Neguinho do Samba

ANTÔNIO LUÍS ALVES DE SOUZA
(54 anos)
Músico e Percussionista

* Salvador, BA (1955)
+ Salvador, BA (31/10/2009)

Nasceu no bairro Dique do Tororó. O pai, Jacinto de Souza, trabalhava como ferreiro e tocava bongô como músico amador. A mãe, Nilza Souza, trabalhava como lavadeira.

Trabalhou como eletricista, ferreiro e camelô.

Fundador da escola de percussão do Olodum. Considerado o inventor da batida do samba-reggae.

Começou a tocar percussão nas bacias de roupa da mãe. Logo depois aos 11 anos, formou com outros meninos da mesma idade um bloco de percussionistas que tocavam em latas de leite e sacolas de plático.

Aos 13 anos, começou a tocar em blocos de carnaval, como Coruja, Internacionais e blocos de percussão como Filhos da Liberdade, Ritmistas do Samba, entre outros.

Em 1974 foi um dos fundadores do Bloco Afro Ilê Aiyê, onde confeccionava instrumentos.

Em 1982, após deixar o Ilê Aiyê, ingressou no Olodum, onde permaneceu até o ano de 1998.

Como percussionista esteve a frente do bloco Olodum por 16 anos, o que lhe possibilitou trabalhar como diversos artistas nacionais e estrangeiros, entre os quais David Byrne, Herbie Hancock, Wayne Short, Paul Simon e Michael Jackson.

Em 1990, a frente do Olodum gravou o CD "The Rhythm Of The Saints", de Paul Simon, que o presenteou com uma casa no Pelourinho, onde fundou Associação Educativa e Cultural Didá no ano de 1993.

Em 1996 atuou no clipe "They Don't Care About Us", de Michael Jackson, dirigido pleo cineasta Spike Lee, regendo os percussionistas do Olodum no Pelourinho.

Faleceu em decorrência de uma Parada Cardíaca em sua residência, um casarão no Pelourinho, sede da Associação Educativa e Cultural Didá, da qual foi o fundador e da qual faz parte a Banda Didá, integrada só por mulheres.

Sua personalidade era de tal importância para a cultura baiana que a Secretaria da Cultura suspendeu toda a programação cultural do Pelourinho por alguns dias e hasteou uma faixa preta no Largo do Terreiro de Jesus para simbolizar o luto.

Seu falecimento chegou a ser comentadono jornal New York Times em um vasto e completo obtuário com dados obtidos através de uma entrevista com a filha do percussionista.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!