Luely Figueiró

LUELY DA SILVA FIGUEIRÓ
(75 anos)
Cantora, Atriz e Escritora

* Porto Alegre, RS (26/09/1935)
+ São Paulo, SP (07/12/2010)

Iniciou a carreira no princípio da década de 50, integrou o elenco da Rádio Gaúcha e foi considerada como uma das melhores intérpretes do sul do país.

Tornou-se uma das pioneiras na gravação de compositores que conheceriam a consagração na década de 60 como Tom Jobim, Carlos Lyra, Ronaldo Bôscoli, Newton Mendonça e Sérgio Ricardo.

Foi contratada pela gravadora Continental lançando o primeiro disco em 1957 com acompanhamento de Rafael Puglielli e Sua Orquestra registrando o tango "Yasmin de Santa Mônica" (Haletz, Warner e Humberto), e o bolero "Quero-te Assim" (Miguel Prado e Sancristobal), ambos com versões de Carlos Américo. No mesmo ano, e também com acompanhamento da Orquestra de Rafael Puglielli gravou o samba-canção "Nasce Uma Pobre Menina" (Alberto Ribeiro e Alcir Pires Vermelho), a valsa-campeira "Quero... Quero..." (Luiz Carlos Barbosa Lessa) e "Marcelino Pão e Vinho" (Pablo Sorozabal) com versão de Ribeiro Filho. Esta última, da trilha sonora de conhecido filme da época. Atuou no filme "Casei-me Com Um Xavante", com direção de Alfredo Palácios.

Em 1958, gravou a toada "Gauchinha Bem Querer", a valsa "Olha-me, Diga-me!" (Tito Madi), o calipso "Melodie D'Amour" (Salvador e Lanjean) com versão de Milton Cristofani, e o fox-trot "Till" (Sigman e Denvers), com versão de Osvaldo Santiago.

Em 1959, gravou os xotes "Xotis do Netinho" (Vitor Dagô e Poly) e "Estou Ficando Louca" (Luely Figueiró e Guaraci Ribeiro). Gravou com a Orquestra de Rafael Puglielli os sambas-canção "Não Quero, Não Posso, Não Devo" (Dirce Moraes) e "Eu Não Sei" (Lúcio Alves). Gravou também os sambas-canção "O Relógio da Saudade" (Sérgio Ricardo) e "O Que é Amar" (Johnny Alf), além dos sambas "A Felicidade" e "O Nosso Amor" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes).

Em 1960, gravou os sambas-canção "Meditação" (Tom Jobim e Newton Mendonça), "Fim de Noite" (Chico Feitosa e Ronaldo Bôscoli), "Poema Azul" (Sérgio Ricardo), e "Se é Tarde, Me Perdoa" (Ronaldo Bôscoli e Carlos Lyra).

Em 1961, gravou pela RCA Victor com acompanhamento de orquestra, a toada "Amor Ruim" (Sérgio Ricardo) e o samba-canção "Chuva Que Passa" (Durval FerreiraMaurício e Bebeto).

Foi casada com o cantor Sérgio Ricardo com quem apresentou o programa musical "Balada", em um horário nobre na TV Continental.

Luely Figueiró não cantava mais profissionalmente, apenas em encontros comunitários, tendo aparecido pela última vez no show musical do lançamento do livro "A Era do Rádio" do pesquisador Waldyr Comegno, realizado em agosto de 2008 na Avenida São João, onde cantou ao lado de Denise Duran e Roberto Luna.

Luely Figueiró abandonou a carreira artística no final da década de 70, dedicando-se apenas à literatura espírita. Chegou, inclusive, a lançar alguns livros do gênero e se transformou em astróloga.

Faleceu no dia 07/12/2010 e foi sepultada no dia 08/12/2010, no Cemitério dos Jesuítas, no Parque Pirajuçara, em Embú das Artes, na Quadra I, túmulos 35-36-37.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!