Afrânio da Costa

AFRÂNIO ANTÔNIO DA COSTA
(87 anos)
Advogado e Esportista

☼ Macaé, RJ (14/03/1892)
┼ Rio de Janeiro, RJ (26/06/1979)

Afrânio Antônio da Costa foi um advogado e esportista brasileiro, filho de Mário Antonio da Costa e de Maria Izabel Costa, bacharel em Direito pela Faculdade Livre das Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro.

Colou grau em 28/12/1912 e advogou intensivamente no Fórum do Rio de Janeiro até 07/07/1931, para onde foi nomeado juiz de direito da 8ª Vara Criminal do Distrito Federal, após concurso. De sua documentação consta a certidão especificada de 694 causas por ele patrocinadas nos 18 anos de advocacia.

Ele foi o chefe da equipe brasileira de tiro esportivo e ganhou a medalha de prata nos VII Jogos Olímpicos de Verão, disputados em Antuérpia, na Bélgica, em 1920, ano em que o país esteve pela primeira vez representado nos Jogos por uma delegação.

Afrânio Antônio da Costa foi o primeiro esportista a ganhar uma medalha olímpica (Prata) para o Brasil, em 1920, nos Jogos de Antuérpia, na Bélgica, numa prova de tiro. Ele alcançou o feito um dia antes de Guilherme Paraense entrar para a história com a conquista da primeira medalha de ouro do Brasil, também no tiro, na mesma competição, mas em outra modalidade. Como atletas, os dois defenderam o Fluminense, no Rio de Janeiro.

Praticante e grande apreciador da modalidade, Afrânio da Costa, amigo do então presidente do Fluminense Futebol Clube, Arnaldo Guinle, foi um dos responsáveis pela construção do primeiro estande de tiro do clube, inaugurado em 1919.

Com a proximidade dos Jogos Olímpicos de 1920, Afrânio da Costa foi designado como chefe da equipe de tiro esportivo que iria, com a delegação brasileira, rumo a Antuérpia. Ao longo da viagem, que durou 28 dias, ele produziu um diário com relatos dos acontecimentos por todo o trajeto.

Revelou, por exemplo, que em Bruxelas, Bélgica, sua equipe teve as munições e os alvos de treinamento roubados. Assim que soube do roubo de armas e munição da equipe durante a escala que vôo havia feito em Bruxelas, Afrânio da Costa aproximou-se do coronel George Sanders, chefe da equipe dos Estados Unidos, e conseguiu o empréstimo de duas pistolas Colt e de 2.000 balas. O material emprestado resultou na conquista de três medalhas - uma de ouro, uma de prata e outra de bronze. Sem a iniciativa de Afrânio da Costa, o Brasil não teria sequer participado das provas.

Afrânio Antônio Costa e Dario Barbosa, participantes da equipe brasileira de Tiro dos Jogos Olímpicos da Antuérpia
Como atirador, Afrânio da Costa, que praticava tiro desde 1912, obteve 489 pontos na prova de Pistola Livre 50m Masculino, realizada no dia 02/08/1920. Aquela foi, portanto, cronologicamente, a primeira medalha olímpica conquistada pelo Brasil. A arma de Afrânio da Costa, também emprestada, era o mesmo Colt 22 com que o americano Alfred Lane havia conseguido o ouro em Estocolmo, oito anos antes. Com ela, Afrânio da Costa terminou na frente do próprio Alfred Lane (Bronze), porém atrás do também americano Karl Frederick (Ouro).

Na prova de Tiro Rápido 25m Masculino, Guilherme Paraense ganhou medalha de ouro.

Em 1922, nos Jogos Olímpicos Latino-Americanos disputado, organizado e patrocinado pelo clube onde competia, o Fluminense Futebol Clube, conquistou a medalha de prata na competição de Pistola Livre Individual e a de ouro na Competição Por Equipe, tendo sido por diversas vezes campeão carioca e brasileiro de tiro.

Afrânio da Costa participou da fundação, em 1923, da Federação Brasileira de Tiro (FBT). Foi vice-presidente da União Internacional de Tiro (UIT), hoje International Shooting Sport Federation (ISSF) e membro do Comitê Olímpico Brasileiro.

Advogado, Afrânio da Costa voltaria a integrar uma delegação olímpica brasileira como chefe da equipe de tiro que foi a Los Angeles, em 1932.

Em 1934 chefiou a Seleção Brasileira de Futebol na 2ª Copa do Mundo realizada na Itália.

Em 07/07/1937 foi transferido para a 2ª Vara Civel.

Em 14/03/1940 foi nomeado desembargador do Tribunal de Justiça. Como juiz de direito trabalhou no Tribunal de Justiça cerca de 7 anos, substituindo desembargadores titulares.

Em 04/06/1945, com o advento do regime eleitoral, instalou o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal e foi seu primeiro presidente por 2 anos. Dirigiu e orientou o primeiro alistamento eleitoral, após 1937, tendo atendido cerca de 750.000 eleitores. Sob sua presidência foram realizadas as eleições para Presidente da República e Congresso Nacional, em 03/10/1946 e para completar o Parlamento em janeiro de 1947. Não houve recursos para o Tribunal Superior durante sua gestão.

Fernando Soledade, Tenente Guilherme Paraense, Afrânio da Costa, Tenente Mário Maurety e Dario Barbosa
Por decreto de 09/06/1947, Diário Oficial de 10/06/1947, foi nomeado Ministro do Tribunal Federal de Recursos, e, a seguir, em 25/06/1947, escolhido por seus pares primeiro presidente. Na inauguração estiveram presentes o presidente da República, General Eurico Gaspar Dutra, todo o seu Ministério bem como o cardeal Jayme de Barros Câmara dentre outras autoridades.

Também em 1947, foi eleito para presidir a recém-criada Confederação Brasileira de Tiro ao Alvo (CBTA), no Rio de Janeiro, atualmente denominada Confederação Brasileira de Tiro Esportivo (CBTE).

Em 01/07/1949 foi nomeado para o Supremo Tribunal, tendo permanecido até marco de 1956.

Foi Cavaleiro da Milenar Ordem Soberana e Militar de Malta, tendo sido distinguido com as condecorações: Caxias, Rio Branco, Cinqüentenário da República, Maria Quitéria e Marechal Hermes.

Em reconhecimento público recebeu das mãos do presidente da República, Epitácio Pessoa, em fevereiro de 1921, nos salões do Fluminense Futebol Clube, em seção solene promovida pela Liga da Defesa Nacional, com a presença de todo o Ministério e o Corpo Diplomático, uma placa de ouro com dizeres alusivos ao alto significado da vitória em nome do esporte nacional. Foi saudado na ocasião pelo próprio presidente da República e por Henrique Coelho Neto, em nome da Liga de Defesa Nacional.

Conquistou na Bélgica, Argentina, Chile, França e Suíça 159 medalhas de ouro, 39 de prata e 25 de bronze, alem de 19 tacas de prata, 24 de bronze, além de objetos de arte. Foi 19 vezes campeão brasileiro.

Afrânio da Costa faleceu em 28/07/1979 no Rio de Janeiro, aos 87 anos, tendo sido velado na sede do Fluminense Futebol Clube, do qual havia sido Presidente.

Indicação: Miguel Sampaio

Um comentário:

  1. Nosso Pioneiro olimpico ha 96 anos comquistava a primeira medalha a prata foram tres medalhas ao lado do Tenente Coronel Guilherme o ouro e tambem o bronze por equipe. estes nomes não podem ser esquecidos. principalmente agora que as olimpiadas estão chegando.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!