Denis Brean

AUGUSTO DUARTE RIBEIRO
(52 anos)
Compositor, Jornalista e Radialista

* Campinas, SP (28/02/1917)
+ São Paulo, SP (16/08/1969)

Jovem ainda, interessou-se por música, formando com seus colegas do Colégio Ateneu Paulista, de Campinas, o Conjunto do Duarte, que tocava em festinhas.

Em 1934 mudou-se com a família para São Paulo, passando a trabalhar como escriturário. Ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo mas não chegou a fazer o curso, preferindo dedicar-se ao jornalismo. Dois anos depois, sua música Poesia da Uva obteve o primeiro prêmio na Festa da Uva de Jundiaí, gravada por Ciro Monteiro, em disco não comercial.

Em 1937, o Grupo X lançou em disco seu samba Brazilian Clipper, pela gravadora Columbia, e no ano seguinte, pela mesma gravadora, O Modelo de Beleza.

Em 1944 lançou a valsa carnavalesca No Tempo da Onça, gravada com enorme sucesso por Carlos Galhardo na RCA Victor. Mas seu maior sucesso foi obtido com Boogie-Woogie Na Favela, gravado por Ciro Monteiro em 1945 na gravadora RCA Victor, regravado nos anos seguintes por Zacarias e Sua Orquestra e pelos Anjos do Inferno, respectivamente.

Ainda em 1947, seu samba Bahia com H foi gravado com sucesso por Francisco Alves na gravadora Odeon.

Formou com Osvaldo Guilherme, que já conhecia há quatro anos, uma parceria que ia produzir dezenas de músicas, sendo a primeira Onde Há Fumaça, Há Fogo, gravada em 1947 por Joel e Gaúcho, tendo no outro lado do disco o sucesso Boogie-Woogie do Rato (de sua autoria). Na época, era um dos poucos compositores paulistas que gravavam no Rio de Janeiro.

Em 1950 compôs, com Raul Duarte, a toada Marrequinha, gravada por Isaura Garcia. Compôs ainda La Vie En Samba (com Blota Júnior), gravado na Odeon por Dircinha Batista (1951), a mesma cantora que lançou o baião Mambo Não (com Luiz Gonzaga), lançando no ano seguinte a marcha Grande Caruso (com Osvaldo Guilherme), grande sucesso carnavalesco, interpretado por João Dias.

Trabalhou ainda como jornalista em São Paulo, no City News, Shopping News, Diário de São Paulo (sob o pseudônimo de Ribeiro Maia) e finalmente em A Gazeta Esportiva, onde permaneceu por mais de vinte anos.

Foi produtor de rádio, televisão e discos, tendo lançado na Odeon, entre outros, Hebe Camargo e Mário Genari Filho.

Na CBS produziu o LP Brasil na Copa do Mundo (1958), com os principais gols da Seleção Brasileira e seis músicas de sua autoria e Osvaldo Guilherme: Aquarela da Vitória, Brasil, Campeão do Mundo, Copa Que Pedimos a Deus, Futebol em Tempo de Samba, Os Reis do Futebol e Vingamos o Maracanã.

O grupo Simonetti e Sua Orquestra gravou pela RGE um LP só com músicas suas, entre as quais Bahia com H, A Moda de Cavaquinho, Boogie-Woogie na Favela, Festa do Samba e Moleque Teimoso.

Morreu vítima de Leucemia na Santa Casa de Misericórdia.

Fonte: Letras.com.br, Pró-Memória de Campinas e Projeto VIP

2 comentários:

  1. Denis Brean, um dos grandes compositores de São Paulo, tem até um site em sua homenagem, www.denisbream.webs.com - grande homenagem aqui também - Parabéns, bem lembrando

    ResponderExcluir
  2. O site correto de Denis Brean está em, www.denisbrean.com ou www.denisbrean.webs.com

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!