Adriano Stuart

ADRIANO ROBERTO CANALES
(68 anos)
Cineasta, Ator e Diretor

*  Quatá, SP (19/02/1944)
+ São Paulo, SP (15/04/2012)

Adriano Roberto Canales, mais conhecido como Adriano Stuart foi um cineasta, ator e diretor de televisão brasileiro. De família de artistas, nasceu no circo e era filho dos atores Walter Stuart e Mora Stuart.

Filho do grande humorista Walter Stuart, Adriano Stuart sequer teve chance de escolher seu destino e desde bebe já estava lá participando como ator, de cidade em cidade, junto com a caravana do Circo Oni. Seu pai e sua mãe, a artista Mora Stuart, tiveram também 2 filhas.

Em 1950 o avô de Adriano, que chegara no Brasil em 1920 com passagem pela Argentina, vendeu o circo mudando-se para São Paulo. Com 8 anos Adriano Stuart estreiou na televisão, sem saber o que realmente era isto. Seu pai, Walter Stuart foi o primeiro e grande humorista da televisão brasileira. Na verdade toda sua família foi contratada pela TV Tupi. O circo e as rádios foram os verdadeiros doadores de talento para televisão.

Não demorou muito para que o pai lançasse as atrações circenses no programa que ficou famoso: Circo Bom-bril. Adriano, porém, fez carreira solo. Aparecia nos Grandes Teatros, TVs de Vanguarda, TVs de Comédia.

Adriano fazia também rádio, com carteira assinada e tudo. Passou para o cinema onde fez O Sobrado dirigido por Cassiano Gabus Mendes, ainda garoto. Foi ficando adolescente e bem jovem ainda, passou a dirigir programas.

Ele passou pela TV Record como ator, nas primeiras novelas produzidas pela emissora, como A Última Testemunha e Algemas de Ouro, onde conheceu a atriz Márcia Maria, com quem se casou logo após a novela As Pupilas do Senhor Reitor, em 1970, na qual ambos trabalhavam. Mas o casamento durou apenas três anos.

Depois voltou para a TV Tupi e ainda na década de 1970 foi para a TV Globo. Escreveu a série Shazan, Xerife & Cia. e por cinco anos dirigiu Os Trapalhões e vários outros programas de humor.

Para ele, o mais difícil foi dirigir o pai, Walter Stuart, que era criativo demais, e improvisava a cada segundo.  


Adriano fez também teatro, e se casou pela segunda vez com a também atriz Liza Vieira com quem teve dois filhos.

Ele passou grande tempo sem trabalhar e dizia ironicamente: "Sou um dos 25 milhões de desempregados do país". A volta aconteceu também via cinema onde ele fez Festa e Boleiros - Era uma Vez o Futebol..., Boleiros 2 - Vencedores e Vencidos e Urbania , todos dirigidos por Ugo Giorgetti.

Em 2006, Adriano Stuart voltou à TV como ator e diretor. Como diretor, na TV Cultura, na serie Senta Que Lá Cem Comédia, exibida nos sábados à noite, e onde dirigiu a ex-mulher Márcia Maria e um grande elenco onde estavam Kito Junqueira, Jonas Mello, Cassiano Ricardo e Flávia Garrafa em Casa de Orates. Como ator participou da minissérie JK, na TV Globo.

Adriano sofria de depressão e foi encontrado morto no flat em que morava em São Paulo por um dos seus filhos, no domingo, 15 de abril de 2012. Seu corpo foi cremado na Vila Alpina e a causa da morte deve ter sido um Infarto do Miocárdio.  

Filmografia (Como Diretor)

  • 1998 até 1999 - TV Fofão
  • 1996 até 1997 - TV Fofão
  • 1989 - Fofão e a Nave Sem Rumo
  • 1986 até 1989 - TV Fofão
  • 1983 - A Festa é Nossa
  • 1983 - As Aventuras de Mário Fofoca
  • 1982 - Um Casal de Três
  • 1981 até 1982 - Os Trapalhões
  • 1981 - O Incrível Monstro Trapalhão
  • 1980 - Os Três Mosqueteiros Trapalhões
  • 1980 - O Rei e os Trapalhões
  • 1979 - O Cinderelo Trapalhão
  • 1978 - A Noite dos Duros
  • 1978 - Os Trapalhões na Guerra dos Planetas
  • 1976 - Já Não Se Faz Amor Como Antigamente
  • 1976 - Bacalhau
  • 1976 - Sabendo Usar Não Vai Faltar
  • 1975 - Kung Fu Contra as Bonecas
  • 1975 - Cada Um Dá o Que Tem

 Filmografia (Como Ator)

  • 2006 - Boleiros 2 - Vencedores e Vencidos
  • 2004 - Garotas do ABC
  • 2002 - O Príncipe
  • 2001 - Urbania
  • 1998 - Boleiros - Era uma Vez o Futebol...
  • 1997 - Os Matadores
  • 1992 - Dudu Nasceu
  • 1989 - Festa
  • 1976 - Chão Bruto
  • 1976 - Bacalhau
  • 1976 - Sabendo Usar Não Vai Faltar
  • 1975 - Kung Fu Contra as Bonecas
  • 1975 - Cada Um Dá o Que Tem
  • 1974 - Exorcismo Negro
  • 1964 - Meu Japão Brasileiro
  • 1956 - O Sobrado

Fonte: Wikipédia e Dramaturgia Brasileira - In Memoriam

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!