Julie Joy

BEATRIZ DA SILVA ARAÚJO
(80 anos)
Cantora, Atriz e Apresentadora

* Rio de Janeiro, RJ (30/09/1930)
+ Rio de Janeiro, RJ (05/04/2011)

Beatriz da Silva Araújo, mais conhecida pelo nome artístico de Julie Joy, foi uma cantora, atriz e apresentadora brasileira. Na infância estudou no Colégio Brasileiro de São Cristovão, morou em Copacabana, e depois mudou-se para Teresópolis, RJ.

Começou sua carreira em meados dos anos 50, interpretando canções em inglês e posteriormente passou a interpretar músicas brasileiras. Gravou o primeiro disco pela Sinter, em 1956, com o fox "Verão Em Veneza" (Incini e Ribeiro Filho), e o samba "Finge Gostar" (Jaime Florence e Chico Anysio). Por essa época também passou a fazer parte do cast da Rádio Nacional, onde cantava, preferencialmente em inglês, alguns sucessos da época.

Em 1957, acompanhada de Britinho e sua orquestra, gravou o xote "Amor É Bom De Dar" (Bruno Marnet e Roberto Faissal) e a "Valsa Do Primeiro Filho" (Ari Rabelo e Luiz de França). Naquele ano, passou a gravar pela Columbia, e lançou um disco com Renato de Oliveira & Orquestra, no qual cantou o beguine "Sombras" (Johnny Mercer e Lavello, versão de Arierpe) e o bolero "Tinha Que Ser" (Fernando César).

Em 1958, foi escolhida em votação popular a "Rainha do Rádio" com 319.430 votos, sendo a última cantora a receber o título. Além de se apresentar em programas de rádio, cantou também na TV Tupi. Neste ano de 1958, participou de dois filmes: "E O Bicho Não Deu...", produzido pela Herbert Richers, e "O Camelô Da Rua Larga", pela Cinedistri. Também lançou disco, com o bolero Podes voltar (Othon Russo e Nazareno de Brito) e a valsa E a chuva parou (Ribamar, Esdras Silva e Vitor Freire).


Ainda no ano de 1958 atuou no filme "E O Bicho Não Deu...", dirigido por J. B. Tanko e que contou no elenco com as presenças de Ankito, Grande Otelo, Costinha e Carlos Imperial num enredo escrito por Sérgio Porto, o popular Stanislaw Ponte Preta. Neste filme, além de cantar, foi também atriz, quando exibiu bons recursos de cena. Também nesse ano, lançou disco com o bolero "Podes Voltar" (Othon Russo e Nazareno de Brito), e a valsa "...E A Chuva Parou" (Ribamar, Esdras Silva e Vitor Freire).

Em 1960, gravou com acompanhamento da orquestra e coro de Bob Rose os fox "Você Não Tem Razão" (Bartel, Burns e Magio), e "Quero Sonhar" (J. Gluck Jr. e F. Tobias), ambos em versões de Renato Corte Real.

Julie Joy retirou-se progressivamente da vida artística a partir do final dos anos 1960.

Foi casada com o compositor João Roberto Kelly com que teve uma filha, que morreu tragicamente já adulta ao final dos anos 1990.

Julie Joy faleceu em 05/04/2011 sem que sua morte tivesse tido repercussão na imprensa.


Discografia

  • 1960 - Você Não Tem Razão / Quero Sonhar (Columbia - 78rpm)
  • 1958 - Podes Voltar / ...E A Chuva Parou (Columbia - 78rpm)
  • 1957 - Amor É Bom De Dar / Valsa Do Primeiro Filho (Sinter - 78rpm)
  • 1957 - Sombras / Tinha Que Ser (Columbia - 78rpm)
  • 1956 - Verão Em Veneza / Finge Gostar (Sinter - 78rpm)


Um comentário:

  1. A filha de Julie Joy não morreu tragicamente, ela sofreu um acidente e hoje mora em Teresópolis.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!