sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Gato

JOSÉ PROVETTI
(55 anos)
Cantor e Guitarrista

* Valparaíso, SP (07/01/1941)
+ Rio de Janeiro, RJ (31/01/1996)

José Provetti nasceu em Valparaíso, SP, uma pequena cidade perto de Guararapes, Andradina e Araçatuba, em 07/01/1941. Ele era filho de Ricardo Provetti e Antônia Buonvonatti. Seus pais eram pobres e trabalhavam como agricultores.

Em 1948, quando tinha 7 anos, a familia Provetti mudou-se para a São Paulo.

Em 1951, quando tinha 10 anos, José Provetti juntou Zé Cascudo como parte de uma dupla caipira. Zé Provetti & Zé Cascudo goi mais uma dupla entre as centenas existentes. Logo, porém José Provetti teve aulas de violão clássico com Salvador Viola no Largo Paissandú, no centro da cidade.

Não sabemos muito sobre a conversão de Gato para o rock, mas não é difícil imaginar que ele deva ter se apaixonado por algum guitarrista do rock.

Em 1959, fez parte da turma da gravadora Young, sendo líder dos Jester Tigers, acompanhando a maioria dos cantores. Gravou 2 discos solos pela Young, um cantando "Kissin Time" e "What'd I Say" e no outro solando sua guitarra em "Paris Belfort" e "Parada da Juventude". Gato não só tocou guitarra, mas também cantou, e cantou em inglês.

Em 1961 se tornou Disk Jockey na Rádio Piratininga e Rádio Santo Amaro.

Antonio Aguillar apresenta e Gato entrega troféu ao George Freedman
Começou a participar ativamente do programa "Ritmos da Juventude" de Antônio Aguillar pela Rádio Nacional de São Paulo todos sábados das 15:00 as 17:00 horas, onde se apresentava como guitarrista e tocava com quem aparecesse. Foi convidado pelo baterista Jurandy Trindade para assumir a guitarra dos Vampires, que logo depois mudaria o nome para The Jet Black's.

Miguel Vaccaro Netto conseguiu a gravação de um 78 RPM dos The Jet Black's na Chantecler. Gravaram "Apache" em outubro de 1962, que estourou nas paradas, começando assim uma nova tendência dentro do rock nacional.

Em janeiro de 1963 a Chantecler lançou "Twist", o primeiro LP dos The Jet Blacks, que foi rapidamente alcançou o primeiro lugar nas paradas de sucesso. Em junho de 1963 a Chantecler lançou "Twist Again", o segundo LP do conjunto. Foi um sucesso absoluto, que abriu caminho para The Jordans, The Clevers e todos os outros conjuntos instrumentais que hibernavam até então.

The Jet Black's, em 1966, adotaram o modelo de terno sem-gola popularizado pelos Beatles em 1964. Foi a época de "Chapeuzinho Vermelho", em que Gato cantava, além de tocar sua guitarra.

Gato tocou na banda até sair em 1966, sendo substituido pelo não menos competente Emilio Russo, ex-The Lions.

Gato fez parte na formação do RC-3 e depois RC-7 que acompanharam Roberto Carlos durante todo o período Jovem Guarda e até bem depois.

Ele morreu em 31/01/1996, vitimado por sequelas de um derrame cerebral, e foi sepultado no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro.


The Jet Black's

Grupo paulistano, um dos pioneiros do rock instrumental no Brasil, na linha dos ingleses The Shadows, tirou seu nome de "Jet Black", sucesso desse grupo, e dos norte-americanos The Ventures, embora também tivesse êxito com gravações vocais. Foi um dos mais importantes e famosos conjuntos de música instrumental no Brasil dos anos 60.

Formado em 1961 com o nome The Vampires, seus integrantes eram Gato (guitarra-solo e órgão), Jurandi (bateria), Orestes (guitarra-base), Ernestico (saxofone), e José Paulo (contrabaixo).

Contratados pela Chantecler, gravaram em 1962 o primeiro disco, um 78 rpm com duas regravações dos Shadows, "Apache" e "KonTikí". O disco fez sucesso e seguiram-se os LPs "Hully Gully" (1962) e "Twist - The Jet Black's Again" (1963).

Fizeram o acompanhamento instrumental em "Rua Augusta" de Ronnie Cord, em 1964, nos LPs de Deny e Dino e de Roberto Carlos, ambos em 1966, e em diversas gravações de Sérgio Reis, Celly Campello e outros cantores.

Em 1965 fizeram suas primeiras gravações vocais, no LP "The Jet Black's", incluindo "Susie-4", regravação do norte-americano Dale Hawkins, lançada também em compacto, junto com "Theme For Young Lovers", outro original dos Shadows e que se tornaria o maior sucesso do grupo. Curiosamente, a gravação dos Shadows é em ritmo de baião, e a do grupo brasileiro em rock-balada.

The Jet Black's tocavam em vários programas de rádio e televisão, inclusive o mais famoso da época, Jovem Guarda de 1965 a 1967. Esse programa era transmitido ao vivo para a maioria dos estados brasileiros com enorme audiência e o grupo acompanhava a maioria dos cantores que se apresentavam. Com a utilização de orquestras em algumas de suas gravações, foram precursores ao mostrar que o lirismo de violinos e outros instrumentos tradicionais poderiam se encaixar perfeitamente ao som das guitarras elétricas.

Indicação: Miguel Sampaio

Norma Suely

NITA DE ARAÚJO SANTOS
(71 anos)
Cantora e Atriz

* Ponte Nova, MG (26/06/1933)
+ Rio de Janeiro, RJ (14/06/2005)

Norma Suely nasceu Nita de Araújo Santos, seu nome de batismo, na cidade de Ponte Nova, MG, no dia 26/06/1933. Filha de Jamil Lopes dos Santos e Esther de Araújo Santos, tinha dois irmãos: Edmundo e Adalberto. Seu pai era jornalista, editor do jornal da cidade, e sua mãe, exímia pianista, foi cantora profissional e professora de música. Com ela, iniciou seus estudos musicais ainda menina, em Belo Horizonte, onde a família passou a residir. Estudou no católico Colégio Santa Maria e no Colégio Batista Mineiro, mas a música clássica tornou-se desde então a principal motivação da precoce e sensível menina, tendo Dona Esther como principal incentivadora e primeira professora.

Enquanto estudava piano e canto, acompanhava a mãe nos programas da Rádio Inconfidência, e vibrava com o prestígio que ela desfrutava como folclorista e atração da emissora mineira. Aos 11 anos, interpretou a modinha "Quem Sabe" (Carlos Gomes) no auditório da rádio e recebeu sua primeira lufada de aplausos, acompanhada de rasgados elogios da direção. Cantar e tocar acordeão em festinhas e eventos da cidade, passou a ser constante em sua vida de adolescente.

Quando a família mudou-se para o Rio de Janeiro, frequentou os inevitáveis programas de calouros. No "Pescando Estrelas", em 1951, comandado por Arnaldo Amaral na Rádio Club do Brasil, conquistou o primeiro lugar e um contrato com a rádio, recebendo salário mensal de 1.500 réis. Foi o bastante para ser notada por Renato Murce, que na época lançava o programa "PRE-Neno" na Rádio Nacional. Foi lá que conheceu o tenor Paulo Fortes, que a aconselhou lapidar seu potencial vocal de soprano-ligeiro.

À essas alturas adotou o nome artístico de Norma Suely, por sugestão de um colega de rádio, que achava Nita um nome sem apelo comercial. Ela gostava de Norma por causa da ópera "Norma" de Vicenzo Bellini, e Suely, achou um complemento sonoro e popular.


No programa de Renato Murce, um concurso de canto lírico que tinha o compositor erudito Cláudio Santoro como presidente do júri, lhe concedeu como prêmio ao primeiro lugar conquistado, uma bolsa de estudos no Conservatório de Santa Cecília, na Itália.

Em 1953, afivelou as malas e seguiu viagem sozinha. Seu aproveitamento no curso foi de Excelência, a ponto de ser espontaneamente recomendada pelos professores do Conservatório para a renovação da bolsa por mais um ano. Durante sua estada em Roma, excursionou e apresentou-se em espetáculos ao lado de grandes nomes do cinema, como Silvana Pampanini, Renato Rascel, Eleonora Rossi Drago e outros.

De volta ao Brasil, assinou contrato com a Rádio Nacional, onde permaneceu contratada até 1967. Soltando seus trinados em trechos de óperas no famoso auditório, era aplaudida de pé, constantemente escalada para os populares programas de Manoel Barcelos, César de Alencar e Paulo Gracindo.

Sua participação em Festivais GE, acompanhada por orquestra sob regência de Lirio Panicalli, cantando "Alelluiah" de Mozart, empolgou não só a platéia, mas também os músicos que levantaram-se para aplaudi-la no final da apresentação.

Em 1957 recebeu convite da Polydor para gravar música popular, sonho que acalentava e o mercado lhe acenava. Gravou "Fascinação", "Se Todos Fossem Iguais a Você", "Olhe-me, Diga-me" e "Odeio-te, Meu Amor" em compacto-duplo. Saiu-se muito bem como cantora romântica, e passou a gravar MPB sem abandonar o canto lírico.

Norma Suely e Cauby Peixoto
Paralelo à vida artística, em 1958, fez concurso para o Instituto Brasileiro do Café (IBC), onde foi admitida como escrituraria. Logo estava na seção de relações públicas ao lado de jornalistas, o que a levou fazer curso de jornalismo, tornando-se redatora, e subindo para nível universitário com vencimentos.

A carreira como cantora prosseguiu com prestígio e popularidade, até que em 1965, estimulada pelo amigo Walter Mattesco, fez teste para o musical americano "Música, Divina Música", versão teatral de "A Noviça Rebelde", que o produtor Oscar Ornstein apresentou no Teatro Carlos Gomes. Foi aprovada como substituta da protagonista, deixando surpresos os americanos com seu alcance vocal. A atriz começava assim a despontar.

Aceitou o convite para trabalhar no musical "Os Fantastikos" que o diretor Antonio de Cabo começava a montar no pequeno Teatro Carioca do Flamengo. Perto da estréia, recebeu um telefonema de Oscar Ornstein para que assumisse o papel de Maria em "Música, Divina Música" imediatamente. Assim, protagonizou dois espetáculos em uma mesma temporada, já que em "Os Fantastikos" alternava com Suely Franco a personagem feminina principal. A guinada que esse fato causou em sua vida profissional foi avassaladora.

Atuava como cantora e atriz, especialmente de musicais, com brilho e ascensão. A cantora foi parar nas paradas de sucesso com a versão de "Juanita Banana", ao lado do cantor Kleber, uma ideia do grande amigo Abelardo Barbosa, o Chacrinha. Gravou os LPs "A Voz e o Violão" ao lado de Luiz Bonfá e "Festival San-Remo 65", com as célebres canções do festival.

A atriz experimentou o cinema em "Cangerê" (1957), e posteriormente fez "Adorável Trapalhão" (1967), "Rally da Juventude" (1972) e "O Esquadrão da Morte" (1975).

Norma Suely e Juscelino Kubitschek

Nos palcos atuou também em "Onde Canta o Sabiá", "Sabiá 67", "Tem Banana na Banda", "As Garotas da Banda", "Bordel da Salvação", "Tem Piranha na Lagoa", "Missa Leiga", "Independência ou Morte", "Gota D’Água", "O Homem de La Mancha", "O Ministro e a Vedete", "Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá", "Sequestro na Sauna" e "A Dama de Copas e o Rei de Cuba" em Portugal. Suas últimas aparições em teatro foram nas leituras das peças "O Telescópio" e "Revolução dos Beatos", produzidas pela Funarte.

Na televisão ganhou papel escrito especialmente por Gilberto Braga, a cantora de sarau Norma Santiago na novela "Senhora" (1975) da TV Globo, onde cantava a mesma modinha "Quem Sabe" de Carlos Gomes, dos primeiros tempos. Seguiram-se "Nina" (1977), também na TV Globo e "Helena" (1987) na TV Manchete.

Sempre ávida por se reciclar e antenada com tudo à sua volta, voltou a estudar, fazendo Faculdade de Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), formando-se em 1982.

Dedicada à família durante toda vida, viveu cercada da tia, Ilka Drummond, irmãos, sobrinhos e primos, demonstrando a mais pura solidariedade e companheirismo. Residindo com a mãe em seu apartamento no Lido, Copacabana, apartamento esse que comprou pela Caixa Econômica Federal, pagando anos a fio até quitá-lo.

Sofreu a perda de Dona Esther no final de 1969, acometida de doença incurável. Muito abalada, afastou-se das atividades profissionais por um ano, até voltar ao teatro em "Tem Banana na Banda", a convite do amigo Nestor Montemar.

Da vida sentimental, foi noiva do italiano Eufêmio Maurizio del Buono enquanto estudou no período de dois anos no Conservatório de Santa Cecília. Mas a relação não resistiu ao aeroporto. No inicio de 1969 conheceu o comerciante Natal Luiz Prosdocimi nas cercanias da praça do Lido, onde também residia, apresentado pelo amigo André Tambourini. Ao assisti-la cantando "Amendoim Torradinho" em uma boate no Flamengo, foi impossível para Natal Luiz resistir. Apaixonaram-se e viveram juntos por quase quarenta anos.


Morte

Norma Suely faleceu em 14/06/2005 no Hospital Pan-Americano da Tijuca, vitimada pela mesma enfermidade de sua amada mãe.


Discografia

  • 1962 - Por Causa do Amor / Suave é a Noite (Odeon, 78)
  • 1960 - Oração do Amor Espanhol / E o Vento Levou (Polydor, 78)
  • 1960 - Jerusalém / Eu Quero Tantas Coisas (Polydor, 78)
  • 1960 - A voz e o Violão - Luiz Bonfá e Norma Suely (Odeon, LP)
  • 1958 - Fascinação / Se Todos Fossem Iguais a Você (Polydor, 78)
  • 1958 - Odeio-te Meu Amor / Olhe-me, Diga-me (Polydor, 78)
  • 1958 - O Amor Numa Serenata / Meu Coração (Polydor, 78)
  • 1955 - Poeira Dourada / Que Importa? (RCA Victor, 78)

Indicação: Miguel Sampaio

Morgana

ISOLDA CORRÊA DIAS
(65 anos)
Cantora

* São Paulo, SP (02/08/1934)
+ São Paulo, SP (04/01/2000)

Isolda Corrêa Dias foi uma cantora brasileira, filha de Geraldo Corrêa Dias e Maria Helena Franco Dias, conhecida com o nome artístico de Morgana Cintra e, posteriormente, Morgana, também era chamada de "A Fada Loira". Morgana cantava em várias línguas e era considerada por muitos como uma das melhores cantoras brasileira.

Seus principais sucessos foram "Arrependida" e "Serenata Do Adeus", ambas de 1958, "Canção Da Tristeza", "Conselho", "Este Seu Olhar", estas de 1959, "Hino Ao Amor", de 1960, "Não Pense Em Mim", de 1967, e "E a Vida Continua", de Jair Amorim e Evaldo Gouveia. Seus principais discos são "Esta é Morgana" (1959) e "Morgana" (1960).

Morgana ganhou muitos troféus durante sua carreira. Um Troféu Roquete Pinto, das Emissoras Unidas; 8 Discos de Ouro, do programa "Astros do Disco"; o Troféu Chico Viola; Os Melhores da Semana; Discos de Ouro, no Rio de Janeiro; Troféu Imprensa; Troféu Tupiniquim; e tantos outros, tanto em São Paulo, como no Rio de Janeiro e outras capitais brasileiras.

Morgana estudou no Colégio Alfredo de Gusmão e depois fez curso de balet, na Escola de Bailado da Prefeitura de São Paulo. Estudou canto e piano no Colégio Cristovão Colombo. Continuou os estudos com o maestro Tobias Perfetti e com Zaira Bianchi. Estudou ainda italiano, inglês, francês e castelhano.

Começou sua carreira como cantora lírica, no qual obteve êxito durante sete anos. Em 1958 passou a se dedicar à música popular, adotando o nome Morgana Cintra.


Contratada pela gravadora Copacabana estreou em discos ainda em 1958, quando gravou com o acompanhamento do conjunto de Severino Filho a "Serenata Do Adeus", de Vinícius de Moraes, em gravação que logo obteve grande sucesso. No lado B desse disco gravou com Booker Pittman, pai da cantora Eliana Pittman, o fox "Let's Fall In Love" (Arlen e Kehler). No mesmo ano, gravou o samba "Conselho" (Denis Brean e Osvaldo Guilherme), e o samba-canção "Era Uma Vez", de Lina Pesce. 

Obteve imediatamente grande sucesso com a primeira gravação "Serenata Do Adeus", que tornou-se bastante conhecida através de sua gravação. Logo após gravou "Mais Brilho Nas Estrelas", que também teve grande aceitação pelo público, bem como o recente sucesso de Edith Piaf, em versão de Odair Marzano, "Hino Ao Amor". Morgana também gravou "O Hino do IV Centenário", de Mário Zan.

Em 1958, Morgana recebeu o Troféu Imprensa como melhor cantora, e lançou com a orquestra de Osmar Milani o LP "Esta é Morgana", no qual interpretou as composições "Serenata Do Adeus" (Vinícius de Moraes), "Era Uma Vez" (Lina Pesce), "Sombras Entres Nós" (Hervé Cordovil e René Cordovil), "Dois Orgulhosos" (Antônio Bruno), "Conselho" (Denis Brean e Osvaldo Guilherme), "Mais Brilho Nas Estrelas" (Aloísio Figueiredo e Nelson Figueiredo), "Porque Tu Me Feres" (Gordurinha), e "Amar Ou Não Amar" (Antônio Bruno e Amauri Medeiros).

Em 1959, já com o nome artístico abreviado para apenas Morgana, gravou o samba-canção "Mais Brilho Nas Estrelas" (Aloysio Figueiredo e Nelson Figueiredo), com acompanhamento da orquestra de Osmar Milani, música que ela interpretaria no filme "Moral Em Concordata" (1959) uma comédia com direção e argumento de Fernando de Barros. No lado B desse disco gravou a toada "Bentevi" (Miranda e Maio), com acompanhamento da orquestra de Marin Pereira.


Ainda em 1959, Morgana fez sucesso com a gravação de "Hymne a L'amour" (Edith Piaf e Monnot), em versão de Odair Marzano, em disco que trazia no lado B a seresta "Choro Por Você" (Heitor Carrilho e Betinho). Nesse mesmo período participou do LP "A Música De Dolores" uma homenagem a Dolores Duran, falecida naquele ano, interpretando a "Canção Da Tristeza".

Em 1960, lançou seu terceiro LP interpretando as músicas "Tome Continha De Você" (Édson BorgesDolores Duran), "Encontrei o Amor" (Fernando César e Roberto Mário), "A Rosa (Canção da Rosa Que Eu Te Dou)" (Édson Borges), "Carinho e Amor" (Tito Madi), "Leva-me Contigo" (Dolores Duran), "Sonata Sem Luar" e "Elegia Ao Violão" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Menina Moça" (Luis Antônio), "Falar Por Falar" (Fernando César), "Segredo Para Dois" (Fernando César e Ted Moreno), "Só Falta Aqui Você" (Édson Borges e Sandra Alves), e "A Flor" (Vera Brasil e De Rosa).

Em 1961, lançou o LP "Morgana, A Fada Loura" que consolidaria definitivamente sua carreira, disco no qual cantou as músicas "Não Sei Explicar" (F. Jay e A. Harris) em versão de Teixeira Filho"Cantando Baixinho" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Manhã à Toa" (Ciloca Madeira e Regina Guerreiro), "Tarde Outonal" (Hector Lagna Fietta e Ribeiro Filho), "Até Sempre (Hasta Siempre)" (Mário Clavell) versão de Teixeira Filho"Volte Pra Mim (Come Back To Me)" (Roy Orbison e J. Nelson), e versão de Ciro Cruz e Marco Antônio Brandão, "Canta Pra Mim" (Lina Pesce), "Amare (Essere Amati)" (D. Vignali e Danpa) versão de Ramalho Neto"Teleco-Teco Nº 3" (Ciloca Madeira e Regina Guerreiro), "Fica Ou Vai" (Inara Simões de Irajá), "A Distância Não Vai Alterar" (H. Hilm, V. Aleda e P. Kreuder) versão de Teixeira Filho, e "Arrependida" (J. C. Villafuerte) versão de Sebastião Ferreira.

Para o natal de 1962, Morgana gravou em dueto com o cantor Moacyr Franco a canção "Natal De Felicidade" (Moacyr Franco e Wilton Franco).


Ainda em 1962, Morgana lançou o LP "Fuga Com Morgana" no qual cantou as músicas "Fuga", de Renato de Oliveira e Nazareno de Brito; "Areia branca", de Jorge Smera e Othon Russo; "Cravo vermelho", de Pernambuco e Sergio Malta; "A volta", de Ted Moreno e Fernando César; "Primeira estrela que vejo", de Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho; "Caminho perdido", de Luis Antônio; "Maldito", de Evaldo Gouveia e Jair Amorim; "Maldade", de Denis Brean e Osvaldo Guilherme; "Ninguém no mundo (Nessuno al mondo)", de A. Crafer e J. Nebb, e versão de Wilma Valéria; "Quero paz", de Ricardo Galeno e Cirene Mendonça; "Que tristeza é essa", de Silvio César, e "Para que me enganar", de Romeo Nunes e Édson França.

Em 1963, lançou o LP "A Romântica Morgana" com um repertório eminentemente romântico com as músicas: "Nem Deus" (João Roberto Kelly), "Espero Por Ti Meu Amor", uma versão de Claribalte Passos para "Da Un Giorno Al Altro" (F. de Paolis, Galotti e Medini), "Confessa Agora" (Alcyr Pires Vermelho e Hagá Faria), "Meu Grande Amor" (Antônio Bruno), "Adeus à Solidão" (Dalton Vogeler), "Quatro Letras" (Vera Brasil e Sivan Castelo Neto), "Vê, Lembra e Pensa" (Nazareno de Brito e Adolfo Maclerevsky), "Tema Do Amor Triste" (Rildo Hora e Clóvis Mello), "Tu" (Ed Lincoln e Silvio César ), "Canção Do Amor Perdido" (Fredy Chateaubriand e Vinicius de Carvalho), "Mágoa" (Hervé Cordovil e Julio Atlas), e "Tristeza Triste" (Jorge Smera e Paulo Gesta).

Ainda em 1963, sua interpretação para o bolero "Maldito" (Evaldo Gouveia e Jair Amorim), foi incluída no LP "14 Maiorais Nº 2" da gravadora Copacabana, incluindo sucessos daquele momento. Também nesse mesmo ano participou da coletânea "5 Eestrelas Interpretam a Bossa Nova - Elizeth Cardoso, Marisa, Carminha Mascarenhas, Morgana e Lucienne Franco" da gravadora Copacabana que demonstrou o prestígio que tinha na época. Nesse LP interpretou as canções "A Flor" (Vera Brasil e De Rosa) e "Cravo Vermelho" (Pernambuco e Sergio Malta).

Em 1964, participou da coletânea "Tudo De Mim - Poemas e Canções de Jair Amorim" que a gravadora Copacabana lançou homenageando o compositor Jair Amorim. Nesse disco interpretou o bolero "Maldito". No mesmo ano, sua interpretação para o bolero "Deixa Pra Lá" (Nóbrega e Souza e Jerônimo Bragança), foi incluída no LP "As 14 Maiorais Em Boleros" da gravadora Copacabana.


Em 1965, gravou o LP "Morgana, Morgana, Morgana" que teve como destaque o bolero "Amor Eterno" (Alfredo Borba e Edson Borges), que foi incluído também na coletânea "Sucessos Volume 1" da gravadora Continental.

Morgana também atuou como cantora na TV. Sua canção mais famosa foi a música-tema da novela "O Direito de Nascer", da extinta TV Tupi, em 1965, escrita por por Talma de Oliveira e Teixeira Filho, baseada no original cubano de Félix Caignet, com direção de Lima Duarte, José Parisi e Henrique Martins. Nessa época, Morgana era carinhosamente chamada de "Fada Loira".

Em 1966, participou da coletânea "Lina Pesce - Seus Grandes Sucessos" com o qual a gravadora Copacabana homenageou a compositora Lina Pesce. Nesse disco foi incluída sua gravação para a música "Era Uma Vez".

Em 1967, duas gravações suas foram incluídas na coletânea "14 Sucessos De Ouro - Volume 8" da RGE, "Não Pense Em Mim" e "Kilimandjaro". No mesmo ano, participou da coletânea carnavalesca "Carnaval 68" do selo Som Maior interpretando a marcha "A História De Um Pierrot" (Celso Mendes).

Em 1968, participou do III Festival Internacional da Canção Popular defendendo a composição "Engano" (Renato de Oliveira e Fernando César), incluída no volume II dos discos do Festival lançados pela Odeon.

Morgana foi casada com Amaury Garcia de Oliveira, que trabalhava no ramo de restaurantes. E eles tiveram um filho, de nome Amaury. Em 1973, no auge do sucesso no Brasil e no exterior, ela decidiu trocar a carreira de cantora por uma rede de pizzarias, em sociedade com o marido.

Em 1977, sua interpretação para a "Serenata Do Adeus" (Vinícius de Moraes), foi incluída no LP "As Grandes Cantoras da MPB" do selo Som/Copacabana. Essa mesma gravação seria incluída em 1980, no LP "Saudade & Fossa" do selo Seta.

Morgana faleceu aos 65 anos, em 04/01/2000, e foi sepultada no Cemitério Quarta Parada, em São Paulo.


Discografia


  • 1966 - Lina Pesce - Seus Grandes Sucessos (Copacabana, LP)
  • 1965 - Morgana, Morgana, Morgana (Copacabana, LP)
  • 1964 - Deixa Lá / Luar Do Nosso Adeus (Copacabana, 78)
  • 1964 - As 14 Maiorais Em Boleros (Copacabana, LP)
  • 1964 - Tudo de Mim - Poemas e Canções de Jair Amorim (Copacabana, LP)
  • 1963 - Fuga / Ninguém No Mundo (Copacabana, 78)
  • 1963 - A Romântica Morgana (Copacabana, LP)
  • 1963 - 5 Estrelas Interpretam a Bossa Nova - Elizeth Cardoso, Marisa, Carminha Mascarenhas, Morgana e Lucienne Franco (Copacabana, LP)
  • 1962 - Maldito / Eu, a Tristeza e Você (Copacabana, 78)
  • 1962 - Natal de Felicidade (Copacabana, 78)
  • 1962 - Fuga Com Morgana (Copacabana, LP)
  • 1961 - Não Sei Explicar / A Distância Não Vai Alterar (Copacabana, 78)
  • 1961 - Amar / Cantando Baixinho (Copacabana, 78)
  • 1961 - Morgana, A Fada Loura (Copacabana, LP)
  • 1960 - Sonata Sem Luar / Elegia Ao Violão (Copacabana, 78)
  • 1960 - Este Amor / A Rosa (Copacabana, 78)
  • 1960 - Morgana (Copacabana, LP)
  • 1959 - Mais Brilho Nas Estrelas / Bentevi (Copacabana, 78)
  • 1959 - Hymne a L'amour / Choro Por Você (Copacabana, 78)
  • 1959 - Morgana (Copacabana, LP)
  • 1958 - Serenata Do Adeus / Let's Fall In Love (Copacabana, 78)
  • 1958 - Conselho / Era Uma Vez (Copacabana, 78)
  • 1958 - Esta é Morgana (Copacabana, LP)

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Durval Ferreira

DURVAL INÁCIO FERREIRA
(72 anos)
Compositor, Instrumentista, Arranjador e Produtor Musical

* Rio de Janeiro, RJ (26/01/1935)
+ Rio de Janeiro, RJ (17/06/2007)

Durval Ferreira foi um arranjador, instrumentista, compositor e produtor musical. Começou a aprender violão com a mãe, que tocava bandolim, e desde então interessou-se por música, estudando sozinho. Mais tarde se aperfeiçoaria no contato com músicos como João Donato, Luís Eça, Johnny Alf, Cannonball Adderley, Herbie Mann, Tom Jobim e outros.

Em 1958 fez sua primeira composição, "Sambop" (Durval Ferreira e Maurício Einhorn) gravada dois anos depois por Claudete Soares no LP "Nova Geração Em Ritmo De Samba", gravadora Copacabana.

Em 1959 apresentou-se pela primeira vez em público no festival de bossa nova realizado no Liceu Franco-Brasileiro, do Rio de Janeiro, e em seguida em espetáculo da Faculdade de Arquitetura. Nessa época, organizou seu primeiro conjunto e acompanhou a cantora Leny Andrade.

Em 1962 integrou o conjunto de Ed Lincoln e, como guitarrista, tocou no Sexteto Bossa Rio, de Sérgio Mendes, durante o Festival de Bossa Nova, do Carnegie Hall, de Nova York, Estados Unidos. Três anos depois foi violonista do conjunto Tamba Trio em gravações, participando ainda do conjunto Os Gatos, com o qual gravou o LP "Aquele Som Dos Gatos" (Philips), e, em 1966, "Os Gatos" (Philips), incluindo sua composição "E Nada Mais" (Durval Ferreira e Lula Freire).

Durval Ferreira compôs a trilha sonora de "Estranho Triângulo", direção de Pedro Camargo, e participou, em 1968, do III Festival Internacional da Canção, da TV Globo, do Rio de Janeiro, com a música "Rua d'Aurora" (Durval Ferreira, Fátima Gaspar e Tibério Gaspar).

Durval Ferreira tem inúmeras composições gravadas por artistas brasileiros e norte-americanos, destacando-se "Batida Diferente" (Durval Ferreira e Maurício Einhorn), gravada por Roberto Menescal e seu Conjunto, na gravadora Elenco, pelo Tamba Trio, na gravadora Philips, e com várias outras gravações no Brasil e exterior.

"Tristeza De Nós Dois" (Durval FerreiraMaurício Einhorn e Bebeto), gravada em 1962 pelo conjunto de Sérgio Mendes e também com inúmeras gravações: "Estamos Aí" (Durval Ferreira, Maurício Einhorn e Regina Werneck), 1963, gravada por Leny Andrade, na Odeon, "Nuvem", com o mesmo parceiro, gravada pelo conjunto Os Gatos, de Eumir Deodato, na gravadora Philips

Sua composição com Maurício Einhorn e Hélio Mateus, "Avião", foi uma das últimas gravações do cantor Agostinho dos Santos, antes de sua morte em acidente aéreo.

Durval Ferreira participou, como jurado, do III e IV Festival Internacional da Canção, produziu as vinhetas da Rádio Nacional, do Rio de Janeiro, sozinho na FM, e em parceria com Orlandivo na AM. Foi diretor artístico da CID.

Durval Ferreira faleceu vítima de câncer.

Indicação: Miguel Sampaio

Hélcio Aguirra

HÉLCIO AGUIRRA
(54 anos)
Guitarrista

* (03/04/1959)
+ São Paulo, SP (21/01/2014)

Hélcio Aguirra foi um guitarrista brasileiro de rock, conhecido por tocar nas bandas Harppia e Golpe de Estado.

Em 1984 colaborou com a organização do evento Praça do Rock, que era realizado no Parque da Aclimação em São Paulo e reunia bandas independentes de rock da época em shows gratuitos ao vivo. Naquela época, ele já brilhava como integrante da primeira formação da banda Harppia, que fez show memorável naquele evento.

Em 1985 liderou a banda Harppia com o álbum "A Ferro e Fogo", lançado pela Baratos Afins.

Em 1986 junto com o vocalista Catalau, Hélcio Aguirra formou o Golpe de Estado. Fizeram parte da banda Paulo Zinner (baterista) e Nelson Brito (baixista). Hélcio Aguirra gravou oito discos inclusive o mais recente "Direto do Front". Atualmente o Golpe de Estado tinha em sua formação Hélcio Aguirra (guitarrista), Dino Linardi (vocalista), Nelson Brito (contra-baixo) e Roby Pontes (baterista).


Golpe de Estado

A banda Golpe de Estado foi uma das mais importantes do hard rock brasileiro. A revista "Rolling Stone" do Brasil incluiu Hélcio Aguirra na lista dos 100 guitarristas mais influentes do país. O grupo tinha quase três décadas de carreira e lançou oito discos. O mais recente foi "Direto da Fonte", de 2012, e teve participação de Dinho Ouro Preto. A banda também já teve parcerias com Rita Lee, Arnaldo Antunes e outros. Hélcio Aguirra também fez parte da banda de heavy metal Harppia e do grupo instrumental Mobilis Stabilis


Morte

Hélcio Aguirra morreu na terça-feira, 21/01/2014, aos 54 anos. A mulher do músico, Jane Lopes, disse que ele morreu enquanto dormia, em seu apartamento em São Paulo, e foi encontrado pela irmã. Hélcio Aguirra era hipertenso e há dois meses foi internado por conta de uma crise de pressão alta, segundo a esposa.

O velório de Hélcio Aguirra aconteceu na quarta-feira, 22/01/2014, a partir das 11:30 hs no Cemitério São Pedro, Avenida Francisco Falconi, em São Paulo. Depois, o corpo foi levado para o Crematório Vila Alpina, onde ocorreu a cerimônia de cremação às 16:00 hs.

De acordo com Jane Lopes, a morte por Hipertensão Arterial Sistêmica foi confirmada por laudo do Instituto Médico Legal (IML). Hélcio Aguirra também sofreu edema agudo dos pulmões, infarto agudo do miocárdio, e aterosclerose.

Fonte: Wikipédia e G1
Indicação: Miguel Sampaio  

sábado, 25 de janeiro de 2014

Márcio Vip Antonucci

MÁRCIO AUGUSTO ANTONUCCI
(68 anos)
Cantor, Compositor, Apresentador de TV, Ator e Produtor Musical

* São Paulo, SP (23/11/1945)
+ Angra dos Reis, RJ (20/01/2014)

Márcio Augusto Antonucci, também conhecido como Márcio Vip Antonucci, foi um cantor e produtor musical brasileiro. Formou a dupla Os Vips, junto com seu irmão Ronald Luís Antonucci.

Iniciou sua carreira artística em 1964, como um dos integrantes da dupla Os Vips, destacando-se, também, como compositor, pela autoria das canções "Como Se Fosse Meu Irmão" (Lilian), "Longe Tão Perto" (Os Vips), "A Espera" (Painel de Controle), "O Jogo Acabou" (Perla), "Droga Maldita" (Vanusa) e "Borges" (Elenco da TV Colosso).

Em 1965, foi contratado como artista exclusivo da TV Excelsior, atuando como cantor e apresentador do programa "Linha de Frente", dirigido ao público jovem.

De 1966 a 1969, participou, como artista exclusivo da TV Record, dos programas "Jovem Guarda", "Ronnie Von" e "Show do dia 7", como integrante da dupla Os Vips.

Trabalhou também como ator na novela "Algemas de Ouro" (1969) e na mini-série "Ternurinha e Tremendão". Participou do júri do programa "Quem Tem Medo da Verdade", colaborando com o diretor Carlos Manga na criação do quadro "Lente da Verdade", no qual era utilizada uma câmera Nikkor de 7 mm, de sua propriedade, chamada "Olho de Peixe", que distorcia a fisionomia dos entrevistados dando mais dramaticidade ao programa.

Márcio Antonucci (à esquerda) ao lado do irmão Ronald Antonucci, com quem formava
a dupla de sucesso: Os Vips.
De 1972 a 1976, exerceu o cargo de produtor musical da Continental Discos, tendo lançado, entre outros, o cantor Agepê, contemplado com três Discos de Ouro, e o conjunto Roupa Nova. Foi responsável, também pelo LP "Novos Baianos Futebol Clube", contemplado com Disco de Ouro, e pelos LPs da série Os Motokas (Volumes I a XII), que contabilizaram mais de 3.000.000 de discos vendidos.

De 1976 a 1979, atuou como produtor musical da TV Globo, onde foi responsável pelos programas "Alerta Geral", "Brasil Especial", "Sandra & Miéle" e "Globo de Ouro".

Trabalhou como produtor musical da gravadora Som Livre, pela qual lançou as séries "Garra Brasileira", "Convocação Geral" e "Samba, Suor & Ouriço". Assinou, também, a produção musical dos LPs "Maravilhas Contemporâneas", de Luiz Melodia, e "Pecado Capital", da trilha sonora da novela homônima da TV Globo, ambos contemplados com Discos de Ouro.

De 1979 a 1981, exerceu o cargo de Diretor Geral do programa "Globo de Ouro", da TV Globo, e foi responsável pela criação dos quadros "O Som das Discotecas" e "O Som da Geração 80", esse último gerando um programa semanal devido ao alto índice de audiência.

De 1981 a 1985, atuou como diretor musical da TV Globo, tendo mudado todo o conceito musical das aberturas e vinhetas de todos os programas, com destaque para "A Volta da Vitória", que marcou a carreira dos pilotos Nelson Piquet e Ayrton Senna.

Ronald Antonucci e Márcio Antonucci
De 1985 a 1991, exerceu o cargo de diretor musical, de áudio e de sonorização da TV Globo, tendo mudado o conceito sonoro das músicas (novas trilhas e incidentais de novelas) e do áudio (gravações em 16 canais dos programas musicais), com destaque para o programa "Chico & Caetano", lançado em LP pela Som Livre. Assinou a direção musical de todas as trilhas de novelas e séries da TV Globo, como "Roque Santeiro", "Selva de Pedra", "Mandala""Tieta", entre outras.

De 1991 a 1995, atuou como diretor musical da gravadora Som Livre, nos fonogramas "Os Vips ao Vivo" (Volumes I e II), contemplados com quatro Discos de Ouro, e "TV Colosso" (Volumes I e II), contemplados com dois Discos de Ouro. Assinou a direção musical e os arranjos do "Show Colosso", que apresentou-se em temporada por todo o Brasil. Foi responsável, na gravadora PolyGram, pela produção musical dos 5 CDs do projeto "30 Anos de Jovem Guarda", que atingiram vendas superiores a 2.500.000 cópias, dois Discos de Ouro e dois Discos de Platina, e pela direção geral do show que excursionou o Brasil, contabilizando mais de 300 apresentações.

De 1996 a 1997, atuou como diretor geral do programa "Som Brasil" da TV Globo, tendo lançado o grupo Gera Samba, hoje É o Tchan!, e realizado a homenagem a Ângela Maria na comemoração dos 50 anos de carreira da cantora. Foi, também, responsável pela direção geral do "Reveillon da Globo", programa de fim-de-ano com duas horas e meia de duração.

Em 1997, atuou como diretor artístico e de programação da VIP TV em Miami, pela qual apresentou diariamente o programa "Coisas do Brasil" e as novelas e séries da TV Globo nos Estados Unidos.


De 1998 a 2000, trabalhou no projeto "A Discoteca do Chacrinha", tendo sido responsável pela produção musical dos 6 CDs, que atingiram vendas superiores a 500.000 cópias, 2 Discos de Ouro, e pela direção geral do shows que contabilizaram mais de 30 apresentações pelo Brasil.

Em 1999, atuou como Diretor Geral do projeto "Todos Pela Educação - Brasil 500 Anos", da Rede Globo, apresentado também pela TV Futura, constituído por dez módulos de discussão e planejamento educacional nas principais cidades do país.

Em 2000 e 2001, assumiu o cargo de diretor de programas do SBT, com destaque para a direção geral do concerto "Os 3 Tenores", com José Carreras, Plácido Domingo e Luciano Pavarotti, realizado ao vivo do Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Foi responsável, também, pela direção geral dos programas "Reveillon do SBT", com mais de quatro horas de duração, "A Missa de Fátima", transmitida ao vivo do Estádio da Portuguesa, e "O Grande Circo Místico", com a trilha sonora de Edu Lobo e Chico Buarque. É co-diretor dos programas "Pequenos Brilhantes", com Wilton Franco, e "Canta & Dança", com Luiz Bento, na mesma emissora.

Posteriormente, assumiu o cargo de diretor musical da Rede Record, que passou a ser ocupado em 2008 pelo produtor musical Marco Camargo, jurado das temporadas do reality show "Ídolos" exibidas em 2008 e 2009, pela TV Record, onde ficou até março de 2009.


Morte

Márcio Antonucci morreu aos 68 anos, na segunda-feira, 20/01/2014, pela manhã, em um hospital de Angra dos Reis, RJ, onde ele estava internado há alguns dias por causa de uma pneumonia. A doença evoluiu para um quadro de infecção generalizada.

O filho de Márcio Antonucci, Bruno Antonucci, lamentou a perda na página do pai no Facebook:

"É com muito pesar que informo que o meu pai, ídolo e amigo nos deixou hoje pela manhã. Como disse, nos últimos dias, o quadro dele estava estável, porém, hoje, esse quadro mudou. Quando estivermos mais conformados com a situação poderemos tentar esclarecer o que houve."

Indicação: Miguel Sampaio

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Arnaldo Weiss

ARNALDO WEISS
(58 anos)
Ator

* Presidente Prudente, SP (05/07/1930)
+ São Paulo, SP (02/04/1989)

Arnaldo Weiss foi um ator brasileiro que atuou em novelas como "Irmãos Coragem" (1970), "Selva de Pedra" (1972) e "O Bem Amado" (1973).

Arnaldo Weiss começou a carreira no Teatro de Arena de São Paulo, junto a Augusto Boal e Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha.

Sempre atuou como coadjuvante e por muitas vezes foi o pai das principais heroínas e dos galãs das novelas.

Trabalhou em praticamente todas as emissoras, TV Tupi, TV Excelsior, TV Globo, TV Bandeirantes, TV Record e SBT, e era uma presença constante na TV, tendo feito em 32 anos de carreira, mais de 40 trabalhos entre novelas, minisséries e especiais.

Na TV Tupi, Arnaldo Weiss fez o "TV de Comédia", "TV de Vanguarda" e novelas como "O Segredo de Laura" (1964), "Hospital", "Divinas e Maravilhosas", "A Barba-Azul" (1974), "A Viagem" (1975) e "Os Apóstolos de Judas" (1976).

Na TV Globo, Arnaldo Weiss esteve presente em "Irmãos Coragem" (1970), "O Homem que Deve Morrer" (1971), "Selva de Pedra" (1972), "O Bem Amado" (1973), "Supermanoela" (1974) e na minissérie "Grande Sertão Veredas" (1985).

Na TV Bandeirantes foi destaque em "Pé de Vento" (1980), "Um Homem Muito Especial" (1980) e "Os Imigrantes" (1981). Participou, ainda, de "O Espantalho" (1977) na TV Record, de "Meus Filhos, Minha Vida" (1984) e "Jerônimo, O Herói do Sertão" (1984) no SBT.

A estréia de Arnaldo Weiss no cinema nacional aconteceu em 1955, no filme "Carnaval Em Lá Maior". Ainda no cinema fez "Eva no Brasil", "O Vigilante E OS Cinco Valentes", "O Donzelo" (1971), "Cléo e Daniel" (1970), "O Sexualista" e "Verde Vinho".

Arnaldo Weiss morreu em 02/04/1989, mas essa informação passou despercebida pela imprensa. Ele deixou esposa e filha.

Fonte: Filmow

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Ênio Gonçalves

ÊNIO GONÇALVES
(70 anos)
Ator, Dramaturgo e Diretor

* Porto Alegre, RS (28/08/1943)
+ São Paulo, SP (05/10/2013)

Ênio Gonçalves foi um ator e dramaturgo brasileiro. Nascido em 28/08/1943 em Porto Alegre, RS, Ênio Gonçalves se formou em jornalismo e trabalhou em mais de 40 filmes, 20 novelas e atuou em 50 peças de teatro.

Estudou direção de cinema no Centro Experimental de Cinematografia, em Roma, na Itália, e estreou no teatro em "Toda Nudez Será Castigada", sob direção de Ziembinski. Escreveu mais de 20 peças, entre elas, "Pedro e Domitila", "Cachorro!", "Até As Orelhas", e fez adaptações de obras literárias, como "Sorôco, Sua Mãe, Sua Filha", de Guimarães Rosa, e "Sonata" de Érico Veríssimo.


Entre os filmes de seu currículo estão "Filme Demência" (1986), "Anjos Do Arrabalde" (1987) e "Garotas do ABC" (2003), este último de Carlos Reichenbach, com o qual conquistou o Troféu Candango de melhor ator do Festival de Brasília, em 2003. Também recebeu dois prêmios no Rio Cine Festival, como protagonista do longa "Filme Demência" e do curta "Com O Andar De Robert Taylor".

Na TV trabalhou em mais de 30 novelas, como "Xeque Mate" (1976), "Pedra Sobre Pedra" (1992) e "Páginas Da Vida" (2006), da Rede Globo, mas também atuou na TV Bandeirantes, TV Cultura, além das extintas TV Tupi e Rede Manchete.

Ênio Gonçalves dirigiu peças como o espetáculo "Cachorro!", indicado ao Prêmio Shell, em 2000.

Ênio Gonçalves foi casado com as atrizes Miriam Mehler e Maria Isabel de Lizandra. Atualmente, vivia com a também atriz Maura Faustino. Deixou duas filhas, Fernanda Gonçalves e Manuella Gonçalves.


Morte

Ênio Gonçalves morreu na manhã de sábado, 05/10/2013, em São Paulo, aos 70 anos, vítima de falência renal. Ele estava internado no Hospital Sancta Maggiore, no bairro Paraíso.

O corpo de Ênio Gonçalves foi velado a partir das 20:00 hs de 05/10/2013, no Cemitério do Araçá. No domingo, na parte da manhã, ocorreu a cerimônia de cremação no Cemitério da Vila Alpina, na Zona Leste de São Paulo.


Cinema
  • 1964 - Sangue Na Madrugada
  • 1967 - Cara A Cara
  • 1967 - O Menino E O Vento
  • 1968 - Juventude E Ternura
  • 1969 - Águias Em Patrulha
  • 1969 - Brasil Ano 2000
  • 1975 - Eu Dou O Que Ela Gosta
  • 1977 - Belas E Corrompidas
  • 1979 - Viúvas Precisam De Consolo
  • 1980 - As Intimidades De Analu E Fernanda
  • 1980 - Força Estranha
  • 1981 - A Noite Dos Bacanais
  • 1981 - O Olho Mágico Do Amor
  • 1981 - P.S.: Post Scriptum
  • 1982 - A Noite Das Taras II
  • 1982 - Sete Dias De Agonia
  • 1982 - Sexo Às Avessas
  • 1983 - Doce Delírio
  • 1983 - Onda Nova
  • 1983 - Tudo Na Cama
  • 1984 - Elite Devassa
  • 1984 - Promiscuidade, Os Pivetes De Kátia
  • 1985 - Instinto Devasso
  • 1986 - Filme Demência
  • 1987 - Anjos Do Arrabalde
  • 1988 - Cio Dos Amantes
  • 1990 - Atração Satânica
  • 1992 - Gaiola Da Morte
  • 1997 - O Amor Está No Ar
  • 2003 - Garotas Do ABC
  • 2005 - Quanto Vale Ou É Por Quilo?
  • 2007 - A Volta Do Regresso
  • 2011 - O Livro Dos Espíritos


Maria Izabel de Lisandra e Ênio Gonçalves (Xeque Mate, 1976)
Televisão
  • 1965 - Ana Maria, Meu Amor
  • 1965 - O Moço Loiro ... Otávio
  • 1970 - Simplesmente Maria ... Roberto
  • 1971 - Hospital
  • 1976 - Xeque Mate ... Aldo Xavier
  • 1978 - Salário Mínimo ... Inácio
  • 1979 - Dinheiro Vivo ... Zé Mario (Guto)
  • 1980 - O Meu Pé De Laranja Lima ... Comandante Vicente Del Nero
  • 1981 - O Resto É Silêncio ... Marcelo
  • 1982 - Casa De Pensão
  • 1983 - Anjo Maldito ... Carlos
  • 1984 - Jerônimo ... Eduardo
  • 1986 - Novo Amor ... Léo
  • 1989 - Colônia Cecília ... Aníbal
  • 1990 - Boca do Lixo ... Gilson
  • 1992 - Pedra Sobre Pedra ... Diamantino
  • 1996 - Antônio Dos Milagres
  • 1998 - Estrela De Fogo ... Ramiro
  • 2006 - Páginas Da Vida ... Oscar (Participação Especial)
  • 2009 - João Miguel ... Coronel Nonato


Edgard Franco

EDGARD FRANCO
(58 anos)
Ator

* São Paulo, SP (18/08/1937)
+ São Paulo, SP (20/05/1996)

Edgard Franco foi um ator brasileiro. Sua carreira artística começou no cinema, no filme "Tristeza Do Jeca", em 1961. Em seguida, foi para a televisão. Começou fazendo a versão simplificada de "A Muralha" (1961), na TV Cultura. Voltou ao cinema, fazendo "O Vendedor De Linguiças" (1962), "Casinha Pequenina" (1963), "O Puritano da Rua Augusta" (1965), e "Mistério do Taurus" (1965).

Logo foi para a TV Excelsior, que despontava em São Paulo, com grande produções. Lá Edgar Franco atuou em "Aquele Que Deve Voltar" (1965), "A Indomável" (1965), "Os Tigres" (1968), "O Terceiro Pecado" (1968) e "A Muralha" (1968).

Saiu da TV Excelsior e foi para a TV Bandeirantes e logo a seguir para a TV Tupi, onde participou de cerca de 12 novelas de sucesso, entre as quais "Meu Pé de Laranja Lima" (1970), "Nossa Filha Gabriela" (1971), "Jerônimo, o Herói do Sertão" (1972), "Mulheres de Areia" (1973), "A Barba-Azul" (1974), "Ovelha Negra" (1975), "Um Dia, O Amor" (1975), "O Julgamento" (1976) e "Éramos Seis" (1977).

Edgard Franco trabalhou depois em várias emissoras, como a Rede Globo, TV Bandeirantes, TV Cultura, SBT, e CNT.

Edgard Franco atuou em telenovelas até o ano de 1996, quando veio repentinamente a falecer, no dia 20 de maio.


Cinema

  • 1990 - A Rota Do Brilho ... Senador
  • 1987 - O Dia Do Gato
  • 1984 - O Delicioso Sabor Do Sexo
  • 1983 - O Início Do Sexo
  • 1981 - As Meninas De Madame Laura
  • 1981 - Amélia, Mulher De Verdade
  • 1980 - Os Três Mosquiteiros Trapalhões
  • 1979 - Os Trombadinhas
  • 1979 - Os Pankekas E O Calhambeque De Ouro
  • 1979 - A Mulher Que Inventou O Amor
  • 1979 - A Noite Dos Imorais
  • 1979 - Bandido, Fúria Do Sexo
  • 1979 - Paixão De Sertanejo
  • 1978 - A Força Do Sexo
  • 1978 - Na Violência Do Sexo
  • 1977 - Pensionato Das Vigaristas
  • 1977 - Escola Penal De Meninas Violentadas
  • 1977 - Jecão... Um Fofoqueiro No Céu ... Robertão
  • 1976 - Já Não Se Faz Amor Como Antigamente
  • 1975 - Kung Fu Contra As Bonecas
  • 1973 - Um Caipira Em Bariloche
  • 1972 - Nua E Atrevida
  • 1972 - Pânico No Império Do Crime
  • 1972 - Geração Em Fuga ... Bebeto
  • 1966 - Três Histórias De Amor
  • 1965 - O Puritano Da Rua Augusta ... Filho de Punduroso
  • 1965 - O Mistério do Taurus ... Rogério
  • 1963 - Casinha Pequenina ... Pulso de Ferro
  • 1962 - O Vendedor De Linguiças
  • 1961 - Tristeza Do Jeca



Televisão

  • 1996 - A Última Semana
  • 1995 - Sangue Do Meu Sangue ... Quim
  • 1984 - Meus Filhos, Minha Vida
  • 1983 - Maçã Do Amor ... Adolfo
  • 1983 - A Ponte Do Amor
  • 1982 - Ninho Da Serpente ... Romeu
  • 1982 - O Coronel E O Lobisomem ... Jordão Tibiriçá
  • 1981 - Partidas Dobradas ... Plínio
  • 1981 - Os Imigrantes
  • 1981 - Rosa Baiana ... Ivan
  • 1980 - Chega Mais ... Pablo
  • 1978 - O Direito de Nascer ... Osvaldo
  • 1977 - Éramos Seis ... Almeida
  • 1976 - O Julgamento ... Gilberto Olinto
  • 1975 - Um Dia, O Amor ... Bento
  • 1975 - Ovelha Negra ... Samuel
  • 1974 - A Barba Azul ... Maurício Moraes
  • 1974 - O Machão ... Celso
  • 1973 - Mulheres De Areia ... Wanderley
  • 1972 - Jerônimo, O Herói Do Sertão ... Martins
  • 1972 - Signo Da Esperança
  • 1971 - Nossa Filha Gabriela
  • 1970 - O Meu Pé De Laranja Lima ... Ricardo
  • 1969 - João Juca Jr.
  • 1969 - Era Preciso Voltar ... André
  • 1968 - Os Diabólicos
  • 1968 - O Terceiro Pecado
  • 1968 - Os Tigres
  • 1968 - A Muralha ... Thiago
  • 1967 - Os Fantoches ... Joel
  • 1966 - A Pequena Karen ... Lawrence
  • 1966 - Abnegação ... Marcos
  • 1965 - Aquele Que Deve Voltar ... Carlos
  • 1965 - Eu Quero Você ... Álvaro
  • 1965 - A Indomável ... Arquimedes
  • 1961 - A Muralha ... Aimbé


Fonte: Wikipédia

Rodrigo Santiago

RODRIGO ARTUR SANTIAGO
(55 anos)
Ator e Professor

* Formiga, MG (27/11/1943)
+ São Paulo, SP (13/10/1999)

Rodrigo Santiago foi um ator e professor brasileiro. Nasceu em Formiga, Minas Gerais, irmão mais novo do escritor Silviano Santiago. Sua família era proprietária da Dental Santiago, na Rua São Paulo, em Belo Horizonte, MG, na década de 1960.

Quando estreou na tevê em "Beto Rockfeller", na TV Tupi em 1968, ele já tinha uma carreira sólida no teatro, com participações em peças como "Roda Viva", ao lado de Marília Pêra.

No dia 18/07/1968, quando o Brasil vivia sob o regime militar, a organização de extrema-direita Comando de Caça aos Comunistas (CCC), invadiu o Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, espancou artistas e depredou o cenário. A peça em cartaz era "Roda Viva", um musical de Chico Buarque, com Rodrigo Santiago em um dos principais papéis. Ele foi agredido e preso.

Depois do Carlucho na novela "Beto Rockfeller" (1968), ele fez "Super Plá" (1969), "O Rebu" (1974), "Vila do Arco" (1975), "Gaivotas" (1979), "Os Imigrantes" (1981), e as minisséries "Lampião e Maria Bonita" (1982), "Padre Cícero" (1984) e "Joana" (1984), ao lado de Regina Duarte.

Rodrigo Santiago foi professor da Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (USP), e seu último espetáculo teatral, como ator, foi "Angels In America".


Morte

Rodrigo Santiago morreu aos 55 anos, vítima de insuficiência cardíaca, após uma cirurgia, no Hospital do Coração, em São Paulo.

O último filme em que atuou, "Cronicamente Inviável" (2000), de Sérgio Bianchi, foi lançado postumamente.

Cinema

  • 2000 - Cronicamente Inviável
  • 1995 - Eu Sei Que Você Sabe
  • 1994 - A Causa Secreta
  • 1988 - Romance
  • 1988 - Jorge, Um Brasileiro
  • 1979 - Maldita Coincidência
  • 1978 - Doramundo
  • 1978 - Diário Da Província
  • 1976 - Bandalheira Infernal
  • 1974 - Missa Do Galo
  • 1971 - Nenê Bandalho
  • 1970 - Em Cada Coração Um Punhal
  • 1970 - Cleo e Daniel


Televisão

  • 1994 - Você Decide
  • 1997 - Você Decide
  • 1997 - Estrada Do Amanhã
  • 1996 - Começar De Novo
  • 1996 - Sonho Olímpico
  • 1996 - Pobre Menina Rica
  • 1995 - Intermezzo
  • 1997 - O Amor Está no Ar ... Seabra
  • 1990 - Rainha Da Sucata ... Pedro de Oliveira
  • 1990 - Araponga ... Germano
  • 1988 - Fera Radical ... Jorge Mendes
  • 1987 - Corpo Santo ... Lucas Rezende
  • 1985 - Tenda Dos Milagres ... Ruy Passarinho
  • 1984 - Joana ... Guilherme
  • 1984 - Padre Cícero ... José Marrocos
  • 1982 - Lampião e Maria Bonita
  • 1981 - Os Imigrantes ... Meneghetti
  • 1979 - Gaivotas
  • 1975 - Vila Do Arco ... Martim Brito
  • 1974 - O Rebu ... Kiko
  • 1969 - Super Plá ... Plácido
  • 1968 - Beto Rockfeller ... Carlucho
  • 1966 - Somos Todos Irmãos


Fonte: Wikipédia

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

João Petra de Barros

JOÃO PETRA DE BARROS
(33 anos)
Cantor

* Rio de Janeiro, RJ (23/06/1914)
+ Rio de Janeiro, RJ (11/01/1948)

João Petra de Barros era irmão do também cantor Mário Petra de Barros. Começou cantando, no início dos anos 30, no Programa Casé, na Rádio Philips. Em pouco tempo, conquistou fama por ter um timbre parecido com o de Francisco Alves, grande ídolo do rádio na época. Passou a ser chamado de "A Voz de 18 Quilates".

Era figura constante em rodas de samba, juntamente com Noel Rosa, Luís Barbosa e Custódio Mesquita. Com eles e outros personagens de nossa música popular brasileira, entre os quais, Francisco Alves, Paulo BarbosaLuís Barbosa, Benedito Lacerda, Lamartine Babo e outros, frequentavam o famoso Café da Uma Hora, situado no nº 476 da Rua São Francisco Xavier, zona norte do Rio de Janeiro.

Em 1933, lançou seu primeiro disco, pela Odeon, interpretando o samba "Até Amanhã" (Noel Rosa). Logo na estréia, alcançou grande sucesso no carnaval. No mesmo ano, com acompanhamento da Orquestra Copacabana gravou de Ismael Silva o samba "Seja o Que Deus Quiser" (André Filho), a marcha "Gente Danada" (Noel Rosa e Francisco Alves), o samba "Nem Com Uma Flor" e, com Luís Barbosa lançou o samba "Seja Breve" (Noel Rosa). Também na mesma época, fez sucesso com o fox canção "Cantor de Rádio" (Custódio Mesquita e Paulo Roberto).

João Petra de Barros foi um dos principais artistas do elenco da Rádio Globo. Participou, ao lado de Carmen MirandaCustódio Mesquita, de vários programas de rádio e de teatros. Participou do recital em benefício do Sindicato Brasileiro de Artistas de Rádio, que reuniu grandes nomes do rádio, em 1934.



Seu maior sucesso foi "Feitiço Da Vila" (Noel Rosa e Vadico), gravada em 1934, pela Odeon. No mesmo ano gravou de Custódio Mesquita a marcha "Lourinha", de Ismael Silva o samba "Não É Tanto Assim" e dois sambas de Ary Barroso"Duro Com Duro" e "Sentinela Alerta", o segundo, em dueto com Noel Rosa. Ainda em 1934, fez sucesso com o fox trot "Ninon (Quando Tu Sorris)", versão de João de Barro para composição de B. Kaper e W. Jurman, e com a valsa "Nestas Noites De Amor" (Custódio Mesquita e Orestes Barbosa).

João Petra de Barros foi o intérprete da primeira versão de "Pastorinhas", ainda com o título "Linda Pequena", parceria de Noel Rosa e Braguinha, gravada pela Odeon em 1933 e lançada em 1935.

Ainda em 1935, gravou com Aurora Miranda, a marcha "O Tempo Passa" (Custódio Mesquita Paulo Orlando), e o samba "De Madrugada" (Vicente Paiva e Haroldo Barbosa). 

Em 1940 gravou a marcha "Olha Ela" (Russo do Pandeiro e Peterpan), e o samba "Em Cima Da Hora"(Russo do Pandeiro e Valfrido Silva).

Em 1941 lançou os sambas "Ai, Ai, Ai" (Haroldo Lobo e Milton de Oliveira) e "Mal-Agradecida" (Ataulfo Alves e Jardel Noronha).

Em 1942 fez sucesso com o fox "Mais Um Minuto Apenas" (Newton Teixeira e Mário Lago).

Em 1946 gravou seu último disco, interpretando de Pedro Caetano e Geraldo Costa o samba "Dorme Meu Amor" e o samba tango "Já Sou Feliz". Fez também sucesso com a canção "Última Inspiração" (Peterpan), gravada pela RCA Victor, com a marcha "Professora De Saudade" (André FilhoOrestes Barbosa), o samba "Foi No Teu Olhar" (André Filho) e o fox "O Que O Teu Piano Revelar" (Custódio Mesquita Orestes Barbosa). Ao longo de sua curta carreira, gravou 48 discos, com 94 músicas ao todo.

João Petra de Barros teve sua carreira interrompida por acidente do qual resultou a amputação de uma perna. Desgostoso com o ocorrido, acabou cometendo suicídio em 11/01/1947, mas deixou uma importante bagagem musical que acabou por incluí-lo entre os melhores intérpretes da Música Popular Brasileira.


Discografia

  • 1946 - Dorme Meu Amor / Já Sou Feliz (Continental, 78)
  • 1945 - Moça Bonita / Vingança De Palhaço (Continental, 78)
  • 1944 - Depois De Um Longo Inverno / Agora É Tarde (RCA Victor, 78)
  • 1943 - Quem Será? / Sou Eu Quem Volta (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Teatro De Revista / Mais Um Minuto Apenas (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Último Sonho / Louquinho Por Ela (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Foi Ela Que Me Deixou / Saudade Do Teu Beijo (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Só Vendo / Chorar É Meu Consolo (RCA Victor, 78)
  • 1942 - Não É Bem Isso / Quem É O Tal? (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Ai, Ai, Ai / Mal-Agradecida (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Segura O Bode / Já Passou Da Hora (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Santo Antônio Amigo / Bonequinha De Veludo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Não Dou Liberdade A Mulher / Rosa De Veludo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - É Feliz / Mariana Me Deu O Bolo (RCA Victor, 78)
  • 1941 - Não Adianta Beber / Não Há Razão (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Última Inspiração (RCA Camden, LP)
  • 1940 - Olha Ela / Em Cima Da Hora (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Pobre Pierrô / É Tarde (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Flor Do Lodo / Última Inspiração (RCA Victor, 78)
  • 1940 - Olha ela/Em cima da hora (RCA Victor, 78)
  • 1935 - O Tempo Passa / De Madrugada (Odeon, 78)
  • 1935 - De Quem É O Meu Amor? (Odeon, 78)
  • 1935 - Beijo Mascarada / O Teu Olhar (Odeon, 78)
  • 1935 - O Que O Teu Piano Revelou / Tapera (Odeon, 78)
  • 1935 - A Noite É Nova / Quando Eu For Velho Para Sonhar (Odeon, 78)
  • 1935 - Linda Pequena / Você Prometeu (Odeon, 78)
  • 1934 - A Felicidade Não Sorri Duas Vezes (Columbia, 78)
  • 1934 - Lourinha / Não É Tanto Assim (Odeon, 78)
  • 1934 - Foi Tocando Violão / Olhei O Teu Retrato (Odeon, 78)
  • 1934 - Ave Noturna / Por Que Canto? (Odeon, 78)
  • 1934 - Duro Com Duro / Sentinela Alerta (Odeon, 78)
  • 1934 - A Lua Não Mudou / Meu Rosal (Odeon, 78)
  • 1934 - Ninon (Quando Tu Sorris) / Nestas Noites De Amor (Odeon, 78)
  • 1934 - Professora Da Saudade / Foi No Teu Olhar (Odeon, 78)
  • 1934 - Feitiço da Vila/Chegou Papai Noel (Odeon, 78)
  • 1934 - Noiva Do Meu Coração / Menina Bonita (Odeon, 78)
  • 1933 - Quero Falar Com Você / Até Amanhã (Odeon, 78)
  • 1933 - Amor, Meu Grande Amor / Seja O Que Deus Quiser (Odeon, 78)
  • 1933 - Daquele Jeito / É Carinho Que Ela Quer (Odeon, 78)
  • 1933 - Gente Danada / Nem Com Uma Flor (Odeon, 78)
  • 1933 - Tu És Bela / Morena Meu Amor (Odeon, 78)
  • 1933 - Sorrindo Sempre / Isso Não Se Faz (Odeon, 78)
  • 1933 - Cantor De Rádio / Veio D'Água (Odeon, 78)
  • 1933 - Se Eu Tivesse Um Bem / Canção Ao Microfone (Odeon, 78)
  • 1933 - Palacete De Malandro / Conto Da Carochinha (RCA Victor, 78)
  • 1933 - Seja Breve / Caixa Econômica (RCA Victor, 78)
  • 1933 - Dor De Uma Saudade / Sonho Bonito (RCA Victor, 78)

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB
Indicação: Miguel Sampaio