Rodolfo Bottino

RODOLFO BOTTINO
(52 anos)
Ator

* Rio de Janeiro, RJ (11/02/1959)
+ Salvador, BA (11/12/2011)

Rodolfo Bottino era formado em Engenharia Civil, foi um ator brasileiro de cinema, teatro e televisão. Tornou-se conhecido no papel de Lauro na minissérie "Anos Dourados", produzida pela TV Globo e exibida em 1986.

Bottino era carioca e morava no Rio de Janeiro. Galã da TV Globo na década de 80, em novelas como "Ti Ti Ti" (1985), "Bambolê" (1987), "Bebê a Bordo" (1988), e séries como "Anos Dourados" (1986). O ator, que também era chef de cozinha e professor de culinária, descobriu-se soropositivo nos anos 90, mas nunca sentiu manifestações da doença.

Deu uma declaração sobre ser portador do vírus da AIDS, agindo assim, contrariando os conselhos da mãe, que preferia que o filho se preservasse, temendo reações preconceituosas e prejuízos à sua carreira. Rodolfo Bottino decidiu se expor pensando que poderia ajudar outros soropositivos a encarar melhor sua condição.

Não queria, no entanto, ser alvo de olhares piedosos. Dizia que o importante era "a cuca".

Fumante, em 2006 já havia enfrentado um câncer no pulmão, combatido com quimioterapia. Também superou uma anorexia grave, que reduziu seu peso a 41 quilos. Foi desenganado pelos médicos que o tratavam. Teve também síndrome do pânico.


Em 2010, passou por uma cirurgia para desentupimento de uma artéria. Ajudado por familiares e amigos, superou todos os problemas de saúde mantendo-se ativo, com projetos de peças, livros e programas de TV.

Em entrevista dada em setembro de 2011 ao site especializado em notícias sobre celebridades, Babado, dizia não temer a morte: "Só não quero morrer agora. Está bom aqui. Não quero ser exemplo para ninguém. Odeio ser chamado de coitadinho", declarou o ator, que minimizava o peso de ter o HIV dizendo que, graças à evolução dos antiretrovirais, ser soropositivo equiparava-se a ter diabetes.

"Deus me deu uma dádiva. Não encarei a vida com mau humor, nem as coisas ruins. Nem este assunto. Claro que não sou um idiota. Quando eu soube, mexeu comigo. Mas não fiquei deprimido, fui à luta. Era hora de ficar quieto, agir e tomar remédio!"

Rodolfo Bottino, que chegou a ter programas de culinária em diferentes emissoras, em que cozinhava e dava receitas, estava escrevendo dois livros. Segundo amigos, mostrava-se animado porque depois da recuperação da cirurgia de quadril iria apresentar um programa já acertado, em São Paulo.


Um sucesso recente foi a peça "Risotto!", na qual atuava e cozinhava para a plateia.

A Ipanema e o Baixo Leblon dos anos 80 era a casa de Rodolfo Bottino. Convivia com Cazuza, que morreu em decorrência da AIDS em 1990, e sua turma de amigos na rotina dos bares. Num só mês, no fim dos anos 80, quando os medicamentos ainda não eram tão modernos, o ator foi a 18 enterros de amigos vitimados pela AIDS - uns desistiram de lutar contra a doença, ideia que ele não aceitava.

No cinema Rodolfo Bottino fez o personagem Joaquim Silvério dos Reis em "Tiradentes", filme de Oswaldo Caldeira. Trabalhou em "Benjamim" de Monique Gardenberg e como apresentador no documentário de longa metragem "Pampulha ou a Invenção do Mar de Minas" de Oswaldo Caldeira.

Seu último trabalho como ator foi uma participação especial no filme "O Homem do Futuro", dirigido por Cláudio Torres e lançado em 2011.

Rodolfo Bottino morreu no dia 11/12/2011, aos 52 anos em um hospital de Salvador, vítima de embolia pulmonar ocorrida durante um exame de ressonância magnética, preparatório para uma cirurgia de quadril.

Fonte: Wikipédia e A Tarde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!