Roberto Simonsen

ROBERTO COCHRANE SIMONSEN
(59 anos)
Engenheiro, Empresário, Político, Historiador e Escritor

☼ Santos, SP (18/02/1889)
┼ Rio de Janeiro, RJ (25/05/1948)

Roberto Cochrane Simonsen era filho de Sidney Martins Simonsen e Robertina da Gama Cochrane Simonsen, esta última de família nobre. Começou a sua educação primária em Santos, depois foi para o Colégio Anglo-Brasileiro, na capital paulista. Mais tarde, ingressou na Escola Politécnica de São Paulo, hoje integrante da Universidade de São Paulo (USP), formando-se engenheiro.

Após formado começou a trabalhar na companhia ferroviária Southern Brazil Railway. Logo saiu para ocupar por dois anos o cargo de diretor-geral de obras na prefeitura de Santos. Ali foi também engenheiro-chefe da Comissão de Melhoramentos de Santos. No ano seguinte fundou a Companhia Construtora de Santos, fato que foi o início de seu ofício de empresário.

Em 1919 iniciou-se na diplomacia, integrando missões comerciais. Graças à sua amizade com o ministro da Guerra no governo de Epitácio Pessoa (1919-1922), Pandiá Calógeras, sua companhia, executou a construção de quartéis para o exército em diversos estados do país.

Participou ativamente do Movimento Constitucionalista Paulista, em 1932, em resistência ao golpe de estado desferido por Getúlio Vargas e outros na Revolução de 1930. Integrou o movimento intelectual pela fundação da primeira escola superior que ofereceria sociologia e política no Brasil, a atual Escola de Sociologia e Política de São Paulo, onde lecionou história econômica do Brasil, atividade que o levou a publicar alguns trabalhos acadêmicos sobre o tema.

Em 1933 ingressou na política, sendo eleito deputado constituinte por São Paulo. Exerceu o mandato de deputado federal na legislatura de 1933 a 1937. Quando o país voltou ao regime democrático, após a II Guerra Mundial, elegeu-se senador, cargo que ocupava quando faleceu.

Era, ainda, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e integrante do conselho superior da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Sua atividade empresarial continuava, como presidente da Companhia Construtora de São Paulo e da Cerâmica São Caetano.

Membro de Instituições

Foi membro da Academia Paulista de Letras e Academia Brasileira de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Instituto Histórico e Geográfico de Santos e Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Pertenceu ao Clube de Engenharia do Rio de Janeiro e ao Instituto de Engenharia de São Paulo.

No exterior era membro da National Geographic Society, de Washington, DC, Estados Unidos, da Royal Geographic Society, de Londres, Inglaterra e da Academia Portuguesa de História.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) possui o Instituto Roberto Simonsen. Ele foi, ainda:
  • Comendador da Ordem Nacional do Mérito do Paraguai
  • Comendador da Ordem Nacional do Mérito do Chile
  • Medalha de Prata do Cinquentenário da Proclamação da República
  • Estádio Roberto Simonsen (Estádio do SESI) em Manaus, AM

Academia Brasileira de Letras

Foi eleito a 9 de agosto de 1945 para ocupar a cadeira 3 da Academia Brasileira de Letras, que tem por patrono Artur de Oliveira, como seu segundo ocupante, sendo recebido por José Carlos de Macedo Soares, a 7 de outubro do ano seguinte.

Roberto Simonsen veio a falecer em pleno Salão Nobre da Academia Brasileira de Letras, quando proferia um discurso de saudação ao Primeiro-Ministro belga, Paul van Zeeland, que visitava o país.

Sua produção foi toda voltada para os aspectos econômicos, e à sua atividade no magistério de economia. Publicou Roberto Simonsen os seguintes livros:
  • 1912 - O Município de Santos
  • 1912 - Os Melhoramentos Municipais de Santos
  • 1919 - Gado e a Carne no Brasil
  • 1919 - O Trabalho Moderno
  • 1923 - Calçamento de São Paulo
  • 1928 - A Orientação Industrial Brasileira
  • 1930 - As Crises no Brasil
  • 1931 - As Finanças e a Indústria
  • 1931 - A Construção dos Quartéis Para o Exército
  • 1923 - À Margem da Profissão
  • 1933 - Rumo à Verdade
  • 1934 - Ordem Econômica e Padrão de Vida
  • 1935 - Aspectos da Economia Nacional
  • 1937 - História Econômica do Brasil (2 Volumes)
  • 1937 - A Indústria em Face da Economia Nacional
  • 1938 - Conseqüências Econômicas da Abolição - Conferência promovida pelo Departamento de Cultura no Primeiro Centenário da Abolição. Rio de Janeiro. 'Jornal do Commercio' em 08/03/1938. Reimpressa na Revista do Arquivo Municipal de São Paulo. V. XLVII. P. 257 e Seguintes
  • Discurso Pronunciado na Colação de Grau dos Primeiros Bacharéis em Ciências Políticas e Sociais, SP - Correio Paulistano, 19-12-1937
  • 1938 - Aspectos da História Econômica do Café
  • 1939 - A Evolução Industrial do Brasil
  • 1939 - Objetivos da Engenharia Nacional
  • 1940 - Recursos Econômicos e Movimentos de População
  • 1940 - Níveis de Vida e a Economia Nacional
  • 1941 - As Indústrias e as Pesquisas Tecnológicas
  • 1942 - As Classes Produtoras de São Paulo e o Momento Nacional
  • 1943 - Ensaios Sociais Políticos e Econômicos
  • 1943 - As Indústrias e as Pesquisas Tecnológicas
  • O Plano Marshall e a América Latina, Relatório

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!