Geraldo Assoviador

GERALDO CLEOFAS DIAS ALVES
(22 anos)
Jogador de Futebol

* Barão de Cocais, MG (16/04/1954)
+ Rio de Janeiro, RJ (26/08/1976)

Geraldo Cleofas Dias Alves ou Geraldo Assoviador, foi um meio-campista brasileiro, contemporâneo de Zico nas divisões de base do Clube de Regatas do FlamengoGeraldo conviveu com certa irregularidade até se firmar no time rubro-negro a partir do ano de 1974.

Praticante do futebol moleque: habilidoso, driblador, alegre e com um controle sensacional, o jogador chegou a disputar a Copa América de 1975 pela Seleção Brasileira de Futebol e vivia um momento ímpar na sua carreira entre fins de 1975 e início de 1976. Fez sete jogos pela Seleção Brasileira.

Dona Nilza Alves teve nove filhos. Dos nove, cinco tornaram-se jogadores de futebol e Geraldo era o mais habilidoso. O menino deixou Minas Gerais em direção ao Rio de Janeiro com a ajuda do irmão mais velho, Washington, que era zagueiro do Flamengo e apresentou o irmão à equipe da Gávea no início da década de 70. Geraldo faria parte da "geração de ouro" rubro-negra, comandada por Zico, maior ídolo da história rubro-negra.

Em campo, não demorou muito para Geraldo conquistar os companheiros e a torcida.

Campeão carioca em 1974 e convocado para a Seleção em 1976, era uma das promessas do país para a Copa do Mundo de 1978. Ficou marcado pela elegância como jogava, com a cabeça em pé. Mas ficou mesmo identificado pelo apelido curioso: "Geraldo Assoviador".

"Ele vivia assoviando, não só no campo, mas o dia inteiro. Assoviava músicas que gostava, principalmente "Your Song" (do cantor Elton John, interpretada por Billy Paul)"
(Zico)

Geraldo, que sempre jogava de cabeça erguida, desfilava o toque cerebral e refinado nas passadas largas com pé colado na bola. Travestido na camisa para fora do short, meias arriadas e muita irreverência.

Se Jairzinho lamenta não ter jogado com Geraldo, o mesmo não se pode dizer de Zico. Os dois pareciam irmãos siameses desde que chegaram, ainda garotos, ao Flamengo.

Geraldo e Zico

"Eu comecei um pouco antes, mas atuamos juntos em todas as categorias. Um dormia na casa do outro. Meu pai o chamava de filho preto. Nosso entendimento era perfeito. Geraldo tinha uma habilidade fora do comum, fazia tudo com a bola. Se não tivesse acontecido aquela tragédia, teria feito parte daquele Flamengo campeão do mundo em 1981."
(Zico)

O jornalista Raul Quadros, assessor de imprensa de Zico, cobria o Flamengo na época e lembra de história curiosa.

"Antes de começarem os treinos, os dois, em laterais opostas, ficavam lançando a bola um para o outro, sem deixá-la cair, até se aproximarem e a colarem entre as cabeças no meio do campo. Era lindo."

Um dos que mais assistiam à cena era o garoto Adílio, que com a morte do seu ídolo acabou tomando conta da camisa 8 rubro-negra.

"Ele era como um irmão mais velho. Sempre me dava toques e dizia que eu seria o seu sucessor. Quando eu estava no infanto, era recrutado para a reserva do juvenil e, no fim dos jogos, ele até inventava contusão para eu entrar no seu lugar."

Mas houve um dia em que Geraldo e Adílio jogaram juntos.

"A Seleção Brasileira treinou na Gávea e, para o coletivo, recrutou dois juvenis do Flamengo para completar o time reserva. Eu e Andrade formamos o meio-campo com o Geraldo. E derrotamos os titulares, que tinha Batista, Falcão e Carpeggiani, por 4 x 2."

Júlio César (Uri Gueller) e Geraldo, num treino na gávea
Morte

Calou o assovio, acabaram-se as brincadeiras com Zico, acabou tudo. Aos 22 anos, o coração de Geraldo parou. Morreu o craque do Flamengo na sala de operação. Uma simples operação de amídalas, com anestesia local. Foi uma reação alérgica à anestesia que o matou. O próprio otorrino Wilson Junqueira aplicou a infiltração de xilocaína. Teve tempo ainda de realizar a cirurgia, mas logo Geraldo começou a passar mal, com problemas respiratórios. Foi longa a luta dos médicos e Geraldo teve uma parada cardiorrespiratória.

Fizeram-lhe uma injeção no coração, aplicaram-lhe choques elétricos. Geraldo reanimou-se, mas por pouco tempo. A segunda parada cardíaca foi definitiva. Uma hora e meia depois de operado, Geraldo Cleofas Dias Alves estava morto. No dia 26 de agosto de 1976, o futebol brasileiro perdia precocemente, aos 22 anos, uma de suas maiores revelações.

Geraldo domina a bola diante de Rubens do Fluminense
Curiosidades

  • O apelido de Geraldo Assoviador foi dado em virtude da excêntrica mania que o jogador tinha de assoviar dentro de campo enquanto realizava jogadas inusitadas.
  • O atleta, em seu auge, foi por diversas vezes comparado por cronistas esportivos da época com o rei do futebol, Pelé.
  • A amizade de Geraldo com Zico era tão forte que, além de frequentar constantemente a casa da família Antunes, em Quintino, ele era considerado um filho postiço de Seu Antunes e Dona Matilde. "É meu filho marronzinho", costumava dizer o patriarca da família.
  • Não era para Geraldo ter feito a cirurgia no dia 26 de agosto. Na verdade, o jogador, que tinha muito medo de ser operado, deveria ter retirado as amídalas no mesmo dia em que Zico corrigiu um desvio de septo. Mas Geraldo não apareceu no dia e apenas Zico fez a cirurgia na data prevista.
  • Zico participou de dois amistosos em memória a Geraldo. O primeiro, no dia 6 de outubro (Flamengo 2 x 0 Seleção Brasileira), serviu para arrecadar fundos para a família do jogador, que vivia em Barão de Cocais. A segunda, em 1995, foi entre os masters do Flamengo e de Minas Gerais, em Barão de Cocais, onde o Flamengo perdeu por 2 x 1 e Zico fez o gol, para possibilitar a construção do mausoléu para Geraldo.
  • Geraldo é tio do zagueiro Bruno Alves, do Futebol Clube do Porto e da Seleção Portuguesa de Futebol.
  • Geraldo compareceu ao hospital no dia marcado, 25 de agosto de 1976, mas não operou porque o presidente do Flamengo na época, Hélio Maurício, não deixou comunicação oficial à respeito da operação. Hélio Maurício também era médico do hospital em que Geraldo iria realizar a operação.


Títulos Pelo Flamengo

  • 1973 - Taça Guanabara
  • 1973 - Taça Cidade do Rio de Janeiro
  • 1973 - Taça Rede Tupi de TV (RJ)
  • 1973 - Taça Araribóia (RJ)
  • 1973 - Taça Drº Manoel dos Reis e Silva (RJ)
  • 1974 - Campeonato Carioca
  • 1974 - 3º Turno do Campeonato Carioca
  • 1974 - Taça Deputado José Garcia Neto (MT)
  • 1974 - Taça Drº Manoel dos Reis e Silva (GO)
  • 1974 - Campeão da Taça Associação dos Servidores Civis do Brasil (RJ)
  • 1975 - Troféu João Havelange (RJ)
  • 1975 - Torneio Quadrangular de Goiás
  • 1975 - Torneio Quadrangular de Jundiaí (SP)
  • 1975 - Taça José João Altafini "Mazola" (RJ)
  • 1975 - Taça Jubileu de Prata da Rede Tupi de TV (DF)
  • 1976 - Taça Nelson Rodrigues
  • 1976 - Torneio Quadrangular de Mato Grosso


Títulos Pela Seleção Brasileira

  • 1976 - Taça do Atlântico
  • 1976 - Copa Roca


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!