Maurício Grabois

MAURÍCIO GRABOIS
(61 anos)
Político

☼ Salvador, BA (02/10/1912)
┼ Xambioá, TO (25/12/1973)

Maurício Grabois foi um político brasileiro, um dos fundadores do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e um de seus dirigentes desde a criação do partido até sua morte na Guerrilha do Araguaia, em 25/12/1973. Foi um dos principais líderes comunistas do Brasil, junto com Luís Carlos Prestes, Carlos Marighella e João Amazonas.

Filho de judeus ucranianos, a família de Maurício Grabois foi perseguida e fugiu para o Brasil, onde o comunista nasceu. Nasceu em Salvador, BA, no dia 02/10/1912, filho de Agustín Grabois e Dora Grabois. Cursou o ensino fundamental no Ginásio Estadual de Salvador. Aos 19 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, então capital do país, para estudar na Escola Militar de Realengo. Lá tomou contato com as ideias do marxismo-leninismo e passou a militar contra o fascismo que avançava na Europa e também no Brasil, sob a forma do Integralismo, ajudando a divulgar o comunismo entre os militares. Mais tarde, estudou na Escola de Agronomia do Rio de Janeiro, que abandonou no 2º ano para para dedicar-se à vida política.

Carreira Política

Maurício Grabois começou a carreira política como militante da Juventude Comunista, a ala jovem do partido, que então usava a sigla PCB, mas chamava-se Partido Comunista do Brasil.

Em 1934, aos 22 anos, já era a dirigente da entidade. Ingressando na Aliança Nacional Libertadora (ANL), uma facção do Partido Comunista Brasileiro (PCB) que tentou a luta armada, ajudou a organizar a Intentona Comunista de 1935 e, após o fracasso da insurreição, editou clandestinamente o jornal "A Classe Operária", que existe até hoje, e dirigiu a Vitória, editora do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Maurício Grabois foi preso no verão de 1941 e solto no ano seguinte.

Com a orientação do Komintern para que os partidos comunistas apoiassem os governos locais que lutassem contra o Eixo e a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial do lado aliado, em 1943, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) organizou a Conferência da Mantiqueira. A comissão organizadora do evento foi chefiada por Maurício Grabois. Na ocasião, foi eleito para o Comitê Central do partido.

A derrubada de Getúlio Vargas e a legalização do Partido Comunista Brasileiro (PCB) levaram o partido a entrar na vida democrática institucional brasileira, e Maurício Grabois foi eleito deputado federal como companheiro de chapa de Luís Carlos Prestes, eleito senador.

Participou da Assembleia Constituinte de 1945-1946 e liderou a bancada comunista, que tinha então 14 deputados, entre eles Jorge Amado. Também foi membro da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Em 1947, no entanto, o registro do partido foi cassado, e o Partido Comunista do Brasil (PCdoB)  passou a ser ilegal, mas continuando a existir e atuar na clandestinidade. Maurício Grabois trabalhou como relator do programa do partido e ajudou a organizar o IV Congresso do PCB em 1954, sendo reeleito para o Comitê Central.

Em 1956, Nikita Khrushchov faz um discurso no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) denunciando os crimes de Josef Stalin e renegando o legado do líder soviético. A mudança de orientação, conhecida como Revisionismo, provocou a reorganização do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e, em 1962, junto com João Amazonas, Pedro Pomar, Carlos Danielli e outros, Maurício Grabois reorganizou o Partido Comunista Brasileiro (PCB), mas com a sigla PCdoB.

Uma das últimas fotos da bancada Comunista na Constituinte de 1946. O Senador Prestes ao centro, tendo a sua direita João Amazonas e à esquerda Maurício Grabois.
Luta Armada

A partir de 1964, quando os militares deram um golpe de Estado no Brasil e tomaram o poder, os comunistas se dividiram entre os que defendiam a oposição clandestina, aliada aos democratas de centro-direita, depois organizados no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), e os que optaram pelo combate aberto, a guerrilha urbana e rural. Maurício Grabois foi um dos principais defensores da posição em defesa da luta armada no partido.

Em 1966, uma conferência aprovou a adoção de Táticas Revolucionárias para tentar derrubar o regime militar e implantar um regime comunista no Brasil.

Para dar início a uma guerrilha na Floresta Amazônica, Maurício Grabois chegou à região do Araguaia em dezembro de 1967, para organizar o levante revolucionário. Levou para lá o filho André Grabois, morto em combate em 1972.

Maurício Grabois comandou por seis anos a chamada Guerrilha do Araguaia, no estado do Pará, até ser morto por forças do Exército no dia 25/12/1973, junto com mais três companheiros, um deles seu genro, Gilberto Olímpio Maria.

Até hoje seus restos mortais não foram localizados e esta tem sido uma luta não só da família e do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), mas de vários movimentos que buscam esclarecer todos esses fatos e circunstâncias obscuros do tempo da ditadura militar brasileira.

Diário

Trinta e sete anos após sua morte, veio a público um diário escrito por Maurício Grabois no Araguaia, cobrindo um período de 605 dias na floresta, entre abril de 1972 e dezembro de 1973. Neste documento, recolhido pelo Exército na época e mantido em sigilo por quase quatro décadas, Maurício Grabois fala do dia a dia da guerrilha e de suas esperanças com relação à eficácia dela, como fomentadora de uma revolução armada popular contra a ditadura militar e pela implantação de um sistema socialista no país.

Maurício Grabois e Aparício Torelli, o Barão de Itararé
Legado

Como teórico, Maurício Grabois manteve-se fiel à doutrina do marxismo-leninismo, combatendo o "surto revisionista", e foi um crítico severo do maoismo, o modelo de comunismo implantado na China, onde esteve por duas vezes. Em seus escritos, atacou os excessos da Revolução Cultural Chinesa.

Em sua homenagem, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) batizou seu instituto partidário com o nome de Instituto Maurício Grabois, fundado em 1995, dez anos após a legalização do partido que o militante ajudara a fundar em 1962.

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!