Sônia Coutinho

SÔNIA COUTINHO
(74 anos)
Escritora, Jornalista, Contista e Tradutora

* Itabuna, BA (1939)
+ Rio de Janeiro, RJ (24/08/2013)

Sônia nasceu em Itabuna, na Bahia, em 1939 e mudou-se para o Rio de Janeiro em 1968, tendo trabalhado em vários jornais. Era filha do poeta simbolista e político Nathan Coutinho que foi deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia. Escritora, jornalista e tradutora, participou do International Writing Program, em Iowa, Estados Unidos, em 1983, tendo sido escritora-residente na Universidade do Texas, a convite daquela instituição.

Em 1994, ganhou o grau de Mestre em Teoria da Comunicação com a tese-ensaio "Rainha do Crime - Ótica Feminina no Romance Policial". Sua obra revela o modo de ser e de pensar da mulher brasileira na atualidade. Mostra o universo feminino, do ponto de vista da própria mulher, que é o sujeito da enunciação.

Seu primeiro livro, "O Herói Inútil", foi lançado em 1964, em Salvador, pela Ed. Macunaíma. Sônia Coutinho ganhou duas vezes o Prêmio Jabuti de Literatura. Em 1979, com "Os Venenos de Lucrécia", e em 1999, com "Os Seios de Pandora".

Em 2006, a escritora recebeu o Prêmio Clarice Lispector, dado pela Biblioteca Nacional, para o melhor livro de contos com "Ovelha Negra" e "Amiga Loura". Entre outros títulos da autora, destaque para "Uma Certa Felicidade", "Mil Olhos de Uma Rosa" (2001), "O Caso Alice" (1991) e "O Jogo de Ifá" (2001).

Traduziu cerca de 30 livros de autores como Doris Lessing, Carson McCullers, E. M. Forster e Graham Greene.

A escritora participou de várias antologias nacionais e internacionais e teve sua obra também publicada nos Estados Unidos, na França e na Alemanha. Seu conto "Toda Lana Turner Tem Seu Johnny Stompanato", publicado originalmente em seu livro "O Último Verão de Copacabana", foi incluído na antologia "Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século", organizado por Italo Moriconi.


Entrevista

Acompanhe parte de uma entrevista dada por Sônia Coutinho a Simone Ribeiro para o jornal A Tarde.

Simone Ribeiro: Como você encara o fato de estar incluída entre os autores estudados para o Vestibular e ser conhecida por adolescentes?
Sônia Coutinho: Estou imensamente feliz. Inclusive porque "Atire em Sofia", o livro adotado, é muito crítico. É um livro sobre a Bahia, mas não tem nada a ver com o clima tradicional de louvações à beleza e alegria naturais. Por causa disso, a escolha de "Atire em Sofia" foi muito lisonjeira para mim. E acho que é mais lisonjeira ainda, nesse sentido, para os próprios baianos - mostra como as cabeças mudaram. O livro, aliás, foi escrito na Bahia mesmo, em 1987/88, período em que interrompi meu jornal no Rio, a fim de ganhar tempo para a literatura, e aceitei um emprego aí.

Simone Ribeiro: Qual a sua opinião sobre a ficção brasileira produzida dos anos 70 para cá?
Sônia Coutinho: É uma ficção muito rica, mas foi sendo cada vez mais relegada. O público, de modo geral, tem se mostrado menos ligado e o espaço dado à literatura brasileira na imprensa nunca foi tão pequeno. O que vem nas capas são sempre os best-sellers e estrangeiros. Mas há suplementos culturais fora do eixo Rio-São Paulo que fazem um ótimo trabalho e abrem mais espaço para a boa literatura brasileira.

Simone Ribeiro: Marcel Proust, Clarice Lispector, Vírgina Woolf, você se considera de certa forma herdeira dessa literatura mais intimista ou psicológica?
Sônia Coutinho: Não acho que minha literatura seja intimista. Aliás, detesto essa palavra. A não ser que você se refira a textos bem trabalhados e até poéticos, mesmo quando o assunto é crime. Vêem elementos policiais em meus principais romances. Foi o caso de "Os seios de Pandora".
Quanto a mim, acho que escrevi o livro mais para desconstruir o policial clássico, machista, criando uma figura feminina de investigação. No lugar da detetive, uma repórter. Já "Atire em Sofia" e "O Caso Alice" são histórias de crime, embora claro que tenham outros elementos. São críticos, têm muito de mágico, sobrenatural mesmo e até toques históricos (em "Atire em Sofia").
"O Jogo de Ifá" é um pequeno romance experimental. Por outro lado, as personagens, na maioria mulheres, não estão mais trancadas no lar patriarcal, entregues ao seu intimismo, mas trabalham fora, se sustentam, moram sozinhas. E pagam um alto preço por isso, evidentemente. É a nova mulher brasileira, que apareceu no início dos anos 70, quando eu estreava em literatura, no Rio. Acho que uma contribuição da minha literatura foi dar voz a essa mulher.


Morte

Sônia Coutinho morreu na noite de sábado, 24/08/2013, no Rio de Janeiro. Seu corpo foi velado no domingo, 25/08/2013, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e foi cremado na segunda-feira, 26/08/2013, às 11:00 hs, no Cemitério do Caju, na Zona Portuária da cidade. A informação foi confirmada pelo Crematório da Santa Casa da Misericórdia.

Sônia Coutinho foi casada com o poeta, escritor e jornalista Florisvaldo Mattos, com quem teve uma filha, a psicóloga Elsa de Mattos. "Ela foi uma pessoa de muita qualidade criativa e muito preparo cultural. Foi para o Rio de Janeiro e lá se realizou como uma das grandes de sua geração", disse Florisvaldo Mattos.

Indicação: Fada Veras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!