cunhado Fulô, fomos (eu e Miguelinho) para Patos de Minas, onde cantamos, por alguns meses, no programa do Compadre Formiga, meu querido amigo Padre Tomaz Olivieri.

Mas eu não suportava passar mais que dois meses fora de Coromandel! Saia e voltava, voltava e saia...


Foi em 1953 que parti para Goiânia, (então com dezoito anos de idade, juntamente com o meu pai) onde fiquei conhecendo gente maravilhosa, e onde permaneci por dois anos, aprendendo muito, em todos os sentidos!

Formei o Trio da Amizade, (o primeiro nome artístico foi Rouxinol), com programas diários na inesquecível Rádio Brasil Central, e fomos os primeiros do Estado a gravar discos em São Paulo (dois discos com 78 RPM na antiga Columbia, atual CBS).

Tenho um carinho especial pelo Estado de Goiás, notadamente por Goiânia, onde deixei grandes amigos, que jamais esquecerei!

De lá parti, no último dia do ano de 1955, e confesso, parti com lágrimas nos olhos, mas a grande meta era São Paulo, o grande eixo, também no mundo artístico.

Aqui, gravei alguns discos com o Trio Mineiro e após uma temporada na Rádio Nacional, nos programas do amigo Nhô Zé, transferí-me para a Rádio Bandeirantes, onde fui contratado como apresentador de programas, inicialmente no "Maiador da Fazenda", do amigo e parceiro Zacarias Mourão, e posteriormente lancei o "Choupana do Goiá", além de ser substituto eventual dos saudosos Capitão Balduino e Comendador Biguá, em seus tradicionais programas "Brasil Caboclo" e "Serra da Mantiqueira".

Esqueci-me de dizer que durante toda minha trajetória, de Coromandel a Patos, Goiânia e São Paulo, jamais deixei de compor minhas músicas, e através delas, chorava a grande saudade de minha terra, mas, eu tinha em mente um ideal, e todo ideal exige sacrifícios, e de todos, o maior era a ausência prolongada de minha cidade, de minha gente, "meus amores...".

Permaneci na Rádio Bandeirantes até meados de 61, quando então a quase totalidade do cast sertanejo daquela emissora havia gravado músicas minhas: Pedro Bento e Zé da Estrada, Liu e Léo, as Irmãs Galvão, Zilo e Zalo, Caçula e Marinheiro, Tibagi e Miltinho, Souza e Monteiro, Primas Miranda e outros tantos.

Fui para a Rádio 9 de Julho (ainda como apresentador) a convite do Geraldo Meirelles e Zé Claudino, lá ficando por dois anos, quando me despedi, e depois de uma curta temporada com Zacarias Mourão na Rádio Excelsior, decidi dedicar-me inteiramente às composições.

Com exceção de alguns meses como free-lancer na Rádio Nacional, no programa "Biá e Seus Batutas", nunca mais voltei a apresentar programas, tendo me dedicado, de corpo e alma, aos meus "versos"...
 
Um dia, para a alegria do povo de Coromandel, a dupla, Goiá e Biá, gravou o seu primeiro LP, com as composições de Goiá, e muitas falando de Coromandel e do Estado de Goiás, sendo que nesta época o seu parceiro e cunhado era bem conhecido na música sertaneja, através da dupla Palmeira e Biá, assim concretizando de vez os seus sonhos no âmago de sua alma.

Sentindo certas dificuldades ao cantar em dupla, não com relação a Biá, que sempre foi o seu Parceiro-Amigo-Irmão, como ele mesmo dizia, separou-se de Biá para gravar individualmente o seu primeiro LP em duas vozes, sendo um dos primeiros no Brasil a gravar neste estilo.


Assim, Goiá mostrou a sua familiaridade com o violão, pois tinha uma impressionante capacidade de musicar, não somente suas letras como também de muitos parceiros seus, vestindo a cada dia uma roupagem nova na Música-Política-Sertaneja.

E, sempre acompanhado de grandes personalidades da época, Goiá viveu dias intensos de viagens e shows por todo esse Brasil.

Mas nem tudo foi um mar de rosas. Além das dificuldades que todos enfrentam neste país, ele tinha também o seu lado de esposo e pai, sempre mostrando um carinho muito grande pela sua família, já composta de três filhos: Róbson, Myre e Hilger. Aí passou a ver o lado financeiro de suas músicas, pois até então, de direitos autorais, pouco recebia, devido a não regulamentação desse direito no Brasil.

Como exemplo, Goiá compôs a trilha sonora do filme "A Vingança de Chico Mineiro", onde quase nada recebeu por um grande trabalho de uma qualidade indiscutível.

Por volta de 1971, começou um tempo negro em sua vida. Goiá passou a ser portador de diabetes, e como ele mesmo dizia, abusava muito de sua saúde, não se alimentando corretamente, passando longos períodos de viagens e cantorias, ficando até três anos sem fazer um exame de sangue sequer.

E foi em dezembro de 1979, nos exames realizados em Uberlândia que ficou comprovado: Além do açúcar no sangue, Goiá era portador de cirrose hepática, já bem acentuada, ascite, água no peritônio.

De volta a São Paulo, começou a corrida aos hospitais na tentativa de estacionar a cirrose, e com isso ele perdia peso assustadoramente.

Foi quando em novembro de 1980, já vivendo praticamente só de cama, transferiu-se para Uberaba, ficando mais perto de Coromandel, podendo ser visitado freqüentemente pelos seus conterrâneos, trazendo para si, forças para continuar, mesmo acamado, a escrever suas canções.

Nos últimos anos de sua vida, Goiá já escrevia para o estilo sertanejo moderno e já era gravado por Chitãozinho & Xororó, João Mineiro & Marciano, Cezar & Paulinho, Milionário & José Rico, Duduca e Dalvan, Chico Rey e Paraná e muitos outros.

No dia 20/01/1981, às 8h00, morre Goiá em Uberaba, Minas Gerais, aos 46 anos. Seu corpo foi levado para Coromandel e esperado por uma multidão de pessoas, exatamente na Placa de 5 Km, onde outrora foi sempre esperado pelo seu povo.

Seu corpo foi velado na Igreja de Sant'ana e sepultado no Cemitério Municipal de Coromandel, no dia 21/01/1981, passando a viver conosco somente de forma espiritual.

No seu túmulo, ficou escrito o que humildemente pediu numa de suas canções, mostrando mais uma vez a sua natureza humana: "A humildade, que era o seu gesto maior".

Algumas Composições de Goiá

  • A Árvore que Plantei (Goiá e Julião Saturno)
  • A Cama (Goiá)
  • Adeus Filhinha (Goiá e José Neto)
  • Adeus Jusmare (Goiá e José Neto)
  • Adeus Mãezinha (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Adeus Maria (Goiá e Sebastião Víctor)
  • Adeus Menina (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Adeus Menina Amada (Goiá e Plínio Alves)
  • Adeus Meu Bem (Goiá e Marciano)
  • Adeus Meu Rincão (Goiá e D. Thomaz)
  • Adeus Paraná Querido (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Adeus Para Sempre (Goiá e J. Víctor)
  • Aeronave do Amor (Goiá e Marciano)
  • A Grande Esperança (Goiá e Francisco Lázaro)
  • Ainda uma Vez, Adeus (Goiá e Sebastião Víctor)
  • Aí Vareia (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Além da Vida (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Alma Cabocla (Goiá e José Neto)
  • Alma Irmã (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Alma Triste (Goiá e Chico Vieira)
  • A Lua é Testemunha (S. Lozano Versão: Goiá e Inhana)
  • Amada Ausente (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Amarga Saudade (Goiá e Comendador Biguá)
  • Amargurada (Goiá e Paiozinho)
  • Amigo Cachorro (Goiá)
  • Amor de Minha Vida (Goiá e Soberano)
  • Amor e Felicidade (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Amor Graúdo (Goiá e Augusto Alves Pinto)
  • Apenas um Pecado (Zé Claudino e Goiá)
  • As Cordilheiras (Meu Pranto em Teus Olhos) (Goiá)
  • Aurora do Mundo (Goiá)
  • A Vida Não Vale Nada (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Badalar do Adeus (Goiá e Almir)
  • Baile do Adeus (Goiá)
  • Bambuzinho Suburbano (Goiá)
  • Barquinho da Esperança (Goiá)
  • Bondoso Guia (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Boneca de Rua (Benedito Seviero e Goiá)
  • Boneca Loira (Goiá e Taubaté)
  • Brasília (Goiá e Zé Micuim)
  • Cai Sereno, Cai (Belguinha e Goiá)
  • Caminhando Pela Vida (Goiá e Marciano)
  • Caminhão de Uai (Goiá e Jacozinho)
  • Caminheiro da Saudade (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Caminhos de Minha Infância (Goiá)
  • Caminhos da Vida (Zalo e Goiá)
  • Campos Amados de Coromandel (Goiá e Waldemar de Freitas Assunção)
  • Canarinho da Manhã (Goiá e José Neto)
  • Canção da Minha Terra (Luiz de Castro e Goiá)
  • Canção do Meu Adeus (Goiá e Zé Claudino)
  • Canção do Meu Regresso (Goiá)
  • Capotamento de Amor (Goiá)
  • Capricho (Goiá e Arlindo Pinto)
  • Capricho da Vida (Goiá e Biguá)
  • Caprichosa (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Carrossel da Vida (Tela Branca do Meu Coração) (Goiá e Geraldo Meirelles)
  • Carta de Filho (Goiá e Plínio Alves)
  • Casa do Chapéu (Goiá e Plínio Alves)
  • Casinha de Praia (Goiá)
  • Casinha dos Meus Amores (Goiá e Praense)
  • Centelha Divina (Goiá e Almir)
  • Chapadão (Goiá e Sebastião Rocha)
  • Chora Coração (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Chorarei ao Amanhecer (Goiá e Amir)
  • Chuvisco da Madrugadan (Goiá)
  • Cidade de Assis (Goiá)
  • Cidade de Santo André (Goiá e Julião Saturno)
  • Cinqüenta Mil Amores (Goiá e Almir)
  • Coisas da Vida (Mineirinho e Goiá)
  • Coisas do Destino (Goiá e Clóvis Pontes)
  • Copo na Mesa (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Coração Dividido (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Coração Sofredor (Milano e Goiá)
  • Coromandel (Goiá e Zalo)
  • Criança Crescida (Goiá e José Neto)
  • Cuiabá (Goiá)
  • Declina o Sol no Poente (Evangelista e Goiá)
  • Derradeiro Adeus (Goiá e Belmonte)
  • Desabafo da Alma (Goiá e Taguaí)
  • Desespero de Amor (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Desilusão (Goiá e Pirajá)
  • Despedida (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Despedida de um Poeta (Goiá e Almir)
  • Desprezo de Amor (Goiá)
  • Deus te Proteja (Goiá)
  • Dia Mais Lindo da Vida (Goiá)
  • Dia Mais Tristes da Vida (Goiá)
  • Direito de Amar (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Dois Artistas (Goiá e Nenete)
  • Dois Goianos (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Dois Lares (Goiá e José Víctor)
  • Duas Vidas (Goiá e José Russo)
  • Duelo de Amor (Goiá e Benedito Seviero)
  • É Chato Gostar (Brasão e Goiá)
  • Em Busca da Sorte (Goiá e Dionilde Thomas)
  • Em Busca de Deus (Chico Vieira e Goiá)
  • Emocionante (Goiá e Tertuliano Amarilha)
  • Enquanto Trindade Louvava o Divino (Goiá)
  • Entardecer da Vida (Goiá e José Neto)
  • Erga Teus Olhos Meu Anjo (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Esperança (Goiá)
  • Espinhos no Coração (Goiá e Plínio Alves)
  • Esquina do Adeus (Goiá)
  • Estrada das Flores (Goiá e José Neto)
  • Estrela Dourada (Goiá e Mizael)
  • Estrela-Guia (Goiá e Sebastião Victor)
  • Estrela Matutina (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Estrela Sem Luz (Zé Dionísio e Goiá)
  • Estupidez (Goiá e Almir)
  • Eu Vivia Sozinho e Você Também (Goiá)
  • Fala Coxim (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Feitiço Espanhol (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Festa do Divino (Goiá)
  • Festinha Boa (Clóvis Pontes e Goiá)
  • Filosofia de Poeta (Augusto Alves Pinto e Goiá)
  • Fim de um Sonho (Goiá e José Neto)
  • Flor do Lodo (Goiá e Biá)
  • Flor Mineira (Goiá e Chico Vieira)
  • Folhas Amarelas (Mensagem de Amor) (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Fronteira do Adeus (Goiá e Almir)
  • Gamação (Mulher de Malandro) (Goiá e José Neto)
  • Garça Maguary (Goiá e Tertuliano Amarilha)
  • Garimpeiro Theodoro (Goiá)
  • Gatinha de Praia (Goiá)
  • Gente de Minha Terra (Goiá, Amir e Pereirinha)
  • Gente Deste Planeta (Almir e Goiá)
  • Gotas de Esperança (Goiá e Almir)
  • Gotas de Lembranças (Entardecer) (Goiá e Plínio Alves)
  • Grande Erro (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Grão de Areia (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • História Triste de Um Índio Civilizado (Goiá e Mizael)
  • Homem Triste (Goiá e Valdery)
  • Homenagem ao Presidente (Goiá e Kambuquira)
  • Imagem do Sertão (Goiá)
  • Índia Misteriosa (Goiá e Chico Vieira)
  • Índia Soberana (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Itacolomi (Goiá e Cambuquira)
  • Jardineira do Adeus (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • José e Maria (Goiá e Evangelista)
  • Juriti Mineira (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Lamento (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Lamento de uma Saudade (Goiá e Zilo)
  • Lei Agrária (Goiá e Francisco Lázaro)
  • Lembrando Vila Pequena (Goiá e Edimilson Corrêa)
  • Lição de Caboclo (Goiá e Julião Saturno)
  • Liguei o Rádio Nesta Triste Madrugada (Goiá)
  • Linda Mentirosa (Almir e Goiá)
  • Lindos Campos do Amambaí (Goiá e Negrão da Costa)
  • Língua Grande (Goiá e José Neto)
  • Luz de Minh'Alma (Goiá e Osvaldo Alves da Silva)
  • Magoado Coração (Goiá e Emídio Rama)
  • Mais uma Noite Vou Dormir Sem Meu Bem (Goiá e Waldemar de Freitas Assunção)
  • Mamãe Mafalda (Goiá e Sebastião Rocha)
  • Mares da Ilusão (Goiá e Zalo)
  • Marreca Selvagem (Goiá e Tertuliano Amarilha)
  • Menina de Praia (Nízio e Goiá)
  • Mensagem à Mamãe (O Adeus de Mamãe) (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Mensagem de Amor (Goiá e Zalo)
  • Mensagem de Natal (Julião Saturno, César Martins e Goiá)
  • Mesmo Caminho (Zalo e Goiá)
  • Messalina (Goiá e Marciano)
  • Meu Coró (Goiá e Plínio Alves)
  • Meu Natal Sem Mamãe (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Meu Último Amor (Goiá e Waldemar de Freitas Assunção)
  • Meus Amigos do Sul de Minas (Goiá e Almir)
  • Minha Gratidão (Goiá e Sebastião Víctor)
  • Minha Infância (Goiá e Hélio Alves)
  • Minha Mulher Amada (Goiá e Zalo)
  • Minha Viola Caipira (Goia e Zacarias Mourão)
  • Minuano do Sudoeste (Goiá e Marciano)
  • Moça de Abadia (Goiá)
  • Moças do Interior (Goiá)
  • Mulher Volúvel (Melrinho e Goiá)
  • Mutirão de Goiânia (Goiá)
  • Não Sei Porque (Goiá e Cristalino)
  • Não te Quero Não (Goiá e Melrinho)
  • Nas Curvas do Seu Corpo Capotei Meu Coração (Goiá e Amir)
  • Natal em Goiás (Goiá e Chicão Pereira)
  • Noites Estreladas (Luiz Manoel, Goiá e Hilda)
  • Nossa Mensagem (Goiá)
  • O Adeus do Meu Bem (Goiá e Tomaz)
  • O Amor Não tem Vergonha (Goiá e Marciano)
  • O Astronauta (Goiá e Nenete)
  • O Colono (Biá e Goiá)
  • O Direito de Amar (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • O Grande Segredo (Goiá e Plínio Alves)
  • Olhos Verdes (Goiá e José Neto)
  • O Mártir do Calvário (Goiá e Biá)
  • Onde a Saudade Mora (Goiá e Oswaldo Caixeta)
  • Orgulho e Ciúme (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • O Seu Bem Sou Eu (Goiá e Zalo)
  • Os Olhos Azuis de Cristo (Goiá e Praense)
  • Outra Noite Sem Meu Bem (Goiá e Waldemar de Freitas Assunção)
  • Parabéns aos Noivos (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Parabéns Meu Amor (Aniversário do Meu Amor) (Goiá e Ivan Caires)
  • Paraguaia da Fronteira (Goiá)
  • Paraná Querido (Paulinho Gama e Goiá)
  • Pássaro Preto (Moreninha de Guata) (Almir e Goiá)
  • Pau de Sebo (Goiá)
  • Pecado Loiro (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Pecado Mortal (Goiá e Benedito Seviero)
  • Pé de Cedro (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Pedro Paissandu (Goiá)
  • Pescando Saudade (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Piadas da Minha Terra (Goiá e Osvaldo Gomes)
  • Poço Verde (Goiá e Taubaté)
  • Poente da Vida (Goiá e D. Thomaz)
  • Poluição (Goiá e zacarias Mourão)
  • Pranto da Meia-Noite (Goiá e Plínio Alves)
  • Preciso te Esquecer (Goiá e Waldemar de Freitas Assunção)
  • Qualquer Dia Destes Pego um Avião (Goiá)
  • Quando meu Bem me Disse Adeus (Goiá)
  • Quem Ama em Dueto e Ama a Pátria (Goiá)
  • Recordação (Nenete e Goiá)
  • Retalhos de Saudade (Goiá e Francisco do Carmo)
  • Retrato do Sertão (Goiá e Sebastião Rocha)
  • Reze por Mim ao Pôr-do-Sol (Goiá e Praense)
  • Rosas e Orquídeas Para Você (Goiá e Tertuliano Amarilha)
  • Rosa Ternura (Goiá)
  • Sabe Deus (Sebastião Víctor e Goiá)
  • Sanfona Pé de Bode (Goiá)
  • Santa Helena de Goiás (Goiá e Amaraí)
  • Saudade Cruel (Goiá e Zalo)
  • Saudade da Minha Terra (Goiá e Belmonte)
  • Saudade de Alguém (Goiá e Zalo)
  • Saudade de Coromandel (Goiá e Biazinho)
  • Saudade de Goiás (Goiá e Amaraí)
  • Saudade do Poeta (Goiá)
  • Saudade em Excursão (Goiá e Nelsinho)
  • Segredo de um Artista (Goiá e Almir)
  • Sem Ela Não Sei Viver (Goiá e Zilo)
  • Sem Teu Amor (Goiá e Biguá)
  • Sereno da Solidão (Goiá e José Neto)
  • Séria Questão (Goiá e Belmar)
  • Seriema (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Sertanejo Meu Irmão (Maria Morena) (Goiá e Ermiro Vieira da Cunha)
  • Sinfonia da Dor (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Solidão da Noite (Goiá)
  • Solidão na Praia (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Só me Resta Gargalhar (Goiá e Almir)
  • Sonhar de Novo (Goiá e Leonardo Amâncio)
  • Sonho de Criança (Goiá)
  • Só Pelo Amor Vale a Vida (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Sorriso de Maria (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Tardes Morenas de Mato Grosso (Goiá e Valderi)
  • Te Amo Jatobá (Goiá e Sebastião Aurélio)
  • Terra Santa de Padre Víctor (Goiá e João Mineiro)
  • Tipos Populares de Minha Terra (Goiá e Selma A. Lopes)
  • Travessa da Amizade (Goiá Sebastião Víctor)
  • Três Amores (Goiá e Tony Gomide)
  • Tribunal do Mundo (Goiá e Tony Gomide)
  • Trilha da Saudade (Goiá)
  • Triste Abandono (Goiá e Zacarias Mourão)
  • Triste Arrependimento (Goiá e Gauchito)
  • Triste Viola (Goiá)
  • Trovas do Goiá (Goiá)
  • Tua Carta (Zé Micuim, Goiá e Loló)
  • Uai (Goiá)
  • Última Esperança (Goiá e Natinho)
  • Última Melodia (Zilo, Goiá e Braz Hernandes)
  • Última Saudade (Goiá)
  • Último a Saber (Rubens Avelino e Goiá)
  • Último adeus (Flor Menina) (Goiá e Bernardes Vieira)
  • Um Abraço, Um Adeus (Goiá e Amir)
  • Uma Saudade Amarga e Cruel de Coromandel em Minas Gerais (Goiá)
  • Um Novo Amanhã (Goiá)
  • Um Pouco de Paz (Goiá e Taguaí)
  • Vida Enganosa (Goiá e Soberano)
  • Vinte Anos de Silêncio (Zacarias Mourão e Goiá)
  • Visita à Goiás (Goiá e Sidon Barbosa)
  • Volta ao Passado (Goiá e Antônio Marani)
  • Vovó Rita (Valdery e Goiá)
  • Zé da Carolina (Goiá e Leonardo Amâncio)

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!