Antônio Venâncio

ANTÔNIO VENÂNCIO DA SILVA
(86 anos)
Empresário

☼ Assaré, CE (1911)
┼ Rio de Janeiro, RJ (15/10/1997)

O nome do cearense Antônio Venâncio da Silva é uma das marcas de Brasília. Sertanejo semi-analfabeto, construiu um império de R$ 200 milhões em imóveis. Tentava imortalizar o próprio sucesso a cada prédio erguido. Assim, foram se sucedendo os edifícios Venâncio 1, 2, 3, 4, 5, 6... A fortuna cresceu junto com a numeração. Os dois últimos prédios, grandes shoppings populares no coração da cidade, foram batizados de Venâncio 2000 e Venâncio 3000. Em péssimo estado de conservação, são o retrato da decadência dos empreendimentos.

Antônio Venâncio constituiu uma família incomum. Aos 17 anos, casou-se com Antônia Odontina de Souza, em Santana do Cariri, no interior do Ceará. Não tiveram filhos. Odontina sentia-se culpada pela infertilidade e aceitava os filhos que o marido tinha fora do casamento. Cinco, segundo a conta oficial. Ou sete, se forem considerados todos os que buscam na Justiça o reconhecimento de paternidade. Frequentavam a casa do pai. As velhas fotos de família mostram os filhos reunidos nos aniversários. A tolerância era aparente. Devia-se ao patriarca e à mão de ferro com que governava empresas e herdeiros.

Depois do enterro de Antônio Venâncio, os filhos só se reuniram uma vez. Foi na Vara de Família, com dez seguranças dentro da sala e detector de metais na porta. As velhas fotos fazem parte agora dos processos em que os irmãos Antônio Venilson e Maria Verenice da Silva tentam provar que são filhos de Antônio Venâncio e têm direito a parte do espólio. "Até a semelhança dos nomes prova a ligação", diz Venilson.

Venâncio 2000 em Brasília (Foto Diurna)
Antônio Venâncio era um conquistador assumido. Na última casa em que morou, uma mansão de 2 mil metros quadrados, o quarto era decorado com espelhos no teto e cama redonda. Viveu com várias mulheres, mas nunca pediu a separação formal de Antônia Odontina. Os dois chegaram a comemorar com missa as bodas de ouro, em 1979. Ela aparece como sócia em quase todas as empresas abertas pelo marido e figura nos testamentos como dona de metade dos bens do casal.

Antônio Venâncio nasceu pobre, filho de pequenos agricultores. Aos 16 anos, intermediou a venda de um terreno no sertão. O comprador foi o Padre Cícero Romão Batista, já com alguma fama de santo no Nordeste. Sob as bênçãos do Padre Cícero, iniciou os negócios e fez de tudo. Durante a Segunda Guerra Mundial, explorava cera de carnaúba e revendia pneus usados.

Mudou-se para o Rio de Janeiro e investiu em construção. Lançou em Copacabana sua primeira série de edifícios. Antônio Venâncio chegou a Brasília rico, mas foi na Capital Federal que entrou para o clube dos arquimilionários. Quando morreu, tinha R$ 10 milhões numa conta corrente do Banco do Brasil. O restante da fortuna estava investido na empresa que administra os shoppings.

A briga dos herdeiros é pelo controle da holding familiar. De um lado está José Nicodemos, o filho mais velho, de 62 anos, que dividia com o pai a administração das empresas. Seu trunfo é ser o único herdeiro de Antônia Odontina. Isso lhe garantiria a metade dos bens. A outra metade, correspondente a Antônio Venâncio, seria dividida entre ele e os outros quatro filhos oficialmente reconhecidos - André, Rafael, Priscila e Venâncio Júnior.

Venâncio 2000 em Brasília (Foto Noturna)
Os quatro contestam o testamento. Alegam que o pai era menor de idade quando se casou com Odontina, portanto os dois não poderiam ter adotado o regime de comunhão de bens. Além disso, acusam José Nicodemos de ter gerenciado mal as empresas. As denúncias fazem parte do processo na Justiça. José Nicodemos teria pago despesas pessoais com vales da empresa. Apenas no mês de maio de 1998 os vales somariam R$ 265 mil. Fez isso sem abrir mão do salário mensal de R$ 19.500. José Nicodemos diz que todos os irmãos retiravam dinheiro das empresas.

No dia 15/10/1997, enquanto o pai era velado no Rio de Janeiro, José Nicodemos registrava em ata uma reunião dos condomínios dos dois shoppings, supostamente realizada em Brasília. A ata confirma a presença do morto na reunião, que aprovou despesas de R$ 1,7 milhão nos prédios. André e Venâncio Júnior ganharam lugar na diretoria da empresa e alijaram José Nicodemos. A disputa entre os diretores paralisa a companhia. Os herdeiros calculam que o valor dos dois shoppings caiu pela metade.

José Nicodemos ganhou na Justiça o direito de sacar cerca de R$ 5 milhões da conta que o pai mantinha no Banco do Brasil. O juiz Silvânio Santos autorizou o saque no último dia de expediente do Poder Judiciário, enquanto os outros herdeiros ainda tentavam um recurso. O advogado de José Nicodemos, Jonas Cruz, é padrinho da filha de Silvânio Santos. Mesmo assim ele não se considera suspeito para julgar o caso: "A lei diz que só há suspeição se o juiz for amigo íntimo de uma das partes do processo, não do advogado", argumentou.

Desde a morte do patriarca, em outubro de 1997, aos 86 anos, a família briga pela herança. A cada sentença judicial o comando das empresas muda de dono.

Venâncio 3000, atualmente Shopping ID em Brasília
O Império dos Venâncios em Brasília

Poucos brasilienses e visitantes que trafegam pela Via S1 tem conhecimento que seis prédios que formam o complexo comercial conhecido por Conic, foram construídos pelo empresário cearense Antônio Venâncio da Silva, natural do Assaré. Além dos Edifícios Venâncios II, III, IV, V e VI o ex-agricultou que residiu na Taboquinha altaneirense, construiu um verdadeiro império na Capital Federal no ramo imobiliário, inclusive com dois centros comerciais que marcaram época.

Na Taboquinha existe uma lenda que o jovem Antônio Venâncio enganou uma velha senhora e desenterrou um butija (pote com ouro e prata) e fugiu para o Rio de Janeiro onde fez sua fortuna. 

O primeiro imóvel construído por Antônio Venâncio foi o Edifício Venâncio I, localizado na Avenina Nossa Senhora de Copacabana em área nobre do Rio de Janeiro, antes da transferência da Capital Federal para Brasília.

Já os brasilienses são mais familiarizados com outros, os dois centros de compras da família, o Venâncio 2000 e o Venâncio 3000 (atual Shopping ID), ambos os empreendimentos foram construídos na década de 70 do século passado.

Os dois shoppings, sobretudo o Venâncio 2000, representaram uma mudança no varejo na Capital Federal e no comportamento dos consumidores. Até então, era na Avenida W3 Sul onde se encontravam o bom comércio e as boas lojas, além do grande divertimento dos brasilienses da época: "flanar" por suas calçadas, olhar as vitrines, além de ver e ser visto pela sociedade local.

Com a construção do primeiro shopping da capital, o Venâncio 2000, naturalmente os consumidores migraram da Avenida W3 Sul para o centro de compras, pois encontravam tudo o que precisavam em um só lugar, não precisavam mais percorrer as longas distâncias entre as lojas e estavam protegidos do sol inclemente do cerrado, além das intermitentes chuvas que assolavam Brasília na época do verão.

Conic (Complexo de Edifícios Venâncio em Brasília)
Ambos os centros comerciais possuem endereços privilegiados: Venâncio 2000 no Setor Comercial Sul (SCS) quadra 8 e o Venâncio 3000 no Setor Comercial Norte (SCN) quadra 6. Por terem sido construídos num período onde o preço do m² no centro da cidade era mais barato, ambos os empreendimentos possuem corredores bastante largos e todas as suas lojas possuem dimensões maiores, inclusive, das encontradas nas lojas âncora dos shoppings atuais.

O falecimento de Antônio Venâncio em outubro de 1997 expõe a verdadeira guerra que seu herdeiros (cinco legalmente reconhecidos mais dois que não eram reconhecidos, quando da sua morte) travavam dentro da família e que espólio do rico empresário cearense só tornou mais acirrada. Os bens deixados pelo Antônio Venâncio já foram avaliados em mais R$ 400 milhões, constituído de 10.000 salas e lojas comerciais, 2 shoppings centers, quatro casas em Brasília, um apartamento no Rio de Janeiro, as cotas da empresa que administra os bens e R$ 10 milhões depositados numa conta bancária no Banco Brasil.

Em meio a várias disputas judiciais dignas de enredo de novela, ambos os shoppings foram entrando em decadência. Suas instalações ficaram obsoletas e a chegada de empreendimentos concorrentes, só agravou o problema.

Tentativas para reerguer ambos os shoppings são frequentemente anunciadas como a da livraria FNAC, que antes de optar pelo Park Shopping cogitou em ser condômina dos Venâncios e o departamento cultural do Unibanco, mas ante ao embrolho judicial desistiram. Outra solução encontrada foi a de alugar os espaços para a sede de empresas estatais como a EBC e a Eletronorte que depositam mensalmente o aluguel numa conta bancária sob administração judicial. Além dessas medidas, ocorreu, também, o retrofit do Venâncio 3000 e sua transformação em shopping de móveis e decoração, o Shopping ID, buscando a loja paulista Etna para âncora do empreendimento.

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!