Canhoto

AMÉRICO JACOMINO
(39 anos)
Compositor e Instrumentista

* São Paulo, SP (12/02/1889)
+ São Paulo, SP (07/09/1928)

Américo Jacomino foi um violonista e cavaquinista brasileiro, popularmente conhecido por Canhoto, em virtude de executar o dedilhado no instrumento com esta mão esquerda, sem inversão do encordoamento. Canhoto foi um dos responsáveis pelo "enobrecimento" deste instrumento musical no Brasil. O violão era, até sua época, considerado um instrumento de menor importância, e mesmo, dito que só marginais faziam uso dele.

Primeiro filho do casal de imigrantes napolitanos Crescêncio Jacomino e Vicência Gargiula Jacomino, aprendeu a ler e escrever com seu pai e seu irmão Ernesto, que tocava violão e bandolim, não havendo jamais freqüentado qualquer colégio.

Sua primeira profissão foi a de pintor de painéis, onde a princípio fazia apenas traços e letras. Com o domínio da profissão, chegou a realizar trabalhos de maior envergadura como paisagens, que eram muito utilizadas nas paredes das residências elegantes de São Paulo.

 Desde garoto interessou-se por violão, que ele tocava, mesmo sem inverter as cordas, na posição de canhoto, o que deu origem a seu nome artístico. Consta que seu primeiro instrumento tenha sido o cavaquinho.

Canhoto, primeiro da esquerda para a direita

Em 1907, durante uma serenata no bairro da Mooca, conheceu o cantor Paraguaçu, com quem começou a apresentar-se em cinemas, ganhando 5 mil réis por noite. Assim, tocou no Cinema Bresser, da Rua Bresser (Brás), no Cine Brás-Bijou, da Avenida Rangel Pestana, e no Éden Teatro, da Rua Mauá, apresentando-se também em circos e restaurantes.

Em 1913, já conhecido na capital paulista como bom violonista, gravou pela primeira vez, na Odeon, na série 120.000, a valsa "Belo Horizonte", a polca "Pisando na Mala", o dobrado "Campos Sales" e a mazurca "Devaneio".

Em 1916 gravou suas valsas "Beijos e Lágrimas" e "Acordes do Violão", primeiro título de "Abismo de Rosas", peça clássica do violão brasileiro.

Em 1918 gravou os tangos "Madrugando" e "Recordações de Cotinha". Na época da Primeira Guerra Mundial, compôs a "Marcha Triunfal Brasileira" e, em 1919, foi convidado, com uma garota de dez anos, Abigail Gonçalves, mais tarde a cantora lírica Abigail Alessio, a formar um trio com Viterbo Azevedo, para apresentações teatrais, em que Viterbo encarnaria o Jeca Tatu, famoso personagem de Monteiro Lobato. No mesmo ano o Trio Viterbo-Abigail-Canhoto estreou em São Paulo e em seguida excursionou por cidades do interior, mas teve sua carreira interrompida em Poços de Caldas, MG, onde Viterbo Azevedo foi assassinado. Em dezembro foi para o Rio de Janeiro, dando um recital de violão no Teatro Lírico.


De volta a São Paulo, em 1920, iniciou a produção de músicas carnavalescas, embora continuasse a compor outros gêneros. Lançou, para o Carnaval daquele ano, "Ai, Balbina" e no ano seguinte "Já Se Acabô", ambas com Arlindo Leal.

Em 1922 deu um recital no Cinema São José, em Itapetininga, SP. Na ocasião, conheceu Maria Vieira de Moraes, filha de um político local, e casaram-se dia 22 de setembro de 1922, tendo no cartório se declarado italiano. Tiveram dois filhos, Maria Aparecida, a quem dedicou a valsa "Manhãs de Sol", e Luís Américo, que também se tornaria violonista.

Passaram a residir na cidade de São Carlos, onde Canhoto abriu uma loja de música e instrumentos musicais chamada "Casa Carlos Gomes".

Em 1923, ao lado de Paraguaçu, foi um dos pioneiros da Rádio Educadora Paulista, primeira emissora do Estado.

Em 1925 gravou a "Marcha Triunfal Brasileira" e regravou "Abismo de Rosas". Ainda em 1925, em Avaré, SP, onde deu um recital, conheceu Joubert de Carvalho, que na época estudava medicina no Rio de Janeiro, tornando-se seu amigo. Pouco depois, Joubert de Carvalho dedicou-lhe uma canção, "Os Teus Olhos". Um ano depois gravou como cantor a "Marcha dos Marinheiros" e no ano seguinte o samba "Só na Bahia é Que Tem", ambos de sua autoria, pela Odeon, o segundo regravado em seguida por Francisco Alves.

Em fevereiro de 1927, no Rio de Janeiro, participou do concurso O Que é Nosso, patrocinado pelo jornal Correio da Manhã e realizado no Teatro Lírico, quando executou três músicas de sua autoria, a "Marcha Triunfal Brasileira", "Viola, Minha Viola" e "Abismo de Rosas", vencendo o concurso e recebendo o título de Rei do Violão Brasileiro.

De volta a São Paulo, organizou o grupo Turunas Paulistas, com quatro violões, dois cavaquinhos, flauta, saxofone, reco-reco, maracaxá e pandeiro.  Passou a viver de seus concertos e dos alunos, muitos dos quais pertencentes às mais distintas e tradicionais famílias daquele tempo.

Em março de 1928 retornou ao Rio de Janeiro, gravando algumas de suas composições em solos de violão e de cavaquinho. Durante uma dessas gravações começou a sentir-se mal, sendo atendido por seu amigo, já médico, Joubert de Carvalho.

Um último disco seu reuniu a valsa "Mexicana" e o cateretê "Uma Noite na Roça", ambos de sua autoria. Pouco tempo depois, fez seu último registro fonográfico, o choro "Niterói" e a valsa "Escuta, Minh'alma", gravação que não chegou a ver lançada.

Luiz Américo Jacomino, filho de Canhoto, com o violão Giannini 1907, o preferido de seu pai.

Voltou a São Paulo, onde, por influência do sogro, foi nomeado lançador da prefeitura.

O coração voltou a lhe trazer problemas, sendo aconselhado pelos médicos a tratar-se no Rio de Janeiro  com o cardiologista Miguel Couto. Chegou à então Capital Federal, mas com o agravamento de seu estado de saúde, voltou a São Paulo, onde veio a falecer.

Em 1953, sua valsa "Abismo de Rosas" foi regravada em interpretação de cítara por Avena de Castro em disco Copacabana, e também pelo cantor Jaime Silva pela mesma gravadora.

Em 1978, por ocasião dos 50 anos de seu falecimento, foi lançado pela Continental o LP "Homenagem a Américo Jacomino", com a participação de diversos violonistas, entre os quais, seu filho Luís Américo Jacomino, que utilizou o violão que lhe pertencera.  

2 comentários:

  1. Procurei por muitos sites uma biografia completa sobre esse violonista brasileiro e aqui encontrei muitas coisas sobre americo jacomino pois fiquei curioso qual foi a causa da sua morte tao prematura,ele foi um excelente violonista,,,pois eu fico me perguntando como esses violonistas do passado como o proprio americo jacomino,levino conceiçao,dilermando reis,garoto,e outros violonistas dessa epoca dominaram o violao e a musica tao precoce,pois na epoca deles nao tinha uma escola de musica como se tem nos dias de hoje,esses violonistas eram bons pra se tirar o chapeu,na epoca deles nao se tinha estrutura pra musicos......eu lhe pergunto meu caro amigo como eles se tornaram e alcansaram esse nivel aonponto de deixar essas grande composicoes como abismo de rosas,marcha dos marinheiros,e tantas outras?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita Kemerson. Infelizmente sua pergunta não tem resposta. Não temos como explicar a genialidade das pessoas, isso é um dom de Deus!
      Um grande abraço e espero te ver sempre por aqui!

      Excluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!