Brecha

MOACIR BERNARDES BRIDA
(63 anos)
Jogador de Futebol e Técnico

* Itajobi, SP (12/07/1948)
+ Catanduva, SP (03/09/2011)

Jogador de futebol e treinador de times brasileiros nos anos 60, 70 e 80. Irmão do também futebolista Roberto Brida (ex-jogador e treinador do Juventus), Brecha foi um dos grandes ídolos do Juventus.

Início de Carreira

Brecha iniciou a carreira aos 17 anos, quando jogou no Catanduva Esporte Clube, em 1965. Permaneceu no clube até 1967, transferindo-se para o Barretos Esporte Clube. Em janeiro de 1968, Brecha foi contratado pelo Clube Atlético Juventus, onde tornou-se um dos maiores nomes da história do clube. Jogou ao lado de seu irmão, Roberto Brida, no Juventus, permanecendo até setembro de 1972. Em seguida, foi vendido ao Anderlecht, da Bélgica. Após sete meses em território europeu, retornou ao Brasil e logo foi contratado pelo Santos Futebol Clube.

Santos

No clube da Vila Belmiro, Brecha atuou entre 1972 e 1976, jogando ao lado do Rei Pelé. Por 10 meses, entre 1975 e 1976, passou usar a camisa 10 do Santos Futebol Clube, a camisa de Pelé, quando este transferiu-se para o clube americano Cosmos.

Brecha jogou também no Guarani, novamente no Juventus, Grêmio de Esportes Maringá, Comercial (MS), Mixto, Botafogo de Ribeirão Preto, Grêmio Catanduvense, Brasília, Sertãozinho e novamente no Grêmio Catanduvense, onde encerrou a carreira em 1990, aos 42 anos de idade – o jogador mais velho em campo.

Após pendurar as chuteiras, Brecha também atuou como técnico de futebol. Comandou o Sertãozinho (1990); Grêmio Catanduvense (1991); Seleção Brasileira de Futebol Rápido (1995); Centro Esportivo e Educacional Nakazawa (equipe japonesa em Atibaia); Seleção Brasileira de Futebol Rápido (1997) (campeão na Argentina) e por fim no Operário de Campo Grande (1999-2000).

Brecha também foi comentarista esportivo da TVO (Televisão Opinião de Catanduva), durante o Campeonato Paulista de Futebol de 1994, além de colunista esportivo no jornal O Regional, de Catanduva, durante a Copa do Mundo de 1998 e Copa do Mundo de 2002, no Notícia da Manhã e na Revista Maxxi’s durante as Copa do Mundo de 2006 e Copa do Mundo de 2010.

Entre 1991 e 2001 manteve a popular Escolinha de Futebol do Brecha, logo depois dedicando-se como professor de futebol na prefeitura de São Paulo, prefeitura de Catanduva e prefeitura de Ariranha.

Casado com Regina Fátima Boso Brida desde 1974, teve três filhos, o jornalista e crítico de cinema Felipe Boso Brida, a professora Aline Boso Brida e o advogado Daniel Boso Brida, e três netos, Mayara, Laura e Caio.

Homenagens

Incentivador do esporte, Brecha foi um jogador de extrema popularidade e carisma. Ao longo da carreira, recebeu inúmeras homenagens em todo o país, como "Oscar" do futebol, o Troféu Chuteira de Ouro, concedido pela Rádio e TV Bandeirantes em 1972, no mesmo ano em que recebera Ademir da Guia.

Outras Homenagens
  • 1983 - Troféu Flávio Adauto – Atleta-Símbolo Nacional
  • 1999 - Troféu Juventus: Melhores jogadores
  • 2003 - Troféu Honra Comunitária: Grupo de Poesia Guilherme de Almeida – Catanduva
  • 2006 - Troféu Esportista do Ano – Ariranha/SP
  • 2010 - Troféu Juventus: Moleque Travesso

Recebeu também diversas menções honrosas durante os Campeonatos Paulista de 1971 e 1973, Torneio Laudo Natel em 1974 e Torneio Governador Roberto Santos (Bahia) em 1975.

Faleceu no dia 03/09/2011 (sábado) vítima de um Tumor Cerebral (diagnosticado há um ano e meio, já havia passado por uma cirurgia). O velório aconteceu após às 13h30 no Cemitério Jardim Monsenhor Albino onde seu corpo foi sepultado às 17:00hs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!