Aristeu Nogueira

ARISTEU NOGUEIRA CAMPOS
(91 anos)
Advogado e Político

☼ Irará, BA (21/01/1915)
┼ Irará, BA (17/05/2006)

Aristeu Nogueira foi um político comunista brasileiro, advogado, membro do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e um dos principais responsáveis pela reorganização do Partido Comunista na Bahia após o levante de 1935, assim como pela sua organização a nível nacional. Dedicou a vida à causa comunista partidária.

Aristeu Nogueira Campos nasceu em Irará, município a 150 km de Salvador, BA, descendente da aristocracia rural local, neto de Pedro Nogueira Portela e filho caçula de Elpídio Nogueira de Campos, primeiros administradores da cidade no século XIX. Sua mãe chamava-se Tereza de Jesus Nogueira e morreu quando o filho tinha apenas 8 anos.

Era uma família proprietária de terras, seu pai era além de comerciante, um político influente com ligações com o poder político da capital do Estado. O casal teve quatro filhos além de Aristeu, que foram, Alberto, Amadeu, Aristarco e Alzira Nogueira Campos.

Em 1929, Aristeu Nogueira muda-se para Salvador para continuar os estudos, fez o curso secundário no Colégio Ipiranga e posteriormente entrou para o curso de Direito na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, hoje Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA), formando-se em 1939.

Ingresso no Partido Comunista Brasileiro

Durante o curso de Direito, Aristeu Nogueira interessa-se pela política, envolvendo-se nas discussões das questões nacionais, ingressando, em 1938, no Partido Comunista Brasileiro (PCB). Nas palavras do próprio Aristeu:

"Eu, como estudante de Direito, conheci a filosofia marxista, leninista através dos livros de Karl Marx, de Engels e também já com a União Soviética. Então achei que o marxismo leninista era a filosofia mais evoluída, mais desenvolvida e mais realista. Porque era baseada no materialismo dialético (...). Entrei no Partido em 1938 com o advento do Estado Novo, na Ditadura de Getúlio. E pela influência, pelo estudo mesmo do marxismo, eu fui procurando ver o que era a filosofia mais correta, que traduzia melhor o desenvolvimento da sociedade. Eu já tinha uma visão assim do comunismo... Não fui recrutado por ninguém, eu procurei o Partido."

Desde o ingresso de Aristeu Nogueira no Partido Comunista sua atuação foi contundente na organização partidária e liderança, chegando a ser citado em matéria do Jornal O Globo, como "um agente de Moscou na Bahia".

Sendo aconselhado por correligionários a desaparecer, voltou a sua cidade, Irará, onde assumiu o cargo de Delegado Censitário. Começou também a advogar e foi editor do jornal local. Já tinha tido uma experiência anterior com a imprensa, em Salvador, quando em fins de 1939, junto com João Falcão e Armênio Guedes abriu uma sociedade comercial que seria proprietária da Gráfica Modelo, com capital próprio e razão social de Nogueira & Falcão Ltda., registrada na Junta Comercial e sediada na Cidade Baixa. Esta gráfica passou a imprimir a revista Seiva, criada no ano anterior por João Falcão, Armênio Guedes e outros companheiros, com distribuição nacional e considerada a primeira revista do Partido Comunista Brasileiro.

Vida Privada e Militância

Em outubro de 1941, em Irará, Aristeu Nogueira casa-se com Odete de Almeida Campos, com quem teve 4 filhos: Vera Felicidade de Almeida Campos, Diógenes de Almeida Campos, Antonia Tereza de Almeida Campos, falecida com 9 meses de idade, e Mariana Campos Meira.

Após a II Guerra Mundial, em 1945, volta para Salvador onde fixa residência com esposa e filhos.

O Partido Comunista teve um breve período de legalidade (1945-1947) com Aristeu Nogueira como integrante do Comitê Estadual e Coordenador da Comissão de Finanças do Partido em Salvador.

Aristeu Nogueira não se intimida com a volta do Partido a ilegalidade em 1947, e continua suas atividades, principalmente na direção do jornal O Momento, jornal ligado ao Partido Comunista que ele chegou a financiar com a doação de toda a herança recebida após a morte de seu pai.

Foi preso algumas vezes, tendo sua casa invadida pela polícia que apreendia suas anotações e livros, obrigando-o a continuamente refazer sua biblioteca, constituída principalmente de livros marxistas, mas também de literatura e livros técnicos. Por ocasião dessas prisões e invasões domiciliares, sua esposa, Dona Odete, enterrava os livros mais raros para que não fossem levados pela polícia. Devido a tais invasões, a família mudava frequentemente de residência em Salvador. Sua casa sempre esteve aberta aos companheiros de Partido como um local de reuniões, discussões e hospedagem.

O Partido Comunista mantinha uma grande rede de informação constituída por oito jornais nos principais estados brasileiros: Tribuna Popular do Distrito Federal, Hoje de São Paulo, O Momento da Bahia (dirigido por Aristeu Nogueira), Folha do Povo de Pernambuco, O Democrata do Ceará, Tribuna Gaúcha do Rio Grande do Sul, O Estado de Goiás e Folha Capixaba do Espírito Santo.

Existia também uma agência de notícias própria, a Interpress, através da qual eram distribuídas as informações para publicações do Partido em todo território nacional inclusive alimentando pequenos jornais do interior que não eram ligados ao Partido Comunista. Aristeu Nogueira dava imenso valor a esta divulgação das idéias comunistas dirigida as massas, em outras palavras, a Imprensa Popular do Partido. Tinha plena consciência da importância do jornal na transformação do Partido Comunista em um Partido de massas, condição essencial à uma mudança real de mentalidades no país.

O Momento era no início, um semanário e foi o primeiro jornal comunista a circular legalmente no país (se baseava na experiência da revista Seiva), e por deliberação do Partido, fazia parte de sua organização: Aristeu Nogueira, João Falcão, mais tarde Mário Alves e outros colaboradores de edição. A sede do jornal foi várias vezes invadida pela polícia que também destruía o maquinário de tipografia.

A partir de março de 1946, O Momento passa a ser uma publicação diária. Com o Partido na ilegalidade a partir de 1947, vários colaboradores saem da Bahia mas Aristeu Nogueira continua na administração do jornal, contribuindo também com artigos.

Em 1957 separa-se da esposa e paralela a suas atividades no Partido Comunista, começa a trabalhar no Centro de Pesquisa e Estudos (CPE). Continua com todos os contatos e Coordenações dentro do Partido (Estadual e Nacional) e em 1960, Aristeu Nogueira já eleito membro do Comitê Central do Partido, passa a integrar a Direção Executiva junto a Luis Carlos Prestes, Giocondo Dias, Mário Alves, Carlos Marighella e outros.

Clandestinidade e Prisão

Aristeu Nogueira foi Deputado Estadual pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) em 1963, e em 1964 foi jogada uma bomba em sua residência em Salvador, destruindo parte da casa.

Com o Golpe Militar em abril de 1964, Aristeu Nogueira cai na clandestinidade, fugindo de Salvador para o Rio de Janeiro, utilizando-se de vários disfarces. No Rio de Janeiro, consegue a ligação com o Partido e desde então retoma a militância em completa clandestinidade, adotando o codinome de Antônio Cerqueira de Andrade. Foi um período de grande atuação sua, participando da organização do Partido Comunista Brasileiro em todo o pais, do Rio Grande do Sul ao Amazonas, apesar de concentrar-se nas demandas organizacionais do Rio de Janeiro e São Paulo onde atuava como responsável pela Secretaria de Organização do Comitê Regional. Nesta época, esteve também no Chile e na União Soviética.

Desde que ingressou no Partido Comunista, Aristeu Nogueira foi sempre "um homem típico da máquina partidária", um estudioso do marxismo-leninismo e um dos mais preparados quadros do Partido Comunista Brasileiro na Bahia. Com disciplina férrea aceitava tarefas e responsabilidades de vários níveis, prescindindo de atividades particulares para atender aos interesses do Partido. Era considerado um militante exemplar e impecável, organizando clandestinamente o Partido Comunista Brasileiro em vários Estados e consequentemente, acumulando processos nas costas, coisa que nunca o impediu de agir.

Foi braço direito de Giocondo DiasLuis Carlos Prestes, chegando a substituí-lo no posto de Secretário Geral do Partido. Viveu em Aparelhos no Rio de Janeiro, submetendo-se sem queixas a todas as restrições que isso implica como isolamento social, afastamento de familiares, mudanças de hábitos e gostos, pressões diárias, perseguições, dificuldades materiais de toda ordem, mudanças constantes de endereço, etc.

Em maio de 1975, com 60 anos, foi preso no Rio de Janeiro, levado para São Paulo, sendo barbaramente torturado. Os filhos recorreram a advogados e depois de 3 anos foi solto em regime semi-aberto.

Em 1979, Aristeu Nogueira voltou para Salvador, com identidade legalizada, recuperou a carteira de advogado junto a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e começou a trabalhar como advogado em escritório privado e no Tribunal de Contas do Estado da Bahia.

Casa-se pela segunda vez, com Tereza Cruz, volta a residir em Irará e continua seu trabalho partidário e na advocacia. Desenvolve também várias atividades culturais, inclusive a fundação da Casa da Cultura de Irará.

Aristeu Nogueira morreu aos 92 anos às 4h00 do dia 17/05/2006 em Irará, BA. O corpo do advogado foi velado no Sobrado dos Nogueiras, prédio histórico, construído por seu avô Pedro, e que já foi sede da prefeitura e da câmara legislativa do município.

Estudo, Trabalho e Atividade Partidária


  • Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Bahia, Salvador, 1935-1939.
  • Desenvolve atividade profissional como Delegado do Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE, Irará, 1940.
  • Foi Diretor do jornal O Momento, 1947-1957, em Salvador.
  • Foi funcionário da Fundação Centro de Pesquisa e Estudo-CPE, Salvador, 1957-1962.
  • Foi Inspetor de Almoxarifado do Tribunal de Contas do Estado da Bahia-TCE, 1962-1964.
  • Foi Técnico de Nível Superior, TCE, 1979-1985.
  • Advogou de 1940-1945.
  • Foi preso em 1975 e barbaramente torturado.
  • Foi anistiado em 1979, retornou à Bahia e advogou de 1978-2001, em Irará.
  • Mandato Eletivo Suplente de Deputado Estadual pelo Partido Socialista Brasileiro-PSB, 1963-1964, assumiu de 03/09/1963 a 13/12/1963, cassado em 19/10/1964.
  • Fundador e presidente da Casa da Cultura, e das Cooperativas e Sindicato Rural, Irará.
  • Atividade Partidária: Membro do Comitê Estadual do PCB - BA, 1945-1985 e do Comitê Central do PCB, 1960; Secretário do PCB, 1964; fundador do Partido PPS em Irará; Delegado municipal do Partido Popular Socialista-PPS, 1985-2006.

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!