Teddy Milton

MILTON DA CUNHA
(61 anos)
Cantor

* Jundiaí, SP (04/02/1943)
+ Jundiaí, SP (25/01/2005)

Milton da Cunha, mais conhecido por Teddy Milton, iniciou sua carreira por volta de 1959, aos 16 anos,  quando tocou pela primeira vez na "Dragões Mecânica", situada na Vila Arens. Cantou no programa "Grêmio do Zezinho", na Rádio Jundiaí. Entrou para a Orquestra Universal, como crooner, pertencente ao maestro Aylton de Souza, onde um dia tocando em São Paulo, chamou a atenção de um produtor da gravadora RGE que o convidou para gravar.

O nome artístico lhe foi dado por Sérgio Beneli Campelo, mais conhecido por Tony Campelo, encarregado também de selecionar seu repertório.

No ano de 1964, Teddy Milton lançou o compacto "A Casa do Sol Nascente", versão de Fred Jorge para a música "The House Of Rising Sun", composta por Alan Price e interpretada pelo conjunto The Animals. Esse disco de Teddy Milton lhe rendeu disco de ouro.

Devido a problemas com a gravadora, depois de gravar mais dois discos, Teddy Milton mudou para a Epic onde gravou mais dois discos. Um deles trazia a música "Anjo do Amor". Teddy Milton, segundo seu filho Cristian César, viajou para vários países da America do Sul, cantando até "La Violetera" com Sara Montiel.

Teddy Milton participou de diversos programas de TV, entre eles, "Programa Sílvio Santos", "Programa do Chacrinha", "Astros do Disco" e "Jovem Guarda".

Em 1966 participou de shows no Teatro Glória, ao lado de Rossini Pinto e Erasmo Carlos. Cantou também com Roberto Carlos, em Jundiaí, no Teatro Polytheama.

Em 1972 gravou pela Epic a canção "Gloria, Gloria, aleluia", em um compacto.

Teddy Milton foi casado por 37 anos com Clarisse Aparecida Correia da Cunha, com quem teve um casal de filhos que tem a mesma verve do pai e são cantores também, Cristian César e Kátia Regina.


Morte

Em janeiro de 2005, faleceu em decorrência das complicações de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) no dia 4 de janeiro, vindo a falecer 21 dias depois. Foi sepultado no Cemitério Municipal Nossa Senhora do Desterro em Jundiaí.

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!