Zé do Norte

ALFREDO RICARDO DO NASCIMENTO
(83 anos)
Cantor, Compositor, Poeta, Escritor e Folclorista

* Cajazeiras, PB (18/12/1908)
+ Rio de Janeiro, RJ (04/01/1992)

Aos 11 anos de idade perdeu os pais, indo morar com um tio. Fugiu de casa dois anos depois, devido a uma briga e começou a trabalhar ainda criança, na lavoura de algodão. Nunca estudou música, mas desde pequeno gostava de acompanhar os cantadores, chegando a viajar três a quatro léguas para assistir as cantorias. Trabalhou como tropeiro e apanhador de algodão e mais tarde, mudou-se para Fortaleza.

Em 1928, mudou-se para o Rio de Janeiro e ingressou no Exército, indo servir no I Regimento de Infantaria da Vila Militar, no Rio de Janeiro, onde formou-se em Enfermagem. Cursou também a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Sua primeira composição, aos 11 anos de idade, motivada por uma desilusão amorosa, mais tarde se tornaria a famosa "Sodade, Meu Bem, Sodade", sofrendo modificação no ritmo quando ele passou a trabalhar na Rádio Tupi.

Em 1938, durante uma apresentação em um show na Feira de Amostras do Rio de Janeiro, Joracy Camargo e Rubens de Assis viram a cantoria de Alfredo Ricardo, que era fiscal de feira. Eles o convidaram, então, para apresentar-se ao lado dos consagrados Sílvio Caldas e Orlando Silva. Cantou, então, para uma platéia de cerca de 20 mil pessoas que vibrou, pedindo para que ele repetisse diversas vezes a embolada "Errou o Tiro", em que debochava do capitão que matou Lampião.

Em 1939, foi convidado por Lacy Martins, irmão de Herivelto Martins, para cantar na Rádio Tupi, adotando, então, o nome artístico de Zé do Norte. Passou a apresentar o programa "Noite da Roça", que lançou diversos artistas e no qual apresentaram-se, entre outros, Alvarenga & Ranchinho e Luiz Gonzaga, este ainda em começo de carreira.

Em 1941, começou a trabalhar na Rádio Transmissora Brasileira, atual Rádio Globo, onde apresentou e participou dos programas "Desligue, Faz Favor" e "Hora Sertaneja". Tendo trabalhado em diversas estações, teve de afastar-se do rádio em 1942, devido a problemas na garganta que o deixaram afônico.

Em 1947, ingressou na Rádio Fluminense. Trabalhou, ainda, na Rádio Guanabara e Rádio Tamoio.

Em 1948, lançou o livro "Brasil Sertanejo", com temas folclóricos.

Em 1950, gravou o xote "Vamos Rodar" e a valsa "Prazer do Boiadeiro", ambas de sua autoria. Na mesma época, foi convidado pelo diretor Lima Barreto para fazer a trilha sonora do filme "O Cangaceiro". A conselho da escritora Rachel de Queiroz, então roteirista, foi indicado como consultor de linguagem para o mesmo filme. O filme ganhou o prêmio de melhor filme no Festival de Cannes. Da trilha sonora destacaram-se "Sodade, Meu Bem, Sodade", gravada com a atriz Vanja Orico, "Lua Bonita", "Mulher Rendeira" e o coco "Meu Pião", com referências ao seu tempo de criança. Essas músicas fizeram grande sucesso e chegaram a ser gravadas no exterior. Dedicando-se aos trabalhos do filme, retirou-se do rádio.

Em 1953, impetrou ação na justiça contra a empresa cinematográfica Vera Cruz pois o seu nome não foi incluído na apresentação do filme "O cangaceiro" pedindo uma indenização de 300 mil cruzeiros.

Em 1955, Inezita Barroso gravou "Mineiro Tá Me Chamando", adaptação de Zé do Norte para tema do folclore mineiro.

Em 1956, voltou a fazer um programa na Rádio Tupi, a convite de J. d'Ávila, permanecendo, entretanto, por pouco tempo, por não adaptar-se aos programas gravados, já que queria apresentá-los ao vivo.

Em 1957, gravou com seu Conjunto Nordestino os cocos "Mudança na Capitá" e "Na Paraíba".

Em 1958, com o mesmo grupo, Conjunto Nordestino, gravou o coco "No Boero da Usina" e a toada "Vaca Turina".

Em 1959, Luiz Vieira gravou o baião "Milho Verde".

Nos anos de 1970, o roqueiro Raul Seixas regravou a toada "Lua Bonita".

Zé do Norte deixou mais de 100 músicas editadas.


Discografia

  • 1960 - Rock do Matuto / Berimbau de Baiano (Copacabana, 78)
  • 1958 - No Boero da Usina / Vaca Turina (Copacabana, 78)
  • 1957 - Mudança na Capitá / Na Paraíba (Copacabana, 78)
  • 1955 - Coco de Macaíba / Meu Baraio Dois-Dois (Todamérica, 78)
  • 1955 - Três Potes / Será Que Eu Sou Baiano? (Todamérica, 78)
  • 1953 - Mulher Rendeira / Lua Bonita (RCA Victor, 78)
  • 1953 - Meu Pinhão / Sodade, Meu Bem, Sodade (RCA Victor, 78)
  • 1953 - Na Fazenda do Ingá / Lagoa Javari (Continental, 78)
  • 1950 - Estrela d'alva / Cabra Macho é Pernambuco (Star, 78)
  • 1950 - Rói... Rói / Zé das Alagoas (Star, 78)


Indicação: Miguel Sampaio

Um comentário:

  1. Zé do Norte este paraibano de Cajazeiras deixou varias composições e sucessos com "Mulher Rendeira"e sodade meu bem, sodade"veio a falecer nos ostracismo, e tive a oportunidade de conhecê-lo no aniversario da cidade de Cajazeiras

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!