Aparecida

MARIA APARECIDA MARTINS
(45 anos)
Cantora e Compositora

* Caxambu, MG (04/12/1939)
+ Rio de Janeiro, RJ (1985)

Maria Aparecida Martins foi uma cantora e compositora brasileira, de carreira dedicada principalmente ao samba e a ritmos africanos. Ainda criança, interessou-se por música, aprendendo com os mais velhos da família os ritmos africanos.

Em 1949, a família mudou-se para o Rio de Janeiro. Por essa época, trabalhou como passadeira em casas de família no bairro de Vila Isabel.

Em 1952, já compunha suas primeiras músicas. Pouco tempo depois, Salvador Batista a levou para o programa "A Voz do Morro", incluindo-a em seu grupo como passista, conjunto no qual atuou por dez anos.

No início da década de 1960, foi convidada a participar do filme "Benito Sereno e o Navio Negreiro", por cuja atuação recebeu de prêmio uma viagem a França, onde se apresentou em uma boite interpretando, pela primeira vez, suas próprias composições.

Em 1965, voltou para o Brasil e venceu o Concurso de Música de Carnaval do IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro. No mesmo ano, seu samba "Zumbi, Zumbi" venceu o III Festival de Música de Favela, representando a favela da Cafúa, de Coelho Neto.

Em 1968, compôs o samba-enredo "A Sonata das Matas" para a escola de samba Caprichosos de Pilares. Foi a segunda mulher a vencer uma disputa de samba-enredo numa escola, depois de Dona Ivone Lara.

Ao lado de Darci da Mangueira, Sidney da Conceição, Sabrina, Chico Bondade, entre outros, participou do LP "Roda de Samba" em 1974. Foi a primeira vez em que gravou uma composição de sua autoria, "Boa-noite". No mesmo ano, saiu o disco "Roda de Samba nº 2", com Nelson Cavaquinho, Sabrina, Roque do Plá, Rubens da Mangueira e Dida. Desta vez, Aparecida interpretou "Proteção" (David Lima e Pinga) e "Rosas Para Iansã" (Josefina de Lima).

Seu primeiro disco solo, "Aparecida", foi gravado em 1966. O repertório incluía suas músicas "Talundê", "Nanã Boroquê" e "Segredos do Mar" (todas em parceria com Jair Paulo), "Tereza Aragão", "Meu São Benedito" e "Inferno Verde". Também adaptou a canção folclórica "A Maria Começa a Beber".

Demorou mais 10 anos para lançar seu segundo LP, "Foram 17 Anos", no qual voltou a gravar suas composições, entre elas "17 Anos", "Grongoiô, Propoiô" (parceria com João R. Xavier e Mariozinho de Acari) e "Diongo, Mundiongo".

Em 1977, lançou o disco "Grandes Sucessos" e nos anos seguintes gravou pela RCA Victor os LPs "Cantigas de Fé" (1978) e "13 de Maio" (1979), no qual interpretou, além da canção título, "Aleluia Dom Miguel", "Mussy Gatana", "Ceará" e "Indeuá Matamba", todas de sua autoria.

Em 1980, lançou o disco "Os Deuses Afros", que incluiu as músicas "Se Segura Zé" (Aparecida e Kacik) e outras composições suas gravadas em LPs anteriores.

Em 1985, Aparecida morre no Rio do Janeiro.

No ano de 1996, a gravadora CID lhe prestou homenagem relançando em CD o disco "Aparecida, Samba, Afro, Axé".


Discografia

  • 1974 - Roda de Samba (CID)
  • 1974 - Roda de Samba nº 2 (CID)
  • 1975 - Aparecida (CID)
  • 1976 - Foram 17 Anos (CID)
  • 1977 - Grandes Sucessos (CID)
  • 1978 - Cantigas de Fé (RCA Victor)
  • 1979 - 13 de Maio (RCA Victor)
  • 1980 - Os Deuses Afros (CID)
  • 1983 - A Rosa do Mar (CID)
  • 1996 - Aparecida, Samba, Afro, Axé (CID)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!