Cláudio Abramo

CLÁUDIO ABRAMO
(64 anos)
Jornalista

* São Paulo, SP (06/04/1923)
+ São Paulo, SP (14/08/1987)

Cláudio Abramo foi um jornalista brasileiro responsável por mudanças no estilo, formatação e conteúdo dos dois maiores jornais paulistas, O Estado de São Paulo (1952-1963) e a Folha de S. Paulo (1975-1976).

Se reivindicava trotskista e sempre fez questão de frisar que compreendia e trabalhava conforme a natureza do capitalismo. Admitia que deixara de fazer tudo para fazer só o jornal, num ritmo que o forçou a abrir mão até da militância política. Dirigiu a Folha Socialista, jornal do Partido Socialista Brasileiro.

Filho de Vincenzo Abramo e Iole Scarmagnan, era neto do anarquista italiano Bortolo Scarmagnan, é parte de uma família muito influente na arte, na imprensa e na política brasileira. Irmão de Athos Abramo, Fúlvio Abramo, Beatriz Abramo, Lélia Abramo, Mário Abramo e Lívio Abramo. Foi casado com Hilde Weber, chargista, com quem teve um filho. Mais tarde casou-se com Radha Abramo com quem teve duas filhas.

Aos 22 anos foi um dos criadores do Jornal de São Paulo. Passou pelos Diários Associados, em 1948 tornou-se repórter do jornal O Estado de São Paulo.

Em 1951 Cláudio Abramo frequentou a a Escola de Altos Estudos Sociais e Políticos de Paris.


Em 1953 foi secretario de redação do jornal O Estado de São Paulo, sendo o jornalista mais jovem a conseguir essa posição.

Em 1963 transferiu-se para o jornal Folha de S. Paulo, agora como chefe de reportagem, tornando-se mais tarde membro do conselho editorial do jornal. As reformas que implantou na Folha de S. Paulo influenciaram os rumos do jornalismo brasileiro na década de 70. Nessa época foi perseguido pelo regime militar e chegou a ser preso.

Em 1979 Cláudio Abramo foi forçado a deixar a Folha de S. Paulo, por intervenção direta do regime militar, para fundar o Jornal República, com Mino Carta, tornando-se ainda correspondente internacional da Folha de S. Paulo entre 1980 e 1984.

Seu estilo, à maneira concisa e imparcial do jornalismo norte-americano, presente hoje na maioria dos grandes jornais brasileiros, substitui os textos longos e opinativos.

Foi também professor de pós-graduação na Universidade de São Paulo (USP).

No ano seguinte à sua morte publicou-se "A Regra do Jogo", livro que reúne artigos sobre política e um ensaio autobiográfico.

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!