Chico Feitosa

FRANCISCO LIBÓRIO FEITOSA FILHO
(69 anos)
Cantor, Compositor e Instrumentista

* Rio de Janeiro, RJ (01/01/1935)
+ (31/03/2004)

Em 1956, trabalhando como secretário de Vinícius de Moraes, Chico Feitosa conheceu Ronaldo Bôscoli, de quem se tornou amigo e parceiro. Atuou como assistente de produção do espetáculo "Orfeu da Conceição", de Vinícius de Moraes, tendo substituído o ator Abdias do Nascimento na montagem encenada no Teatro República, no Rio de Janeiro. Começou, nessa época, a freqüentar as reuniões de música promovidas por Nara Leão em seu apartamento.

Em 1958, trabalhou como repórter do Tablóide UH, caderno de variedades do jornal Última Hora, e participou, nesse ano, do show de bossa nova realizado no auditório do Grupo Universitário Hebraico, ao lado de Sylvinha TellesNara Leão, Carlos Lyra, Roberto Menescal, entre outros.

Ainda em 1958, teve registrado seu trabalho de compositor com a gravação de sua música "Sente" (Chico FeitosaRonaldo Bôscoli), por Norma Bengell. Em seguida, o Coral de Ouro Preto gravou "Fim de Noite", música que lhe valeu o apelido de Chico Fim de Noite. Nessa mesma época, a canção foi gravada por Dóris Monteiro.

Chico Feitosa, Normando e Tom Jobin
Em 1959, trabalhando na revista Sétimo Céu, participou dos shows de bossa nova realizados no Rio de Janeiro, como o I Festival de Samba Session realizado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e "A Noite do Amor do Sorriso e da Flor", na Faculdade de Arquitetura.

Participou do Festival da Bossa Nova, espetáculo realizado em 1962 no Carnegie Hall, em Nova York, Estados Unidos, interpretando a canção "Passarinho", de sua parceria com Marcos Vasconcelos. Ainda nesse ano, sua canção "O Amor Que Acabou" (Chico Feitosa e Lula Freire) fez sucesso na gravação do Tamba Trio.

Em 1966, gravou o LP "Chico Fim de Noite Apresenta Chico Feitosa", lançado pelo selo Forma. Dois anos depois, em 1968, começou a atuar também na produção de jingles para campanhas publicitárias.

Em 1970, sua música "Ye-me-lê" (Chico Feitosa e Luiz Carlos Vinhas) foi incluída e deu título a um disco de Sérgio Mendes.


Em 2001, gravou um volume para a coleção "Um Banquinho, Um Violão...", contendo suas canções "Fim de Noite", "Cheirinho" e "Sei" (Chico Feitosa e Ronaldo Bôscoli), "Castigo" (Chico Feitosa e Marcos Vasconcellos), além de "Conversa de Botequim" (Vadico e Noel Rosa), "Você e Eu" (Carlos LyraVinícius de Moraes), "Meditação" (Newton Mendonça e Tom Jobim), "Tristeza de Nós Dois" (Maurício Einhorn, Durval Ferreira e Bebeto Castilho), "Faceira" (Ary Barroso), "Balanço Zona Sul" (Tito Madi), "Corcovado" (Tom Jobim), "Duas Contas" (Garoto) e "Gosto Que Me Enrosco" (Sinhô).

Constam da relação dos intérpretes de suas canções artistas como Luiz Bonfá, Baden Powell, Pery RibeiroWilson SimonalTim MaiaMaysaMarisa Gata MansaAlaíde Costa, Elza SoaresMaria Creuza, Tamba Trio, Sérgio Mendes, Maria Bethânia, entre outros.

Em 2011, numa parceria do Instituto Cultural Cravo Albin com o selo Discobertas, foi lançado o box "100 Anos de Música Popular Brasileira", contendo 4 CDs duplos, com áudio restaurado por Marcelo Fróes da coleção  de 8 LPs da série homônima produzida por Ricardo Cravo Albin, em 1975, com gravações raras dos programas radiofônicos "MPB 100 Ao Vivo" realizadas no auditório da Rádio MEC, em 1974 e 1975. Chico Feitosa participou do volume 6 da caixa, com sua canção "Fim de Noite" (Chico Feitosa e Ronaldo Bôscoli), na voz de Lúcio Alves.

Chico Feitosa faleceu no dia 31/03/2004.

Indicação: Miguel Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!