Roberto Drummond

ROBERTO FRANCIS DRUMMOND
(68 anos)
Jornalista e Escritor

* Ferros, MG (21/12/1933)
+ Belo Horizonte, MG (21/06/2002)

Roberto Francis Drummond foi um jornalista e escritor brasileiro. Participou da chamada Literatura Pop, marcada pela ausência de cerimônias e pela proximidade com o cotidiano.

Antes de residir, a partir da adolescência, em Belo Horizonte, a família do escritor viveu em Guanhães, Araxá e Conceição do Mato Dentro. Na capital mineira, iniciou no jornalismo na extinta Folha de Minas. Aos 28 anos, passou a dirigir a revista Alterosa, fechada pela Ditadura Militar em 1964. Durante um ano trabalhou no Rio de Janeiro, retornando a Belo Horizonte em 1966, onde passou a escrever colunas esportivas e crônicas.

O sucesso na literatura começou com seu primeiro livro, "A morte de D.J. em Paris", em 1971. Relançado em 1975, bateu recordes de vendas, recebendo o Prêmio Jabuti de Autor Revelação. Ao receber o Prêmio Jabuti, Roberto Drummond ganhou notoriedade nos meios literários brasileiros.

Na década de 80 publicou "Hitler Manda Lembranças" (1984) e "Ontem à Noite Era Sexta-Feira" (1988), iniciando uma nova fase em sua produção literatura, com enredos mais complexos.

Em 1991, lançou seu maior sucesso, o romance "Hilda Furacão", que foi adaptado para a televisão por Glória Perez, numa minissérie. Pare ele, o fato de o livro ter se tornado sua obra-prima resultou numa espécie de prisão: "Sou um eterno refém de 'Hilda Furacão'", dizia o escritor.

O cenário principal da trama é a capital mineira do final dos anos 50 e início dos anos 60. Os capítulos de "Hilda Furacão" seguem o modelo de suspense dos folhetins, instigando a leitura do próximo. Várias ações ocorrem quase ao mesmo tempo, dando ao texto conferindo uma dinâmica expressiva. A história central focaliza a personagem que dá nome ao romance, Hilda Furacão, que foi levada também ao teatro na direção de Marcelo Andrade.

Ele publicou também "Inês é Morta" (1993) e a biografia "Magalhães: Navegando Contra o Vento" (1994). Num de seus últimos livros, "O Cheiro de Deus" (2001), Roberto Drummond ironiza seu próprio sobrenome e narra histórias do clã Drummond em solo brasileiro.


Torcedor fanático do Atlético Mineiro, cronista do jornal Estado de Minas, escreveu a crônica "Para Torcer Contra o Vento", na qual descreveu a cena de um uniforme do time sendo lavado:

"Se houver uma camisa branca e preta pendurada no varal durante uma tempestade, o atleticano torce contra o vento!"


Roberto Drummond também fez um programa esportivo diário na TV Bandeirantes de Belo Horizonte.

Pouco antes de sua morte, concluiu a novela "Os Mortos Não Dançam Valsa".

Roberto Drummond morreu vítima de um infarto, no dia da partida entre Brasil x Inglaterra pelas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2002.

Roberto Drummond era casado com Maria Beatriz, com quem teve uma filha, Ana Beatriz.

Foi homenageado pela prefeitura de Belo Horizonte com uma estátua de bronze em tamanho real na Praça Diogo de Vasconcelos, na Savassi, e pela prefeitura de Ferros com um Centro Cultural em seu nome.

Passados 10 anos da morte de Roberto Drummond, sua obra, sua paixão pelo futebol e seu legado para a literatura nacional foram novamente destacados pelos relançamentos de alguns de seus livros e de um documentário dirigido por Breno Milagres sobre a vida do escritor, além de uma homenagem da torcida atleticana no dia 23/06/2012, durante o jogo Atlético x Náutico, pelo Campeonato Brasileiro, no Estádio Independência.

Obras
  • 1971 - A Morte de D.J. em Paris
  • 1978 - O Dia em Que Ernest Hemingway Morreu Crucificado
  • 1980 - Sangue de Coca-Cola
  • 1982 - Quando Fui Morto em Cuba
  • 1984 - Hitler Manda Lembranças
  • 1988 - Ontem à Noite Era Sexta-Feira
  • 1991 - Hilda Furacão
  • 1993 - Inês é Morta
  • 1993 - O Homem Que Subornou a Morte & Outras Histórias
  • 2001 - Magalhães: Navegando Contra o Vento
  • 2001 - O Cheiro de Deus
  • Dia de São Nunca à Tarde (Publicação Póstuma)
  • Os Mortos Não Dançam Valsa (Publicação Póstuma)
  • O Estripador da Rua G (Publicação Póstuma)
  • Uma Paixão em Preto e Branco (Publicação Póstuma).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!