Fauzi Arap

FAUZI ARAP
(75 anos)
Diretor, Autor e Ator

* São Paulo, SP (1938)
+ São Paulo, SP (05/12/2013)

Sempre fora dos esquemas de produção tradicionais, Fauzi Arap imprimiu em seus trabalhos como diretor e autor uma expressão original, assimilando a poesia e a liturgia da contracultura dos anos 1970.

Formado em engenharia civil, sua trajetória profissional se consolidou no teatro. Começou como ator no fim dos anos 1950, ainda na fase amadora do Teatro Oficina, e participou da primeira montagem profissional do grupo em 1961, "A Vida Impressa em Dólar", de Clifford Odetts, direção de José Celso Martinez Corrêa, quando recebeu os prêmios Saci e Governador do Estado de melhor ator coadjuvante.

Afirma-se como ator tanto em montagens do Teatro Oficina como do Teatro de Arena, tais como: "José do Parto à Sepultura", de Augusto Boal, direção Antônio Abujamra, no Teatro Oficina, 1961; "A Mandrágora", de Maquiavel, direção Augusto Boal, no Teatro de Arena, 1962. No ano seguinte, em "Pequenos Burgueses", de Máximo Gorki, substituindo Raul Cortez, alcançou brilhante desempenho realista, transfigurando-se no bêbado Teteriev. Fez ainda "Andorra", de Max Frisch, 1964; ambas direções de  José Celso pelo Teatro Oficina. Junto ao Grupo Decisão, esteve em "O Inoportuno", de Harold Pinter, recebendo elogiosa crítica de Décio de Almeida Prado.


Estreou como diretor em 1965, levando ao palco o texto "Perto do Coração Selvagem", adaptado da obra de Clarice Lispector, adaptada por ele. Em 1967 dirigiu e interpretou, dividindo o palco com Nelson Xavier, "Dois Perdidos Numa Noite Suja", de Plínio Marcos. Em 1968, Tônia Carrero o convida para dirigi-la em "Navalha Na Carne", também de Plínio Marcos, peça que obteve estrondoso sucesso.

Aos 29 anos, abandonou a carreira de ator para dedicar-se à direção. Como diretor, lançou importantes nomes da dramaturgia nacional. Além do já citado Plínio Marcos, trouxe à cena "Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã", do então jovem estreante Antônio Bivar, produção do Teatro Maria Della Costa (TMDC), em 1968. Revelou ao público a poética contundente de José Vicente ao dirigir "O Assalto" em 1969, que contava com Ivan de Albuquerque e Rubens Corrêa. Projetou nacionalmente o nome de Maria Bethânia ao dirigi-la no show "Rosa dos Ventos", em 1971, valorizando a forte presença cênica da cantora.

A carreira como autor tem início com "Pano de Boca", 1975, na qual fez um balanço dos caminhos e descaminhos do teatro brasileiro nos anos 1960 e 1970, inspirando-se livremente nos fatos que dilaceraram o Teatro Oficina.


Recebeu os prêmios Molière de melhor autor e Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), de melhor diretor por "O Amor do Não", 1977. Mais tarde, em 1983 levou o prêmio Mambembe de melhor autor em "Quase 84", dirigido por Ivan de Albuquerque.

Em 1986, voltou a chamar a atenção pela direção em "Uma Lição Longe Demais", de Zeno Wilde. Em 1987, é premiado à frente do "Risco e Paixão", "Projeto T.A.R.Ô Rosa dos Ventos" do Teatro Brasileiro, que ocupou o Teatro de Arena Eugênio Kusnet por dois anos, com o qual se mostraou um ativo fomentador da produção cultural. Nesse projeto dirigiu "Às Margens do Ipiranga", de sua autoria, na qual procurou reproduzir, sobre a trajetória do Teatro de Arena, uma análise afetiva semelhante à que realizou com relação ao Teatro Oficina em "Pano de Boca". No fim dos anos 1990, obteve êxitos na direção de diferentes gêneros, como no drama poético "Santidade", peça de José Vicente censurada em 1968, e na comédia "Caixa 2", de Juca de Oliveira, prêmios Shell de melhor direção por ambos os trabalhos.

Fauzi Arap é tido como pioneiro na direção de shows musicais no Brasil e também, reconhecidamente, um dos melhores diretores de ator do país. Em 1971 trabalhou como terapeuta voluntário na Casa das Palmeiras, centro psiquiátrico anti-convencional dirigido pela doutora Nise da Silveira, quando mergulhou nas obras de Jung. Sua autobiografia, "Mare Nostrum - Sonhos, Viagens e Outros Caminhos", 1998, revela a trajetória de um homem que buscou na vida e no teatro uma existência integral.


Morte

Fauzi Arap morreu, aos 75 anos, na madrugada de quinta-feira, 05/12/2013, em sua casa, no Paraíso, em São Paulo. Segundo a família, ele sofria de um câncer, que começou na bexiga mas já havia se espalhado. O enterro ocorreu no Cemitério São Paulo, na sexta-feira, 06/12/2013, às 11:00 hs.

Principais Trabalhos

Autoria
  • 1975 - Pano de Boca
  • 1977 - O Amor do Não
  • 1977 - Um Ponto de Luz
  • 1979 - Mocinhos Bandidos
  • 1979 - Sol no Olho
  • 1980 - Parabéns Pra Você
  • 1981 - The Brazilian Tropical Super Star
  • 1983 - Quase 84
  • 1987 - Projeto T.A.R.Ô. Rosa dos Ventos
  • 1988 - Às Margens do Ipiranga
  • 1988 - Risco e Paixão
  • 1989 - Além do Círculo
  • 1991 - A História Acabou
  • 2003 - O Mundo é um Moinho
  • 2005 - Chega de História
  • 2007 - Chorinho


Direção
  • 1961 - São Paulo - O Balanço
  • 1965 - São Paulo - Perto do Coração Selvagem
  • 1967 - Rio de Janeiro - Dois Perdidos Numa Noite Suja
  • 1967 - São Paulo - Santidade
  • 1968 - Rio de Janeiro - Navalha na Carne
  • 1968 - São Paulo - Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã
  • 1969 - Rio de Janeiro - Falando de Rosas
  • 1969 - Rio de Janeiro - O Assalto
  • 1969 - São Paulo - Falando de Rosas
  • 1970 - São Paulo - Seu Tipo Inesquecível
  • 1970 - Rio de Janeiro - Macbeth
  • 1971 - Rio de Janeiro - Rosa dos Ventos. Show Encantado
  • 1974 - Rio de Janeiro - A Cena Muda - Show de Maria Bethânia
  • 1976 - São Paulo - Pano de Boca
  • 1977 - São Paulo - O Amor do Não
  • 1977 - São Paulo - Um Ponto de Luz
  • 1977 - Rio de Janeiro - Pássaro da Manhã
  • 1979 - Rio de Janeiro - Maria Bethania
  • 1979 - São Paulo - Mocinhos Bandidos
  • 1980 - São Paulo - Abajur Lilás
  • 1980 - Campinas - O Abajur Lilás
  • 1981 - Rio de Janeiro - Estranha Forma de Vida
  • 1986 - São Paulo - Uma Lição Longe Demais
  • 1987 - São Paulo - Dois Perdidos Numa Noite Suja
  • 1988 - São Paulo - Às Margens do Ipiranga
  • 1991 - São Paulo - A História Acabou
  • 1993 - São Paulo - Retrato Falado
  • 1994 - São Paulo - Adorável Desgraçada
  • 1995 - São Paulo - A Quarta Estação
  • 1996 - São Paulo - Perdidos na Praia
  • 1996 - São Paulo - Frida Kahlo
  • 1997 - São Paulo - Caixa 2
  • 1998 - São Paulo - Santidade
  • 2002 - São Paulo - Deve Ser do C... o Carnaval em Bonifácio
  • 2003 - São Paulo - O Mundo É um Moinho
  • 2005 - São Paulo - Chega de História
  • 2006 - São Paulo - Kerouac
  • 2007 - São Paulo - Chorinho5


Indicação: Miguel Sampaio e Fadinha Veras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!