João Ribeiro de Barros

JOÃO RIBEIRO DE BARROS
(47 anos)
Aviador

* Jaú, SP (04/04/1900)
+ Jaú, SP (20/07/1947)

Com seus companheiros foi um dos pioneiros da travessia aérea do Atlântico Sul, no dia 28 de abril de 1927, a bordo do hidroavião Jahú. Os demais tripulantes foram Arthur Cunha (na primera fase da travessia) e depois João Negrão (co-pilotos), Newton Braga (navegador) e Vasco Cinquini (mecânico). Os quatro aeronautas partiram de Gênova, Itália, até Santo Amaro, São Paulo, fazendo escalas em Espanha, Gibraltar, Cabo Verde e Fernando de Noronha, já em território brasileiro.

Filho de Sebastião Ribeiro de Barros e Margarida Ribeiro de Barros, tinha seis irmãos. Estudou no Ateneu Jauense, fundado por seu avô o capitão José Ribeiro de Camargo Barros em 1853, e completou seus estudos secundários no Instituto de Ciências e Letras de São Paulo. Era considerado um bom aluno. Ingressou na Faculdade do Largo de São Francisco, atual Universidade de São Paulo, onde cursou Direito por dois anos.


Em 1919 abandonou este curso e decidiu dedicar-se ao estudo de engenharia mecânica nos EUA. Em 21 de Fevereiro de 1923 conseguiu o brevet internacional nº 88 da Liga Internacional dos Aviadores sediada na França. Iniciou efetivamente sua carreira de piloto neste país. Aperfeiçou seus conhecimentos como navegador aéreo e piloto nos EUA e de acrobacias aéreas na Alemanha.

Em 1926 iniciou o projeto que o tornaria famoso: relizar um "reide" (como eram conhecidas na época as travessias aéreas transatlânticas) a partir da Itália a bordo de um hidroavião e chegar ao Brasil sem utilizar navios de apoio ao longo da viagem. Pensava que as aeronaves seriam inúteis enquanto dependessem de navios. Seu desejo era que o avião atuasse de forma totalmente independente.

Pediu auxílio ao governo brasileiro o que lhe foi negado. Nesta época existia uma disputa não declarada entre vários países pela supremacia nos ares. França, Inglaterra, EUA, Alemanha, entre outros empenhavam-se em vôos transoceânicos. Já que o sucesso destes empreendimentos era duvidoso e como o Brasil não desejava indispor-se com as potências da época, João Ribeiro de Barros não conseguiu ajuda oficial. Seu objetivo foi considerado impossível. Portanto, já que nações mais "avançadas" não o alcançaram, presumiu-se que o Brasil não teria chance.

Sem perder o ânimo, vendeu sua herança a seus irmãos e de posse deste dinheiro partiu para a Itália.


O Jahú

Com os próprios recursos e sem nenhuma ajuda governamental, João Ribeiro de Barros adquiriu na Itália uma aeronave Savoia-Marchetti S.55 avariada e promoveu, com Vasco Cinquini, diversas reformas na mesma, melhorando assim a sua velocidade e autonomia. Tais reformas foram tão positivas para o desempenho do hidroavião que impressionaram os italianos. Anteriormente esteve na cidade de Nova York onde aconselhou-se com seu amigo Gago Coutinho.

Esta mesma aeronave anteriormente fora utilizada pelo Conde Casagrande, que possuía apoio do governo italiano, numa frustrada tentativa de travessia transatlântica Itália-Brasil. Esta tentativa foi interrompida em Casablanca na África e o avião foi considerado incapaz de realizar tal façanha. O aparelho, que saiu da fábrica com o nome original de Alcione, foi rebatizado por seu novo proprietário com o nome Jahú (de acordo com a ortografia da época) nome dado em homenagem à sua cidade natal, atual Jaú.

Saiu de Gênova na Itália em 18 de Outubro de 1926, com destino às ilhas de Cabo Verde para iniciar a sua primeira travessia do Atlântico. Gago Coutinho e Sacadura Cabral também fizeram escala nestas ilhas na histórica primeira travessia aérea do Atlântico Sul, em 1922.

A Sabotagem

Seu avião foi sabotado, sendo assim necessária uma parada em Alicante, na Espanha, onde descobriu uma peça de bronze no carter do aparelho - que hoje encontra-se no Museu da Aeronáutica -, além de água, areia e sabão no sistema de alimentação do motor. Provavelmente tal sabotagem ocorreu ainda na Itália antes da partida de Gênova.

Preso Pela Ditadura Espanhola

Foi preso pela ditadura presente na época na Espanha, acusado de ali pousar sem permissão. Teve que ser libertado pelo cônsul do Brasil na Espanha.

Nova escala de emergência é feita em Gibraltar onde são feitos novos reparos.

Dificuldades

Seguiu após alguns dias para Cabo Verde onde, devido a desentendimentos, dispensou o co-piloto Arthur Cunha.

Quando se preparava para fazer a travessia contraiu malária e teve que esperar mais um tempo, além de ter que remontar e consertar todo o avião. Recebeu um telegrama do governo brasileiro ordenando que desistisse de sua tentativa de cruzar o Atlântico. Deveria também desmontar a aeronave, encaixota-la e embarcar a mesma em um navio que seguisse para o Brasil.

Indignado com este fato, e até porque não recebera nenhuma espécie de auxílio estatal para realizar sua empreitada, respondeu ao presidente brasileiro:

"Exmo. Sr. Presidente: Cuide das obrigações do seu cargo e não se meta em assuntos dos quais vossa excelência não entende e para os quais não foi chamado, assinado: Comandante Barros."
(João Ribeiro de Barros)

Recebeu também um telegrama de sua mãe incentivando-o a prosseguir com o seu "reide". Segue:

"Aviador Barros: Aplaudimos tua atitude. Não desmontes o aparelho. Providenciaremos a continuação do reide, custe o que custar. Paralisação do reide será fracasso. Asas do avião representam a bandeira brasileira... Dizes se queres piloto auxiliar. Abraços a Braga e Cinquini. E bençãos de tua mãe."
(Margarida Ribeiro de Barros)

Seu irmão, Osório Ribeiro, viajou até Cabo Verde acompanhando o co-piloto substituto contratado por ele, o oficial da força pública de São Paulo, tenente João Negrão.

Ao encontrar-se com o irmão e vendo o péssimo estado de saúde deste, após quatro crises de malária, Osório Ribeiro não conteve a emoção e chorou.

A Travessia

Sofreu sabotagens, chantagens de companheiros, o desdém do presidente Washington Luís, mas perseverou, e às 4:30 hs. da manhã no dia 28 de abril de 1927, partindo de Praia na Ilha de Santiago (Cabo Verde), cruzou o Atlântico com seus três companheiros a bordo do Jahú, que pousou triunfante às 17:00 hs. na enseada norte de Fernando de Noronha.

O comandante Nisbet do navio italiano Angelo Toso testemunhou a amerissagem do Jahú. Este comandante atestou que nos tanques da aeronave ainda restavam 250 litros de combustível.

Apesar de um dos motores apresentar problemas durante a viagem e enfrentar chuva, conseguiu estabelecer um recorde de velocidade que só foi batido alguns anos depois.


Triunfo

Após essa etapa, foi pousando em cada uma das grandes cidades do litoral, Natal, Recife, Salvador, Rio de Janeiro, Santos e São Paulo, onde foi recebido com grandes festas e honras.

O avião foi restaurado pela empresa Helipark, de Carapicuíba, SP, e hoje está exposto no Museu Asas de um Sonho em São Carlos, SP. Trata-se da única aeronave transatlântica da época que ainda existe e está com sua configuração original.

Segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, no livro No Caminho do Avião... Notas de Reportagem Aérea 1922-1933, o Jahú pousou no Rio Potengi, na cidade de Natal, no dia 14 de maio de 1927, completando sua travessia sobre o Oceano Atlântico.

"Para a tripulação do "Jahú" foram merecidas e, para nós, justas e oportunas, as festas que se tornaram nacionais quando de sua aterrisagem no estuário do Potengi."
(Luís da Câmara Cascudo)

Monumento a João Ribeiro de Barros em Jaú.
Outras Aventuras

Depois de obter sucesso em sua "reide", João Ribeiro de Barros partiu para novas aventuras. Em 1929 viajou à França onde adquiriu da fábrica Breguet uma grande aeronave. Com esta pretendia voar diretamente do Brasil para a Europa. Juntamente com o mecânico Mendonça, acompanhou o processo de montagem do avião.

A 7 de setembro recebeu a notícia da morte de sua mãe Dona Margarida, fato que deixa-o profundamente abalado. Envia o aparelho desmontado para o Brasil, onde, no campo de pouso Latecoere, na Praia Grande, cidade de Santos, o mesmo é montado. João Ribeiro de Barros prestou uma homenagem à sua mãe dando-lhe o nome "Margarida."

Voou até o Rio de Janeiro, de onde desejava partir do Campo dos Afonsos com destino à Europa.

Momentos antes da partida, mesmo sob os aplausos de uma multidão, foi impedido de embarcar pelas autoridades. Iniciava-se a Revolução de 1930, por isso seu avião foi sumariamente confiscado pelo governo. Frustrado e impedido até de aproximar-se da aeronave, decidiu fazer uma viagem marítima pelo mundo.

Em 1932 retornou apressadamente ao Brasil onde participou da Revolução Constitucionalista como voluntário. Viajou a pé pelo Vale do Paraíba, até à cidade de Taubaté. Doou para a causa da Revolução todo o ouro que possuia, até mesmo medalhas recebidas pela façanha da travessia transatlântica de 1927.

Durante o governo do presidente Getúlio Vargas foi preso na cidade de Jaú, na Fazenda Irissanga, de sua propriedade, pelo delegado Amaso Neto. Foi acusado de publicar clandestinamente um jornal de oposição ao governo. Foi posto em liberdade pois as investigações realizadas nada provam contra ele.

As Honrarias

Graças às suas façanhas, João Ribeiro de Barros conquistou títulos, prêmios e recebeu várias homenagens, entre as quais se destacam:


Túmulo de João Ribeiro de Barros
Morte

João Ribeiro de Barros faleceu na Fazenda Iriçanga em sua cidade natal, Jaú, a 20 de julho de 1947 devido a problemas hepáticos provocados pela malária contraída anos antes.

Não casou nem deixou filhos. Seu corpo estava sepultado no cemitério municipal e seus restos mortais foram transferidos para a Praça Siqueira Campos na mesma cidade e alojados no monumento erigido no local em respeito à memória de sua pessoa e de suas grandes realizações.

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!