Afonso Brazza

JOSÉ AFONSO DOS SANTOS FILHO
(48 anos)
Ator, Cineasta e Bombeiro

☼ São João do Piauí, PI (17/04/1955)
┼ Gama, DF (29/07/2003)

José Afonso dos Santos Filho, mais conhecido por Afonso Brazza, foi um ator, cineasta e bombeiro brasileiro nascido em São João do Piauí, no dia 17/04/1955.

Em 1969, aos 12 anos, Afonso Brazza decidiu ganhar o mundo e sair do Gama. Os pais vindos do Piauí eram fazendeiros, mas decidiram tentar a vida no Planalto Central. Afonso Brazza viveu uma infância difícil, já que seu pai abandonou a família quando tinha 5 anos.
"Tinha muita revolta naquela época. Minha mãe lavava roupa pra manter todo mundo. Conseguiu nos educar bem pois ninguém seguiu o caminho errado!"
Afonso Brazza aprendeu tudo que sabe sobre cinema dentro de um dos principais movimentos do cinema nacional dos anos 70, desenvolvido na Boca do Lixo, em São Paulo.

"Depois de 1980, quando o movimento da Boca começou a cair, o cinema nacional nunca mais viveu um período como aquele, com mais de 50 filmes lançados por ano", disse ele, que morou na Avenida Rio Branco, de 1969 a 1980, época de grande efervescência cinematográfica nas ruas próximas à Estação da Luz, como a Vitória, a do Triunfo e à antiga rodoviária de São Paulo.


O local foi batizado de Boca do Lixo e ganhou seu destaque no cinema brasileiro por flertar com o cinema marginal e experimental, produzindo cerca de 700 filmes de 1972 a 1982.

Com o dinheiro acumulado da venda de picolés, Afonso Brazza se vestiu com uma roupa social e burlou a vigilância, chegando de ônibus à antiga rodoviária paulistana.
"Estava arrumado, sabia conversar, e aí pedi informações sobre onde ficava o pessoal do cinema!"
Acabou parando no Brás, onde José Mojica Marins mantinha um escritório. O criador do Zé do Caixão simpatizou com Afonso Brazza, o que fez com que ele começasse a trabalhar junto ao meio cinematográfico.
"Encontrei a arte na rua do Triunfo!"
A agitação do local iria influenciá-lo em toda a sua produção.
"Via aquelas viaturas saindo de madrugada atrás dos vagabundos rasgando pneu... pô, aquilo era cena de filme. Tinha um pouco de prostituição, mas havia os pontos de encontros, o Bar Soberano, o do Saci, era muito gostoso viver tudo aquilo!"
Afonso Brazza e Claudette Joubert
Afonso Brazza foi casado com a paranaense Claudette Joubert, que trabalhou como modelo, atuou em comerciais de televisão e iniciou-se no cinema ao lado de Vera Fischer, em "Sinal Vermelho, as Fêmeas" (1972), de Fauzi Mansur, atuando em outros 23 filmes produzidos na Boca do Lixo, como "O Exorcista de Mulheres" (1974), "As Amantes de um Canalha" (1977) e "Os Violentadores" (1978), os três de Tony VieiraClaudette Joubert marcou presença em vários filmes de Afonso Brazza.

Afonso Brazza foi bombeiro, mas como grande apaixonado por cinema dedicou-se à produção de filmes de baixíssimo orçamento. Atuou em três longas de Tony Vieira, "A Filha do Padre" (1975), "Traídas Pelo Desejo" (1976) e "As Amantes de um Canalha" (1977), em "O Trapalhão no Planalto dos Macacos" (1976), de J. B. Tanko, em "A Terceira Margem do Rio" (1994), de Nelson Pereira dos Santos, e em "Surfista Invisível", de Juliana Mundin.

Como diretor e protagonista realizou "O Matador de Escravos" (1982), "Os Navarros" (1985), "Santhion Nunca Morre" (1991), "Inferno no Gama" (1993), "Gringo Não Perdoa, Mata" (1995), "No Eixo da Morte" (1997) e "Tortura Selvagem - A Grade" (2001).

Afonso Brazza sempre foi um "faz-tudo", interferindo em todas as etapas da realização de seus filmes.

Em 2002, ganhou uma retrospectiva de sua obra em Brasília.


Seu filme "Tortura Selvagem" custou 240 mil reais, um recorde para os padrões de Afonso Brazza. Em Brasília, o filme se manteve em uma sala de cinema por quatro semanas, com mais de dois mil ingressos vendidos, performance não alcançada por seus concorrentes do momento: "Memórias Póstumas", de André Klotzel, e "Domésticas", de Fernando Meirelles e Nando Olival.

Perguntado sobre a fama respondeu:
"Eu não quero fama. Eu quero estar sempre na memória das pessoas, mas lentamente. A fama leva à destruição, é instantânea e, por isso mesmo, faz mal, faz você passar por cima de tudo, inclusive dos amigos. A fama é curta. Eu quero admiração e respeito. É uma fama simples, do meu jeito!"
(Afonso Brazza)

Afonso Brazza faleceu aos 48 anos no Gama, DF, no dia 29/07/2003, vítima de parada cardiorrespiratória causada por um câncer no esôfago.

Quando faleceu, Afonso Brazza deixou o 8º filme, o longa metragem "Fuga Sem Destino", inacabado. O cineasta Pedro Lacerda conseguiu concluir o seu filme 3 anos após a sua morte.

Curiosidades

Uma das coisas mais peculiares dos filmes de Afonso Brazza era seu ''desleixo'' com as cenas. Um exemplo é uma cena onde a espada de um dos vilões quebrou enquanto se rodava o filme, Afonso Brazza optou por continuar a cena mesmo com a espada quebrada.

Em ''A Tortura Selvagem'' (2001), seu filme de maior sucesso, alguns dos atores não tiveram roteiro de fala em algumas cenas, o que deixou bastante nítido o improviso, coisa que para Afonso Brazza era muito importante, fazia parte da essência de seus filmes. Muitos de seus filmes contavam com a proatividade e criatividade do próprio ator, o que necessitava de espontaneidade.

Afonso Brazza se preocupava muito em mostrar os pontos turísticos e mais históricos de Brasília, chegando em diversas cenas somente fazer uma tomada geral com os personagens, por mais que nada acontecesse naquela cena. Ele foi o único a fazer isso.

Ainda em ''Tortura Selvagem'' (2001), uma das cenas do filme é editada de maneira no mínimo cômica: A cena onde Fábio Marreco entra no recinto com seus capangas. Esta cena foi colocada duas vezes, aonde num pico rápido pode-se perceber ele entrando. A edição propositalmente meia-boca sempre esteve presente em seus filmes, algumas das vezes não havia linearidade de cenas nos filmes de Afonso Brazza. Uma cena se passava com aquele personagem e, logo após, outra cena com o mesmo personagem já em outro lugar completamente diferente e, logo após, novamente na cena anterior, era comum e intencional.

Filmografia

Como Diretor
  • 2002 - Fuga Sem Destino
  • 2001 - Tortura Selvagem - A Grade
  • 1998 - O Eixo da Morte
  • 1995 - Gringo Não Perdoa, Mata
  • 1993 - Inferno no Gama
  • 1991 - Santhion Nunca Morre
  • 1985 - Os Navarros em Trevas de Pistoleiros Entre Sexo e Violência
  • 1982 - O Matador de Escravos

Como Ator
  • 2002 - Fuga Sem Destino
  • 2001 - Tortura Selvagem - A Grade
  • 2000 - Surfista Invisível (curta-metragem)
  • 1998 - O Eixo da Morte
  • 1995 - Gringo Não Perdoa, Mata
  • 1993 - Inferno no Gama
  • 1991 - Santhion Nunca Morre
  • 1985 - Os Navarros em Trevas de Pistoleiros Entre Sexo e Violência
  • 1982 - O Matador de Escravos
  • 1977 - As Amantes de Um Canalha
  • 1976 - O Trapalhão no Planalto dos Macacos
  • 1976 - Traídas Pelo Desejo
  • 1975 - A Filha do Padre

Um comentário:

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!