Hélio Eichbauer

HÉLIO EICHBAUER
(76 anos)
Cenógrafo

☼ Rio de Janeiro, RJ (21/10/1941)
┼ Rio de Janeiro, RJ (20/07/2018)

Hélio Eichbauer foi um cenógrafo brasileiro, nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 21/10/1941. Foi um dos principais renovadores da cenografia brasileira moderna. Transitou por várias gerações de artistas, colaborando com idéias arrojadas para muitas encenações importantes da produção nacional. Em lugar dos recursos ilustrativos ou descritivos, propunha a metáfora, a livre-interpretação, o papel autoral do cenário na concepção artística do espetáculo.

Entre 1962 e 1966 estudou com o cenógrafo Josef Svoboda, em Praga, na Tchecoslováquia, atual República Tcheca. Em 1965, acumulou alguns estágios por países da Europa, como Alemanha, França e Itália. Durante este período fez cursos sobre os diversos segmentos da cenografia como iluminação, marcenaria, figurino, entre outros.

No ano de 1967 trabalhou em Cuba, no Teatro Studio de Havana. De volta ao Brasil, realizou trabalhos em diversas áreas da arte brasileira, como óperas, teatro e shows de música popular.

Também em 1967 é premiado com o Molière pelo cenário de "Verão", de Romam Weingarten, sob a direção de Martim Gonçalves, com quem trabalhou novamente em "Álbum de Família", de Nelson Rodrigues, na Venezuela, em 1969. Nessa produção, o palco se tornou uma grande tela fracionada, superfície de projeção de imagens em fragmentos, que servia de contraponto ao diálogo, apresentando o mundo interior das personagens.

Hélio Eichbauer ganhou diversos prêmios, como a medalha de ouro pelo conjunto da obra em teatro, na cidade de São Paulo, no ano de 1969 e a Triga de Ouro em arquitetura teatral e cenografia, na 2ª Quadrienal de Praga, realizada em 1971


Hélio Eichbauer assinou a cenografia da antológica peça "O Rei da Vela", escrita em 1933 por Oswald de Andrade e encenada pelo Teatro Oficina em 1967, com a direção de José Celso Martinez Corrêa. Nessa montagem, Hélio Eichbauer fez da cenografia um grande marco na história do teatro. O cenário se renovava a cada ato. No primeiro, para compor o escritório de Abelardo I, o cenógrafo uniu o realismo ao expressionismo, que nesse caso não obedece as características do estilo, mas sim uma justaposição da obra ao ambiente intelectual na qual foi feita. No segundo ato fez uma alusão ao Teatro de Revista e mostrou em um telão pintado por ele mesmo a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. No terceiro e último ato, volta ao escritório de Abelardo I, mas com uma diferença: Há a presença de uma cortina vermelha em todo o cenário, simbolizando a morte de Abelardo I.

No cenário de "O Rei da Vela", Hélio Eichbauer inovou, trazendo para o palco elementos que se aproximavam muito da charge, da caricatura.

Encontrou as soluções mais inteligentes, usando o deslocamento de elementos no cenário, palco giratório, conseguindo passar para o público a complexa mensagem sem ser direto. Com a criação do cenário de "O Rei da Vela"Hélio Eichbauer ganhou os seguintes prêmios: Governador do Estado de São Paulo e Associação Paulista de Críticos Teatrais (APCT).


Quando completou 30 anos de profissão, na década de 1990, Hélio Eichbauer já tinha acumulado uma extensa lista de trabalhos, totalizando 130 em teatro, 13 exposições, além disso, reunia 28 prêmios.

Seu trabalho serve como exemplo para vários cenógrafos, pois renovou a cenografia brasileira com suas idéias arrojadas. Hélio Eichbauer modificou os recursos usados, propondo a metáfora, a livre interpretação e o papel autoral na concepção artística do espetáculo. Levou também suas criações a outras áreas artísticas, como vídeo e cinema. Ensinou cenografia em diversas universidades e escolas de teatro, como a Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Artes Visuais, Universidade do Rio de Janeiro, Ateneo de Caracas, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Escola de Teatro Martins Pena.

Quando completou 40 anos de carreira, em 2006, Hélio Eichbauer foi homenageado com uma bela exposição no Centro Cultural dos Correios.

Seus últimos trabalhos foram em 2017 como cenógrafo dos shows de Chico Buarque e Caetano Veloso.

Hélio Eichbauer foi casado com Dedé Gadelha Veloso, ex-esposa de Caetano Veloso.

Morte

Hélio Eichbauer faleceu na sexta-feira, 20/07/2018, aos 76 anos, em sua casa, no Rio de Janeiro, vítima de um infarto fulminante. O velório aconteceu no domingo, 22/07/2018, na Capela 8 do Memorial do Carmo, das 10h00 às 16h00.

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #HelioEichbauer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!