Gato

JOSÉ PROVETTI
(55 anos)
Cantor e Guitarrista

* Valparaíso, SP (07/01/1941)
+ Rio de Janeiro, RJ (31/01/1996)

José Provetti nasceu em Valparaíso, SP, uma pequena cidade perto de Guararapes, Andradina e Araçatuba, em 07/01/1941. Ele era filho de Ricardo Provetti e Antônia Buonvonatti. Seus pais eram pobres e trabalhavam como agricultores.

Em 1948, quando tinha 7 anos, a familia Provetti mudou-se para a São Paulo.

Em 1951, quando tinha 10 anos, José Provetti juntou Zé Cascudo como parte de uma dupla caipira. Zé Provetti & Zé Cascudo goi mais uma dupla entre as centenas existentes. Logo, porém José Provetti teve aulas de violão clássico com Salvador Viola no Largo Paissandú, no centro da cidade.

Não sabemos muito sobre a conversão de Gato para o rock, mas não é difícil imaginar que ele deva ter se apaixonado por algum guitarrista do rock.

Em 1959, fez parte da turma da gravadora Young, sendo líder dos Jester Tigers, acompanhando a maioria dos cantores. Gravou 2 discos solos pela Young, um cantando "Kissin Time" e "What'd I Say" e no outro solando sua guitarra em "Paris Belfort" e "Parada da Juventude". Gato não só tocou guitarra, mas também cantou, e cantou em inglês.

Em 1961 se tornou Disk Jockey na Rádio Piratininga e Rádio Santo Amaro.

Antonio Aguillar apresenta e Gato entrega troféu ao George Freedman
Começou a participar ativamente do programa "Ritmos da Juventude" de Antônio Aguillar pela Rádio Nacional de São Paulo todos sábados das 15:00 as 17:00 horas, onde se apresentava como guitarrista e tocava com quem aparecesse. Foi convidado pelo baterista Jurandy Trindade para assumir a guitarra dos Vampires, que logo depois mudaria o nome para The Jet Black's.

Miguel Vaccaro Netto conseguiu a gravação de um 78 RPM dos The Jet Black's na Chantecler. Gravaram "Apache" em outubro de 1962, que estourou nas paradas, começando assim uma nova tendência dentro do rock nacional.

Em janeiro de 1963 a Chantecler lançou "Twist", o primeiro LP dos The Jet Blacks, que foi rapidamente alcançou o primeiro lugar nas paradas de sucesso. Em junho de 1963 a Chantecler lançou "Twist Again", o segundo LP do conjunto. Foi um sucesso absoluto, que abriu caminho para The Jordans, The Clevers e todos os outros conjuntos instrumentais que hibernavam até então.

The Jet Black's, em 1966, adotaram o modelo de terno sem-gola popularizado pelos Beatles em 1964. Foi a época de "Chapeuzinho Vermelho", em que Gato cantava, além de tocar sua guitarra.

Gato tocou na banda até sair em 1966, sendo substituido pelo não menos competente Emilio Russo, ex-The Lions.

Gato fez parte na formação do RC-3 e depois RC-7 que acompanharam Roberto Carlos durante todo o período Jovem Guarda e até bem depois.

Ele morreu em 31/01/1996, vitimado por sequelas de um derrame cerebral, e foi sepultado no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro.


The Jet Black's

Grupo paulistano, um dos pioneiros do rock instrumental no Brasil, na linha dos ingleses The Shadows, tirou seu nome de "Jet Black", sucesso desse grupo, e dos norte-americanos The Ventures, embora também tivesse êxito com gravações vocais. Foi um dos mais importantes e famosos conjuntos de música instrumental no Brasil dos anos 60.

Formado em 1961 com o nome The Vampires, seus integrantes eram Gato (guitarra-solo e órgão), Jurandi (bateria), Orestes (guitarra-base), Ernestico (saxofone), e José Paulo (contrabaixo).

Contratados pela Chantecler, gravaram em 1962 o primeiro disco, um 78 rpm com duas regravações dos Shadows, "Apache" e "KonTikí". O disco fez sucesso e seguiram-se os LPs "Hully Gully" (1962) e "Twist - The Jet Black's Again" (1963).

Fizeram o acompanhamento instrumental em "Rua Augusta" de Ronnie Cord, em 1964, nos LPs de Deny e Dino e de Roberto Carlos, ambos em 1966, e em diversas gravações de Sérgio Reis, Celly Campello e outros cantores.

Em 1965 fizeram suas primeiras gravações vocais, no LP "The Jet Black's", incluindo "Susie-4", regravação do norte-americano Dale Hawkins, lançada também em compacto, junto com "Theme For Young Lovers", outro original dos Shadows e que se tornaria o maior sucesso do grupo. Curiosamente, a gravação dos Shadows é em ritmo de baião, e a do grupo brasileiro em rock-balada.

The Jet Black's tocavam em vários programas de rádio e televisão, inclusive o mais famoso da época, Jovem Guarda de 1965 a 1967. Esse programa era transmitido ao vivo para a maioria dos estados brasileiros com enorme audiência e o grupo acompanhava a maioria dos cantores que se apresentavam. Com a utilização de orquestras em algumas de suas gravações, foram precursores ao mostrar que o lirismo de violinos e outros instrumentos tradicionais poderiam se encaixar perfeitamente ao som das guitarras elétricas.

Indicação: Miguel Sampaio

6 comentários:

  1. Bela Postagens Marcos Foi um Grande resgate ate ontem eu não sabia onde ele ftinha sido sepultado infelizmente seus restos mortais devem ter sido jogado num ossario coletivo la no Caju Igual aos da minha sogra e cunhados.

    ResponderExcluir
  2. Garota do Chapéu Vermelho era cantada por José Paulo (Jet Black´s) e não pelo Gato.

    ResponderExcluir
  3. GATO DO THE JET BLACK UM DOS MAIORES SOLISTAS É UMA PENA NÃO SABIA QUE ELE TINHA MORRIDO UMA GRANDE PERDA PARA MUSICA BRASILEIRA MORREU NOVO 55 ANOS

    ResponderExcluir
  4. Puxa vida, que músico! estava ouvindo aqui "Tudo que sonhei" de R.C. e soube que foi ele quem fez os solos de guitarra nessa música,foi um excelente músico sem dúvidas!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!