Roberto Silva

ROBERTO NAPOLEÃO SILVA
(92 anos)
Cantor e Compositor

* Rio de Janeiro, RJ (09/04/1920)
+ Rio de Janeiro, RJ (09/09/2012)

Roberto Napoleão Silva, mais conhecido como "O Principe do Samba", foi um cantor e compositor carioca nascido no Morro do Cantagalo em Copacabana. Filho do chapeleiro italiano Gilisberto Napoleão com a carioca Belarmina Adolfo.

Aos seis anos de idade o pai mudou-se com a família para o subúrbio de Inhaúma. A mãe o presenteou com uma flauta, que logo foi trocada por um violão. Mas como gostava de cantar, não aprofundou estudos em nenhum dos instrumentos. Frequentava as festinhas da vizinhança, cantando músicas de Pixinguinha, Benedito Lacerda e principalmente dos cantores da época, como Sílvio Caldas, Orlando Silva, de quem teria muita influência no estilo de cantar e Francisco Alves

Aos 12 anos começou a trabalhar numa marmoraria na Rua do Matoso, depois aprendeu e exerceu outras profissões, como lustrador de móveis e mecânico. Em 1936, foi trabalhar no Departamento de Correios e Telégrafos.

Iniciou a carreira de cantor no rádio, na década de 30. Nos anos 40 realizou suas primeiras gravações, e foi do elenco da Rádio NacionalRádio Tupi. Nesta última ficou conhecido como "Príncipe do Samba", e suas interpretações são características pelo estilo sincopado e levemente dolente que encontrou para cantar samba, inspirado em dois ídolos anteriores, Cyro MonteiroOrlando Silva.

Seu primeiro sucesso, lançado pela Star, foi "Mandei Fazer um Patuá". Em 1958 veio o LP "Descendo o Morro", que teve continuações, nos volumes 2, 3 e 4. Entre seus muitos sucessos destacam-se "Maria Teresa", "O Baile Começa às Nove", "Juraci Me Deixou", "Escurinho""Crioulo Sambista", entre outras.


No total, gravou 350 discos de 78 rotações e perto de 20 LPs. Afastado das gravações nos últimos anos, teve vários de seus discos relançados em CD e em 1997 saiu a coletânea "Roberto Silva Canta Orlando Silva", extraída de seus vários LP na Copacabana.

Discípulo da escola vocal de Orlando Silva, firmou-se como um dos maiores intérpretes de samba do país, admirado por artistas como João Gilberto, Paulinho da Viola e Caetano Veloso.

Foi redescoberto por uma nova geração de sambistas neste século, após participação nos projetos "O Samba é Minha Nobreza" e "Casa de Samba", que viraram discos.

Roberto Silva conservou até o fim a elegância e a ginga, no corpo e na voz, como mostrou em um de seus últimos shows, em junho de 2011, no Instituto Moreira Salles do Rio de janeiro.

Roberto Silva era casado com Syone Guimarães da Costa e deixou sete filhos, além de netos e bisnetos. Foi enterrado na tarde de 09/09/2012, no cemitério de Inhaúma, no Rio de Janeiro.


Morte

Último representante de uma estirpe de cantores clássicos da era do rádio, Roberto Silva lutava há seis meses contra um câncer de próstata e havia sido internado no dia 05/09/2012, após sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Roberto Silva morreu em casa, após falência de múltiplos órgãos.

As primeiras homenagens públicas que foram prestadas foram feitas pelo Instituto Cultural Cravo Albin na Rádio Roquete Pinto e pelo Instituto Moreira Salles no lançamento do projeto "Monarco e Nelson Sargento Cantam a Polêmica Noel Rosa e Wilson Batista".


Um comentário:

  1. Nosso Principe do Samba hoje 09/04 - estaria completando 95 anos foi sepultado no cemiterio de Inhauma que fica ha 2 Km do Engenhão.

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!