Antonieta Rudge

ANTONIETA RUDGE MILLER
(89 anos)
Pianista

* São Paulo, SP (13/06/1885)
+ São Paulo, SP (14/07/1974)

Antonieta Rudge, quase desconhecida pela atual geração foi uma artista famosa, frequentemente elogiada por jornais estrangeiros e celebridades, como o pianista Arthur Rubinstein. Em 1939, ele declarava:

"Tenho três grandes paixões em minha vida: Mozart, o Beethoven da segunda fase, e Antonieta Rudge, tocando Mozart e Beethoven".

Demonstrando interesse pelo estudo de piano com apenas quatro anos de idade, seus pais contrataram o professor francês Gabriel Giraudon para ministrar aulas para a precoce artista. Estreou publicamente aos sete anos no salão da Casa Levy de Pianos, rua XV de Novembro (então rua da Imperatriz).

Continuando suas apresentações de menina prodígio, apresentou-se no ano seguinte no Clube Internacional, aos nove anos no Clube Germânia, executando obras de Beethoven. Nessa ocasião já era aluna do professor Luigi Chiafarelli, introdutor em São Paulo de uma escola de interpretação que haveria de revelar outros pianistas que encantariam o público brasileiro e de outros países do mundo ocidental. O mestre, entusiasmado, chegou a tocar com ela num concerto a oito mãos, do qual participaram também Pablo Casals e Harold Bauer.

Voltou ao palco aos dez anos, com recita no Clube Internacional, ocasião em que foi muito aplaudida por apresentar composições de dificílima execução. Repetiu o sucesso em 1896 no Salão Steinway ao executar, de cor, doze peças musicais acompanhada em outro piano por seu mestre Luigi Chiafarelli.

Em 1905, quanto contava com apenas vinte anos, iniciou na Europa sua bem sucedida carreira internacional.

Aos 21 anos, já casada, Antonieta viajou para Londres. Mas, apesar do sucesso no exterior, voltou ao Brasil, foi aclamada como uma grande intérprete de Frédéric Chopin e Ludwig van Beethoven, preferindo assumir a direção do Conservatório de Santos.

Foi casada com Charles Miller (que introduziu o futebol no Brasil), e mais tarde, se uniu ao poeta modernista Menotti Del Picchia.

Deixou poucos discos. Na década de 30, gravou alguns 78 rotações hoje raros e disputados. Seu primeiro e único LP só saiu em 1972 - assim mesmo sem sua autorização. Foi gravado às escondidas por amigos decididos a perpetuar os números que ela executava em casa.

Depois, editado em colaboração com o Museu da Imagem e do Som de São Paulo, recebeu importantes menções e um prêmio como o melhor disco de solista do ano. E embora tecnicamente imperfeito, parece legitimar o legendário trio de pianistas brasileiras - Antonieta Guiomar Novaes e Magdalena Tagliaferro -, já agora incompleto.

Antonieta morreu no dia 14 de julho de 1974, aos 89 anos, em São Paulo.

Fonte: Wikipédia e O Explorador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!