Mostrando postagens com marcador Médium. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Médium. Mostrar todas as postagens

Waldo Vieira

WALDO VIEIRA
(83 anos)
Médico, Médium e Escritor

☼ Monte Carmelo, MG (12/04/1932)
┼ Foz de Iguaçu, PR (02/07/2015)

Waldo Vieira foi um médico, médium e autor brasileiro, mais conhecido por ser o propositor da Conscienciologia e da Projeciologia.

Já na sua infância Waldo Vieira começou a ter suas primeiras manifestações mediúnicas, tornando-se consequentemente adepto do Espiritismo. Afirma-se que sua primeira projeção consciente ocorreu aos 9 anos de idade.

Na juventude se radicou em Uberaba, MG, onde se graduou em Medicina e Odontologia. Posteriormente tornou-se também médico pós-graduado em plástica e cosmética, ambos em Tóquio, Japão.

Quando ainda estudante, em 1955, conheceu pessoalmente o médium Chico Xavier e juntos, desenvolveram nos anos 50 e 60 trabalho mediúnico no centro espírita Comunhão Espírita Cristã, que fundaram em Uberaba. Tal parceria resultou na publicação de diversos livros e estudos espíritas, mais notadamente em livros psicografados da série André Luiz. Juntos também exerceram a função de médium em sessões de psicografia de cartas e trabalho voluntário de distribuição de mantimentos a multidões de pessoas carentes.

Entre 1964 e 1968, o renomado quadrinista Messias de Mello adaptou seis contos psicografados por Waldo VieiraChico Xavier. As histórias em quadrinhos foram republicadas em um álbum em 2011.

Em 1965, Waldo Vieira e Chico Xavier viajaram para Washington, Estados Unidos, a fim de divulgar o Espiritismo no exterior. Com a ajuda de Salim Salomão Haddad, presidente do centro Christian Spirit Center, e sua esposa Phillis, estudaram inglês e lançaram o livro "Ideal Espírita", com o título "The World Of The Spirits".

Waldo Vieira e Chico Xavier
Trabalhos Solo Como Médium Espírita

Como médium espírita, psicografou sozinho os seguintes livros: "Conduta Espírita" (André Luiz - FEB, 1960), "Bem-Aventurados os Simples" (Valerium - FEB, 1962), "Cristo Espera Por Ti" (Honoré de Balzac - IDE, 1965), "De Coração Para Coração" (Maria Celeste - FEB, 1962), "Seareiros de Volta" (Diversos Espíritos - FEB, 1966), "Sonetos de Vida e de Luz" (Diversos Espíritos - IDE, 1966), "Sol Nas Almas" (André Luiz - CEC, 1964) e "Técnica de Viver" (Kelvin van Dine - CEC, 1967).

Estudos da Consciência e Desligamento do Espiritismo

Em 1966 Waldo Vieira se mudou para o município do Rio de Janeiro, desligando-se do centro Comunhão Espírita Cristã. Ao mesmo tempo tornou-se um dissidente do Espiritismo e decidiu se dedicar à pesquisa da experiência fora-do-corpo, ou projeção da consciência, fenômeno que considera chave para o desenvolvimento integral da consciência.

Tornou-se membro de duas das mais importantes organizações de pesquisa parapsicológicas do mundo, a americana American Society for Psychical Research (ASPR) e a britânica Society For Psychical Research (SPR).

Em 1979 lançou o livro "Projeções da Consciência: Diário de Experiências Fora do Corpo Humano", atraindo a atenção dos interessados na Projeciologia, para em 1981 co-fundar o Centro da Consciência Contínua, dedicado a pesquisa das experiências fora-do-corpo e estados alterados de consciência.

Em 1986 lançou o tratado "Projeciologia: Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano", com a primeira edição de 5000 exemplares, distribuída gratuitamente entre pesquisadores e bibliotecas do país e do exterior. O tratado consiste em uma exaustiva pesquisa, mais de 1900 referências bibliográficas de 37 países, que chancela o estudo sério e científico sobre o assunto. Tal tratado fundamenta também os estudos da Projeciologia e Conscienciologia e é considerado hoje a principal obra brasileira sobre projeções da consciência.

Ao longo dos anos Waldo Vieira também montou uma considerável biblioteca sobre a projeção da consciência e relacionados, incluindo milhares de referências populares e científicas na temática.

Em 1988, Waldo Vieira co-fundou o Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC), no Rio de Janeiro. Uma organização sem fins lucrativos voltada ao ensino e pesquisa da consciência em abordagem integral da personalidade. Ele também presidiu a instituição entre 1988 e 1999, sendo que no final deste período o Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia  foi reconhecido como instituição de Utilidade Pública Federal (UPF).

Em 1994, Waldo Vieira publicou mais um tratado chamado "700 Experimentos de Conscienciologia".

Em 2001, Waldo Vieira foi incluído na publicação inglesa "Who's Who In The 21st Century", editada pelo International Biographical Centre.

Waldo Vieira também era conhecido como um dos maiores colecionadores de histórias em quadrinhos do país e doou sua coleção pessoal para o Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC).

CEAEC e Atividades Atuais

Waldo Vieira passou a residir no Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC), localizado em no bairro Cognópolis, também apelidado de Cidade do Conhecimento ou Bairro do Saber, em Foz do Iguaçu, PR. Entre outras atividades, se dedicava à produção de uma Enciclopédia da Conscienciologia e dicionários relacionados ao tema.

"Sair do corpo humano, com lucidez, é a mais preciosa e prática fonte de esclarecimentos e informações prioritárias acerca dos mais importantes problemas da vida, elucidando-nos sobre quem somos, de onde viemos e para onde vamos!"
(Waldo Vieira)

Morte

Waldo Vieira morreu no fim da tarde de quinta-feira, 02/07/2015, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, aos 83 anos. Ele sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) no dia 26/06/2015 e desde então permanecia internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Costa Cavalcanti.

A pedido do próprio Waldo Vieira, não houve velório ou cortejo. O corpo de Waldo Vieira foi encaminhado diretamente para o crematório. Para ele, a morte era apenas uma viagenzinha.

Bibliografia Espírita

Seleção de obras solo ou em parceria com o médium Chico Xavier
  • 1960 - A Vida Escreve
  • 1962 - Bem-Aventurados os Simples
  • 1962 - De Coração Para Coração
  • 1962 - Timbolão (Livro Infantil)
  • 1962 - Espírito da Verdade
  • 1963 - Leis de Amor
  • 1964 - Opinião Espírita
  • 1965 - Cristo Espera Por Ti
  • 1965 - Estude e Viva
  • 1966 - Entre Irmãos de Outras Terras
  • 1966 - Seareiros de Volta
  • 1966 - Sonetos de Vida e Luz
  • 1967 - Técnica de Viver
  • 2007 - Cristo Espera Por Ti (Edição comentada por Ramos Filho)


Obras Atribuídas Ao Espírito André Luiz
  • 1958 - Evolução em Dois Mundos
  • 1960 - Mecanismos da Mediunidade
  • 1960 - Conduta Espírita
  • 1963 - Sexo e Destino
  • 1964 - Sol Nas Almas
  • 1964 - Desobsessão


Bibliografia Conscienciológica

Algumas de suas obras conscienciológicas já foram ou estão sendo traduzidas para o inglês, espanhol, italiano, alemão e chinês.

  • 1979 - Projeções da Consciência: Diário de Experiências Fora do Corpo Humano
  • 1986 - Projeciologia: Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano
  • 1994 - 700 Experimentos da Conscienciologia
  • 1994 - O Que é a Conscienciologia
  • 1995 - Manual da Tenepes: Tarefa Energética Pessoal
  • 1996 - A Natureza Ensina
  • 1996 - Máximas da Conscienciologia
  • 1996 - Mini Definições Conscienciais
  • 1996 - Nossa Evolução
  • 1996 - Conscienciograma: Técnica de Avaliação da Consciência Integral
  • 1997 - 100 Testes da Concienciometria
  • 1997 - 200 Teáticas da Conscienciologia
  • 1997 - Manual da Dupla Evolutiva
  • 1997 - Manual da Proéxis: Programação Existencial
  • 1997 - Manual da Redação da Conscienciologia
  • 1997 - Temas da Conscienciologia
  • 2003 - Homo Sapiens Reurbanisatus
  • 2006 - Enciclopédia da Conscienciologia
  • 2007 - Homo Sapiens Pacificus
  • 2008 - Projeções da Consciência (9ª Edição)
  • 2009 - Manual dos Megapensenes Trivocabulares
  • 2009 - Projeciologia (10ª Edição)
  • 2010 - Nossa Evolução (3ª Edição)
  • 2013 - Dicionário de Neologismos da Conscienciologia
  • 2013 - Enciclopédia da Conscienciologia (co-autor - 7ª Edição)

Fonte: Wikipédia
Indicação: Douglas Bachine

Rubens Saraceni

RUBENS SARACENI
(63 anos)
Médium, Babalorixá e Escritor

* Osvaldo Cruz, SP (18/10/1951)
+ São Paulo, SP (09/03/2015)

Rubens Saraceni foi um médium e escritor brasileiro, nascido em Osvaldo Cruz, SP no ano de 1951. Exerceu sua mediunidade por mais de 30 anos e fez seus estudos no campo da espiritualidade. Seus inúmeros livros já publicados são psicografados, ditados e orientados pelos Mestres. Sua jornada, segundo conta, foi iniciada no espiritismo de "mesa branca", passando posteriormente para a umbanda, onde se tornou Sacerdote da Umbanda Sagrada.

Há muitos anos o médium Rubens Saraceni, que tem uma enorme quantidade de livros psicografados e dezenas deles publicados, recebeu um pedido dos Mestres da Luz, Guias de Lei e de Umbanda, no qual solicitavam que as informações reveladoras, por eles transmitidas, não fossem apenas para seu bel prazer, e sim para que, por meio dele, o conhecimento se multiplicasse. Com isso, Rubens Saraceni começou a ministrar o curso de Teologia de Umbanda, um curso simples e teórico, visando a uma melhor formação do médium umbandista em relação aos fundamentos da umbanda.

Desse convívio Rubens Saraceni se deu conta do valor do que havia recebido, pois há muitos anos praticava a Magia Divina ensinada por seus mentores que se mostrou fundamental na proteção daqueles que o procuravam. Foi quando os Mestres da Luz ressaltaram a importância de consolidar-se no lado material um colégio nos moldes dos grandes colégios astrais, que sustentam toda a formação daqueles que se assentam à direita e à esquerda dos Sagrados Orixás, Tronos e Divindades de Deus. Daí surgiu o Colégio de Umbanda Sagrada Pai Benedito de Aruanda, para dar formação mediúnica e sacerdotal de umbanda, bem como, sustentação, religiosa e magística aos que buscam o conhecimento sagrado sobre O Divino Criador Olorum (Deus), suas divindades e seus mistérios geradores.

Mestre Seiman Hamiser Yê, um Ogum Sete Espadas da Lei e da Vida, assumiu a abertura da Magia do Fogo no plano material, por meio de Rubens Saraceni, na qual são ensinados os fundamentos da Magia Riscada dos Orixás, a Grafia Sagrada, bem como a correta utilização magística das velas, suas cores e o elemento fogo na arte da magia. O primeiro curso do gênero aberto ao plano material por Mestre Seiman, e que deve ser o primeiro na formação do mago, intitula-se "Magia das Sete Chamas Sagradas".

Rubens Saraceni foi também o fundador do Colégio Tradição de Magia Divina, colégio este que se destina a dar amparo aos formados nas magias abertas ao plano material e espiritual.

Ao longo da carreira, lançou cerca de 50 livros psicografados e foi autor de outros 30, que permanecem inéditos para o grande público.

Morte

Três dias antes de morrer, Rubens Saraceni se despediu dos filhos e da mulher. Médium desde a década de 1980, parecia saber que faria em breve sua passagem - termo utilizado na umbanda para designar a morte.

Após pedir à família que não chorasse, declarou seu amor por todos e recomendou que continuassem as atividades no Colégio de Umbanda Pai Benedito de Aruanda, que fundou em 1999, na zona leste da capital paulista.

Fumante desde os 20 anos, largou o vício após o diagnóstico de câncer de pulmão. Morreu na manhã de segunda-feira, 09/03/2015, aos 63, vítima de um enfisema pulmonar.

O velório de Rubens Saraceni ocorreu na Câmara Municipal de Vereadores de São Paulo.

Ele deixa a mãe, Leocádia, cinco irmãos, os filhos, Maurício, Estela e Graziela, além da esposa, Alzira, com quem foi casado por 46 anos.

Obras
  • Aprendiz-Sete - O Filho de Ogum
  • Os Arquétipos da Umbanda - As Hierarquias Espirituais dos Orixás
  • O Cavaleiro da Estrela Guia - A Saga Completa
  • O Cavaleiro da Estrela Guia - A Saga Continua
  • O Código da Escrita Mágica Simbólica
  • Código de Umbanda
  • Os Decanos - Os Fundadores, Mestres e Pioneiros da Umbanda
  • Diálogo Com Um Executor
  • Doutrina e Teologia de Umbanda Sagrada - A Religião dos Mistérios - Um Hino de Amor à Vida
  • A Evolução dos Espíritos
  • Formulário de Consagrações Umbandistas - Livro de Fundamentos
  • Gênese Divina de Umbanda Sagrada - O Livro dos Tronos de Deus - A Ciência Divina Revelada
  • O Guardião da Meia-Noite - Por Honra e Glória do Criador de Tudo e de Todos
  • Guardião da Pedra de Fogo - As Esferas Positivas e Negativas
  • O Guardião da Sétima Passagem - A Porteira Luminosa
  • O Guardião das Sete Cruzes - Um Livro Mistério
  • Guardião das Sete Encruzilhadas - Hemisarê a Ira Divina
  • Guardião do Amor - Aprendiz Sete no Reino das Ninfas
  • O Guardião do Fogo Divino - A História do Senhor Caboclo Sete Pedreiras
  • O Guardião dos Caminhos - A História do Senhor Guardião Tranca-Ruas
  • Guardião Sete - O Chanceler do Amor
  • Os Guardiões da Lei Divina - A Jornada de um Mago
  • Iniciação à Escrita Mágica Divina - A Magia Simbólica dos Tronos de Deus
  • Os Guardiões dos Sete Portais - Hash-Meir e O Guardião das Sete Portas
  • Iniciação à Escrita Mágica Divina - A Magia Simbólica dos Tronos de Deus
  • A Lenda do Sabre Dourado
  • Lendas da Criação - A Saga dos Orixás
  • O Livro da Vida - As Marcas do Destino
  • A Longa Capa Negra
  • A Magia Divina das Sete Pedras Sagradas
  • A Magia Divina das Velas - O Livro das Sete Chamas Sagradas
  • A Magia Divina dos Elementais
  • A Magia Divina dos Gênios - A Força dos Elementais da Natureza
  • A Magia Divina dos Sete Símbolos Sagrados
  • Manual Doutrinário, Ritualístico e Comportamental Umbandista
  • Oráculo de Delfos - O Ancestral Místico
  • Orixá Exu - Fundamentação do Mistério Exu na Umbanda
  • A Princesa dos Encantos - Sob o domínio da Paixão
  • Orixá Pombagira
  • Orixás - Teogonia de Umbanda
  • O Protetor da Vida - Viver a Vida: Um Ato de Fé
  • Rituais Umbandistas - Oferendas, Firmezas e Assentamentos
  • As Sete Linhas de Evolução e Ascensão do Espírito Humano
  • As Sete Linhas de Umbanda - A Religião dos Mistérios
  • Os Templos de Cristais - A Era dos Grandes Magos
  • Tratado de Escrita Mágica Sagrada - Um Curso de Escrita Mágica
  • Tratado Geral de Umbanda
  • Umbanda Sagrada - Religião, Ciência, Magia e Mistérios

Indicação: Douglas Bachine

Tia Neiva

NEIVA CHAVES ZELAYA
(60 anos)
Médium Clarividente

* Propriá, SE (30/10/1925)
+ Brasília, DF (15/11/1985)

Neiva Chaves Zelaya, mais conhecida por Tia Neiva, foi uma médium clarividente brasileira que fundou o Vale do Amanhecer, doutrina espiritualista que agrega elementos de várias religiões.

Neiva era filha de Antônio e Dona Sinharinha, e tinha três irmãos: Nivaldo, José Luís e Linda.

Casou-se, aos 18 anos, com Raul Zelaya Alonso, então secretário do engenheiro Bernardo Sayão e com ele teve 4 filhos: Gilberto, Carmem Lúcia, Raul Oscar e Vera Lúcia.

Em 1949, com 22 anos e quatro filhos, Neiva ficou viúva e teve que buscar seu sustento. Começou sua vida profissional em Ceres, GO, onde montou o Foto Neiva, tirando retratos e vendendo material fotográfico, mas teve que desistir, por recomendação médica. Com sua forte personalidade, ela não se deixou abater. Trabalhou como costureira, agricultora e, por fim, comprou um caminhão e tirou habilitação profissional, a primeira concedida a uma mulher no Brasil, e começou a transportar cargas. Com seu caminhão e seus filhos a tiracolo, percorreu diversos estados brasileiros, atuando como fretista ou mascate, até fixar-se em Goiânia em 1957.


Em Goiânia passou a dirigir ônibus, porém mantendo seus caminhões em serviço. Nesse mesmo ano, com a oportunidade da construção da nova capital Brasília, Neiva mudou-se com a família para a Cidade Livre, atual Núcleo Bandeirante, ponto inicial das obras da nova cidade, trabalhando com  caminhões na NOVACAP.

Estava com 32 anos quando sua mediunidade se abriu, revelando-se sua clarividência. Durante mais um tempo, Neiva via e ouvia os espíritos e podia prever o futuro e revelar o passado das pessoas, o que a deixava desesperada por ter tido uma formação familiar rigorosamente católica. Sua trajetória, então, passou por penosa adaptação para aceitação de sua missão.

Em 1958 deixou a Cidade Livre, onde começara sua missão espiritualista, e junto com seus filhos e mais cinco famílias espiritualistas, fundou, em 08/11/1959, a União Espiritualista Seta Branca (UESB), na Serra do Ouro, próximo a Alexânia, GO.

Em um rústico templo iniciático, pacientes eram atendidos pelos médiuns que ali residiam, em construções de madeira e palha. Tia Neiva mantinha ali, também, um hospital e um orfanato com cerca de oitenta crianças. Plantavam, faziam farinha para vender, pegavam fretes, e tudo era válido para ajudar na manutenção do grupo.

Em 09/11/1959, Tia Neiva ingressou na Alta Magia de Nosso Senhor Jesus Cristo.


Em 1964 mudou-se para Taguatinga, DF, onde funcionou a Ordem Espiritualista Cristã, e sendo Tia Neiva mais uma vez internada por causa da tuberculose.

Após trabalhosa busca para encontrar o local certo para se fixar, Tia Neiva e seu grupo chegaram a Planaltina, DF, em 09/11/1969, onde fundou o atual Vale do Amanhecer.

Hoje, o Vale do Amanhecer conta com cerca de 100 mil médiuns, atuantes em cerca de 650 templos no Brasil e em outros países.

Pela Doutrina, Tia Neiva implantou a importante conduta doutrinária em seus médiuns, capacitando-os ao atendimento sob a ação das forças iniciáticas, sem precisar da manifestação dos pacientes, que não precisam revelar quem são, o que fazem ou de onde vêm.

Entre os feitos de Tia Neiva destaca-se o episódio que envolveu o deputado federal Gustavo Faria, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) carioca. Em meados de 1978, passando por dificuldades financeiras, Gustavo Faria procurou a médium. Ela o tranquilizou, garantindo que a crise passaria. No Natal do mesmo ano, Gustavo Faria acertou na loteria. Tia Neiva também acertou sua última previsão política. Na reta final da disputa entre o falecido presidente Tancredo Neves e o deputado Paulo Maluf, ela vaticinou que nenhum dos dois chegaria à Presidência da República.

Tia Neiva morreu no dia 15/11/1985, em Brasília, aos 60 anos, vítima de um enfisema pulmonar.


Pai João de Camargo

JOÃO DE CAMARGO
(84 anos)
Religioso, Médium, Curandeiro, Santo Popular, Milagreiro e Preto Velho

* Sarapuí, SP (16/05/1858)
+ Sorocaba, SP (18/09/1942)

Pai João de Camargo foi um médium, curandeiro, religioso, também considerado santo popular, milagreiro e preto-velho. Era também conhecido como médico dos pobres.

Nhô João, nasceu no dia 16 de maio de 1858, na fazenda dos Camargo Barros, bairro dos Cocaes em Sarapuí, SP. Era filho de Francisca, escrava de Luís de Camargo Barros e de pai incógnito, batizado na Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores de Sarapuí.

Como escravo cresceu na fazenda em que nascera, herdou o sobrenome da família Camargo Barros, analfabeto não teve acesso à educação institucional, veio para Sorocaba, SP, logo após a abolição da escravatura, em 13 de maio de 1888.

Trabalhou em Sorocaba como cozinheiro para Manuel Lopes Monteiro, e também para a família de Inácio Pereira da Rocha. Em 1893, alistou-se como soldado voluntário, no batalhão dos Voluntários Paulistas, deu baixa em sua carreira militar em 1895, quando a Revolução Federalista terminou. Passou a trabalhar na lavoura em Pilar do Sul, lugar onde conheceu Escolástica do Espírito Santo, sua esposa.

Voltou para Sorocaba em meados de 1890, época em que Sorocaba fora atacada pela epidemia de febre amarela o que fez o casal abandonar a cidade e mudar-se para o Bairro da Ilha, em Salto de Pirapora, SP. Após cerca de cinco anos de convivência matrimonial vieram a separar-se por incompatibilidade. João de Camargo retornou à Sorocaba para recomeçar a vida, trabalhou em vários empregos para sobreviver desde o campo trabalhando na lavoura a olarias fazendo tijolos e telhas.

Recebeu influência na prática de curandeirismo e na religiosidade africana através de sua mãe, Nhá Chica, de sua sinhazinha, Ana Teresa de Camargo a iniciação ao catolicismo e do padre João Soares do Amaral os ensinamentos através de seus sermões, pois o conhecera ainda quando era adolescente e lhe tinha grande admiração. Sua religiosidade sincrética formou-se a partir do catolicismo popular, participando nas festas em devoção aos santos católicos a que se homenageavam na Casa Grande nos dias sagrados, bem como do aprendizado que adquirira com sua mãe.

Desde 1897 iniciara-se no caminho do misticismo, acendia velas, rezava ao pé da cruz e já praticava a cura em algumas pessoas. Em 1905 seguindo seu percurso pela Estrada da Água Vermelha, cumpria a sua obrigação junto a Cruz do Menino Alfredinho, em casa meditando por volta da meia-noite, percebeu que fenômenos estranhos como murmúrios, luzes, ventos entre outros sinais ocorriam a ele, fazendo-o muitas vezes a ser tomado como louco. Entre as vozes que ouvia, a mensagem para que parasse de beber era clara, uma vez que, segundo a voz que lhe falava o álcool o impedia de receber a missão designada, além de lhe estragar o corpo.

Em 1913 foi processado judicialmente acusado de praticar o curandeirismo. Absolvido e para se proteger de perseguições criou em sua Capela a Associação Espírita e Beneficente Capela do Senhor do Bonfim, reconhecida como pessoa jurídica em fevereiro de 1921.

Em 1915, fundou a Corporação Musical São Luís, composta por vinte e oito músicos, sendo muitos deles os que animavam os cordões carnavalescos da cidade, visto que apresentavam-se em festas religiosas e profanas. Seus maestros foram Francisco Dimas de Melo, Salvador Elisário, Pancrácio Inocêncio de Campos, e Avelino Soares.

Sua fama percorreu o mundo, foram-lhe dedicadas poesias, composições musicais e desenhos. João de Camargo foi tema de várias dissertações de mestrado, biografado por inúmeros escritores, pesquisadores e historiadores entre eles Antônio Francisco Gaspar, Florestan Fernandes, Genésio Machado, Roger Bastide, José Barbosa Prado, Aluísio de Almeida, Paulo Tortello, Rogich Vieira, Prof. Bene Cleto, Alcir Guedes e Antônio Carlos Guerra da Cunha.

Também sobre João de Camargo o jornalista Plínio Cavalcante publicou reportagem na revista semanal "O Malho", Rio de Janeiro em 1934 e na Europa o "Corriere Dela Sera" publicou reportagem em 1922. Em 1995 foi publicada sua biografia e um espetáculo teatral cujos autores, Sônia Castro e Fernando Antonio Lomardo tinham como intenção principal investigar O Homem - João de Camargo.

Em 1999 os pesquisadores Carlos de Campos e Adolfo Frioli publicaram o livro "João de Camargo - O Nascimento de Uma Religião de Sorocaba", sendo o tema principal "o preto velho e bom da Água Vermelha" uma vez que, Nhô João foi uma referência de fé popular nesta cidade. No mesmo ano de 1999, o pesquisador Carlos Carvalho Cavalheiro também dedicou-lhe algumas páginas de seu trabalho sobre o "Folclore em Sorocaba - Milagres de Nhô João de Camargo".

Pai João de Camargo faleceu no dia 18 de setembro de 1942 na cidade de Sorocaba, SP. Após sua morte a Capela Bom Jesus do Bonfim ficou fechada durante cinco anos por questões judiciais, Escolástica do Espírito Santo Maduro, sua ex- mulher apareceu requerendo sua parte no espólio.

O túmulo de João de Camargo é uma réplica da Capela Bom Jesus do Bonfim, levantada sob responsabilidade de um de seus devotos, João Massa em 1948. Seu túmulo é visitado por um número incontável de devotos e simpatizantes, principalmente no dia 02 de novembro, Finados.

Sobre sua vida, foram escritas inúmeras biografias por famosos escritores brasileiros. Em 2003, foi homenageado no enredo da escola de samba paulistana Império de Casa Verde. O desfile contou com a participação do ator Paulo Betti, que é devoto de Nhô João e produziu o filme "Cafundó", sobre sua vida.


Cafundó

"Cafundó" é inspirado em um personagem real saído das senzalas do século XIX. Um tropeiro, ex-escravo, deslumbrado com o mundo em transformação e desesperado para viver nele.

Este choque leva-o ao fundo do poço. Derrotado, ele se abandona nos braços da inspiração, alucina-se, ilumina-se, é capaz de ver Deus. Uma visão em que se misturam a magia de suas raízes negras com a glória da civilização judaico-cristã.

Sua missão é ajudar o próximo. Ele se crê capaz de curar, e acaba curando. O triunfo da loucura da fé.

Sua morte, nos anos 40, transforma-o numa das lendas que formou a alma brasileira e, até hoje, nas lojas de produtos religiosos, encontramos sua imagem, O Preto Velho João de Camargo.

"Cafundó", na linguagem popular, é um lugar de difícil acesso, situado longe de centros povoados. A origem do nome é indígena e "caa" significa mato em tupi. Por extensão, o termo passou a designar locais para os quais fugiam índios e negros escravos.


Principais Prêmios e Indicações

Festival de Gramado 2005:
  • Venceu nas categorias de Melhor Ator (Lázaro Ramos), Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia.
  • Ganhou o Prêmio Especial do Júri na categoria de Melhor Longa Metragem em 35mm Brasileiro.
  • Indicado na categoria de Melhor Filme.

Los Angeles Pan African Film Festival 2006:
  • Recebeu Menção Honrosa.


Elenco
  • Lázaro Ramos ... João de Camargo
  • Leona Cavalli ... Rosário
  • Leandro Firmino ... Cirino
  • Alexandre Rodrigues ... Natalino (Adulto)
  • Ernani Moraes ... Coronel João Justino
  • Luís Melo ... Monsenhor João Soares
  • Renato Consorte ... Ministro
  • Francisco Cuoco ... Bispo
  • Abrahão Farc ... Juiz


Eurípedes Barsanulpho

EURÍPEDES BARSANULPHO
(38 anos)
Jornalista, Professor, Político e Médium

* Sacramento, MG (01/05/1880)
+ Sacramento, MG (01/11/1918)

Eurípedes Barsanulpho foi um dos expoentes do espiritismo no país. Aluno do Colégio Miranda, desde cedo auxiliava os professores, explicando as matérias aos colegas de classe.

Egresso do colégio, passou a trabalhar como guarda-livros, no escritório comercial de seu pai, passando a auxiliar, também desde cedo, na manutenção do lar.

Em 1902, fundou, com seus antigos professores João Gomes Vieira de Melo, Inácio Martins de Melo e outros, o Liceu Sacramentano, onde passou a lecionar. Alguns alunos do Liceu, mais tarde, fundaram um serviço de assistência aos necessitados, denominado Sociedade dos Amiguinhos dos Pobres. Na mesma época, Eurípedes participou da fundação do jornal semanal Gazeta de Sacramento, em que publicava artigos sobre economia, literatura, filosofia, etc, estreando, assim, como jornalista.

Autodidata, adquiriu conhecimentos de Medicina e Direito, além de Astronomia, Filosofia, Matemática, Ciências Físicas e Naturais e Literatura, mesmo sem ter cursado o ensino superior.

Tornou-se líder em sua cidade por seu trabalho no magistério e na imprensa. Sua popularidade o fez eleger-se vereador, em cujo mandato, durante seis anos, beneficiou a população de sua cidade com luz e bondes elétricos, água encanada e cemitério público. Acabou renunciando ao cargo, por não concordar com uma mudança de lei que beneficiaria somente os que estavam no poder. Nessa ocasião, Eurípedes Barsanulpho, ainda católico, era o presidente da Conferência de São Vicente de Paulo.

O seu primeiro contato com a Doutrina Espírita ocorreu em 1903, por intermédio do seu tio, Sinhô Mariano, que, além de explicar ao sobrinho os pontos básicos da doutrina, emprestou-lhe o livro "Depois da Morte", de Léon Denis.

Eurípedes encontrou no livro conceitos filosóficos sobre a vida e a morte que lhe pareceram corretos, e encontrou, na reencarnação, nas energias e na responsabilidade de cada um a causa para os desequilíbrios físicos, morais e sociais. Mesmo com algumas dúvidas, Eurípedes Barsanulpho compareceu às sessões espíritas e, ao ver parentes analfabetos, incorporados, falando línguas diferentes e proferindo conceitos filosóficos com grande amplitude de conhecimentos, prontificou-se, a partir dali a ser espírita e ajudar no esclarecimento e amparo aos necessitados, vislumbrando a possibilidades de ajuda a partir dos adventos que via.

Têm início então as manifestações de seu parapsiquismo (mediunismo-animismo) e também seu contato com os amparadores. Ao tentar esclarecer seus ex-companheiros e familiares católicos, foi rechaçado, contudo perseverou.

Ocorreu então uma transformação em sua vida: mudou-se da casa de seus pais e fundou o Grupo Espírita Esperança e Caridade, em 1905, onde, além de realizar reuniões mediúnicas e doutrinárias, também prestava auxílio aos mais necessitados. Foi médium inspirado, vidente, audiente, receitista, psicofônico, psicógrafo, de desdobramento e de bicorporeidade. Como médium receitista, psicografava prescrições do espírito Bezerra de Menezes.

Diversos fenômenos parapsíquicos marcaram a vida de Eurípedes, que não se negava a ajudar onde necessário e utilizava juntamente com consciências extrafísicas amparadoras de tecnologias espirituais as mais diversas em benefício da população.

Busto de Eurípedes Barsanulpho, colégio Allan Kardek, Sacramento, MG
Em 31 de janeiro de 1907, criou o primeiro educandário brasileiro com orientação espírita, o Colégio Allan Kardec, onde os alunos recebiam aulas de Evangelho, Moral Cristã, e, ainda, instituiu um curso de Astronomia que hoje conta inclusive com laboratórios. Foi ainda diretor do Sanatório Espírita de Uberaba. Além de exercer a direção do colégio, o próprio ministrava aulas de Matemática, Geometria, Aritmética, Trigonometria, Ciências naturais, Botânica, Zoologia, Geologia e Paleontologia, Português, Francês, Astronomia, Inglês e Castelhano.

Eurípedes Barsanulpho foi perseguido por parte do clero que, aliado a um médico católico de Uberaba, moveu contra ele um processo penal sob a acusação de exercício ilegal da Medicina, em 1917, que acabou arquivado pelo juiz da comarca.

Um dos fatores que sempre foram a favor de Eurípedes foi a educação. O Governo na época estava em progredindo na educação, e os métodos utilizados por ele eram muito a frente de seu tempo, sendo modelo para muitos centros educacionais. Mesmo diante das dificuldades, ele executou um trabalho de empreendedorismo evolutivo com benefícios não só para Sacramento. As farmácias, o Colégio Allan Kardec e o Grupo Espírita Esperança e Caridade foram apenas algumas das obras desse homem que foi chamado "O Apóstolo do Triângulo Mineiro".

Morte

Morreu aos 38 anos, vítima da Gripe Espanhola. Mesmo acometido da moléstia, arrasadora para boa parte da população brasileira, Eurípedes não parou de atender aos que necessitavam.

Obras
  • Novos Rumos da Medicina
  • A Psiquiatria em Função da Reencarnação

Fonte: Wikipédia

Yvonne Pereira

YVONNE DO AMARAL PEREIRA
(83 anos)
Médium e Escritora

* Valença, RJ (24/12/1900)
+ Rio de Janeiro, RJ (09/03/1984)

Yvonne do Amaral Pereira foi uma médium brasileira, autora de diversos livros psicografados. Nasceu em 1900 na antiga Vila de Santa Tereza de Valença, hoje Rio das Flores, sul do estado do Rio de Janeiro.

Yvonne Pereira foi uma das mais respeitadas médiuns brasileiras, autora de romances psicografados bastante conhecidos entre os espíritas. Dedicou-se por muitos anos à desobsessão e ao receituário mediúnico homeopático.

Filha de Manuel José Pereira Filho, um pequeno comerciante, e de Elizabeth do Amaral, foi a primeira de seis filhos do casal. A mãe já havia tido um filho de seu primeiro casamento.

Aos 29 dias de nascida depois de um acesso de tosse, sobreveio uma sufocação que a deixou como morta (catalepsia ou morte aparente). O fenômeno foi fruto dos muitos complexos que carregava no espírito, já que, na última existência terrestre, morrera afogada por suicídio. Durante 6 horas permaneceu nesse estado. O médico e o farmacêutico atestaram morte por sufocação. O velório foi preparado. A suposta defunta foi vestida com grinalda e vestido branco e azul. O caixãozinho branco foi encomendado. A mãe se retirou a um aposento, onde fez uma sincera e fervorosa prece a Maria de Nazaré, pedindo para que a situação fosse definida, pois, não acreditava que a filha estivesse morta. Instantes depois, a criança acorda aos prantos. Todos os preparativos foram desfeitos. O funeral foi cancelado e a vida seguiu seu curso normal.

O pai, generoso de coração, desinteressado dos bens materiais, entrou em falência por três vezes, pois favorecia os fregueses em prejuízo próprio. Mas tarde, tornou-se funcionário público, cargo que ocupou até sua morte, em 1935. O lar sempre foi pobre e modesto, conheceu dificuldades inerentes ao seu estado social, o que, segundo ela, a beneficiou muito, pois bem cedo alheou-se das vaidades mundanas e compreendeu as necessidades do próximo. O exemplo de conduta dos pais teve influência capital no futuro comportamental da médium. Era comum albergar na casa pessoas necessitadas e mendigos.


Aos 4 anos já se comunicava áudio-visualmente com os espíritos, aos quais considerava pessoas normais encarnadas. Duas entidades eram particularmente caras: O espírito Charles, a quem considerava seu pai terreno real, devido a lembranças vivas de uma encarnação passada, em que este espírito fora seu pai carnal. Charles, espírito elevado, foi seu orientador durante toda a sua vida e atividade mediúnica. O espírito Roberto de Canalejas, que foi médico espanhol em meados do século XIX era a outra entidade pela qual nutria um profundo afeto e com a qual tinha ligações espirituais de longa data e dívidas a saldar. Mais tarde, na vida adulta, manteria contatos mediúnicos regulares com outras entidades não menos evoluídas, como o Bezerra de Menezes, Camilo Castelo Branco, Frederic Chopin e outras.

Aos 8 anos repetiu-se o fenômeno de catalepsia, associado a desprendimento parcial. Aconteceu à noite e a visão que teve, a marcou pelo resto da vida. Em espírito, foi parar ante uma imagem do "Senhor dos Passos", na igreja que freqüentava. Pedia socorro, pois sofria muito. A imagem, então, cobrando vida, lhe dirigiu as seguintes palavras:

"Vem comigo minha filha, será o único recurso que terás para suportar os sofrimentos que te esperam"

Aceitou a mão que lhe era estendida, subiu os degraus e não lembra de mais nada. De fato, Yvonne Pereira foi uma criança infeliz. Vivia acossada por uma imensa saudade do ambiente familiar que tivera na sua última encarnação na Espanha e que lembrava com extraordinária clareza.

Considerava seus familiares, principalmente seu pai e irmãos, como estranhos. A casa, a cidade onde morava, eram totalmente estranhas. Para ela, o pai verdadeiro era o espírito Charles e a casa, a da Espanha. Esses sentimentos desencontrados e o afloramento das faculdades mediúnicas, faziam com que tivesse comportamento considerado anormal por seus familiares. Por esse motivo, até os dez anos, passou a maior parte do tempo na casa da avó paterna.

O seu lar era espírita. Aos 8 anos teve o primeiro contato com um livro espírita. Aos 12, o pai deu-lhe de presente "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e o "Livro dos Espíritos". Que a acompanharam pelo resto da vida, sendo a sua leitura repetida, um bálsamo nas horas difíceis.

Aos 13 anos começou a frequentar as sessões práticas de Espiritismo, que muito a encantavam, pois via os espíritos comunicantes. Teve como instrução escolar o curso primário. Não pode, por motivos econômicos, fazer outros cursos, o que representou uma grande provação para ela, pois amava o estudo e a leitura.


Desde cedo teve que trabalhar para o seu próprio sustento, e o fez com a costura, bordado, renda, flores, etc... A educação patriarcal que recebeu, fez com que vivesse afastada do mundo. Isto, por um lado, favoreceu o desenvolvimento e recolhimento mediúnico, mas por outro, a tornou excessivamente tímida e triste.

A mediunidade apresentou-se nos primeiros dias de vida terrena, através do fenômeno de catalepsia, vindo a ser este, um fenômeno comum na sua vida a partir dos 16 anos. A maior parte das reportagens de além-túmulo, dos romances, das crônicas e contos relatados por Yvonne Pereira, foram coletados no mundo espiritual através deste processo, na hora do sono reparador. A sua mediunidade, porém, foi diversificada.

Foi médium psicógrafo e receitista (homeopatia) assistida por entidades de grande elevação, como Bezerra de Menezes, Charles, Roberto de Canalejas, Bittencourt Sampaio. Praticou a mediunidade de incorporação e passista. Possuía mediunidade de efeitos físicos, chegando a realizar sessões de materialização, mas nunca sentiu atração por esta modalidade mediúnica. Os trabalhos, no campo da mediunidade, que mais gostava de fazer eram os do desdobramento, incorporação e receituário. Era através do desdobramento noturno que Yvonne Pereira navegava através do mundo espiritual, amparada por seus orientadores, coletando as crônicas, contos e romances com os quais hoje nos deleitamos.

Como médium psicofônico, pôde entrar em contato com obsessores, obsidiados e suicidas, aos quais, devotava um carinho especial, sendo que muitos deles tornaram-se espíritos amigos. No receituário homeopático trabalhou em diversos centros espíritas das várias cidades em que morou durante os 54 anos de atividade.

Foi uma médium independente, que não se submetia aos entraves burocráticos que alguns centros exercem sobre seus trabalhadores, seguia sempre a "Igreja do Alto" e com ela exercia a caridade a qualquer hora e a qualquer dia em que fosse procurada pelos sofredores.

 Foi uma esperantista convicta e trabalhou arduamente na sua propaganda e difusão, através de correspondência que mantinha com outros esperantistas, tanto no Brasil, como no exterior. Desde muito pequena cultivou o estudo e a boa leitura. Aos 16 anos já tinha lido obras dos grandes autores como Johann Wolfgang von Goethe, Bernardo Guimarães, José de Alencar, Alexandre Herculano, Arthur Conan Doyle e outros. Escreveu muitos artigos publicados em jornais populares. Todos foram perdidos.

Homenagem

Quando dos dez anos de sua morte, a revista "Reformador" (março/1994) publicou extensa matéria em memória da médium, de autoria de Augusto Marques de Freitas.

Ali, o articulista resumiu o sentimento que os espíritas dedicam-lhe:

"A vida a a obra de Yvonne do Amaral Pereira ficarão gravadas para sempre no coração de todos nós e na História do Espiritismo."

Obra

A obra mediúnica de Yvonne Pereira monta a uma vintena de livros. Embora desde 1926 tenha escrito numerosas obras psicografadas, somente decidiu publicá-las na década de 1950, segundo ela mesma, após muita insistência dos "mentores espirituais". Dentre as mais conhecidas destacam-se:

  • Memórias de um Suicida - Atribuída aos espírito de Camilo Castelo Branco e de Léon Denis. Constitui-se num libelo contra o suicídio, descrevendo em sua primeira parte, os sofrimentos experimentados pelos que atentaram contra a própria vida. Na segunda e na terceira partes focaliza os trabalhos de assistência e de preparação para uma nova encarnação. Esta obra é considerada um marco na bibliografia mediúnica brasileira e o melhor exame sobre o suicídio sob o ponto de vista doutrinário espírita.
  • Nas Telas do Infinito - Apresenta duas novelas: uma atribuída ao espírito Bezerra de Menezes e outra a Camilo Castelo Branco.
  • Amor e Ódio - Atribuída ao espírito Charles, enfoca o drama de um ex-aluno francês do Prof. Rivail (Allan Kardec), o artista Gaston de Saint-Pierre, acusado de um crime que não cometera. Após grandes padecimentos, recebe os esclarecimentos elucidativos por meio de um exemplar de "O Livro dos Espíritos", à época em que este foi lançado pelo codificador.
  • A Tragédia de Santa Maria - Atribuído ao espírito Bezerra de Menezes, ambientado em uma fazenda de café em Vassouras, RJ.
  • Ressurreição e Vida - Atribuído ao espírito Leon Tolstoi, compreende seis contos e dois mini-romances ambientados na Rússia dos czares.
  • Nas Voragens do Pecado - Primeiro volume de uma trilogia atribuído ao espírito Charles, relata a trágica história do massacre dos huguenotes na Noite de São Bartolomeu, 23 de agosto de 1572, durante o que seria uma encarnação anterior da médium, na personalidade de Ruth-Carolina de la Chapelle.
  • O Cavaleiro de Numiers - Segundo volume da trilogia, mostra outra suposta encarnação da médium, ainda na França, na personalidade de Berth de Sourmeville.
  • O Drama da Bretanha - Terceiro e último volume da trilogia, ilustra como a médium, agora na personalidade Andrea de Guzman, não consegue suportar os embates de sua expiação e se suicida por afogamento.
  • Dramas da Obsessão - Atribuído ao espírito Bezerra de Menezes, compreende duas novelas abordando o tema obsessão.
  • Sublimação - Apresenta dois contos atribuídos ao espírito Charles, um ambientado na Pérsia e outro na Espanha, e três contos atribuídos ao espírito Leon Tolstoi, ambientados na Rússia.

Como escritora, publicou muitos artigos em jornais populares, produção atualmente desconhecida, que carece de um trabalho amplo de recuperação. São ainda da autora:
  • A Família Espírita
  • À Luz do Consolador - Coletânea de artigos da médium na revista "Reformador", originalmente entre a década de 60 e a de 80.
  • Cânticos do Coração - Coletânea de artigos publicados no jornal Obreiros do Bem.
  • Contos Amigos
  • Devassando o Invisível - A autora desenvolve uma dezena de estudos sobre temas doutrinários, com base em suas experiências mediúnicas.
  • Evangelho aos Simples
  • O Livro de Eneida
  • Pontos Doutrinários - Reúne crônicas publicadas na revista "Reformador".
  • Recordações da Mediunidade - A autora discorre sobre reminiscências de vidas passadas, arquivos da alma, materializações, premonição e obsessão.
  • A Lei de Deus

Fonte: Casa Espírita Caminho da Luz

Bezerra de Menezes

ADOLFO BEZERRA DE MENEZES CAVALCANTI
(68 anos)
 Médico, Militar, Escritor, Jornalista, Político e Expoente da Doutrina Espírita no Brasil 

* Riacho do Sangue, CE (29/08/1831)
+ Rio de Janeiro, RJ (11/04/1900)

Descendente de antiga família de fazendeiros de criação, ligada à política e ao militarismo na Província do Ceará, era filho de Antônio Bezerra de Menezes, tenente-coronel da Guarda Nacional, e de Fabiana de Jesus Maria Bezerra.

Em 1838, aos sete anos, ingressou na escola pública da Vila do Frade, adjacente ao Riacho do Sangue, atual Jaguaretama, onde, em dez meses, aprendeu os princípios da educação elementar.

Em 1842, como consequência de perseguições políticas e dificuldades financeiras, a sua família mudou-se para a antiga Vila de Maioridade (Serra do Martins), no Rio Grande do Norte, onde o jovem, então com onze anos, foi matriculado na aula pública de latim. Em dois anos já substituía o professor em classe, em seus impedimentos.

Em 1846, a família retornou à Província do Ceará, fixando residência na capital, Fortaleza. O jovem foi matriculado no Liceu do Ceará, onde concluiu os estudos preparatórios.


A Carreira na Medicina

Em 1851, ano de falecimento de seu pai, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde, naquele mesmo ano, iniciou os estudos de Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

No ano seguinte, 1852, em novembro, ingressou como praticante interno, "residente", no Hospital da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Para prover os seus estudos, dava aulas particulares de filosofia e matemática.

Obteve o doutoramento (graduação) em 1856, com a defesa da tese: "Diagnóstico do Cancro". Nesse ano, o Governo Imperial decretou a reforma do Corpo de Saúde do Exército, e nomeou para chefiá-lo, como cirurgião-mor, o Drº Manuel Feliciano Pereira Carvalho, antigo professor de Bezerra de Menezes, que o convidou para trabalhar como seu assistente.

A 27 de abril de 1857 candidatou-se ao quadro de membros titulares da Academia Imperial de Medicina com a memória "Algumas considerações sobre o cancro, encarado pelo lado do seu tratamento". O académico José Pereira Rego leu o parecer na sessão de 11 de maio, tendo a eleição transcorrido na de 18 de maio e a posse na de 1 de junho do mesmo ano.

Em 1858 candidatou-se a uma vaga de lente substituto da Seção de Cirurgia da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Nesse ano saiu a sua nomeação oficial como assistente do Corpo de Saúde do Exército, no posto de Cirurgião-tenente e, a 6 de novembro, desposou Maria Cândida de Lacerda, que viria a falecer de mal súbito em 24 de março de 1863, deixando-lhe dois filhos, um de três e outro de um ano de idade.

No período de 1859 a 1861 exerceu a função de redator dos Anais Brasilienses de Medicina, periódico da Academia Imperial de Medicina.

Em 1865 desposou, em segundas núpcias, Cândida Augusta de Lacerda Machado, irmã por parte de mãe de sua primeira esposa, e que cuidava de seus filhos até então, com quem teve mais sete filhos.

Trajetória Política

Nesse período a Câmara Municipal do Município Neutro tinha como presidente Roberto Jorge Haddock Lobo, do Partido Conservador. Ao mesmo tempo, Bezerra de Menezes já se notabilizara pela atuação profissional e pelo trabalho voltado à população carente. Desse modo, em 1860, em uma reunião política, alguns amigos levantaram a candidatura de Bezerra de Menezes, pelo Partido Liberal, como representante da paróquia de São Cristóvão, onde então residia, à Câmara. Ciente da indicação, Bezerra de Menezes recusou-a inicialmente, mas, por insistência, acabou se comprometendo apenas em não fazer uma declaração pública de recusa dos votos que lhe fossem outorgados.

Abertas as urnas e apurados os votos, Bezerra de Menezes fora eleito. Os seus adversários, liderados por Roberto Jorge Haddock Lobo, impugnaram a posse sob o argumento de que militares de segunda classe não podiam exercer o cargo de vereador. Desse modo, para apoiar o partido, que necessitava dele para obter a maioria na Câmara, decidiu requerer exoneração do Corpo de Saúde (26 de março de 1861). Desfeito o impedimento, foi empossado no mesmo ano.

Foi reeleito vereador da Câmara Municipal do Município Neutro para o período de 1864 a 1868.

Foi eleito deputado provincial pelo Rio de Janeiro em 1866, apesar da oposição do então primeiro-ministro Zacarias de Góis e dos chefes liberais - senador Bernardo de Sousa Franco (Visconde de Sousa Franco) e deputado Francisco Otaviano de Almeida Rosa. Empossado em 1867, a Câmara dos Deputados foi dissolvida no ano seguinte, 1868, devido à ascensão do Partido Conservador.

Retornou à política como vereador no período de 1873 a 1885, ocupando várias vezes as funções de presidente interino da Câmara Municipal, efetivando-se em julho de 1878, cargo que corresponderia atualmente ao de prefeito.

Foi eleito deputado geral pela província do Rio de Janeiro no período de 1877 a 1885, ano em que encerrou a sua carreira política. Neste período acumulou o exercício da presidência da Câmara e do Poder Executivo Municipal. Em sua atuação como deputado, destacam-se algumas iniciativas pioneiras: buscou, através de projeto de lei, regulamentar o trabalho doméstico, visando conceder a essa categoria, inclusive, o aviso prévio de 30 dias; denunciou os perigos da poluição que já naquela época afetava a população do Rio de Janeiro, promovendo providências para combatê-la.

Foi membro, a partir de 1882, das Comissões de Obras Públicas, Redação e Orçamento.

Vida Empresarial

Foi sócio fundador da Companhia Estrada de Ferro Macaé e Campos (1870). Empenhou-se na construção da Estrada de Ferro Santo Antônio de Pádua, pretendendo estendê-la até ao Rio Doce, projeto que não conseguiu concretizar. Foi um dos diretores da Companhia Arquitetônica de Vila Isabel, fundada em outubro de 1873 por João Batista Viana Drummond (depois Barão de Drummond) para empreender a urbanização do bairro de Vila Isabel. Em 1875, foi presidente da Companhia Ferro-Carril de São Cristóvão, período em que os trilhos da empresa alcançavam os bairros do Caju e da Tijuca.

Militância Intelectual

Durante a campanha abolicionista publicou o ensaio "A Escravidão no Brasil e as Medidas Que Convém Tomar Para Extingui-la Sem Dano Para a Nação" (1869), onde não só defende a liberdade aos escravos, mas também a inserção e adaptação dos mesmos na sociedade por meio da educação. Nesta obra, Bezerra de Menezes se auto-intitula um liberal, e propõe que se imitasse os ingleses, que na época já haviam abolido a escravidão de seus domínios.

Expôs os problemas de sua região natal em outro ensaio publicado, "Breves Considerações Sobre as Secas do Norte" (1877). Alguns indicam que foi autor de biografias sobre o Visconde do Uruguai e o Visconde de Caravelas, personalidades ilustres do Império do Brasil. Foi redator d'A Reforma, órgão liberal no Município Neutro, e, de 1869 a 1870, redator do jornal Sentinela da Liberdade. Escreveu também outras obras, como "A Casa Assombrada", "A Loucura Sob Novo Prisma", "A Doutrina Espírita Como Filosofia Teogônica", "Casamento e Mortalha", "Pérola Negra", "Lázaro, o Leproso", "Os Carneiros de Panúrgio", "História de um Sonho" e "Evangelho do Futuro".

Sabe-se que Bezerra de Menezes era fluente em pelo menos três línguas além do português: latim, espanhol e francês.


Militância Espírita

Conheceu a Doutrina Espírita quando do lançamento da tradução em língua portuguesa de O Livro dos Espíritos, através de um exemplar que lhe foi oferecido com dedicatória pelo seu tradutor, o também médico Drº Joaquim Carlos Travassos. Sobre o contacto com a obra, o próprio Bezerra de Menezes registrou posteriormente:

"Deu-mo na cidade e eu morava na Tijuca, a uma hora de viagem de bonde. Embarquei com o livro e, como não tinha distração para a longa viagem, disse comigo: Ora, Deus! Não hei de ir para o inferno por ler isto… Depois, é ridículo confessar-me ignorante desta filosofia, quando tenho estudado todas as escolas filosóficas. Pensando assim, abri o livro e prendi-me a ele, como acontecera com a Bíblia. Lia. Mas não encontrava nada que fosse novo para meu Espírito. Entretanto, tudo aquilo era novo para mim!… Eu já tinha lido ou ouvido tudo o que se achava no 'O Livro dos Espíritos'. Preocupei-me seriamente com este fato maravilhoso e a mim mesmo dizia: parece que eu era espírita inconsciente, ou, mesmo como se diz vulgarmente, de nascença."

Contribuiu para a sua adesão o contato com as "curas extraordinárias" obtidas pelo médium João Gonçalves do Nascimento (1844-1916), em 1882.

Com o lançamento do periódico Reformador, por Augusto Elias da Silva em 1883, passou a colaborar com a redacção de artigos doutrinários.

Após estudar por alguns anos as obras de Allan Kardec, em 16 de agosto de 1886, aos cinquenta e cinco anos de idade, perante grande público, estimado, conforme os seus biógrafos, entre 1500 e 2000 pessoas, no salão de conferências da Guarda Velha, no Rio de Janeiro, em longa alocução, justificou a sua opção em abraçar o Espiritismo. O evento chegou a ser referido em nota publicada pelo O Paiz.

No ano seguinte, a pedido da Comissão de Propaganda do Centro da União Espírita do Brasil, inicia a publicação de uma série de artigos sobre a Doutrina Espírita em O Paiz, periódico de maior circulação da época. Na seção intitulada "Spiritismo - Estudos Philosophicos", os artigos saíram regularmente aos domingos, no período de 23 de outubro de 1887 a dezembro de 1893, assinados sob o pseudónimo "Max".

Na década de 1880 o incipiente movimento espírita na capital e no país, estava marcado pela dispersão de seus adeptos e das entidades em que se reuniam. Havia, ainda, uma clara divisão entre os espíritas ditos "místicos", defensores de uma visão religiosa da doutrina, e os chamados "científicos", defensores de um olhar filosófico e científico.

Em 1889, Bezerra de Menezes foi percebido como o único capaz de superar as divisões, vindo a ser eleito presidente da Federação Espírita Brasileira. Nesse período, iniciou o estudo sistemático de O Livro dos Espíritos nas reuniões públicas das sextas-feiras, passando a redigir o Reformador. Exerceu ainda a tarefa de doutrinador de espíritos obsessores. Organizou e presidiu um Congresso Espírita Nacional no Rio de Janeiro, em 14 de abril, com a presença de 34 delegações de instituições de diversos estados. Assumiu a presidência do Centro da União Espírita do Brasil a 21 de abril e, a 22 de dezembro de 1890, oficiou ao então Presidente da República, Marechal Deodoro da Fonseca, em defesa dos direitos e da liberdade dos espíritas contra certos artigos do Código Penal Brasileiro de 1890.

De 1890 a 1891 foi vice-presidente da Federação Espírita Brasileira na gestão de Francisco de Menezes Dias da Cruz, época em que traduziu o livro Obras Póstumas de Allan Kardec, publicado em 1892. Em fins de 1891, registravam-se importantes divergências internas entre os espíritas e fortes ataques ao exteriores ao movimento. Bezerra de Menezes afastou-se por algum tempo, continuando a frequentar as reuniões do Grupo Ismael e a redação dos artigos semanais em O Paiz, que encerrou ao final de 1893.

Aprofundando-se as discórdias na instituição, foi convidado em 1895 a reassumir a presidência da Federação Espírita Brasileira, eleito em 3 de agosto desse ano, função que exerceu até à data de seu falecimento. Nesta gestão iniciou o estudo semanal de O Evangelho Segundo o Espiritismo, fundou a primeira livraria espírita no país e ocorreu a vinculação da instituição ao Grupo Ismael e à Assistência aos Necessitados.

Foi em meio a grandes dificuldades financeiras que um Acidente Vascular Cerebral o acometeu, na manhã de 11 de abril de 1900. Não faltaram aqueles, pobres e ricos, que socorreram a família, liderados pelo senador Quintino Bocaiúva. No dia seguinte, na primeira página de O Paiz, foi lhe dedicado um longo necrológio, chamando-o de "Eminente Brasileiro". Recebeu ainda homenagem da Câmara Municipal do então Distrito Federal pela conduta e pelos serviços dignos.

Ao longo da vida acumulou inúmeros títulos de cidadania.


Legado

Bezerra de Menezes deu o nome a uma das embarcações a vapor da Estrada de Ferro Macaé e Campos que, fretado à Companhia Terrestre e Marítima do Rio de Janeiro, naufragou em Angra dos Reis a 29 de janeiro de 1891. Não houve vítimas fatais.

Com relação ao aspecto missionário da vida de Bezerra de Menezes, a obra "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho", de Chico Xavier, atribuído ao espírito de Humberto de Campos, afirma:

"Descerás às lutas terrestres com o objetivo de concentrar as nossas energias no país do Cruzeiro, dirigindo-as para o alvo sagrado dos nossos esforços. Arregimentarás todos os elementos dispersos, com as dedicações do teu espírito, a fim de que possamos criar o nosso núcleo de atividades espirituais, dentro dos elevados propósitos de reforma e regeneração."

Bezerra de Menezes foi também homenageado em Anápolis, Goiás, em 1982, com o nome de uma escola de ensino fundamental, Escola de 1º Grau Bezerra de Menezes, que atende a 200 alunos conveniados com a rede estadual de Goiás. Em Fortaleza, capital do estado do Ceará, sua terra natal, há uma avenida com o seu nome, situada no então distrito que levava o nome de seu pai, Antônio Bezerra, atualmente desmembrado em vários bairros, sendo a mencionada avenida situada entre os bairros Parquelândia, São Gerardo e Otávio Bonfim.

Em São José do Rio Preto, SP, o maior Hospital Psiquiátrico, que atende a toda a região, também leva o nome de Bezerra de Menezes.

O "Kardec Brasileiro"

Pela atuação destacada no movimento espírita da capital brasileira no último quartel do século XIX, Bezerra de Menezes foi considerado um modelo para muitos adeptos da Doutrina Espírita. Destacam-lhe a índole caridosa, a perseverança, e a disposição amorosa para superar os desafios. Essas características, somadas à sua militância na divulgação e na reestruturação do movimento espírita no país, fizeram com que fosse considerado o "Kardec Brasileiro", numa homenagem devida ao papel de relevância que desempenhou. Muitos seguidores acreditam, ainda, que Bezerra de Menezes continua, em espírito, a orientar e influenciar o movimento espírita. É considerado patrono de centenas de instituições espíritas em todo o mundo.


Filme

A vida de Bezerra de Menezes foi transposta para o cinema, na película Bezerra de Menezes - O Diário de Um Espírito, com direção de Glauber Santos Paiva Filho e Joel Pimentel. O elenco é integrado por Carlos Vereza no papel título, Caio Blat e  Paulo Goulart Filho, e com a participação especial de Lúcio Mauro.

A produção foi orçada aproximadamente em R$ 2,7 milhões, a cargo da Trio Filmes e Estação da Luz, com locações no Ceará, Pernambuco, Distrito Federal e Rio de Janeiro, tendo envolvido a mão-de-obra de uma equipe de cento e cinquenta pessoas. O lançamento do filme deu-se em 29 de agosto de 2008.

Instituições de Que Foi Membro

  • Efectivo da Academia Nacional de Medicina e honorário da Seção Cirúrgica.
  • Instituto Farmacêutico
  • Sociedade de Geografia de Lisboa
  • Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional
  • Sociedade Físico-Química
  • Sociedade Propagadora das Belas Artes
  • Sociedade Beneficência Cearense (Presidente)
  • Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro (Conselheiro)
  • Companhia Ferro-Carril de São Cristóvão (Presidente)
  • Companhia Estrada de Ferro Macaé e Campos (Fundador)
  • Companhia Arquitetônica de Vila Isabel (Director)

Artigos e Obras Publicadas

  • 1856 - "Diagnóstico do Cancro"
  • 1857 - "Algumas Considerações Sobre o Cancro, Encarado Pelo Lado do Seu Tratamento"
  • 1859 - "Curare". (Anais Bras. de Medicina v. 1859-1860 p.121-129)
  • 1869 - "A Escravidão no Brasil, e Medidas Que Convém Tomar Para Extingui-la Sem Dano Para a Nação"
  • 1877 - "Breves Considerações Sobre as Secas do Norte" 
  • 1877 - "Das Operações Reclamadas Pelo Estreitamento da Uretra"
  • 1877 - Biografia de Manuel Alves Branco, Visconde de Caravelas
  • 1877 - Biografia de Paulino José Soares de Sousa, Visconde do Uruguai
  • 1892 - Publicação da sua tradução de Obras Póstumas, de Allan Kardec
  • 1902 - "A Casa Assombrada"
  • 1907 - "Espiritismo (Estudos Filosóficos)"
  • 1983 - "Os Carneiros de Panúrgio"
  • 1946 - "A Doutrina Espírita como Filosofia Teogônica" ou "Uma Carta de Bezerra de Menezes"
  • 1920 - "A Loucura Sob Novo Prisma"
  • "Casamento e Mortalha" (Romance, Incompleto)
  • "Evangelho do Futuro"
  • "História de um Sonho"
  • "Lázaro, o Leproso"
  • "O Bandido"
  • "Os Mortos que Vivem"
  • "Pérola Negra"
  • "Segredos da Natura"
  • "Viagem através dos Séculos"

Principais Obras e Mensagens Mediúnicas Atribuídas a Bezerra de Menezes

Através de Divaldo Pereira Franco, comunicações nas seguintes obras:
  • 1991 – "Compromissos Iluminativos" (Coletânea de mensagens)

Através de Francisco Cândido Xavier, comunicações nas seguintes obras:
  • 1973 - "Bezerra, Chico e Você" (Coletânea de mensagens)
  • 1986 - "Apelos Cristãos" (Coletânea de mensagens)
  • "Nosso Livro"
  • "Cartas do Coração"
  • "Instruções Psicofônicas"
  • "O Espírito da Verdade"
  • "Relicário de Luz"
  • "Dicionário d'Alma"
  • "Antologia Mediúnica do Natal"
  • "Caminho Espírita"
  • "Luz no Lar"

Através de Francisco de Assis Periotto, comunicações nas seguintes obras:
  • 2001 - "Fluidos de Luz: Ensinamentos de Bezerra de Menezes"
  • 2002 - "Fluidos de Paz: Ensinamentos de Bezerra de Menezes"
  • 2006 - "Conversando Com Seu Anjo da Guarda - Ensinamentos de Bezerra de Menezes Sobre a Agenda Espiritual "

Através de Maria Cecília Paiva, comunicações nas seguintes obras:
  • "Garimpos do Além" (Coletânea de mensagens)

Através de Waldo Vieira, comunicações nas seguintes obras:
  • "Entre Irmãos de Outras Terras"
  • "Seareiros de Volta"

Através de Yvonne do Amaral Pereira, comunicações nas seguintes obras:
  • 1955 - "Nas Telas do Infinito" (1ª. Parte, Romance)
  • 1957 - "A Tragédia de Santa Maria" (Romance)
  • 1964 – "Dramas da Obsessão" (Romance)
  • 1968 – "Recordações da Mediunidade" (Relatos e Orientações)

Fonte: Wikipédia